terça-feira, outubro 31, 2006

Incêndios florestais na serra de Sintra -Balanço positivo

(Foto:Pedro Macieira)
A preservação da floresta na serra de Sintra é uma preocupação constante deste Blog.Sobre este tema, já publicámos vários posts.
Este ano os resultados positivos, em número de incêndios deve-se sobretudo a um sistema bem coordenado mas que terminou em 30 de Setembro, data oficial do fim de época de incêndios.
Para balanço da época de incêndios de 2006 ,PNSC,DGRF,Protecção Civil e C.M.Sintra reuniram-se e deste encontro surgiram várias conclusões sobre os resultados positivos alcançados este ano.

Balanço da época de fogos florestais que terminou a 30 de Setembro:
Julho, Agosto e Setembro registaram-se 631 ocorrências, arderam 85 hectares sendo que apenas três corresponderam à serra de Sintra.
A área ardida representou menos de 90% do valor registado no ano mais negativo, o de 2000 em que foram consumidos 836 hectares. Resultado da cooperação na prevenção e vigilância,do PNSC,DGRF,autarquias de Sintra e Cascais, corporações de bombeiros, efectivos policiais e forças armadas, as quais asseguraram a vigilância nocturna, disponibilizaram os meios necessários ao sucesso da temporada de fogos florestais.-também contribuiram para estes resultados segundo Carlos Mata responsável pela protecção civil de Cascais.“a abertura e manutenção de caminhos florestais;o dispositivo de vigilância e alerta colocado no terreno, com realce para os postos de vigia fixos (Alcoitão,Nafarros e Pedra amarela, permitindo a detecção oportuna dos incêndio florestais e os meios de primeira intervenção.”

Parque Natural de Sintra–Cascais (PNSC)e a Direcção dos Recursos Florestais (DGRF), vão implementar medidas , com a utilização da técnica de fogo controlado no sentido de reduzir a carga térmica que existe na floresta da serra de Sintra.Esta experiência vai ser desenvolvida na Peninha em terrenos do PNSC.Previsto está igualmente o aproveitamento dos resíduos florestais.

Post relacionados:
-O exército combate fogos em Sintra-pressionar
-Uma nota positiva-pressionar
Fonte:"Jornal Regional Sintra "de 24 a 30 de Outubro 2006 (Fogo controlado no Parque Natural)

segunda-feira, outubro 30, 2006

METEOROLOGIA

Temperaturas máximas e mínima hoje -23º e 20º
Fonte :Instituto de Meteorologia

QUEIMADA NA SERRA DE SINTRA!!!!!




Já não haverá riscos de incêndio???
Hoje às 17H20m, Serra de Sintra, Colares.

-Desde sexta-feira, (3ºdia) com temperaturas altas, sem ter chovido...........










Fotos:Pedro Macieira

The Gift, no Centro Cultural Olga Cadaval


É hoje lançado um novo trabalho dos The Gift, “Fácil de Entender” (dois CD e um DVD gravados ao vivo em Loures).A Primeira apresentação ao vivo será no Centro Cultural Olga Cadaval no dia 10 de Novembro.

Página da Internet The Gift-pressionar

domingo, outubro 29, 2006

25 anos da Associação de Defesa do Património de Sintra




A Associação de Defesa do Património de Sintra (ADPS) ,na comemoração dos 25 anos da sua criação , organizou um debate no Palácio de Valenças no dia 17 de Outubro com intervenção de vários especialistas ligado ao património.A presidente das ADPS, Adriana Jones na intervenção de abertura deixou algumas pistas para todos aqueles que tem alguma participação na preservação do património Sintrense monumental e florestal, que trancrevemos a partir de um artigo publicado no “Jornal da Região Sintra” de 24 a 30 de Outubro de 2006.

-“É na defesa dos nosso valores que Sintra irá buscar mais- valias para o seu desenvolvimento.è necessário preservar os saberes, os frutos tradicionais, a paisagem.Sem isso não existirá turismo, nem qualidade de vida no concelho.”

-“A construção não pode continuar galopante.Vai destruir a qualidade de vida das pessoas e o património.”

-“A limpeza da Serra de Sintra e a conservação e manutenção após limpeza.Sem essa acção, tudo o que existe na serra, flora e o edificado, está em perigo.”
-A existência de “mecanismos como a ADPS na sociedade civil, que servem de alerta para aqueles que têm de decidir.”

