quinta-feira, julho 31, 2008

O Baile das Camélias na Sociedade União Sintrense II

O texto que publicamos hoje é um interessante contributo de Carlos Santos, para a história do tradicional baile Sintrense, que nos chegou em forma de comentário a um post sobre o Baile das Camélias, publicado aqui em 29 de Março de 2008.
"Queria aqui deixar uma pequena correcção sobre uma das razões que levaram á realização do Baile das Camélias:
-Estava-se na plenitude do Estado Novo, a Igreja era quase tão fundamentalista como quase o são hoje os mais assanhados muçulmanos, e a quaresma era um espaço de abstinência total no que dizia respeito a diversão, como sabem o dia de São José Carpinteiro, (19 de Março) diz o provérbio que na Quaresma só no dia de São José, se pode bater o pé! e um grupo de jovens desse tempo dos quais fazia parte o meu primo Rodrigo Soares, filho de um dos grandes dirigentes se não o maior, que passou por aquela casa (António Caetano dos Santos) organizaram uma festa onde estava representada a elite desse tempo, e apoiaram-se na influência das pessoas que viviam em Sintra e eram nomes de peso no panorama nacional, tais como as famílias Mello, Schindller, D. Maria José Praia, Vale Flor, Quinta do Saldanha, e outras, que colocaram as suas flores e dispensavam o seu pessoal jardineiro para o embelezamento do salão, palco, hall, e tudo quanto era espaço social não ficava sem uma camélia.Será da mais elementar justiça, e essa ainda está para ser feita pela SUS, dizer aqui que JOSÉ LIMA MAGALHÃES, nos anos 60 conseguiu com muitas lutas, alguns dissabores e dinheiro gasto do seu bolso, trazer à SOCIEDADE UNIÃO SINTRENSE, shows que naquele tempo não passavam por mais nenhuma colectividade, ou muitas casas de espectáculo do país.
Chegou a fazer-se uma estreia na Europa de uma companhia brasileira (BRASILIANA) que vinha contratada pelo empresário Vasco Morgado para actuar no Teatro Monumental, (já extinto) mas devido às excelentes relações entre o Sr. Vasco Morgado e a Direcção da altura onde pontificavam o Dr. Carlos Beja, e o Sr. José Magalhães, a estreia foi em Sintra na SUS, com um deslumbrante espectáculo de dança e canções onde pontificava a voz potente de Francisco Egídio. Não houve nenhum grande nome do panorama artístico nacional (daqueles tempos)que não tivesse por ali passado.
Os artistas tinham orgulho em vir ao Baile das Camélias, e os cartazes eram muitas vezes feito por artistas que vinham a titulo gracioso, pelo prazer de estarem presentes num baile tão famoso, onde a beleza da decoração do Salão estava em sintonia com os vestidos elegantes das senhoras, e dos melhores fatos apresentados pelos cavalheiros. A afluência era enorme, para se chegar do salão ao bar, chegava a levar-se mais que uma hora. Hoje isso não seria possível por quebra visível das mais elementares normas de segurança, com excesso de pessoas dentro de um espaço fechado, felizmente nunca sucedeu nada nem mesmo num dia em que faltou a Luz mais de duas horas e ninguém arredou pé e à luz de coutos (velas) dentro do maior civismo tudo se resolveu.
Estaríamos aqui a recordar óptimos tempos eternamente, mas participar foi bom, fico grato por isso."
Carlos Santos

Post relacionado:
-O Baile das Camélias na Sociedade União Sintrense-aqui

quarta-feira, julho 30, 2008

Tribunal permite a reactivação da linha de Muito Alta Tensão Fanhões/Trajouce

Imagem Sic Noticias

Decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal de Sintra não deu razão à Junta de Freguesia de Monte Abraão sobre o desligamento da linha de muito alta tensão Fanhões/Trajouce.

Fátima Campos, presidente da Junta de Freguesia de Monte Abraão e que tem liderado a contestação contra a REN, que conduziu ao desligamento da linha de Fanhões/Trajouce, considera em entrevista ao “ Jornal de Noticias”, recorrer desta decisão, e”levar o caso até às últimas instâncias judiciais”.

