sexta-feira, junho 30, 2006

Ruínas do Hotel Neto, em plena Vila Velha de Sintra!

(Foto de Pedro Macieira)

Quem passa pela Vila Velha, encontra do lado esquerdo do Palácio um desenquadrado imóvel , o Hotel Tivoli (como é que foi possível construir um edificio como aquele em pleno centro histórico????), um pouco à frente encontra-se o cadáver do que foi o Hotel Netto. Não conhecendo exactamente a razão que provocou o estado degradado em que se encontra, envergonha qualquer pessoa que tenha um pouco de sensibilidade, mais ainda estando Sintra, classificada como “Património da Humanidade”.

Uma notícia publicada no jornal “Público” de 17 de junho de 2006, informa que vão ser recuperados o Hotel Central e o Bristol no Centro histórico, o que é de facto uma boa notícia , não mencionando o Hotel Neto. Espero que tenha sido eu a deixar passar uma qualquer informação do mesmo tipo sobre o Hotel Neto.

Será que as obras de recuperação do Hotel Neto não podem ser candidatas também ao programa CORESSINTRA para a recuperação do edificío, como terá acontecido às obras de recuperação do edificio de José Castelo Branco, por proposta do Presidente da autarquia Sintrense?

HOTEL NETTO

A tabela de preços é de 1907. O edificio no total estado de abandono é uma imagem de ontem, da 29 de Junho de 2006! (foto de Pedro Macieira)


Algumas referências históricas sobre o Hotel Netto.

Em um artigo publicado há largos anos no Anglo-Portuguese News, referia-se ao Hotel Neto nos seguintes termos:
“O percurso entre Cascais e Sintra constitui a beautiful walk with fine panorama. The Park of Pena has many fountains, lakes, gardens and splendid collection of original vegetation. Cintra tem inúmeros atractivos para o visitante, o qual não deverá de forma nenhuma deixar de conhecer por dentro o velho Palácio Real, onde King Edward VIIth and William the second had breakfast on the hall.Tal como Lisboa, também Cintra dispõe de uma excelente gama de alojamentos. O Hotel Nunes provides hot and cold water canalised in all rooms and, the Hotel Netto, para além de ter electricidade, serves breakfast and dinners of host and caution.”

O escritor Ferreira de Castro , foi um dos hóspedes do Hotel Neto, tendo aí escrito parte da sua extensa obra, o escritor sentia-se particularmente bem neste cenário da Vila de Sintra, a sua ligação a este ambiente verdejante e tão natural que tanto inspirara a sua escrita , que em 1970, fez o pedido de ficar sepultado” à beira de uma dessas poéticas veredas que dão acesso ao Castelo dos Mouros sob as velhas árvores românticas que ali residem e tantas vezes contemplei com esta ideia no meu espírito. Ficar perto dos homens, meus irmãos, e mais próximo da Lua e das estrelas, minhas amigas, tendo em frente a terra verde e o mar a perder de vista – o mar e a terra que tanto amei”.

Falecido em 20 de Junho de 1974, Ferreira de Castro repousa na Serra de Sintra, sob um banco talhado na rocha ,numa vereda que conduz ao Castelo dos Mouros. Em plena Vila Velha de Sintra, no Casal de Santo António, situa-se o Museu Ferreira de Castro,em consequência da doação feita pelo escritor do seu espólio ao Povo de Sintra.

quinta-feira, junho 29, 2006

100 mil euros !!!!


Segundo o jornal "Alvor de Sintra " de hoje
"O casal Betty Grafstein e José Castelo Branco poderão vir a ser brindados pela autarquia com um subsídio de 100 mil euros para ajudar a pagar a recuperação da sua casa de Sintra. A ideia é de Fernando Seara que queria apresentar já a proposta formal na reunião de ontem do executivo o que acabou por não fazer para “reanalisar o processo”. No entanto, o Alvor de Sintra sabe que está marcada uma reunião de câmara extraordinária para segunda-feira que poderá ditar a sorte do subsídio ao casal."



(Foto de ruína na Praia das Maçãs.........foto de Pedro Macieira"

Praia da Adraga,Grande, Maçãs,Magoito,S.Julião com Bandeira Azul

PRAIAS DE SINTRA COM MAIS AZUL


( Praia Grande foto de Pedro Macieira)

Após vistoria ás praias foi anunciado a atribuição , de Bandeira Azul à Praia da Adraga.Praia Grande,Praia das Maçãs, Praia do Magoito e Praia de S.Julião no litoral Sintrense.

Nessa vistoria, os representantes do Parque Natural Sintra – Cascais, da Capitania do Porto de Cascais, do Centro de Saúde de Sintra, da Comissão de Coordenação de Lisboa e Vale do Tejo e da autarquia, (entidades responsáveis pela atribuição do galardão) analisaram os indicadores de qualidades exigidos pela Candidatura à Bandeira Azul.

São vários os critérios para atribuição da Bandeira Azul, como a qualidade da água, tipo de informação existente no local, segurança, instalações devidamente equipadas, para apoio aos utentes ,etc. Com o objectivo de assegurar a maior segurança na utilização das praias pelos banhistas.


