sábado, dezembro 29, 2007

2007/2008

Rio das Maçãs durante os próximos dias não terá actualizações, a 9 de Janeiro de 2008, retomará o ritmo normal .

sexta-feira, dezembro 28, 2007

O Preventório de Colares II

A Quinta do Vinagre vista da “estrada velha de Colares”

Após publicação de dois posts, sobre o Preventório de Colares - foi possivel reunir mais alguma informação, sobre esta instituição que publicamos hoje.

PreventórioArtigo 1º, e seu primeiro parágrafo dos Estatutos Associação Preventiva da Tuberculose e na Infância dizia :
«A A.P da T., na infância,, com sede em Lisboa , tem por fim : O estabelecimento de Preventórios para o internamento segundo as prescrições técnicas, das crianças de primeira e segunda infância, filhos de pai ou mãe tuberculosos, ou em perigo de contágio pela tuberculose»
O PREVENTÓRIO DE COLARES
No início do Sec.XX existia em Colares uma instituição que dava apoio a menores necessitados, denominava-se "Preventório de Colares", tinha como impulsionadora, D.Isabel Morais Sarmento.O Preventório debatia-se desde o seu início,(1926) com problemas de ordem financeira. Para compensar essas necessidades organizava festas de recolha de fundos, fazendo apelos como o que o "Jornal de Sintra" publicava em 1938:

Pressionar imagem para ampliar

Localização
“Lá em baixo na Várzea de Colares, em pleno seio da Natureza, embalado pelo cachoar, suave ou agreste, do rio das Maçãs, fica o Preventório de Colares.Solarenga habitação, outrora remanso de brasonadas famílias, ela é na hora actual, a concepção da mais simpática organização preventiva da tuberculose na infância.(...)Tem o aspecto de paço medievo.Sólida arquitectura.O escadório, e a varanda corrida as gárgulas, colunatas e pilastras, tudo evoca docemente, misteriosamente, o passado poderio que morreu com seu brasão. (...)”
(Jornal de Sintra nº257 de 1938, artigo da autoria de A.B.)


Quinta do Vinagre, local onde existiu o Preventório
História do imóvel
O Palacete onde existiu o Preventório de Colares, foi construído no século XVI por D.Fernando Coutinho, Bispo de Silves pertenceu até princípios do século XX a D.Maria José Dik Bandeira Nobre, veio a ser adquirido mais tarde pelo Conde de Mafra que o vendeu à familia Schumberger.Hoje denomina-se Quinta do Vinagre.
Posts relacionados:
-Notas de Colares-pressionar
--O Preventório de Colares-pressionar




quinta-feira, dezembro 27, 2007

Quinta Mazziotti em Colares


"Um favorito servidor do falecido rei, que tem nestes sítios uma grande propriedade, convidou-nos com toda a civilidade e delicadeza a visitá-la.

Julguei que entrava nos jardins de Alcínoo! Curvavam-se literalmente os ramos com os pesos dos frutos, e o mais leve abalo alastrava o chão de ameixas, laranjas e damascos.

Orgulha-se esta quinta de possuir uma grande cascata artificial, com tritões e golfinhos jorrando torrentes de água; mas eu não lhes prestei metade da atenção que o seu dono desejava, acolhendo-me à sombra das árvores do pomar, festejei as maçãs douradas e as purpúreas ameixas, que estavam caindo em abundância à roda de mim."

William Beckford em 1787 na visita que fez à Quinta Mazziotti
Eça de Queirós, na descrição da Quinta de João Brito (Quinta de José Dias)em o Primo Basílio:
«(...) sobre a estrada havia um mirante com um tecto chinês, ornado de bolas de vidro»

Notícia mais antiga a respeito desta propriedade remonta a 1588, quando foi autorgada ao fidalgo espanhol António Roiz de Arouche, tendo o seu neto vendido a quinta a Bento Dias Pereira Chaves, sargento-mor de Colares em 1757. Pereira Chaves construiu o actual palacete e, em 1778 instituiu o morgadio que englobava as seguintes quintas:Urca da Serra (Prazo da Rainha),Fonte Velha, Fieis de Deus ou da Porta(actual Quinta Mazziotti) ,Costa do Lago, Conde,espogeiro e Pombeiras.O morgadio foi herdado por seu filho, José Dias, que lhe introduziu alguns melhoramentos.”