Página da ADPS-pressionar

Foto:Pedro Macieira

sábado, outubro 28, 2006

Passeio pedestre organizado pela Alagamares

Realizou-se hoje um interessante passeio pedestre organizado pela Alagamares subordinado ao tema :"O presente e o futuro do litoral Sintrense, da Praia das Maçãs às Azenhas do Mar".Guiado pelo escritor e director do Jornal de Sintra João Rodil e pelos arquitectos Jorge Borges e Nuno Oliveira , contou com uma vasto número de participantes , que tiveram a sorte de estar um dia de autêntico verão.
As explicações dadas por João Rodil homem da terra, cheias de pormenores foram importantes para o melhor conhecimento daquela zona tão rica em factos históricos , e também pela relação que a cultura da vinha e a produção do vinho Ramisco teve no seu desenvolvimento, ainda hoje presente com adegas em actividade naquela zona.


Fotos :Pedro Macieira

sexta-feira, outubro 27, 2006

O CHALET DA CONDESSA E SINTRA PATRIMÓNIO MUNDIAL DA HUMANIDADE!

MISSÃO: CHALET DA CONDESSA
Hoje volto a publicar um texto que em conjunto com o Blog Alagablogue toca num assunto que é um escândalo, nesta Sintra Património da Humanidade :
O estado em que estão as ruínas do que foi o Chalet da Condessa d'Edla, destruído por um incêndio em 1999, e que até hoje continua sem qualquer intervenção para a sua recuperação.Deste modo pretende-se refrescar as memórias dos responsáveis por esta situação , e sensibilizar o maior número de leitores, de forma a criar alguma pressão,para que não caia no esquecimento esta vergonha, para Sintra para Portugal e para o Mundo.

Elise Hensler de origem suíço –alemã , nasceu a 22 de Maio de 1836 em La Chaud-de-Fonds. Estudara em Paris e já tinha actuado no Scala de Milão quando chegou a Portugal integrada na Companhia de Ópera de Laneuville para actuar inicialmente no Teatro S.João no Porto, a seguir actuou no S.Carlos em Lisboa, (1860 ) com 24 anos. Encontrando-se na plateia D.Fernando II (Príncipe de Saxe-Coburg-Gotha perdeu-se de amores pela bela cantante.D.Fernando II “rei-artista”, viúvo de D.Maria II, Rei-regente, uma vez que D.Pedro ainda era menor. Casa com Elise d’Edla em 1869 concedendo-lhe o título de Condessa d’Edla, (Região da Alemanha) casamento que dividiu a nobreza. Preconceitos derivados da origem da nova Condessa e também por ser cantora de ópera
O Casal refugia-se em Sintra onde D.Fernando II tinha comprado em hasta pública o Mosteiro da Nossa Senhora da Pena, abandonado e em ruínas,e outros monumentos para recuperar.Em 1841 D.Fernando decidiu construir um castelo de sonho romântico, ao estilo de Luis II da Baviera.
Desta decisão nasceu Palácio da Pena, e a reconstrução do Castelo dos Mouros . Também desenhou uma envolvente botânica, reflorestando e plantando muitas árvores exóticas trazidas expressamente das colónias, e importando espécies da América e da Europa.Criando um bosque (Parque da Pena)com caminhos e locais para descanso dos visitantes, com fontes e lagos.D.Fernando II era uma apaixonado pela botânica, e a ele e também á cumplicidade da Condessa se deve o actual património florestal da serra de Sintra.
Com o objectivo de terem um a residência separada do Palácio da Pena onde FernandoII vivia , mandaram edificar a casa do Regalo e mais tarde Chalet da Condessa, edifício hoje parcialmente destruido por um incêndio em 1999.Com a morte de D.Fernando II, em 1885 rebentou novo escândalo, pois por testamento D.Fernando II , tinha legado todo os seus bens incluindo todos os monumentos de Sintra a sua mulher (Castelo dos Mouros e Palácio da Pena).D.Carlos I, filho de D.Luis recupera em 1889 para o Estado Português os dois monumentos , pagando uma indemnização à Condessa.A Condessa abandona Sintra e foi viver com uma sobrinha Alice, que mais tarde se veio a verificar ser sua filha .(mistério nunca desvendado).*

Elise Hensler, sendo uma pessoa com bastante cultura, e interessada pelas artes e pela botânica colaborou com o marido em todos este projectos que ainda hoje , temos o prazer de usufruir, (Parque da Pena),dedicou-se com D.Fernando ao mecenato apadrinhando inumeros artistas entre eles Columbano e Viana da Mota.Elise Hensler faleceu com 92 anos no dia 21 de Maio de 1929 em Lisboa.Em Agosto (Outubro)de 2006, o Chalet espera ainda reconstrução, mesmo com estranhas manobras de recolha de receitas através da utilização da Tapada do Mouco pela TVI, para o “reality Show” 1ª Companhia, que não correu bem especialmente para a serra de Sintra. Elise Hensler mereceria de Sintra um melhor tratamento, e que não fosse à custa de abate de árvores que o seu Chalet alguma vez seja reconstruído.