Da parte da REN,em entrevista à SIC, pretende desde já proceder à reactivação da linha.

No decorrer deste processo, sempre liderado por Fátima Campos, a CMS, aceitou acordar com a REN o enterramento da linha no percurso urbano de S.Marcos.

S.Marcos
Post relacionado:
-Movimento Nacional Contra as Linhas Alta Tensão em Zonas Habitadas (MNCLAT) -aqui

terça-feira, julho 29, 2008

Defender a Floresta

Imagem do incêndio na Serra de Sintra de 7 Julho, na zona dos Capuchos

Algumas iniciativas para defender a serra de Sintra de incêndios, estão em marcha.De Julho a 30 de Setembro, um grupo de jovens voluntários vão vigiar a Serra de Sintra no âmbito de um “Programa de Voluntariado Jovem para a s Florestas”.Também irão sensibilizar as populações para “o risco de incêndio,limpeza das áreas florestais, e participação de inventariação de necessidades de intervenção nos espaços florestais, quer em acções de limpeza, quer em registo de ocorrências.”

Imagem do incêndio na Serra de Sintra de 7 Julho,na zona dos Capuchos
Florestas de Sintra em discussão

Até 21 de Agosto está disponível para consulta pública o Regulamento de “Zona de Intervenção Florestal de Sintra” no site da CMS.

Este ano já com dois incêndios, a Serra de Sintra necessita da vigilância e dos cuidados de todos para não colocar em risco o tesouro florestal que herdámos. As intervenções que os cidadãos de Sintra desenvolverem nesse sentido serão de grande utilidade e uma forma de colaborar com as corporações de Bombeiros, que nesta altura do ano se mantém vigilantes para evitar os perigos de novos incêndios numa zona tão sensível como a Serra de Sintra.

segunda-feira, julho 28, 2008

Biblioteca e acesso à internet nas areias da Praia Grande

Já referido no “Rio das Maçãs”, actualizamos agora com as fotos de uma boa idéia. Um espaço de leitura (especialmente para os mais novos) e acesso à internet e zona Wireless em plena Praia Grande, promovido pela CMS, através da Divisão de Bibliotecas Municipais.

Esta acção de promoção de leitura “De férias com a Biblioteca –Livros com Areia”, vai durar até 31 de Agosto, todos os dias, entre as 10h00 e as 18h00.


sábado, julho 26, 2008

Parque Natural Sintra Cascais interdita acesso à Praia da Aguda

A população de Fontanelas, e os banhistas e pescadores que habitualmente frequentam a Praia da Aguda estão revoltadas pela interdição decretada em 20 de Maio pela Capitania de Cascais a pedido do PNSC. Justificando esta medida com “a grave situação de degradação da escadaria que não oferece condições de segurança para a sua utilização”.

O Presidente da Junta de Freguesia de S.João das Lampas também não se conforma com a interdição , não aceitando que se opte por “interditar o acesso à praia da Aguda em vez de se proceder ao arranjo”.Estando neste momento a correr um abaixo assinado contra a interdição, reinvindicando que “sejam tomadas as necessárias medidas para repor o acesso à Praia da Aguda”.

A CMS como é seu costume mantém um total silêncio.

”No topo da arriba e ao longo da parte superior do caminho que desce até à praia, vê-se uma duna fóssil com estranhos oblíquos de areia consolidada, testemunho da presença do mar a níveis mais elevados que o actual, há muitos milhares de anos”

No placard informativo sobre a Praia da Aguda do PNSC

Praia da Aguda embora não seja uma praia vigiada, é concerteza uma das mais belas do litoral Sintrense.É lamentável que os responsáveis (PNSC e CMS), deixem degradar uma zona de beleza paisagística única, (Praia Pequena, Miradouro das Azenhas do Mar,arribas da Praia da Aguda)e continuem de costas voltadas para os interesses da população da zona e do interesse turistico desta zona de praia




Post relacionado
-As arribas e o Parque Natural Sintra-Cascais-aqui

sexta-feira, julho 25, 2008

Palácio da Vila de Sintra campeão das visitas

O Palácio Nacional de Sintra, no primeiro semestre de 2008, continuou a ser o campeão de visitas a monumentos nacionais, com 187.610 visitantes.

