sábado, maio 31, 2008

O estado da arte...em Sintra

Obra que cresceu sob embargo da CMS

O ex-presidente da Câmara de Sintra e dirigente da fábrica Galucho, João Justino, rejeitou que as obras de ampliação do armazém, embargadas por falta de licenciamento em Fevereiro, prejudiquem os moradores da zona, em pleno centro de São João das Lampas, que contestam a obra.(...)
No Jornal Correio.com de 23 de Maio de 2008 ler notícia integral aqui
Obra que cresceu e se mantém sob embargo da CMS
O "Jornal Público", de 27 de Julho de 2007,e em artigo da autoria de José António Cerejo, informava que o processo de demolição de parte da mansão do comendador Justino em Colares, tinha sido suspensa por um Juiz do Tribunal Administrativo e Fiscal de Sintra, fundamentando-se no facto de estar pendente na CMS um projecto em que é pedida a legalização das obras...
-O porta-voz da CMS, considerou segundo o Jornal Público que “que a decisão do parque (PNSC), sendo vinculativa e inapelável, dispensava a câmara de uma decisão final sobre o projecto de alterações

Post relacionado aqui

sexta-feira, maio 30, 2008

O projecto Monte Santos deve ser objecto de um estudo de impacte ambiental




Imagem do Jornal "Público"

A urbanização de Monte Santos na imprensa

Urbanização de Monte Santos agita reunião de câmara
Vereador Baptista Alves questionou “oportunidade” da consulta pública relativa a urbanização de Monte Santos em reunião pública de câmara. “Deveria ter sido iniciada a revisão do plano De Gröer em primeiro lugar”, defende o vereador da CDU. O projecto em consulta prevê a construção de habitações num local “extremamente sensível, que coloca em risco a própria identidade da vila de Sintra”, considera o vereador. (...)
No jornal digital Alvor de Sintra de Quinta-feira, 29 de Maio de 2008


Vereador defende avaliação de impacte ambiental para loteamento em Monte Santos
Um hotel da cadeia Ritz com 78 camas, próximo do centro histórico de Sintra, está previsto num loteamento em discussão pública até ao fim do mês.A projectada construção de um loteamento habitacional, hoteleiro e comercial em Monte Santos deve ser objecto de um estudo de impacte ambiental e de uma informação à UNESCO, pelo seu impacto sobre a zona classificada património mundial, defendeu o vereador na Câmara de Sintra Baptista Alves. (...)
No jornal "Público" de 29 de Maio de 2008, Luís Filipe Sebastião


Post relacionado aqui

quinta-feira, maio 29, 2008

3º Encontro de Alternativas em Sintra

O 3º Encontro de Alternativas vai acontecer nos dias 30,31 e 1 de Junho no jardim da Correnteza. No sábado 31,no auditório do Encontro, Fernando Morais Gomes falará sobre património sintrense-o caso do Chalet da Condessa.
Jardim da Correnteza

terça-feira, maio 27, 2008

Muito alta tensão em Sintra


Freguesia de S.Marcos\Sintra

A presidente da Junta de Freguesia de Monte Abraão responsabiliza Fernando Seara pelas consequências futuras da ausência de recomendações à Redes Energéticas Nacionais (REN) em 2003. Fátima Campos considera que a câmara de Sintra respondeu em 2008 “e muito bem” ao apelo de consulta pública da REN, mas em 2003, “estendeu a passadeira vermelha a uma entidade que, diga-se em abono da verdade, do interesse público e dos justos interesses das populações pouco quer saber, procurando os pretextos, os erros e os silêncios para fazer avançar a sua cavalgada autista, habilmente silenciosa e centrada exclusivamente nos seus próprios interesses”.

Noticia integral no Alvor de Sintra

segunda-feira, maio 26, 2008

AeroNostalgia no Domingo em Sintra

O Festival AeroNostalgia, que aconteceu no Domingo em Sintra, foi presenciado por largas centenas de espectadores, teve a particularidade de ser também a despedida dos Airbus A310 ao serviço da TAP.
O último Airbus A310 o CS-TEH,(Bartolomeu Dias) chegou a Portugal em 1988 vindo de Toulouse, e fez a sua despedida ontem na Granja do Marquês.