VISTAS PARA O OCEANO!

(Foto de Pedro Macieira)

Ao contrário de algumas construções que somos obrigados a “enfrentar” neste litoral Sintrense, esta casa , projecto do arquitecto João Ribeiro de Carvalho dos anos 90, está bem integrada no ambiente paisagístico que a rodeia. Encontra-se numa zona rochosa, perto de uma falésia e junto ao mar, afastada o suficiente para não se tornar um “impecilho” naquele formidável cenário... das Azenhas do Mar.



Sobre esta casa :

Capa e artigo " Casa Claúdia" Agosto 1993 nº64

Artigo publicado em "Público Magazine" nº178 –1/8/93

“ Ela aparece-nos de súbito, sobre a curva. Do alto da estrada, sólida, segura, domina o mar como um navio de grande porte que navega impertubável ao tempo.Estamos nas Azenhas do Mar, velha povoação de pescadores que se desenvolveu encosta abaixo em ângulos pitorescos por vezes quase impossíveis, que desde sempre atrairam os artistas a estas paragens.na década de 30 aqui desaguavam grandes grupos de banhistas que tomavam o eléctrico em Sintra e seguiam até ao fim da linha, junto à Adega dos Chitas.”

Texto:Cristina Cordeiro e Teresa Marques

(Foto de Pedro Macieira)

O deslumbrante panorama daquele local.

quarta-feira, junho 28, 2006

"À PEDRADA!!!!!!!!"








Fernando Ruas incita a "correr fiscais à pedrada "


Segundo noticia do "Jornal de Noticias", as declarações do autarca presidente terá sido, foi feito depois do "presidente da Junta de Freguesia de Silgueiros, António Coelho (que no princípio do ano foi autuado por vigilantes de natureza e depois condenado em tribunal), se ter queixado dos serviços do Ambiente, por não terem multado uma obra clandestina feita por um particular da freguesia."
(...)
"O presidente da Câmara de Viseu e da Associação Nacional de Municípios Portugueses, Fernando Ruas, desafiou a população do concelho a "correr à pedrada" os funcionários do Ministério do Ambiente que fiscalizam e multam obras feitas pelas juntas de freguesia."

"Arranjem lá um grupo e corram-nos à pedrada", incitou Ruas, anteontem, durante uma reunião da Assembleia Municipal de Viseu."
(...)"Corram-nos à pedrada, a sério. Arranjem lá um grupo e corram-nos à pedrada. Eu estou a medir muito bem aquilo que digo", reagiu Fernando Ruas."

Como este blog tem levantado alguns reparos aos cuidados que a nossa autarquia tem com a perservação do nosso património ambiental e patrimonial , teremos que ter presente , esta nova atitude para com os “fiscais do ambiente”, sendo Fernando Ruas, Presidente da Câmara de Viseu, e da Associação Nacional de Municípios, eleito também pelo PSD...............

Jean Graton desenhador de Michel Vaillant

(montagem Pedro Macieira)

Jean Graton nasceu em França em Nantes em 1923, publicou o seu primeiro desenho aos 8 anos no jornal “Le Soir”. Entre 1952 e 1954, desenha para a revista “Spirou”. A sua primeira história “La primière Ronde” é publicada na revista Tintin em 1953, em 1957 cria a personagem de Michel Vaillant, um simpático piloto de automóveis, e até 1982 as sua bandas desenhadas são editadas pela editora Belga Lombard. Em 1982 cria sua própria editora as Edition Graton.

MICHEL VAILLANT em SINTRA

Michele Vaillant , herói da banda desenhada, criado por Jean Graton, já mencionado neste blog ,tem 2 histórias passadas em Portugal, durante o famoso Rallie Tap, que nos finais dos anos 60, e início dos anos 70, utilizava uma parte considerável das estradas sinuosas de Sintra, para gáudio de milhares de espectadores que nem sempre se portavam da forma mais correcta, pondo muitas vezes a suas vida em perigo, e dos próprios pilotos.

Essa imagem passa perfeitamente pelos desenhos de Jean Graton, retratando fielmente os cenários portugueses.A primeira história publicada em Portugal que tenho conhecimento foi no Tintin, nº16 de 13-09-69 e tinha o nome de “Rallye em Portugal”, e foi publicada em vários números como acontecia na revista Tintin nessa época, existe também uma versão em língua francesa mas com um outro título “ 5 filles dans la course!” nº19 e editado pela própria editora de Jean Graton.

A outra história em que é utilizado o cenário da Lagoa Azul para a passagem dos bólides, em que os desenhos demonstram fielmente as loucura que os espectadores praticavam para verem quase em cima dos carros os seus pilotos favoritos, criando situações de grande perigo, tem o nome de O homem de Lisboa” e foi editado pela Meriberica/Liber Editores Lda.

terça-feira, junho 27, 2006

Praia da Aguda

(Foto de Pedro Macieira, em segundo plano casa construida por Raul lino)
(Foto de Pedro Macieira)
A Praia de Aguda é sem dúvida uma das mais bonitas praias da região de Sintra muito procurada durante os meses de Verão. É sem duvida um óptimo passeio para os meses de Outono e Inverno. Deixo aqui a análise das condições locais ,publicadas no Jornal "Público".