Fonte: Instituto dos Museus e da Conservação

quarta-feira, julho 23, 2008

O caso do nicho de Thiago Bradell

Em Janeiro de 2008, publiquei uma foto de um nicho da autoria de Thiago Bradell , que localizei em Morelinho, pequena localidade junto a Nafarros. Recentemente um comentário de um anónimo neste blogue, chamava a atenção para a localização certa do nicho - Nafarros e não Morelinho...

Devido a esta chamada de atenção, prontamente publiquei um post que titulei “A Nafarros o que é de Nafarros” que rectificava a localização do nicho.

O amigo ZM do blogue “Arrumário”, em comentário, chamou a atenção de que o tal anónimo, estaria mal informado, pois não sendo o local do nicho um “enclave” de Nafarros, o local onde foi construido era mesmo Morelinho.

Prova dos nove

Morelinho é definitivamente o local onde se encontra o nicho, as placas não mentem e a primeira indicação do local, mencionada em post em Janeiro deste ano, estava de facto certa.
O comentário anónimo que despoletou este “caso”, estava equivocado.
As fotos não enganam...

Placa de fim de localidade (Morelinho)

Placa de início de localidade (Morelinho), e o nicho...
Conclusão:
Aprendi com este caso, que não devo dar crédito imediato, a comentários anónimos.
Agradecimentos:
A ZM do blogue “Arrumário”, que me deu a conhecer o autor do nicho, e ajudou nesta fase a esclarecer a localização no terreno do dito.






terça-feira, julho 22, 2008

As arribas e o Parque Natural Sintra-Cascais


Praia da Aguda

Após dois anos do fecho do café do miradouro da Azenhas do Mar por riscos de desmoronamento das arribas e da Praia Pequena ser interditada pelos mesmos motivos, surge agora outra “intervenção” do PNSC na Praia da Aguda -praia muito procurada pela sua beleza e também como alternativa às praias mais frequentadas da zona,

Todas estas intervenções tem uma coisa em comum...placards de interdição por motivo de risco de desmoronamento,e nada mais.
Placard da Praia Pequena
No caso da Praia da Aguda, a interdição decretada em 20 de Maio pela Capitania de Cascais, a pedido do PNSC , embora com a opinião contra do presidente da Junta de S.João das Lampas, e terá a ver com “a grave situação de degradação da escadaria que não oferece condições de segurança para a sua utilização".

Placard das Azenhas do Mar
Para quando uma intervenção do PNSC , com o objectivo de resolver estes problemas de estabilização das arribas, salvaguardando o interesse público e paisagistico?


Se o PNSC continuar sómente a “plantar” placards em vez de intervenções sérias para estabilizar as arribas em perigo de desmoronamento, iremos ter nos próximos anos centenas de placards...e mais desmoronamentos.


segunda-feira, julho 21, 2008

As Pegadas dos dinossauros da Praia Grande

Foto RiodasMacãs


A Paleontóloga portuguesa, Vanda Santos publicou agora o primeiro roteiro dedicado a rastos de dinossauros ou dinossáurios em Portugal (notícia de hoje no Jornal “Público”).

Fazendo parte deste roteiro a Praia Grande como um dos 19 locais mais importantes, em que é possivel ver pegadas destes animais pré-históricos.

As pegadas das arribas da Praia Grande terão entre 145 a 100 milhões de anos (Cretácico inferior).
Imagem Jornal “Público”.