Notas* Génea Portugal , regista como filha do 2ºcasamento Alice Hensler

Post relacionado:
Memória descritiva do Chalet da Condessa e Palácio da Pena-pressionar

quinta-feira, outubro 26, 2006

Inauguração da sede da Associação de Idosos,Pensionistas e Reformados do Mucifal

De hoje a 5 de Novembro decorrem várias festividades ,por motivo da inauguração da nova sede da Associação de Idosos, Pensionistas e Reformados do Mucifal, este novo local será de certeza um importante local de convívio e ocupação de tempos livres para todos os idosos e reformados do Mucifal .

Fotos:Pedro Macieira

quarta-feira, outubro 25, 2006

Noite de temporal afecta o distrito de Lisboa,Santarém,Leiria,Coimbra e Castelo Branco

O aumento do caudal do rio das Maçãs hoje.Consequência das fortes chuvadas desta noite (Foto:Pedro Macieira)

Os distritos mais afectados pelo mau tempo foram Lisboa, Santarém, Leiria, Coimbra e Castelo Branco revelou uma fonte do Serviço Nacional de Bombeiros e da Protecção Civil, indicando que os bombeiros receberam cerca de meio milhar de pedidos de ajuda para acudir a inundações domésticas e nas vias públicas. Durante a noite de ontem e madrugada desta quarta-feira, há ainda o registo de mais de duas centenas de árvores caídas e dezenas de deslizamentos de terra. Só na região de Lisboa, entre as 22h20 de ontem e as 06h30 de hoje, os bombeiros receberam mais de 160 pedidos de ajuda.
Também Sintra foi fustigada durante toda a noite por este temporal, durante o dia de hoje o Serviço de Meteorologia, prevê melhoria das condições do tempo.

terça-feira, outubro 24, 2006

Marketing da Adega Regional de Colares em 1938

Reprodução de página de"O Vinho de Colares"
Numa reimpressão de “O Vinho de Colares” edição da Adega Regional de Colares de 1938 , feita pela C.M.Sintra encontramos uma obra muito interessante e um grafismo da época, que demonstra o cuidado com a imagem que o vinho de Colares já teria para os produtores nessa altura.
Transcreve-se um texto publicitário sobre o vinho de Colares:

O Vinho de Colares é vinho com corpo, alma e perfume.
É o vinho da mais linda cor rubi, quando novo, e de cor acastanhada, ou casca de cebola velha, quando antigo.
Antes de o beber deve, através do copo, contemplar-se a sua linda cor e aspirar-se o seu rico perfume.
Num trago delicado é agradabilíssimo por toda a boca; o sabor e o perfume mixto de amêndoas e violetas dispersa-se estimulando o paladar.
O Vinho de Colares é um vinho servido nas refeições não embota o gosto apurado para o vinho do Porto; o vinho branco servido com o peixe, o vinho tinto acompanhando entradas de carne, ou de caça, não estraga, não torna insensível, nem enfraquece a sublimidade receptiva daquele vinho fino do Douro.
Pela delicadeza da sua composição e perfume não convém deixá-lo na garrafa de um dia para o outro.É finalmente um vinho para apreciadores , para os que sabem beber, para os que tem o sentido gustativo,refinado e distinto
.

Rótulo Collares Burjacas de J.Gomes da Silva Júnior

Posts relacionados:Caves Visconde de Salreu-pressionar
Ode ao Vinho Ramisco -pressionar
Vinhedos e Vinhos - pressionar
Almoçageme e o Vinho Ramisco-pressionar
A Fundação Oriente e o vinho de Colares-pressionar

segunda-feira, outubro 23, 2006

IC19-IC16-IC30

Depois do anúncio do alargamento do IC19 até Ranholas,surge a informação da concessão e exploração rodoviária da Grande Lisboa ganha pela Mota-Engil. A concessão (que ainda está em análise final para atribuição da adjudicação definitiva) integra a construção dos lanços da auto-estrada do IC16, entre Loures e Belas (CREL), e do IC30, entre Alcabideche e Ranholas (IC19), assim como a exploração de conjuntos vários associados na área metropolitana norte de Lisboa.