Acesso pela estrada: Sim
Distância da estrada: 0 metros
Parque de estacionamento: Sim
Praia marítimaComprimento e largura da praia com maré alta (em metros): 200 X 12
Comprimento e largura da praia com maré baixa (em metros): 200 X 20
Areia branca
Bandeira azul: Não
Surf: Não
Windsurf: Não
Temperatura média da água no Verão: 19
Temperatura média da água no Inverno: 15
Praia vigiada/sinalizada = Não
Nadador-salvador: Não
Embarcações de patrulha: Não
Postos de vigia: Não
Praia vigiada por capitania: Não
Restaurantes na praia: Não
Restaurantes na estrada: Sim
Cafés na praia: Não
Cafés na estrada: Sim
Cabines de madeira: Não
Cabines de lona: Não
Guarda-sóis: Não
Aluguer de cadeiras: Não
Voleibol: Não
Futebol: Não
Alojamento: Não

Praia da Aguda vista do espaço

(Imagem obtida através do Google Earth)

segunda-feira, junho 26, 2006

Manifestação religiosa secular com início em Colares desde 1893.

Alfredo Keil

Alfredo keil , como já referimos foi um ilústre habitante da nossa região, a sua intenção de erigir uma ermida na Praia das Maçãs , ao lado do seu Chalet (Vila Guida), iniciou ali naquele local, em 1893, uma manifestação de carácter religioso que se denomina “Círio de Nossa Senhora da Praia” e ainda hoje de forma mais ou menos regular, a imagem da santa sai da pequena capela , sendo transportada até junto do mar. Isto vem a propósito de uma próxima manifestação religiosa marcada para o próximo mês de Julho com a denominação de- Círio do Litoral Colarense- em honra de S.Lourenço.Transcreve-se excertos de um artigo ”O Círio de Nossa Senhora da Praia”da autoria de Teresa Marques Alves, onde se analisa os aspectos e as motivações dessas manifestações seculares de índole religiosa, tradição ainda muito participada nos dias de hoje, outra festividade que tem um conceito um pouco diferente como por exemplo as festas Populares em Louvor ao Divino Espirito Santo no Lugar do Penedo , tradição também muito arreigada, nas gentes deste local, mas que ao longo do tempo em virtude de uma mudança de atitude face à faceta mais pagã da manifestação sofreu algumas alterações.


“Um círio é por definição uma manifestação religiosa de forte cariz popular que se traduz em romagens cíclicas de uma ou mais povoação, a santuários, passando por vários lugares em cortejo.
A estas manifestações de grupos de romeiros começou o povo a designar de círios porque transportavam um Círio (vela) ou tocha para pôr junto da imagem em causa.Estes Círios são manifestações essencialmente estremenhas:temos como exemplos o Círio de Nossa Senhora do Cabo Espichel, o da Nossa Senhora da Nazaré, Nossa Senhora da Atalaia,nossa Senhora da Guia, Nossa Senhora da Peninha e o Círio de Nossa Senhora da Penha de França (Lisboa).
O Círio de Nossa Senhora da Praia que nasceu em 1893, tinha início na Vila de Colares para as Azenhas do Mar .Nele também seguiam os anjos entoando loas a Nossa Senhora, em vários pontos do percurso e às portas das Igrejas.Estas loas que muitas vezes eram escritas por poetas conhecidos, eram impressas e os seus registos eram vendidos a favor do culto.O registo de Nossa Senhora da Praia era composto pela imagem da Santa, e tinha ainda versos das loas que são da autoria de Henrique Lopes Mendonça (autor dos versos da “Portuguesa”) que eram cantados segundo um tema musical da autoria do próprio Alfredo Keil.”

(Excerto de artigo”O Círio de Nossa Senhora da Praia”da autoria de Teresa Marques Alves, publicado em Jornal da Região em 13-02-2002)

O Círio de 1897

(Foto montagem de Pedro Macieira)

Registo do Círio de 1897, que António Augusto Rodrigues descreve na edição de 11 de Setembro de 1897 no jornal “O Século”

“O anno passado como o Sr.keil não tencionasse celebrar ali a costumada festa, uma comissão, de que fizeram parte todos aquélles que no mês de Setembro estavam na Praia das Maçãs e alguns cavaleiros de Collares, promoveram esses festejos, com grandiosidade tal, que conseguiu juntar ali, no dia 26 de Setembro, mais de 5000 pessoas!
Déssa festa, o que mais se admirou foi o imponentíssimo Círio de Collares à Praia.Sem o aspecto dos antigo Círios religiosos, mas com um cunho moderno, nélle se encorporavam perto de 200 cavaleiros e umas cem carruagens artísticamente enfeitadas. O deslumbrante cortejo percorreu a explêndida estrada da Praia das Maçãs, cortada por entre espessos pinheiraes, e em alguns pontos orlada de soberbos vinhedos.Tinha um bello aspecto e teve um exito admiravel.Muitas carruagens iam lindamente ornamentadas como para uma batalha de flôres.
Foi uma festa deslumbrante que todos recordam com saudade.”

domingo, junho 25, 2006

Hotel , na Quinta de Santa Theresa, em S.Pedro de Penaferrim pode violar Plano de Sintra.