"Foi por esta época que a propriedade tomou a designação de Quinta de José Dias, mais tarde nos inícios de século XIX, esta familia uniu-se aos Mazziotti de origem napolitana , de onde deriva a actual designação. Ali viveu o Dr.Carlos França (1877-1926),médico e cientista de nomeada."

Maria Teresa Caetano em “Colares”
*Fotos do jardim da Quinta Mazziotti obtidas nos anos 70


A imagem da Quinta Mazziotti, também está presente na Banda Desenhada. Jean Graton, retratando fielmente os cenários portugueses retrata a passagem por Colares do Rally Tap , Tintin, nº16 de 13-09-69 em “Rally em Portugal"




quarta-feira, dezembro 26, 2007

Colares

Quinta Mazziotti - Colares

Passados“Às vezes tento imaginar um homem mais ou menos como eu, que vivesse há duzentos anos.William Beckford, por exemplo, que teve casa em Sintra, gostava de música, praticava as letras, dava-se com gente conhecida e cujas predilecções sentimentais não deixam de lembrar as minhas, guardadas algumas distâncias- Beckford era o homem mais rico de Inglaterra, eu serei, quando muito o homem mais rico da Várzea – julgo que se possa comparar a minha vida com a dele.”

José Cutileiro
Bilhetes de Colares de A.B. Kotter (1993-98)


Em 1787, Beckford acompanhado pelo Marquês de Marialva visitou a Quinta Mazziotti, (Gravura de Domenico Schiopetta-séc. XIX)

domingo, dezembro 23, 2007

Os apagões da REN

Após mais um desaire nas suas intenções ,desta vez por parte do Tribunal Constitucional, a REN vem em esclarecimento publicado hoje em vários jornais explicar que " procederá ao desligamento imediato da linha decorrente de acórdão do Tribunal Central Administrativo do Sul"-acrescentando "mas sem prejuízo da reclamação para a Conferência que a lei permite" e temendo " que as populações e as actividades económicas não venham a ser afectadas por esta medida que é compelida a tomar, dada a evidente perda de qualidade técnica".
Fátima Campos, principal impulsionadora do processo judicial contra a empresa, adiantou em conferência de imprensa pretender "desmistificar e denunciar a campanha de terrorismo psicológico que a REN, após a decisão do Tribunal Constitucional, está a fazer junto das populações".
"É só para condenar e dizer olhos nos olhos aos responsáveis da REN que não mintam à população portuguesa pois não é verdade que se esta linha for desligada as pessoas ficam sem luz. Se acontecer será por má fé e por terrorismo por parte da REN", referiu a Presidente da Junta de Freguesia de Monte Abraão que tem tido a coragem de liderar a contestação à instalação da linha aérea de muito alta tensão Fanhões- Trajouce.

No Tribunal Administrativo e Fiscal de Sintra corre ainda a acção principal movida pela autarquia, que terá a sua quarta audiência de julgamento a 23 de Janeiro de 2008.

Lamentável a atitude desta empresa que continua a fazer guerra às populações afectadas pela instalação, das suas linhas de muito alta tensão, após o Ministério da Indústria, e da própria autarquia Sintrense, terem aceite pagar os custos do enterramento da linha.
Posts relacionados:
-REN perdeu recurso no Tribunal Constitucional-pressionar
-Mudanças na Muito Alta Tensão em Sintra-pressionar



sábado, dezembro 22, 2007

Luzes de Sintra nocturna

Luzes de Boas Festas na Vila Velha
Luzes de Natal no Palácio Nacional de Sintra
Museu de Arte Moderna, iluminado com a presença de uma monumental peça de Fernando Botero anunciando a Exposição de Arte Latina Americana que pode ser visitada , até Abril do próximo ano.