Como estas empreitadas vão levar alguns anos , vamos ver se a “crise” não vai alterar estes planos, por agora só no papel

domingo, outubro 22, 2006

Túnel do Rossio sem solução após 2 anos de obras.

Faz dois anos que o túnel do Rossio fechou para obras.Depois do recente episódio do consórcio Teixeira Duarte/Epos ter alargado o término da obra para 2011, o que provocou a rescisão por parte da REFER do contrato de adjudicação no valor de 31,7 milhões de euros por incumprimento contratual.
Por sua vez a Teixeira Duarte pretende impugnar a decisão em tribunal.

Aguarda-se os próximos episódios, esperando que o segundo classificado atrás da Teixeira/Duarte/Epos o também consórcio Mota Engil/Ferrovias/Zagote ocupe o lugar do consórcio despedido. Entretanto mais de 200 mil passageiros e centenas de comerciantes continuam prejudicados pelo fecho deste túnel, acesso de grande importância ao centro de Lisboa e o término principal da Linha de Sintra.

Posts relacionados.
-Sem luz ao fundos dos túneis –pressionar

-O consórcio Teixeira Duarte/Epos, a REFER e os utentes da CP sem ver passar os combóios .....pelo túnel.-pressionar

sábado, outubro 21, 2006

Tertúlias no Hotel Lawrence's

O Expresso de hoje , no caderno de Economia, uma notícia sobre tertúlias no Hotel Lawrence’s na Vila de Sintra, ilustre Hotel reconstruído à poucos anos e segundo reza a história, preferido por Lord Byron e por alguns dos mais célebres escritores portugueses do século XIX, e sendo segundo um ranking de antiguidade ,o mais antigo da Península Ibérica .Informa o Expresso ,que vai iniciar-se um ciclo de tertúlias mensais garantindo a “participação de figuras públicas de destaque”, em que 10% das receitas revertem a favor de uma ONG.A Justiça é o tema da primeira tertúlia e vai ter lugar a 16 de Novembro,com a presença do advogado João Nabais como orador.Preços pouco mobilizadores nestes tempos de crise: 38.50Euros pelo jantar e 25 Euros pela tertúlia, e irá reverter (1o%)a favor da Oikos.

Saber mais sobre o Hotel Lawrence's -pressionar

sexta-feira, outubro 20, 2006

A segurança na Linha de Sintra,ou a falta dela.

Estação da CP de Sintra- (Foto:Pedro Macieira)

Manchetes dos últimos dias na comunicação social refletem a existência de um grave problema na linha de Sintra.A segurança.

Diário de Noticias
Utentes queixam-se de insegurança na Linha de Sintra e exigem polícias
autoria:Daniel Lam
“Três organizações juntaram-se ontem à porta da estação dos comboios de Sete Rios, em Lisboa, para denunciar que a insegurança e a criminalidade "estão a aumentar" na Linha de Sintra e exigir o reforço policial "com agentes da PSP, porque os seguranças contratados pela CP não têm meios nem autoridade para intervir de forma eficaz". Para isso, decidiram pedir reuniões com os ministros que tutelam os transportes públicos e os polícias.Segundo afirmou ao DN o porta-voz da Comissão de Utentes da Linha de Sintra, Rui Ramos, "aumentaram os problemas nesta linha, com roubos e agressões, tanto nas estações como dentro dos comboios".

Alvor de Sintra

Sindicatos e utentes reclamam contra insegurança nos comboios na Linha de Sintra
Sindicatos da polícia, dos ferroviários e utentes da linha de Sintra anunciaram ontem que vão pedir audiências aos ministros da Administração Interna e Transportes para reivindicar medidas contra o alegado aumento da insegurança nos comboios.
( Quinta-feira, 19 de Outubro de 2006 )

Alvor de Sintra

CP nega aumento de insegurança nos comboios e falta de polícia
A CP negou ontem que se registe um aumento da insegurança na Linha de Sintra, contrariando acusações feitas pela comissão de utentes e por sindicatos dos ferroviários e da polícia.
( Quinta-feira, 19 de Outubro de 2006 )

Conclusão:
Lembramo-nos de uma história passada à pouco tempo em que um passageiro da linha de Sintra ganhou em tribunal o direito de ser indemnizado pela CP, por o seu telemóvel ter sido roubado num comboio depois de ter comprado o seu bilhete e ser obrigação da CP vigiar para que aos seus passageiros não sofram riscos desse tipo dentro da área da sua exploração.Será um caminho a seguir pelos utentes da CP, a responsabilização da entidade que presta o serviço pelo qual pagamos que tem de assumir as responsabilidades e dar as garantias necessárias aos passageiros para que eles se sintam tranquilos e seguros.

quarta-feira, outubro 18, 2006

FRASE DO DIA!