Segundo jornal, Público de hoje, “ A Câmara de Sintra poderá aprovar um hotel com 80 quartos para uma quinta,(...) situada em plena zona tampão de protecção ao perímetro classificado património mundial pela UNESCO, pertencente ao conjunto das quintas históricas de Sintra."

sexta-feira, junho 23, 2006

O Chalet de Alfredo Keil na Praia das Maçãs

(Foto de Pedro Macieira)


À saida da Praia das Maçãs no sentido das Azenhas do mar, encontra ao seu lado direito, uma pequena capela e um pequeno Chalet, chamado Vila Guida. “A vila Guida , depois da casa do sacerdote António Matias del Campo e da casa e taberna de Manuel Prego é considerada a terceira edificação mais antiga da Praia das Maçãs”, segundo artigo da autoria de Teresa M.Alves.
A sua construção começou no ano de 1889, tendo terminado em 1891.Nessa data deu-se início à construção de uma pequena capela, a capela de nossa senhora da Praia, na qual a primeira missa foi dedicada à memória de Johan Christian Keil, pai de Alfredo Keil.A casa de Alfredo Keil está ainda hoje muito bem conservada, assim como a pequena ermida , mesmo ao lado da estrada que liga a Praia das Maçãs às Azenhas do Mar. onde ainda hoje se celebram manifestações religiosas .

Alfredo Keil, e o Hino Nacional

Alfredo Keil, nasceu em Lisboa em 1851 e morreu em Hamburgo (Alemanha) em 1907. Além de um grande compositor,e poeta foi também um excelente pintor. Foi na música, sobretudo, que ele obteve seu maior sucesso, havendo composto o hino nacional " A Portuguesa, “com versos de Henriques Lopes Mendonça, num momento em que Portugal mantinha sério conflito com a Inglaterra.( .O Ultimato da Inglês de 1890/mapa cor-de-rosa).Curiosamente terá sido na Vila Guida, o local onde terá sido composto o ainda actual Hino Nacional. A casa da Praia das Maçãs teve também outro ilustre morador, o editor Delfim de Brito Guimarães,poeta,ensaísta e bibliófilo de filiação republicana e maçónica, com uma grande paixão romântica pela politica que a adquiriu a Alfredo Keil (Foto de Pedro Macieira)

Fontes “O Círio de Nossa Senhora da Praia “ de Teresa Marques Alves, publicado no Jornal da Região-Sintra em 13-02-2002.
“Texto sobre Delfim Brito Guimarães da” Guimarães editores”

A VILA GUIDA da Praia das Maçãs


“O seu elegante chalet, cuja construção, principiou em Janeiro de 1889 e estava terminada em 1890 é ainda hoje (1904), a mais bella construção ali feita. Junto della fez o sr. Keil erigir uma pequena capella, sob a invocação de Nossa senhora da Praia, que um anno depois de fazia sagrar, e onde o padre D.Matias del Campo rezou a primeira missa que o sr.keil mandou celebrar por alma de seu pae.(...)desde 1883 (deve ler-se 1893), e quase sempre no último domingo de Setembro, alli se tem realizado uma festa,à qual concorrem muitos devotos dos lugares limitrophes, vendendo-se como recordação dessa festividade um registo com a imagem de Nossa Senhora da Praia, inspirada em composição do Sr.alfredo Keil (...)
in (“Cintra Pitoresca” , edição de António Cunha 1905)
(

(Foto de Pedro Macieira)

quinta-feira, junho 22, 2006

Câmara Municipal de Sintra-Pelouros sem actividade!

(foto de Pedro Macieira)

Segundo , o jornal digital -Alvor de Sintra,de 21 de Junho de 2006 -"os pelouros das Políticas de Ambiente e da Família do executivo sintrense, respectivamente da responsabilidade de Lacerda Tavares e de Luís Duque, não estão a ser exercidos por estes vereadores devido à ausência de “condições técnicas”.
(Para ler texto integral da noticia, pressionar o Título deste post)

"VIVENDA ANA" -Não faz parte do património de Sintra?