sexta-feira, dezembro 21, 2007

O Coreto de Colares

“-Os habitantes de Collares, que não se poupam a esforços para augmentarem o aformosamento da aprazível freguesia, vão ter mais um melhoramento.
-A criação de uma comissão para a construção no Largo de N.S. da Assumpção de um coreto, para ali tocar a banda da localidade ou quaisquer que concorram a Collares.
-O coreto deve ficar muito elegante e gracioso, é constituido de alvenaria e ferro e fica no local onde esteve outro de madeira, que o tempo danificou.”

Correio de Sintra, nº61 de 16 de Maio de 1897

Nota de António Caruna*
"Acrescento que, no sítio onde foi construído o coreto, esteve instalado o cruzeiro que actualmente está em frente da entrada da Igreja Matriz e que foi para aí transferido em 1886 por iniciativa de José Ignácio da Costa."

* Em "Banda dos Bombeiros Voluntários de Colares 1891-1991"



quinta-feira, dezembro 20, 2007

O cisne branco do lago do Parque da Pena

Elemento importante no ambiente do Parque da Pena, o cisne branco, pela sua beleza merece hoje um destaque especial.

Os cisnes são aves aquáticas da sub-família Anserinae, que inclui também os gansos. São caracterizados pelo longo pescoço e por patas curtas. A sua distribuição geográfica é diversificada, sendo os cisnes do hemisfério norte brancos, enquanto que os do hemisfério sul apresentam plumagem por vezes colorida. Os cisnes formam casais monogâmicos e constroem ninhos onde chocam entre 3 a 8 ovos. Se a nidificação falha, é comum os membros do casal procurarem outro parceiro.

quarta-feira, dezembro 19, 2007

A Nova Sintra de Cabo Verde

Nova Sintra, foto encontrada aqui
Nova Sintra é uma vila no sul da ilha Brava do arquipélago de Cabo Verde, e um município geminado com Sintra, desde 5 de Maio de 1995.

A ilha Brava é uma das ilhas mais pequenas habitadas(1873 habitantes) do arquipélago caboverdiano ,mas uma das mais verdejantes.

Nova Sintra, nome que foi dado pelo Dr. José da Vera Cruz, pai adoptivo de Eugénio Tavares, uma das figuras mais respeitadas da vida cultural de Cabo Verde, à antiga povoação da ilha Brava, pelas suas semelhanças com Sintra,culturalmente e também pela sua história.

Nova Sintra e Sintra também ligadas pela Fundação Eugénio Tavares , cuja sede quando da sua instalação ficou em Sintra, na Quinta Verde.

Eugénio Tavares foi uma figura cimeira da vida cultural, política e social de Cabo Verde entre 1890 e 1930. Durante essas 3 décadas, ele dominou em todas as áreas a cultura do seu povo tendo sido o seu maior interprete até aos nosso dias. A sua vastíssima obra vai da poesia à música, da retórica à ficção, passando pelos ensaios.

Fajã da água, foto encontrada aqui

terça-feira, dezembro 18, 2007

A REN perdeu recurso

O Tribunal Constitucional recusou hoje o recurso da Redes Energéticas Nacionais (REN) que alegava inconstitucionalidade da decisão do Supremo Tribunal Administrativo ao negar a reavaliação do processo sobre a linha de muito alta tensão Fanhões-Trajouce.
17.12.2007 - 20h17 Lusa
Post relacionado:
-Mudanças em Sintra com as linhas de muito alta tensão -pressionar

segunda-feira, dezembro 17, 2007

O Paço Real de Sintra

" A ilegante irregularidade de sua architectura, as suas elevadas chaminés, de huma forma conica, a belleza de suas janellas, cujo lavor he de hum gosto puro arabico, representando troncos enlaçados de arvores despidas de folhas, são os objectos que externamente mais occupão a nossa attenção.