Post relacionado
-No tempo em que havia dinossauros na Praia Grande-aqui

domingo, julho 20, 2008

“Noites de Colares”no Mucifal

Integrado na programação das “Noites de Colares”, aconteceu hoje no Mucifal um concerto executado pela banda da Sociedade Filarmónica da União Assaforense.




sábado, julho 19, 2008

A Nafarros o que é de Nafarros

Em 11 de Janeirode 2008, publiquei um post, que referia que o nicho da autoria do Arq. Thiago Bradell, dedicado a Nossa Senhora do Cabo encontrava-se em Morelinho. Um comentário de um visitante anónimo e aparentemente aborrecido com o erro, veio agora corrigir que o local onde se encontra o nicho, é em Nafarros e não como inicialmente informei Morelinho, localidade contígua com Nafarros.

Aqui fica a rectificação.

quarta-feira, julho 16, 2008

Os 39 anos da "Apolo 11" no Centro de Ciência Viva em Sintra

O Centro Ciência Viva de Sintra iniciou no dia 15, uma série de actividades alusivas à chegada do Homem à Lua que ocorreu à 39 anos,( 20 Julho de 1969).

As actividades dedicadas aos mais jovens, vão acontecer durante as duas próximas semanas.

Foto Nasa

Programa de actividades- aqui


terça-feira, julho 15, 2008

O largo de Almoçageme

A Adega "Viuva Gomes"

(Reedição actualizada)

O Arquitecto Nuno Teotónio Pereira, num interessante texto sobre Almoçageme, publicado em “ Guia Sentimental -Parque Paraque Tequero” ed. do PNSC, considera que Almoçageme é Uma Aldeia onde se pode encontrar um largo que pensa que deve ser caso único no país, pois nele se reune tudo o que pode estar num largo de aldeia: É qualquer coisa de excepcional, pois tem cemitério, igreja,mercado, coreto, fontanário, cruzeiro, café,bombeiros e adega. Tudo numa aldeia agradável e humana onde os naturais ainda são mais numerosos que os forasteiros.”



A Igreja e o café "Moinho Verde"
O mercado

O cemitério

Os bombeiros

O cruzeiro

O fontanário e o coreto
*Nota do blogue - Tem ainda um infantário e sanitários.



domingo, julho 13, 2008

Exposição - 100 anos da Região Demarcada de Colares II

Exposição dos 100 anos da Região Demarcada de Colares pode ser visitada
até ao dia 5 de Outubro,( entrada livre) nas Caves Visconde Salreu em
Colares

-Sexta feiras, sabádos e domingos às 16H00


Ao contrário de um pseudo “Museu do Vinho” itinerante que desde 2007 é anunciado, e que defrauda qualquer interessado em conhecer a história do vinho de Colares - esta exposição promovida pela CMS, e apoiada pelas três adegas principais da região, dignifica o Vinho de Colares e todos que cultivaram e cultivam as vinhas, e ainda produzem o famoso vinho de Colares.

Bastante bem documentada, no espaço apropriado a Adega Visconde Salreu, os visitantes podem viajar através da Região Demarcada de Colares,da História, do Vinho e das Pessoas, e da Arte, e ficar a saber mais sobre o vinho Ramisco, e as técnicas ancestrais do seu cultivo em chão de areia.



Pontos negativos : o horário da exposição e a falta de uma publicação que deixasse o visitante com mais informação sobre o Vinho de Colares, e o espaço pouco simpático das provas do vinho.








sexta-feira, julho 11, 2008

Exposição - 100 anos da Região Demarcada de Colares


A partir de hoje e até ao dia 5 de Outubro, Colares comemora o centenário da Região Demarcada de Colares criada por Carta de Lei de 18 de Setembro de 1908, com uma Exposição que decorre nas Caves Visconde Salreu. Esta região demarcada destaca-se pelo cultivo da vinha da casta ramisco plantadas em chão de areia.
O vinho de Colares tem uma história de prestígio e que tornou esta região conhecida um pouco por todo mundo.

Fotos da coleção da Alagamares


Os incêndios do passado domingo na Serra de Sintra


17H00, foto obtida a partir de Colares

Publicamos hoje três fotos do violento incêndio que deflagrou no domigo na zona sensível dos Capuchos,(post publicado no Rio Das Maçãs), O alerta foi dado muito perto das 17H00, num domingo muito ventoso, o que complicou o trabalho de 228 bombeiros que combateram o incêndio. O combate foi apoiado por meios aéreos, e 65 viaturas.
O incêndio foi dado como circunscrito cerca das 20H00, mas só depois de uma intervenção de 2 aviões Canadairs, já muito próximo das 21H00, os bombeiros puderam descansar.