(Foto de Pedro Macieira)

A 100 metros da Nova Biblioteca de Sintra o que não devia acontecer , a “Vivenda Ana” abandonada dando uma má imagem de uma Vila , que se devia orgulhar de pertencer ao estatuto de “Património da Humanidade"

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE SINTRA

(Foto de Pedro Macieira)

Um caso que merece destaque no sentido positivo, é a recuperação de um espaço degradado que envergonhava Sintra, a instalação da Biblioteca Municipal de Sintra nas ruínas da casa Mantero. (ver foto tirada antes da recuperação),“Rio das Maçãs”, destaca este acontecimento embora a sua inauguração tenha acontecido já em Dezembro de 2003. como um exemplo que deve ser seguido na recuperação do património de Sintra, pois basta andar 100 metros para ver o que não devia acontecer , a “Vivenda Ana” abandonada dando uma má imagem de uma Vila , que se devia orgulhar de pertencer ao estatuto de “Património da Humanidade”.A intervenção da Câmara de Sintra, tem que ser imediata, antes que interesses de especulação imobiliária ,repitam o que aconteceu um pouco mais para baixo na Estefânia onde hoje existe um buraco, que envergonha qualquer transeunte, nesse caso parece que havia autorização camarária para fazer supostamente obras de restauração de antigo imóvel que também era um elemento urbanistico que já pertencia ao património de Sintra. E foi demolido , propositadamente pois , sabe-se que por estes lado parece que o crime compensa.




UMA INTERVENÇÃO POSITIVA

(foto de Pedro Macieira)

Biblioteca Municipal de Sintra na casa Mantero

A casa Mantero adquirida pela Câmara de Sintra pouco antes do 25 de Abril de 1974, quando já então precisava de uma grande intervenção para a sua recuperação, pois estava em um estado de ruína tal que praticamente todo o interior tinha desaparecido.A autarquia decidiu em 1997, no mandato de Edite Estrela, abrir concurso para transformar a casa Mantero em biblioteca , depois de projectos de outro tipo, não passarem disso mesmo.O acordo que possibilitou a assinatura do contrato-programa só foi acordado em 2000.

O palacete foi recuperado, e a inauguração das novas instalações aconteceu nos ultimos dias de 2003, o novo edificio é um projecto de Alexandre Marques Pereira que acrescentou à area do antigo palacete do século XIX , um novo edificio que entra pela quinta pela quinta situada junto à Correntesa.este novo espaço possui uma área coberta de 3500 m2 ,além de várias áres de leitura, a biblioteca detém o espólio da chamada “sintriana” que reúne oito centenas de publicações sobre a história local. Deste modo o investigadores tem ao ser dispor gabinetes onde se pode consultar as obras que tratam da história Sintrense.A biblioteca tem á disposição dos seus leitores, vários acervos, que constituem o fundo antigo da biblioteca original, com edições que remontam ao século XVI.Também a existência de áreas multimédia, e espaço de leitura de jornais e revistas, permite outro tipo de soluções de consulta e é de certeza um grande incentivo para atrair leitores mais jovens. Este novo espaço, com cerca de 60 mil títulos representou um investimento de 4,1 milhões de euros, suportados a meias pela autarquia e pelo Instituto Português do Livro e das Bibliotecas .


quarta-feira, junho 21, 2006

Monte da Lua retira pré-fabricados/bilheteiras de Monserrate e do Palácio da Pena

(Foto de Pedro Macieira)

Segundo o site "Alvor de Sintra" e depois "de muita contestação os pré-fabricados de grandes dimensões que servem de centros de apoio ao visitante na Pena e em Monserrate deverão desaparecer nas próximas semanas para darem lugar a pequenos quiosques. No Convento dos Capuchos e no Castelo dos Mouros, onde também há estruturas semelhantes, a remoção ficará para mais tarde ainda sem prazo fixado.
Os pré-fabricados, erguidos no tempo em que Paulo Serra Lopes era presidente da empresa, foram alvo de muita contestação pelas populações e por associações ambientalistas devido ao seu exagerado tamanho bem como ao alegado desenquadramento paisagístico."

(texto completo ver em" Alvor de Sintra" publicado, no Domingo, 18 de Junho de 2006 )

SINTRA-Banda Desenhada em espanhol

(Desenhos de Pedro Carvalheiro)

- Mais uma curiosidade sobre Sintra são estas pranchas de B.D. criadas por Pedro Castanheira , para uma revista editada pela Associação de Turismo de Lisboa, em 2001 "Lisboa step by step" com vista a fomentar o turismo na Região de Lisboa , mas em versão castelhana.



REGIÕES VINÍCOLAS

(Editado pela Junta Nacional do Vinho) -imagem parcial

Este mapa das Regiões vinícolas , é bastante interessante e também já com bastantes anos, pois penso que foi editado nos anos 50,mas fica aqui como uma curiosidade, especialmente , porque a região do vinho Ramisco está bem referenciada , como aliás seria de esperar.

segunda-feira, junho 19, 2006

"VINHEDOS E VINHOS"


Chegada das uvas à Adega de Colares ( não datada)
(foto retirada do site “Vila de Sintra”

Excerto de carta enviada por Rodrigo de Boaventura Martins Pereira,”Lente cathedrático da Escola Médico-Cirurgica de Lisboa” ao seu amigo Visconde de Chancelleiros em 16 de Julho de 1881:


“ (...) Se dissermos aos nossos vinhateiros que depurem bem os seus vinhos para que elles se não estraguem, respondem-nos, enchendo os bofes com todo o arreganho da sua presumpção, que a borra –a “mãe”-não faz mal ao “filho” – o vinho.