O secretário de Estado Adjunto da Indústria e da Inovação, António Castro Guerra, declarou que «a culpa» do aumento de 15,7% da electricidade para os consumidores domésticos em 2007 é do consumidor, porque esteve vários anos a pagar menos do que devia.
«São os consumidores que devem este dinheiro. Não é mais ninguém», referiu o secretário de Estado à TSF, adiantando que foi o consumidor «quem mais consumiu tarifas no passado».


Foto retirada do site :Milonga Media

Números do OGE para Sintra


Do Jornal digital Alvor de Sintra retiramos alguns dados sobre Sintra, do OGE, apresentado ontem:

"O Governo liderado por José Sócrates reserva 2,1% do bolo total de investimento do PIDDAC para Sintra, ao nível do distrito de Lisboa. O concelho de Lisboa desfruta de 323 511 763€ = 63%, seguido do concelho da Amadora com 12 249 580€ = 2,4 %, do concelho de Cascais com 11 234 030 = 2,2% e Sintra com com 10 918 225€, ou seja, 2,1% do PIDDAC previsto para o distrito de Lisboa.
Em comparação com o ano anterior, Sintra passa de 8 314 579€ do ano anterior para 10 918 225 €. Um aumento cifrado em 23,85%."


PIDDAC – 2007 – Quadro Resumo para Sintra
Infra-Estruturas e EquipamentosProg/Medida: P003/M001Centro de Emprego - 35,600€
Infra-Estruturas e EquipamentosProg/Medida: P003/M001Centro de Formação Profissional de Sintra – 82,000€
Infra-Estruturas e EquipamentosProg/Medida: P003/M001Centro de Reabilitação Profissional – Alcoitão/Ranholas – 25,940€
Requalificação e Desenvolvimento UrbanoProg/Medida: P018/M001CM de Sintra: Componente 2 da Polis Medida 1 do Desp.Normativo – 935,246€
Sistema Judicial Prog/Medida P008/M003Construção do Tribunal Judicial de Sintra – 50,000€
Requalificação e Desenvolvimento UrbanoProg/Medida: P018/M001Contrato Programa – CacemPolis – Soc. Para o Desenvolvimento do Polis do Cacem, SA – 1,046,535€
Redes CulturaisProg/Medidas: P020/M005Câmara Municipal de Sintra – 6,000 €
Ensino Básico – Secundário Prog/Medida: P011/M001EB 2,3 Colaride (Criação) – 1,000€
Ensino Básico – Secundário Prog/Medida: P011/M001EB 2,3 Fitares (Criação) – 5,000€
Ensino Básico – Secundário Prog/Medida: P011/M001EB 2,3 Sarrazola – 155,000€
Ensino Básico – Secundário Prog/Medida: P011/M001EB 2,3 Sarrazola (Substituição) – 2,109,387€
Sistema Prisional Prog/Medida: P008/M004EP Linhó – 700,000€
Ensino Básico – Secundário Prog/Medida: P011/M001ES Matias Aires (Pav. Desportivo) – 5,000€
Sistema Prisional Prog/Medida: P008/M004Estabelecimento Prisional de Sintra – 30,000€
Integração dos Corredores Estruturantes do Território na Rede Transeuropeia de TransportesProg/Medida: P024/M001IC19 Alarg. Cacém – Ranholas (2ªfase) – 5,142,500€
Ensino Básico – Secundário Prog/Medida: P011/M001Intervenções no Concelho de Sintra – 159,431€
Cuidados de Saúde Primários e ContinuadosProg/Medida: P013/M001Massamá (Ext Cs Queluz) – 50,000€
Desenvolvimento Comunitário e Equipamentos ColectivosProg/Medida: P018/M003Remod. e Ampl. da Sede da Soc. Rec. e Desportiva de Aruil, Sintra – 76,586€
Sistema Prisional Prog/Medida: P008/M004Remodelação do EP de Linhó – 100,000€
Cuidados de Saúde Primários e ContinuadosProg/Medida: P013/M001S. Marcos (Ext CS Cacém) – 200,000€
Desenvolvimento de Acessibilidades UrbanasProg/Medida: P024/M002Linha de Sintra, Ramal de Alcântara e Linha do Oeste (até Sabugo) – 17,379,013€