Airbus A310, ladeado por dois Alpha Jet dos Asas de Portugal





domingo, maio 25, 2008

Imagens do Festival AeroNostalgia em Sintra

Airbus A310 e os dois Alpha Jet da esquadrilha Asas de Portugal

Vistas do angar para o exterior, com antigas aeronaves




sexta-feira, maio 23, 2008

Transportes de Sintra em 1908

Transportes de Colares e Sintra em 1908

Em Colares havia trens de aluguer a cargo de:

António Alves da Silva

Domingos Caiado e francisco Clemente Capote

Em Sintra,sede do Concelho, para além dos trens de aluguer e de praça, também havia burros de aluguer que podiam ser contratados aos seguintes senhores:

Izidoro Racinha- Escadinhas da Biamante

Gregório Sapatos -Rua da Pendoa

Manuel Bicho-Rua Consiglieri Pedroso

No Guia de "Cintra ,Collares e Arrabaldes de 1908 e 1910


Festival Aéreo "AeroNostalgia" em Sintra

Domingo, 25 de Maio na Granja do Marquês a partir das 10H30
Planta do evento: Imagem do site "AeroNostalgia"
Site da "AeroNostalgia" - aqui

quarta-feira, maio 21, 2008

Vinhos de Colares

Foto:Alagamares

De uma notícia do jornal "Vida Económica":

Localizada entre a Serra de Sintra eo Atlântico, Colares é uma das regiões demarcadas mais pequenas do país e a mais ocidental da Europa continental.(...)

(...) a singularidade da casta Rasmisco, confere aos vinhos um carácter único e de extrema longevidade. O desenvolvimento turístico, o custo dos terrenos e da mão-de-obra, foram os grandes responsáveis pelo seu declínio, levando a que, de uma área de 1500 hectares de vinha existam hoje apenas 22.

Uma preciosidade portanto,que a Fundação Oriente, resolveu explorar, explorar ao adquirir em 1999, a maior vinha de Colares, com nove hectares, dos quais apenas uma fracção produzem a casta Ramisco. Esta Vinha Grande, localizada entre a Praia das Maçãs e as Azenhas do Mar, havia sido colocada no mercado pela Cockburn´s.

Para além disso, a fundação Oriente assegura a gestão de quatro hectares de vinha da Quinta do Conde, na Várzea de Colares, propriedade da Fundação Stanley Ho, donde sairão anualmente ceca de 15 mil garrafas de Ramisco e igual número de branco sustentado na casta Malvasia.(...)

"Vida Económica" de 16 de Maio de 2008 -aut. Marc Barros

segunda-feira, maio 19, 2008

Assembleia Municipal de Sintra contra o encerramento do espaço público de Seteais




A Assembleia Municipal de Sintra aprovou uma moção de repúdio proposta pelo Bloco de Esquerda, pelo fecho do acesso público aos Jardins de Seteais durante um ano por motivo de obras, por parte do concessionário do espaço Grupo Espírito Santo/Hóteis Tivoli.


MOÇÃO
Reabertura ao público dos Jardins de Seteais

No início de Março de 2008 o concessionário do Hotel de Seteais iniciou obras para conservação e recuperação do edifício, prevendo-se que estas tenham a duração de um ano. O início das obras determinou o encerramento dos portões do Jardim de Seteais, tendo sido proibido o acesso aos jardins a todas as pessoas alheias aos trabalhos em curso.

Considerando que

O Jardim de Seteais faz parte do domínio público, sendo a livre circulação naquele espaço um elemento fundamental do património e da memória dos e das Sintrenses,

O Jardim de Seteais é anualmente visitado por milhares de pessoas vindas de todo o mundo, que ali se dirigem por motivos de lazer ou estudo;

Este encerramento tem provocado reacções de repúdio por parte da população de Sintra, bem como do movimento associativo local, que se sentem privados de um direito secular de livre utilização do espaço;

Considerando ainda que é possível conciliar a intervenção em curso com a utilização do espaço do jardim, desde que haja a colocação de dispositivos que garantam a segurança dos e das visitantes;

A Assembleia Municipal de Sintra, reunida a 16 de Maio de 2008, delibera:

1- Manifestar o seu desacordo pelo encerramento, ainda que temporário, dos Jardins de Seteais;
2- Exigir ao Grupo Espírito Santo, concessionário do Hotel de Seteais, a imediata reabertura ao público dos jardins de Seteais, precedida da instalação de dispositivos que garantam a segurança dos e das visitantes;
3- Recomendar à Câmara Municipal de Sintra todo o empenho junto do concessionário do hotel para garantir a rápida reabertura ao público dos Jardins de Seteais;


Sintra, 16 de Maio de 2008

Post relacionado:

Acessos proibidos-aqui

Monte Santos e a Ribeira de Sintra com projecto turístico e imobiliário

Notícias que vão chegando, anunciam uma proposta de loteamento de um hotel de 75 quartos e três dezenas de moradias, numa área de intervenção com 92.880 m2, abrangendo uma zona verde delimitada pelo pavilhão desportivo do Hóquey Club de Sintra e o Centro de Ciência Viva, na Ribeira de Sintra.