Se lhes dissermos que os vinhos limpos excusam de aguardentação para conservar-se, - replicam emphaticamente que o vinho de imbarque, sem aguardente se estraga ao passar da linha. E é tempo perdido lembrar-lhes o vinho de Collares e o Bordéus.”

( Texto retirado de “Vinhedos e vinhos” – autor: Rodrigo de Boaventura Martins Pereira, publicado em Bibliotheca do Povo e das Escolas nº117, em 1885)

O eléctrico "voador"

(Foto de Pedro Macieira)

È apenas uma ilusão visual, felizmente o “nosso” eléctrico da Praia das Maçãs, não tem nenhuma tecnologia ultra moderna , que possibilite a levitação, embora por vezes, haja uns encontros imediatos no seu percurso, gostamos dele tal com é, gostamos de dar um salto no tempo , e recuar um século sempre que ele passa por nós.

domingo, junho 18, 2006

COLARES , PATRIMÓNIO DA HUMANIDADE?

(Foto de Pedro Macieira)

Mistério da estrada de Sintra II

Ainda a questão de Sintra Património da Humanidade, e Colares? Como é que se constrói uma Mansão, em uma zona protegida do Parque Natural Sintra Cascais, sob embargo Camarário durante os ultimos 4 anos, com decisões judiciais a favor da reposição da legalidade, com Presidentes da Câmara do PS., Edite Estrela, com o actual Presidente Fernando Seara do PSD, ocupado com o seu projecto da “Casa das selecções” já no seu segundo mandato, com Parque Natural Sintra Cascais “distraido” e com os vários movimentos ecologistas calados?


Quantas Mansões Palacianas será necessário construir para que se reponha a legalidade, e nessa altura será tarde demais. Então será preciso alterar mais uma vez o malfadado PDM..............para tornar “legal”?


SINTRA - PATRIMÓNIO DA HUMANIDADE?

(Foto de Pedro Macieira)
PRAIA DAS MAÇÃS; ONTEM , 17 de Junho de 2006!
-Uma imagem vale mais......................................

Sintra: Unesco quer Património da Humanidade com auto-gestão


A Unesco recomenda a criação de uma estrutura independente para a gestão da paisagem cultural de Sintra, classificada como Património da Humanidade, no mais recente relatório elaborado por aquela organização das Nações Unidas.

O relatório da última visita de uma missão da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura a Sintra, entre 22 e 25 de Março, a que a Lusa teve acesso, conclui que «uma entidade específica (Task Force para Sintra Património da Humanidade) deve ser fundada e financiada» com o objectivo de elaborar um plano de gestão abrangente.
(...)A Unesco recomenda a sincronização entre o PDM e o plano de gestão assim que um novo PDM entre em vigor, em 2010.
(...)
O relatório considera que «a luta contra a urbanização massiva é certamente a mais difícil questão que os responsáveis pelo Património Mundial de Sintra terão de resolver nos próximos anos».

O documento sublinha a necessidade de restaurar o challet da Condessa de Edla e o interior do Palácio de Monserrate e critica a ausência de um serviço de aconselhamento aos proprietários privados de parques e edifícios de grande valor.

O controlo de plantas invasoras, nomeadamente as acácias, e a conservação e restauro de muros são outras recomendações da Unesco.

«As estradas de acesso aos parques e palácios são estreitas e serpenteantes com pouco espaço para estacionamento nas entradas dos parques», refere o relatório.

A Unesco recomenda que seja prestada especial atenção à criação de parques de estacionamento atractivos com pequenos autocarros «shutlle» que previnam engarrafamentos no futuro.
São também criticados os pavilhões pré-fabricados existentes em alguns parques, nomeadamente no da Pena, cuja demolição foi anunciada pela Parques de Sintra, Monte da Lua, dia 07 de Junho.

O relatório elogia o estado de conservação do Palácio da Vila e da Pena, do Convento dos Capuchos, da Quinta da Regaleira e as obras exteriores em Monserrate.

A reabertura do eléctrico que liga Sintra à Praia das Maças também recebe nota positiva.
(...)
-para visualizar texto completo pressionar o título deste post.
(Publicado em Sapo News/Diário Digital/Lusa

Hotéis na Villa de Cintra






Publicado hoje no jornal "Público"(17/06/2006), no caderno " Público Local" ,a noticia de que ",os antigos hoteis Central e Bristol, no centro histórico de Sintra vão reabrir após obras de requalificação que já estarão a decorrer, segundo afirmou o vereador com o pelouro do Turismo na Câmara de Sintra."

Rio das Maçãs, publica como curiosidade a relação publicada em 1907 , com o preçário dos Hóteis existentes em Sintra na época.........

(Fonte:Guia do viajante em Portugal e suas colónias em africa-publicado em 1907)

sábado, junho 17, 2006

Censo Populacional II -Galamares em 1758

(Foto de Pedro Macieira)

Em complemento da informação do Rio das Maçãs , sobre o número de habitantes de algumas freguesias de Sintra, chegou-nos a informação , através Fernando Morais Gomes de que “segundo as Memórias Parochiais de 1758 Galamares tinha 9 fogos e 41 habitantes” dado importante que complementa a sumária informação que foi publicada sobre este assunto.