Para ler noticia integral no" Alvor de Sintra"-pressionar

terça-feira, outubro 17, 2006

Alta tensão no concelho de Sintra II


Moradores das freguesias de Sintra contra linha de muito alta tensão

Os moradores das freguesias de Sintra que vão ser atravessadas por uma linha de muito alta tensão manifestaram-se preocupados com as consequências da construção deste empreendimento.Na sessão da última quinta-feira da assembleia municipal, noticiada pelo jornal “Público” relata o facto do representante da Associação de Moradores de Agualva-Cacém ter sublinhado os efeitos que esta linha pode ter na saúde, referindo estudos que indicam haver "70 por cento mais possibilidade de se contrair cancro se se viver a menos de 200 metros" de uma linha de alta tensão. Neste sentido, os moradores pedem ao presidente da câmara que "mande fazer um estudo médico independente", para se avaliar os riscos reais para a saúde. A comissão de moradores da freguesia de São Marcos, por seu lado, vai entregar uma petição com quatro mil assinaturas na Assembleia da República, alertando os deputados para os riscos da instalação da linha.O presidente da Câmara de Sintra, Fernando Seara, informou ter-se reunido "há alguns meses" com a Rede Eléctrica Nacional (REN) para pedir a realização de "reuniões de esclarecimento", o que, segundo o autarca, se verificou "com algumas organizações não governamentais [ONG] de Sintra e juntas de freguesia". (...)

Na reunião com as ONG e juntas de freguesia, "a REN limitou-se a dizer que o campo magnético cumpre a legislação portuguesa, mas se a alternativa de enterrar os cabos de alta tensão é viável, então a solução actual viola lei europeia sobre impacto ambiental", sublinhou Filipe Pedrosa. Esta linha de muito alta tensão, que vai de Fanhões, em Loures, a Trajouce, em Cascais, atravessa também os concelhos de Amadora e Sintra.

Post relacionado-Alta tensão no Concelho de Sintra II

segunda-feira, outubro 16, 2006

Vivenda Ana na Estefânia ,preservação?


Imagem de hoje, com o mato que envolvia o imóvel removido (Foto:Pedro Macieira)

Hoje ao passar em frente da Vivenda Ana, um escândalo desta Sintra , Património Mundial da Humanidade, alguma coisa estava diferente, o mato que tinha crescido naquilo que tinha sido um jardim, estava limpo, o aspecto de alguma coisa de positivo estar a acontecer alegrou-me. Embora sem qualquer informação sobre o que realmente está a acontecer, deixou-me a esperança que ali poderá estar acontecer uma intervenção que preserve aquele imóvel, tão degradado e que é uma imagem da Estefânia e de Sintra.

Limpeza do espaço lateral (Foto Pedro Macieira)

Posts relacionados:
-Vivenda Ana, não faz parte do Património de Sintra?
-Sintra do nosso descontentamento,inspira pintor australiano.

Fotos de Outubro e de Junho de 2006 (Fotos:Pedro Macieira)

domingo, outubro 15, 2006

EFEMÉRIDE


Hoje comemora-se 25 anos da Criação do Parque Natural de Sintra –Cascais.A intervenção correcta na gestão deste parque será o garante de no futuro , existir aquele património florestal , e monumental que hoje admiramos na serra de Sintra. Esperemos que as medidas a tomar corrijam as ainda notas negativas, que conjuntamente com outros temos tentado chamar a atenção, e que mancham o equilíbrio, que terá que existir na preservação do “tesouro” Sintrense.
(Fotos: Pedro Macieira)

Post relacionado-O Parque Natural Sintra Cascais e o futuro-pressionar

sábado, outubro 14, 2006

O ELÉCTRICO DA PRAIA DAS MAÇÃS

Passagem do eléctrico por Galamares

Hoje e amanhã não há circulação do eléctrico para a Praia das Maçãs, e entre os dias 20 e 22 devido a mudança das instalações da estação do Banzão para a Ribeira de Sintra. Nos restantes dias o eléctrico irá funcionar normalmente de sexta-feira a domingo.Espero que as instalações do Banzão que até agora abrigaram os eléctricos, sejam conservadas, não sendo um imóvel esteticamente interessante ele também faz parte da paisagem de Colares, e é uma referência nas nossas memórias.

sexta-feira, outubro 13, 2006

O Rio das Maçãs e Colares

Rio das Maçãs
Numa óptima reedição de “O vinho de Colares” editado em 1938 pela Adega Regional de Colares, surge mais uma referência ao rio das Maçãs, como neste blog, já existem algumas referências que mencionam a importância que ao longo dos anos este rio, hoje ribeira teve para esta região, acrescentamos mais esta referência ao rio que dá o nome a este nosso trabalho .