O programa de Acção Territorial de Monte Santo resulta de uma parceria entre a Câmara e vários proprietários, reunidos num fundo de investimento.

Fonte:
Jornal "Público de 18 de Maio de 2008- autor: Luis Filipe Sebastião

sábado, maio 17, 2008

Museu do Berardo

A Câmara Municipal de Sintra acordou com o Comendador Berardo, a realização de (pelo menos) duas exposições no próximo ano no antigo Casino.

Por 250 mil euros, e os custo da empreitada de conservação do antigo Casino, orçada em 137 mil euros, a C.M.S assinou um protocolo, por um ano, "renovando-se automáticamente, por iguais períodos, desde que não seja denunciado"para a realização de pelo menos duas exposições com base na colecção do Comendador.

Este protocolo foi aprovado com a oposição da CDU.

Fonte:
Notícia do "Público" de 15 de Maio da autoria de Luís Filipe Sebastião

quarta-feira, maio 14, 2008

Gaivotas da Praia das Maçãs



Gaivota de patas amarelas /Larus cachianams




SETEAIS 2008

"Povo de Cintra não consentais que se feixe o campo de Senteais"
Acta da reunião da Câmara de Sintra de 1800
Campo e Palácio de Seteais (gravura do Séc.XIX)
SETEAIS - PASSEIO PÚBLICO


1783-1787
"Iniciou-se a terraplanagem do campo e a plantação de árvores decorativas, tudo sem oposição da Câmara Municipal de Sintra, cuja vereação, passados cinco anos, considerou um verdadeiro "atentado" feito pelo Marquês de Marialva, quando este requereu que se lhe aforasse o campo a fim de "defender as árvores dos gados que as roem".
Desde a edificação do palácio em 1802 - o campo de Seteais era o mais frequentado e usual passeio, pois ao declinar do dia ali concorriam as familias que frequentavam Sintra...Em 1835, requintou e "tornou-se aquele sítio o único passeio de senhoras e por isso de grande tom para todas as familias, porque também ali concorriam todas as tardes a tocar música a guarda do Paço, e suas Majestades também aumentavam o concurso".(...)
História do Palácio e Quinta dos Seteais
Estudos Sintrenses II -Francisco Costa

Post relacionado:
-Sete ais!!!-aqui

segunda-feira, maio 12, 2008

SETE AIS!!!

"Povo de Cintra não consentais que se feixe o campo de Senteais"
Acta da reunião da Câmara de Sintra de 9 de Agosto de 1800
Foto do "Jornal de Sintra" nº337 de 25 de Agosto de 1940
Mais um documento fotográfico de 1940, com um exercício feito em Seteais, pelo "Terço Independente nº34 da Legião Portuguesa de Sintra"- O espaço público de Seteais utilizado tanto como passeio público como campo de exercícios para-militares ao serviço do "Estado Novo".
Silêncios Sintrenses
Após o fecho prepotente do concessionário Grupo Espírito Santo /Hotéis Tivoli, do espaço público de Seteais, gerou-se algum movimento de contestação, com o continuado silêncio da CMS, e dos PSML.Dos contactos via e-mail que fiz, nenhum gerou qualquer resposta.
-Presidência da Câmara de Sintra-contacto via e-mail em 24 de Abril de 2008-s/resposta
-Gabinete do Vereador da Cultura- I.Patricio-contacto via e-mail em 24 de Abril de 2008 -s/resposta
-Associação de Defesa do Património de Sintra-contact.via e-mail em 29/04/2008-s/resposta

Post relacionados:
Acessos proibidos-aqui
Acessos proibidos II-aqui

sábado, maio 10, 2008

Colares e Damião de Góis

O Pelourinho de Colares datado do Séc.XVII


«Ao lado desta serra (Sintra), na direcção do Oceano, acerca de dois mil passos, está colocada no outeirinho uma aldeia, a que os naturais dão o nome de Colares.»