CASA BRANCA DE RAUL LINO HOJE!


Bem conservada, encontra-se hoje a casa idealizada em1920, por Raul Lino, no alto das Azenhas do Mar, em todo o seu esplendor .

(Foto de Pedro Macieira)

A Exposição do Centenário -Raul Lino


A exposição itinerante "Raul Lino - Cem Anos Depois", produzida em 2003 para assinalar o centenário das primeiras casas concebidas pelo arquitecto.

"Raul Lino Cem anos Depois,inaugurada No Museu
Machado de Castro, no âmbito da Coimbra 2003-Capital nacional da Cultura "

A CASA BRANCA DE RAUL LINO

(Colagem e Fotos de Pedro Macieira)
A Casa Branca , nas Azenhas é talvez a obra mais supreendente do arquitecto Raul Lino, (1879-1974), uma casa que para mim é uma referência desde sempre e que me motivou a fazer um trabalho de composição (colagem), com base em fotografias que eu próprio tirei no local, há muitos anos ,e imagens coladas. A Casa Branca, construída em 1920 enquanto residência de férias para seu próprio uso, e por esse motivo sem grandes exigências de projecto, a casa tem uma estrutura simples e denota alguma austeridade tanto no espaço interior como na sua imagem exterior.
Segundo Ana Vaz Milheiro, em artigo publicado no Público em 15 de Julho de 2003 -“A Casa Branca é provavelmente uma das suas melhores realizações, porque Lino , não foi obrigado a manipular programas domésticos demasiados exaustivos, que constituiam normalmente a encomenda típica da burguesia para quem trabalhava.
O imaginário da Casa Branca é o da Arquitectura popular portuguesa – ou melhor o modo como Raul Lino viu a tradição popular – e que se transformou numa das marcas que o seu percurso imprimiu ao longo da primeira metade do século arquitectónico português.”

Ainda hoje tantos anos depois a Casa Branca é uma referência para a s Azenhas do Mar,com a sua localização e principalmente pelo branco da sua imagem que contrasta com o verde e azul que a envolve.

sexta-feira, junho 16, 2006

Senso populacional do Penedo e Vila de Colares em 1527!

(Foto de Pedro Macieira)

Habitantes de Colares em 1527
O primeiro documento com a primeira referência documental acerca do Penedo. Data de 19 de Setembro de 1527 e faz a relação dos moradores da vila de Colares e seu termo”:A vila de Colares tem no corpo da vila 78 vizinhos, destes sam 5 escudeiros e 2 clerígos, e o mais he povo.
Titulo do termo desta vila :Aldea da Bemposta tem 47 vizinhos, Aldea do Penedo com as Azenhas, 34. Aldea do Covão,17 -Aldea do Mucifal ,27 – a quintã do Mourato de Dona Joana dÁzevedo (?), 1 vizinho(...)

Num documento do século XVIII (1758) constatamos que o número de moradores do Penedo aumentou consideravelmente mantendo a importância que já detinha no termo da Vila de Colares"(...)há mais quatro [acenhas] na Ribeira do Valente junto ao lugar do Penedo(...).

(excerto de artigo de autoria de Teresa Marques Alves publicado em Jornal da Região 10/07/2001)

Feira no Largo da Igreja Matriz de Colares

Nos últimos sábados dos meses de Junho, Julho, Setembro e Outubro vai realizar-se, no Largo da Igreja Matriz de Colares, uma feira com o objectivo de dinamizar o Centro Histórico de Colares.
Esta feira irá contar com bancas de alfarrabistas, artesanato, vinhos regionais, produtos de agricultura biológica e muita animação.Trata-se de uma iniciativa conjunta da Câmara Municipal de Sintra e da Junta de Freguesia de Colares, a realizar-se nos dias 23 de Junho, 29 de Julho, 30 de Setembro e 28 de Outubro, das 11H00 às 23H00.
(Fonte Homepage da CMS)
(Foto de Pedro Macieira)





COLARES

(foto de Pedro Macieira)
Viagem a Colares em 1907

“Tornando á estrada , segue para Collares, formosa villa por onde corre o rio das Maçãs, situada sobre duas collinas, tendo , no valle, a encantadora varzea. Dista de Cintra 6 kilometros.
Doada por D.João I, ao condestável D.Nuno alvares Pereira, foi passando aos diversos descendentes , ficando por ultimo patrimonio da Casa Real.
A varzea que se segue desde a Ribeira até ao Oceano, é rica de vegetação, tendo uma grande profusão de árvores de fructo e para terrenos de vinha.A sua perspectiva é deliciosa, e para a gosar, segue-se rio abaixo, n’um elegante barquinho, sob uma verdura, d’uma aragem fresca”
Excerto do Guia do Viajante em Portugal e suas Colonias em africa –(Empresa Nacional de Navegação) publicado em 1907

Colares e o Vinho Ramisco

COLARES é desde o início do séc.XX , uma região vitivinícola com o estatuto de Região Demarcada, concessão feita por D.Manuel II. Em 1931 foi fundada a Adega Regional de Colares .A casta caracteristica e dominante que produz o inimitável vinho de Colares é o Ramisco, que actualmente tem três variantes: o «ramisco» tinto;o «chão rijo» e o «chão risco» encontra-se também outras castas tintas , como Parreira Martias, Parreira da Velha, Molar, Tinta Míuda e Santarém, e as castas brancas Malvasia, Boal, Jampal e Arinto.