Oh! nobres paços da risonha Cintra,
Não sobre a roca erguidos, mas poisados,
Na planicie tranquilla, que memorias
Não estaias recordando saudozas,
Dos bons tempos de Lysia!"

Cintra Pinturesca , Visconde de Juromenha –1838


domingo, dezembro 16, 2007

O ponto mais ocidental do Continente Europeu

O cabo da roca , com as coordenadas 38º 47’ Norte e 9º 30’ Oeste, é o ponto mais ocidental do continente europeu ,situa-se sobre o mesmo paralelo do cabo Henlopen, na costa norte-americana, a 5993 km.
Onde a terra acaba e o mar começa
"O farol da Roca teve o primeiro acendimento em 1771 segundo uma publicação da Repartição de Farois, editada em 1921, e a sua altura em relação ao nível do médio das águas do mar é de 162m, só perdendo a primazia em altura, relativamente ao farol do cabo Espichel, perto de Sesimbra, que tem 165m.
-Julgo que a sereia de nevoeiro foi instalada em 1896.
Assim, quando o nevoeiro impedia a visibilidade, emitia a espaços regulares uma emissão de 15 segundos em cada minuto um rugido cavo e roufenho, audível mesmo de longe.
E logo a população saloia comentava: lá está a vaca da Azóia! "

António Caruna
“Associação dos Bombeiros Voluntários de Colares 1890-1990
Cem anos fazendo o bem”

sábado, dezembro 15, 2007

A Pedra de Alvidrar e a sua lenda

“Cheguei-me até à beira do rochedo que tem uma grande altura, e é quase na perpendicular.Um bando de rapazes tinha-nos acompanhado, e cinco lagatões, destacados desta malta, desceram o temeroso precipício com a mais completa indiferença, sobretudo um deles, que foi com os braços abertos, e que parecia uma criatura sobrenatural”.
William Beckford ,1787


Na sequência de um post publicado no Rio das Maçãs em Agosto de 2007, sobre a Pedra de Alvidrar, local muito visitado ao longo dos séculos,voltamos de novo a este interessante tema, agora com fotografias e também com mais alguma informação sobre este belo e perigoso local.

A Pedra de Alvidar, situada entre a Praia da Adraga e Praia da Ursa, embora de difícil acesso é o paraíso dos pescadores mais destemidos. Além ter sido usada no tempo dos romanos, como local para julgamentos de onde se atiravam os acusados, se sobrevivessem eram inocentes, se não, tinham sido mesmo os culpados...

Imagem Google Earth
Sobre a Pedra de Alvidrar, existe uma curiosa lenda que justifica a razão da sua existência:
Lenda de Alvidrar
Há muitos séculos atrás, o Deus Vulcano, figura sinistra e perversa, jurou vingar-se para todo o sempre duma formosa princesa, espelho de virtudes sem par.
O maligno Vulcano, seguindo ruíns desígnios, pretendeu casar-se com a esbelta princesa que já a outro prometera a sua mão. Pouco satisfeito com o inesperado facto, quis saber de quem se tratava. Furioso ficou quando soube que o futuro esposo da gentil princesa era o seu próprio sobrinho, filho primogénito da sua irmã. Imediatamente acorreu à casa de sua irmã Zipa e queixou-se do seu desespero. Esta fez-lhe ver que nada tinha com o próximo enlace. Jovens e obedientes aos pais de cada um, tudo neles concorria para que fossem felizes. Em consciência nada teria a opôr-se e recomendou ao irmão prudência e resignação; a casta princesa não era para a sua idade, merecia um jovem como ela.
Vulcano não acatou os conselhos prudentes e nobres da irmã.
Chegando a seus domínios, organizou fortíssima expedição que se dirigiu para as terras da princesa Al-Vidrar e de seu sobrinho Foje.
Zipa veio ao seu encontro mas nada deteve Vulcano. Naquela cruenda batalha restam os corpos vulcanizados dos moços namorados aos quais chamamos PEDRA DE ALVIDRAR E O FOJE*.
In “Lendas Sintrenses” Recolha e relato de Luiz da Cunha Oliveira, 1968