"Descrição da cidade de Lisboa"-Damião de Góis ,1554

Actualizações do Blogue


Problemas técnicos , ainda não superados irão criar nos próximos dias algumas alterações na regularidade das actualizações do "Rio das Maçãs".As minhas desculpas.

quinta-feira, maio 08, 2008

Seteais em 1928

Na altura em que o concessionário de Seteais, o grupo Espírito Santo/Hotéis Tivoli proibiu o acesso público aos Jardins de Seteais, (que há mais de duzentos anos é público) durante um ano, com a complacência da autarquia Sintrense e dos “Parques de Sintra Monte da Lua”- documento fotográfico datado de 1928 mostra uma cerimónia pública no terreiro dos Seteais, na presença do Presidente da Républica de então, General António Oscar de Fragoso Carmona.

“Incluido no programa das festas,(Nossa Senhora do Cabo) foi organizado nos Seteais um festival de bombeiros que presidiu o Presidente da Républica General António Oscar de Fragoso Carmona(...)”.

Revista" ABC "de 13 de Setembro de 1928

Desfile de bombeiros perante o Presidente da Républica, em Seteais

Seteais em Maio de 2008
-Acessos proibidos-aqui
-Fotos encontradas em “Cem anos a fazer o bem” Associação dos Bombeiros Voluntários de Colares 1890-1980 de António Caruna

quarta-feira, maio 07, 2008

Praia das Maçãs perde Bandeira Azul

Praia das Maçãs, perde a Bandeira Azul este ano
Na Região de Lisboa e Vale do Tejo registou-se a maior descida no número de praias com Bandeira Azul apresentando este ano 34 Bandeiras atribuídas (menos 4 que o ano passado) mercê da saída de 1 em Sintra, 3 em Cascais, e 2 em Almada devido a obras de implementação do POOC, registaram-se ainda 4 reentradas dos municípios de Torres Vedras, Cascais e Mafra.
-Nota de Imprensa, Bandeira Azul 2008-aqui
-Associação da Bandeira Azul Europa/FEE Portugal-aqui
Praias de Sintra com Bandeira Azul

Praia da Adraga
Praia Grande
Praia do Magoito
Praia de São Julião



terça-feira, maio 06, 2008

A escola de Domingos José de Morais

Domingos José de Morais, começando a trabalhar muito novo, aos catorze anos, conseguiu quatro anos depois estabelecer-se por conta própria. Com o resultado do seu trabalho conseguiu arranjar grande fortuna. Homem bem conhecido pelo seu sentimento filantropo, e imbuído pelo espírito republicano, patrocinou diversas obras de cariz social pelo país , além de a si chamar a dinamização da construção da escola, que viria a receber o seu nome em Sintra.
Domingos José de Morais

A escola iniciada no último período da monarquia, e terminada em 1910, foi desde logo associada à causa republicana, tendo o próprio Domingos José de de Morais oferecido o edifício à administração municipal. Nessa escola existia uma banda de música denominada a “Banda da Escola do Morais” formada pelos seus jovens alunos, que se estreou em 24 de Junho de 1911.
A escola de Domingos José de Morais nos inícios do Séc.XX(Foto de António Portugal,arq.Fot.CML)

Domingos José de Morais, nasceu em Areosa (Viana do Castelo) no dia 2 de Novembro de 1846 e faleceu em Lisboa a 28 de Novembro de 1903. Domingos José de Morais era pai de Fernando Formigal de Morais, o primeiro Presidente da Câmara de Sintra, depois da implantação da República.
A escola actualmente


Post relacionado:
-Curiosidades de Sintra antiga-aqui
-Casa do primeiro Presidente da Câmara de Sintra-aqui
-Quinta dos Lagos-aqui




Fontes :
Obras de José Alfredo Azevedo
Sintra- Escolas memória I ed. da Misericórdia de Sintra.

segunda-feira, maio 05, 2008

O MAIO DE 68

Foto de capa da "Photo" Nº128 Maio de 1978,de Patrice Habans Mai 1968:CRS au carrefour Saint-Germain-Saint-Michel.