"Na «Crónica do Imperador Clarimundo», que João de Barros trasladou da língua hungara para a portuguesa, se encontra larga referência a Colares e ao rio das Maçãs. "
Ali se diz:


«Rio mui gracioso que pelo meio dêstes pomares corre coalhado de muita fruta e flores.E com um ruído suave se mete no mar onde faz a repartição delas, lançando-as por tantas partes, que daí a 6 e 7 léguas se acham muitas maçãs, peras , marmelos e outros sinais da terra, com que os navegantes se alegram. E saindo dos pomares entram em terra de pão, vinho, azeite e outros géneros de mantimentos e criação de gados, que a fertilidade da terra dá».





Posts relacionados:
-Rio a caminho do mar

-Naufrágios no litoral sintrense e no Rio das Maçãs

-Fábula do Rio das Maçãs

-Lenda de Colares

quinta-feira, outubro 12, 2006

Campanha a favor dos Animais lançada pela Câmara Municipal de Sintra


A campanha contra o abandono de animais, praga sazonal no nosso País , e que demonstra uma total falta de respeito pelos animais que connosco convivem, é o objectivo desta campanha, sobre este assunto o "Público" publicou um artigo assinado por Luís Filipe Sebastião que sintetiza este grave problema:


Câmara de Sintra lança campanha a favor de todos os animais

Todos os dias as pessoas são bombardeadas com mensagens que tentam captar a sua atenção para um produto ou uma causa. As campanhas são eficazes quando se conseguem "colar" ao destinatário e o fazem pensar não só no objecto como na forma de abordagem. Muitos dos que hoje ouvem a música Wise Up, de Aimee Mann, associam-na a uma impressionante campanha publicitária contra a sinistralidade rodoviária. Mesmo que a maior parte dos automobilistas continue a olhar para o lado em relação às mais elementares regras de civismo ao volante. No entanto, se passarem por algumas estradas de Sintra podem sentir-se atingidos por uma mensagem da autarquia sintrense, escarrapachada em outdoors no IC19 e no IC30, de Queluz ao Lourel, do Algueirão a Vale de Lobos. As letras mais pequenas, que classificam o abandono de um animal como "cruel e desumano" e "um acto de pura cobardia", podem passar despercebidas. Mas basta que retenham o provocatório e eficaz slogan em palavras garrafais. Porque às vezes é preciso coragem para se usarem os termos adequados. E só se sentirá chocado quem se sentir atingido por ser capaz de fazer o que não se espera de um ser humano. A campanha, oferecida por uma agência de comunicação, inclui a publicação em revistas municipais. Numa segunda fase, após se ter chamado a atenção para o desafio que é cuidar do animal doméstico como mais um membro da família, será anunciado que o Canil Municipal de Sintra tem para oferecer cães de todas as raças e idades que sonham com um novo lar. Para que a mensagem não perca o esperado efeito de surpresa apenas aqui se adianta que terá uma boa dose de ironia, transmitido de forma simples, como convém a um bom anúncio. As cidades são feitas do somatório de pequenos exemplos de dignidade para com todos os animais que nela habitam.
Luís Filipe Sebastião

Nota : Artigo publicado no Jornal Público (não disponível on-line)

quarta-feira, outubro 11, 2006

MUSEU DO BRINQUEDO de SINTRA

João Arbués coleccionou ao longo de 50 anos uma enorme colecção de brinquedos (40.000).Hoje esta enorme colecção, está exposta no Museu do Brinquedo em Sintra, local onde anteriormente existia o Quartel dos Bombeiros de Sintra.Este espaço inclui instalações apropriadas para o visionamento de vídeos, um espaço lúdico multimédia, uma sala destinada à montagem de exposições temporárias e uma oficina de restauro.Uma livraria de publicações editadas pela Câmara Municipal de Sintra faz parte deste conjunto de espaços.
Um espaço que vale a pena visitar e recordar o nosso crescimento acompanhado por tantos brinquedos que ainda hoje estão presentes na nossa memória.
(Fotos :Pedro Macieira)

terça-feira, outubro 10, 2006

Capela de S.Lourenço nas Azenhas do Mar

Capela de S.Lourenço como se encontra hoje (Foto de Pedro Macieira)

A Capela de S.Lourenço ,existente na Azenhas do Mar localidade que em 1815, na altura pertencente ao extinto Concelho de Colares já contava com 22 fogos, comemora desde o séc XVI, as festas anuais , em homenagem ao seu padroeiro S.Lourenço.
Capela de S.Lourenço no seu estado original

A Capela que, segundo alguns testemunhos, terá mais de 200 anos, sofreu ao longo dos anos algumas vicissitudes, que lhe alteraram de forma radical a imagem que hoje temos dela. Segundo José Alfredo,(Litoral e planície Saloia) já no século XX, com a conivência de um vereador da Câmara e do responsável pela Capela resolveram destruir-lhe a sua galilé, transformando-a “numa simples casa abarracada”, após alguma contestação (havendo uma notícia sobre as obras da Capela das Azenhas no Jornal de Sintra em 11-9-1966), em 1995 a capela foi reconstruída com a Galilé , recuperando o seu primitivo aspecto. Mantendo hoje uma imagem de um monumento bem preservado.