(adaptado do Roteiro Turístico de Colares –Junta Freguesia Colares)


Passeio a Sintra em 1907

(foto de Pedro Macieira)

“Á sahida da estação, entra-se na villa Estephania.
A estrada que conduz á villa de Cintra , é de bom piso, e adornada de boas vivendas e jardins, desfructando-se encantadores valles e outeiros , com abundante arvoredo e elegantes habitações. O trajecto póde ser feito a pé , sem maior fadiga visto a distância a percorrer, ser unicamente de um Kilometro; no entanto , ha serviço permanente de carruagens e carros eléctricos , sendo o preço da viagem nos eléctricos de 20 réis.”

(excerto do Guia do viajante em Portugal e suas Colonias em Africa-Empresa nacional de Navegação , 1907

quinta-feira, junho 15, 2006

quarta-feira, junho 14, 2006

Sintra e os poetas (Ingleses)


Lorde Byron , notável poeta inglês, chamou-lhe um “Eden Glorioso” (Glourious Eden) ,Southey, também distinto poeta inglês disse: “O mais abençoado lugar no mundo (the most blessed spot in the habitable globe)., já em 1859 quando da visita de um outro poeta inglês , o laureado Alfred Lord Tennyson , no seu diário de viagem descrevia as sua impressões sobre Sintra, “Á tarde viemos para aqui a viagem foi fria e a região é secca , amarellada e inteiramente desinteressante. Cintra deu-me á primeira vista uma decepção, e talvez continuasse a produzir o mesmo efeito, comquanto possa parecer muito agradável aos olhos meridionais, pelo contraste que os seus bosques de arvores de folha permanente formam com o aspecto crestado. Subi com Grove á Pena , um castello de aspecto mourisco no alto do monte.Andam a restaura-lo; tem portadas revestidas de azulejo, que me fazem lembrar as da edição illustrada das Mil e uma noites de Lane.”
(gravura publicada em Illustração portuguesa VI Volume 20 de Julho de 1908)

terça-feira, junho 13, 2006

Almoçageme e os vinhos Ramisco


A aproximação do fim do século XIX e com o desenvolvimento trazido pelo Fontismo teve também em Almoçageme a sua influência . Embora tenha sido através da Viúva Gomes que o vinho de colares se tornou conhecido no mundo inteiro e nomeadamente no Brasil, outras firmas comercializaram o vinho de Colares cujos os principais produtores eram os lavradores de Almoçageme (in Cem anos de vida e História da Sociedade recreativa e musical de Almoçageme ,1992)

Mistério na estrada de Sintra

(foto de Pedro Macieira)
Desapareceu ofício sobre palacete de antigo Presidente de Sintra

Desapareceu um pedido de orientação remetido em 2004 pelo Parque Natural Sintra-Cascais (PNSC) à Secretaria de Estado do Ambiente e que solicitava indicações sobre a tentativa de legalização de um palacete construído em Colares pelo antigo Presidente da Câmara de Sintra, João Justino.
( Segunda-feira, 12 de junho de 2006 ) in Alvor de Sintra

O eléctrico da Praia das Maçãs tem 102 anos!


O eléctrico de Sintra completa em 2006, 102 anos da sua chegada às Azenhas do Mar, surgindo nessa altura como um meio de transporte inovador, desempenhando um papel importante no desenvolvimento e progresso das diversas povoações que servia.Hoje e após a sua reactivação é um elemento já habitual da nossa paisagem, e que nos transporta para um realidade quase impossivel de encontrar nos nossos dias , mas que felizmente para todos nós se conseguiu preservar.
(Fotos autoria Pedro Macieira)

segunda-feira, junho 12, 2006

A caminho do Penedo

(Foto de Pedro Macieira)

COLARES NA BANDA DESENHADA




Jean Graton o desenhador da BD Michel Vaillant iniciada em 1957,esteve em Portugal na altura do Rally Tap , não deixou de colocar imagens de Sintra, aqui uma imagem conhecida de todos habitantes e viajantes por estas paragens a passagem por Colares em direcção ao Penedo.


Mucifal já não tem Parque Infantil!

Coisas “estranhas” fazem que em 2006 o Mucifal, tenha perdido um espaço público, que existia desde que eu me lembro, era um parque infantil era um acesso tipo rotunda ,hoje está a nascer uma bonita muralha que deve ser a menina dos olhos dos seu donos.......
(Foto e texto de Pedro Macieira)

domingo, junho 11, 2006


Tabela de preços do eléctrico da Praia das Maçãs em 1907, ainda pertença da "Cintra ao Oceano" e mais tarde Sintra Atlântico.......................