“Maio de 1968: Uma data e um símbolo. O 3 de Maio: as primeiras manifestações estudantis; a 30: desfile Gaullista na Concórdia. Entre as duas datas, quatro semanas das maiores das agitações da nossa história (...)”
Texto na revista "Photo" nº128 Maio, 1978


A Sorbonne uma das mais antigas universidades europeias, foi fechada pelas autoridades em 3 de Maio, na sequência de manifestações de apoio aos estudantes de Nanterre. Nesse dia a policia entrou na universidade, provocando como reacção, violentos confrontos e a primeira noite de barricadas no Quartier Latin.

Em 3 de Maio de 1968 (despacho da Agência France Press)

"La Fermeture de la Sorbonne: Déclaration du recteur

Paris, 3 mai (AFP)En annonçant la suspension des cours à la Sorbonne et au centre Censier, le recteur Jean Roche a fait le commentaire suivent :“L’agitation entretenue systématiquement par un petit groupe d’étudiants cherchant, de leur propre aveu, à paralyser, hier comme aujourd’hui les enseignements et, demain, les examens, a rendu cette mesure nécessaire. De toute manière, la liberté des examens sera assurée afin que l’immense majorité des étudiants puissent tirer le légitime profit de leur travail.”
C’est pourquoi, a conclu le recteur," je demande aux 160.000 étudiants de l’Université de Paris de prendre conscience des risques auxquels ils se trouvent involontairement exposés par les désordres que suscite un petit nombre d’entre eux.”
Maio de 68 em fotos -aqui

sábado, maio 03, 2008

Os Jardins de Seteais sem acesso público durante um ano

Registos centenários, comprovam o permanente acesso público aos Jardins de Seteais.
"Povo de Cintra não consentais que se feixe o campo de Senteais".
Acta de reunião de Câmara de Sintra de 9 de Agosto de 1800
"Seguindo a mesma estrada de Collares se vê do lado direito hum grande rocio chamado Senteais por huns por reproduzir o som repetido como cousa viva e que sente, e por outros Seteais por repetir o mesmo som sete vezes.(...)
Neste campo costumavão antigamente fazer exercicio os ordenanças da Villa e termo. Hoje he hum dos passeios mais frequentados, e ponto de reunião onde de juntão os differentes grupos de passeantes no fim da tarde. No fim do deste campo que ornão duas lamedas de arvores dos lados, está hum bello palacio que pertenceo ao Marquez de Marialva, e ultimamente o possue a Exªma Srª Marqueza de Louriçal."

Cintra Pinturesca -Visconde de Juromenha, 1838


«Na segunda metade do séc XIX, o Campo(de Seteais) recaiu no domínio público , e os danos foram tantos que os descendentes e sucessores do Marquês de Marialva por três vezes tentaram fechar o terreno, por cuja conservação eram responsáveis. Mas o povo, cioso do seu direito, por três vezes impediu o ajardinamento do centro do Campo, que sucessivamente foi servindo para ali se realizarem jogos de futebol, concursos hípicos, feiras agrícolas e festejos populares, até que o Estado Português, em 1946, adquiriu ao ultimo proprietário, Conde Sucena, a casa e a quinta, livre de foros desde 1797, e também os domínios útil e directo do campo de Seteais. Hoje é a empresa concessionária do Hotel-Palácio quem se opõe às tentativas populares que de vez em quando procuram divertir-se no terreno relvado.»

História do Palácio e Quinta de Seteais-Estudos Sintrense II-Francisco Costa-1958

Post relacionado:
-Acessos proibidos-aqui

quinta-feira, maio 01, 2008

1º de Maio - Dia do Trabalhador


“Jornal de Sintra” em 1959 publicou os primeiros poemas de José Afonso

Estávamos em 1959. José Afonso tinha saído de Coimbra para ganhar a vida dando aulas em escolas particulares e colégios. Começa por Mangualde, seguindo-se Aljustrel, Lagos, Faro, Alcobaça, e novamente Faro onde é colega de Maria Almira Medina que também leccionava na mesma escola - esse encontro permite que o “Jornal de Sintra” de que era Director António Medina Júnior, em 1959 publique os primeiros poemas de José Afonso.

"Jornal de Sintra" de 11 de Janeiro de 1959

“No dia 1º de Maio, que amanheceu de céu limpo e clima primaveril, o povo de Sintra e seu concelho vasto (para isso convocado na véspera por meio de prospectos), reuniu-se na antiga Praça da República, frente ao Palácio Nacional, onde se organizou um entusiástico cortejo cívico, constituido por milhares de pessoas, de todas as idades e categorias sociais(...)”

"Jornal de Sintra" de 4 de Maio de 1974