Curiosamente a Capela das Azenhas do Mar e a capela circular de Janas são referidas por correntes iniciáticas, fazendo parte dos domínios esotéricos “Sintianos”....

A Capela de S.lourenço depois da "criminosa" intervenção


Nota: Imagens da Capela antes e depois das obras, foram retiradas da Obra de José Alfredo "Recantos e espaços"

segunda-feira, outubro 09, 2006

UMA NOTA POSITIVA

Desfile de viaturas de bombeiros antigas em Colares (Foto:Pedro Macieira)

A época oficial de fogos terminou em 30 de Setembro.Iniciada em 1 de Julho , o dispositivo de prevenção e ataque a incêndios montado, com o apoio de um meio aéreo, e vigilância assegurada, numa primeira linha pelas corporações de Almoçageme, Colares,Sintra e S.Pedro de Sintra, funcionou em pleno. Não esquecendo o papel desempenhado pelos militares,Protecção civil Municipal , escuteiros e Parque Nacional Sintra-Cascais.
Um plano bem coordenado, fez com que o verão de 2006 não tivesse consequências graves em número de fogos e prejuízos florestais no património natural de Sintra. Embora os limites oficiais de término de época de incêndios não bastem para que os incêndios não aconteçam, este início outonal mais húmido , não terá o nível de risco dos meses de verão. Por esse motivo uma nota bastante positiva pelas equipas que no terreno nos protegeram da calamidade dos incêndios este ano.

domingo, outubro 08, 2006

O PARQUE NACIONAL SINTRA-CASCAIS E O FUTURO

O director do Parque Natural Sintra-Cascais, Carlos Albuquerque , biólogo ,que se encontra à frente dos destinos do PNSC desde 2003 ,em entrevista ao Jornal da Região ,(Sintra) assinada por João Carlos Sebastião, sublinha alguns pontos orientadores das tarefas a realizar, em prol da preservação da área deste Parque:
Estacionamento-“Não faz sentido criar lugares pagos e não exercer a fiscalização sobre o estacionamento caótico.Não é para as pessoas pagarem, mas porque os sítios onde estacionam não são indicados para terem viaturas.”
-“Não adianta colocar um bloco ou uma corrente , a dizer que este caminho deixa de ser transitável ou interdito a estacionamento, é necessário transformar o trajecto num percurso pedestre, equipado com painéis de indicação da importância do parque natural ou até da praia.”
Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC)-“Que indica como zonas preferenciais para esse estacionamento, terrenos que não são materializáveis, de forma automática, porque são de privados que nem foram sequer contactados para esse efeito”

Praia Pequena- “A Praia Pequena beneficia com uma concessão , numa melhor prestação de serviço público”

Orla Marítima -“Quem usufrui de uma concessão, numa parte do domínio público marítimo, deve reverter parte das receitas que obtém na prestação do serviço público”

Cabo da Roca –“ reorganizar e reformular os caminhos à volta do monumento, para evitar que as pessoas andem por todo o lado”




Construção caótica-“ a construção dispersa caótica , o desordenamento na paisagem , não é um exclusivo de Sintra-Cascais.”adverte Carlos Albuquerque, sublinhando que não compete em exclusivo ao PNSC a defesa deste património.”Tentamos fazer ver aos nossos parceiros que têm de assumir as responsabilidades”

PNCS- “È uma área que sabe o que quer, é adulta tem um caminho muito longo pela frente”
PNCS-“esta área protegida é inquestionável”
-“há um interesse comum que se sobrepões claramente ao interesse privado e os valores foram suficientes para os classificar há 25 anos.”

-Agendados estão igualmente os trabalhos de recuperação do ponto de observação dos vestígios de dinossauros no topo sul da Praia Grande.Adiada continua a intervenção nas arribas instáveis, que aguardam as conclusões de um estudo encomendado pela autarquia Sintrense


Nota: Todas as fotos, excepto a da mansão,retirada do Jornal Público são de Pedro Macieira