*Fojo- O Fojo, um abismo aberto na rocha de onde se pode observar no fundo a agitação das ondas.
“Correram-nos oito dias naquele deserto, ora descendo à fertilíssima várzea de Colares, ora subindo às assomadas crespas da serra ou indo ver as ondas, que batiam, refervendo, nos recôncavos do precipício da Pedra de Alvidrar; dias que ficaram para sempre impressos no espírito de Alexandre Herculano e no nosso!”
Bulhão Pato, 1883
Post relacionados:
-Pedra de Alvidrar -pressionar
-Praia da Adraga-pressionar
-A Praia da Adraga-pressionar
Nota:
Texto da lenda retirado da página da Junta de Freguesia de Colares


sexta-feira, dezembro 14, 2007

Mudanças em Sintra, com as linhas de muito alta tensão


Linha de muito alta tensão que atravessa o Concelho de Sintra vai ser enterrada.

Depois de uma reunião que decorreu na quarta-feira com o Ministério, da Indústria ,CMS e moradores das áreas afectadas, foi decidido enterrar a linha de muito alta tensão que atravessa o Concelho de Sintra, os custos desta operação serão suportados pela autarquia. Segundo o Ministro da Indústria a obra terá início em Março de 2008*.

O movimento Cívico de Moradores de Sintra mostrou-se satisfeito com esta decisão.

A Presidente da Junta de Freguesia de Monte Abraão,que tem liderado o processo de contestação, considera que esta solução não deve ser suportada pela Câmara de Sintra mas sim pela REN.

Fátima Campos, afirmou também que não irá desistir do processo que tem contra a REN cujo julgamento está a decorrer no Tribunal Administrativo de Sintra, com a próxima sessão marcada para 23 de Janeiro.


*Data prevista para a privatização da REN

Imagem de pastoreio sob as linhas de muito alta tensão em S.Marcos
Post relacionado:
-Muito alta tensão continua em Sintra.-pressionar

quinta-feira, dezembro 13, 2007

A Praia da Adraga



A Adraga tem sido nos últimos dias mencionada na imprensa e também na blogosfera, pelos piores motivos. A Praia da Adraga é sem dúvida uma das mais belas praias da região e as imagens obtidas num dia frio de Outono, comprovam-no.







quarta-feira, dezembro 12, 2007

Postal de Gigarós *

Desenho de Jose Alfredo Azevedo, da sua casa em Gigarós«Gigarós 26.3.91

Cá estou em Gigarós, desde antes de ontem.
Em Novembro do ano passado, num «Postal de Gigarós», disse que tinha em casa um pequeno sapo.Não sei de que se alimenta mas, certamente, de noite, faz as suas caçadas à procura de comida. E, como é lógico, apanha pequenos bicharocos.

Só, algumas vezes raras, aparece de dia. Pois, hoje de manhã, apareceu, já com o dia claro; agarrei-o e, como há meses atrás, não tentou libertar-se. Afaguei-o e, de seguida, coloquei-o no chão; não fugiu.

Um amigo disse-me: não pegue nisso; é bicho peçonhento. Respondi-lhe: tenho pegado nele, sempre, e, nunca me pegou qualquer doença; há homens que eu considero muito mais peçonhentos, do que a maior parte dos bichos, a quem o povo, na sua ignorância, assim os considera.
A esses homens, não estendo a mão, porque tenho nôjo».