Algum tempo depois era este o aspecto da coluna de fumo
Ataque ao incêndio com um dos dois helicópteros usados com grande eficácia
Post relacionados
-Serra de Sintra fustigada por incêndios-aqui
-Incêndios no Parque Natural Sintra Cascais-aqui

quinta-feira, julho 10, 2008

Praia das Maçãs


“Praia de areia dourada e foz do rio que lhe dá o nome (conta-se que no Outono o rio transportava até ao areal muitas maçãs provenientes das quintas que atravessava) a povoação apenas começou a despontar nos finais do seculo XIX, quando o padre Matias del Campo, pároco de Colares, um habitante das Azenhas do Mar de nome Manuel Prego e o compositor e pintor Alfredo Keil, autor de A Portuguesa aí construiram as três primeiras casas.”

No "Sintra Guia", Ed.CMS

terça-feira, julho 08, 2008

Apesar da contestação os jardins de Seteais continuam fechados ao público

José Alfredo no "Jornal de Sintra" de 5 de Agosto de 1934 escreveu o seguinte poema numa das alturas em que se pretendia fechar o acesso público a Seteais:

Na questão do Seteais
Número "sete" predomina
"Sete" os escritores geniais
Que por sua triste sina,
Têm o caso discutido
Com "sete"pedras na mão
Foi o assunto debatido
Em "sete" jornais,mais não,
Todos com grande facécia
Competência e valor
Quais "sete" sábios da Grécia
"Sete" ais com amargôr,
-Diz o nosso "Rio Dez"
No jornal foram lançados
E,aqui,leitor,já vês.
Domingos "sete" empregados
Como os pecados mortais,
"Sete" as opiniões de alguém,
Que não me consente mais
Divulgar seu nome(Bem:
Vê leitor,a tal respeito
O nosso último jornal,
Se procurares a preceito,
Verás quem é esse tal).
Consta ir o Conde encerrar,
A "sete" chaves as portas:
Contra tal hei-de lutar,
Porque assim,a horas mortas,
Não posso ir ver as estrelas,
Do Penedo da Saudade.
P´ra não 'star com mais aquelas,
E ainda em continuidade
Do assunto debatido
Direi que os vereadôres
-Tomem n'sto bem sentido
São "sete" grandes valôres
Que continuam calados.
E agora,p'ra terminar
Meus versos mal encavados,
Devo já declarar.
Seteais tem "sete" letras...
Mas oh!Que grande revez:
Não há mais "sete" nenhum,
Pois "Madoro" e "Rio Dez"(1),
Têm só seis cada um."

(1)Madoro(Manuel Domingos Rosa) e Rio Dez,dois colunistas do Jornal de Sintra que defendiam a posição do Conde de Sucena que dizia pretender ajardinar o Campo de Seteais para servir como Parque Infantil,concedendo-lhe o mesmo estatuto do Parque da Pena.Só que este parque encerrava ao sol posto e os sintrenses não permitiam que jamais o acesso ao Campo fosse impedido,a qualquer hora do dia ou da noite.

segunda-feira, julho 07, 2008

Serra de Sintra fustigada por incêndios

Imagens (que por motivos técnicos, neste momento são de má qualidade),obtidas a partir de Colares do incêndio cerca das 17H00
Eram cerca das 17H00, quando deflagrou mais um perigoso incêndio no PNSC, desta vez na encosta de Colares, segundo algumas informações na Quinta do Carmo, perto da zona dos Capuchos.

Combateram este incêndio 200 bombeiros, de 20 corporações, apoiados por 2 helicópteros e no final do incêndio por 2 aviões canadairs.

Parece estar extinto agora, mas foi um fim de semana terrivel para a serra,esperamos que os PSML, e PNSC tomem as medidas necessárias para evitar novos sustos, numa área tão sensivel como a serra de Sintra.