José Alfredo da Costa Azevedo
Foto actual da casa de Gigarós
-José Alfredo da Costa Azevedo (1907-1991) foi escritor, pintor, publicista e primeiro presidente da Câmara após o 25 de Abril.
No centenário do seu nascimento (8 de Dezembro de 2007).
Nota:
Texto e desenho publicado nas "Obras de José Alfredo da Costa Azevedo VI"
-*título da autoria de José Alfredo, nas suas crónicas a partir de Gigarós

terça-feira, dezembro 11, 2007

A Casa Branca das Azenhas do Mar

A Casa Branca , nas Azenhas é talvez a obra mais supreendente do arquitecto Raul Lino, (1879-1974), construída em 1920 enquanto residência de férias para seu próprio uso, e por esse motivo sem grandes exigências de projecto, a casa tem uma estrutura simples e denota alguma austeridade tanto no espaço interior como na sua imagem exterior.
" A pequena e despojada, Casa Branca das Azenhas do Mar foi construída em 1920. De acordo com o projecto do próprio arquitecto, a casa de férias implanta-se extraordinariamente no alto de uma escarpa. Volumetricamente equilibrada, com descoincidentes janelas de forte cromatismo e grandes pedras nos alpendres e contrafortes que jogam harmonicamente entre a alva cobertura e as paredes. O agreste vegel enquadra e indicia a edificação de grande pureza plástica e o fortíssimo carácter do arquitecto Raul Lino. "
C.M.S. - Divisão de Património Histórico-Cultura

"Em 1920, Raul Lino projecta e constrói a Casa Branca, em Azenhas do Mar . Esta casa afirma os princípios do modelo formal da Casa Portuguesa, ao mesmo tempo que se despoja de todo o elementos ornamentais supérfluos. Mínima em área, mínima em adornos decorativos, apresenta a relação inicial da casa balnear com a falésia. Talvez se anuncie num minimalista formal tudo em que acreditava. Simples, de raiz popular, bem exposta ao sol e alpendurada numa falésia sobre o mar."


Posts relacionados:
-Casa Branca de Raul Lino-pressionar
-Casa Branca de Raul Lino II-pressionar

segunda-feira, dezembro 10, 2007

Postal da Eugaria

"Seguindo a estrada velha de Sintra para Colares, depois de passar Monserrate e Piedade, temos o lugar de Eugaria."
" Já na freguesia de Colares, temos o muito pitoresco lugar da Eugaria, onde existe o Casal da Serrana,que pertenceu a Alfredo Keil, autor do Hino Nacional."

Postais da Vila Velha e de Gigarós...E coisas de Sintra.
Estrada Eugaria-Gigarós

Já se vê alguma coisa. Foi alcatroada desde a Eugaria até cerca de 100 metros acima do chafariz local e, segundo se diz por lá, fica por ali.
Porquê? A estrada prossegue passando a entrada da Quinta do Convento do Carmo e terminando no ponto onde se bifurca na que, à esquerda , segue para os Capuchos e, à direita, estrada mais estreita , que segue para a Boca da Mata, onde termina, prosseguindo, já caminho de «pé posto», para o lugar do Penedo.(...)
1989 José Alfredo da Costa Azevedo

*Em tempo de homenagem pelos 100 anos do nascimento,(8 de Dezembro) de José Alfredo da Costa Azevedo, o biógrafo de Sintra - Rio da Maçãs, querendo associar-se a esta manifestação dedicada a um homem que é uma referência para todos amigos de Sintra, usa neste post , para ilustração das imagens extractos de textos retirados da sua vasta obra.

domingo, dezembro 09, 2007

Nomeação do Rio das Maçãs

A amiga Pandora do blogue “O Canto de Pandora “ nomeou-me desta vez para o prémio “Eu tenho um blog de Elite”,que desde já agradeço. É, sem dúvida, um incentivo para prosseguir este caminho editorial de divulgar Sintra na blogosfera, num projecto em que me envolvi desde 2006, e que tem como objectivo abranger o maior número de amigos de Sintra, tentando chegar o mais próximo possível das pessoas.
Depois de mais uma nomeação, apercebo-me cada vez mais que esse objectivo está a ser atingido. Muito Obrigado.

*Peço desculpa de não dar seguimento a esta corrente, por total falta de critério justo para o fazer.