sábado, fevereiro 28, 2009

Postal das Azenhas do Mar



Aqui nesta praia onde
Não há nenhum vestígio de impureza,
Aqui onde há somente
Ondas tombando ininterruptamente,
Puro espaço e lúcida unidade,
Aqui o tempo apaixonadamente
Encontra a própria liberdade.

Liberdade- Sophia de Mello Breyner Andresen

*Fotos: Azenhas do Mar em 27-02-2009

sexta-feira, fevereiro 27, 2009

Quinta da Fonte

Foto maps.lives.com

Vulgarmente conhecida por Convento ou Colégio das Irmãs Doroteias, a Quinta da Fonte surge ao viajante à entrada da localidade do Linhó, junto à estrada que liga Sintra a Cascais. Embora a construção do actual edifício, datada de 1956, seja relativamente recente, este encontra-se ligado à casa do Barão do Linhó, uma antiga habitação do século XVIII.
(...)
Em 1937 a Condessa de Cuba , D.Maria Francisca Borges de Medeiros de Sousa Dias de Câmara, mulher de D.Alexandre Henriques Pereira de Faria Saldanha de Vasconcelos de Lencastre, primeiro e único Conde Cuba, recebe do seu irmão, Barão do Linhó, a Quinta da Fonte, que incluia uma pequena casa com características tipicamente portuguesas.
Fica com a condição no legado que aqui fosse perpectuada a Festa de Nossa Senhora da Conceição a qual é ainda tradicionalmente celebrada no Linhó no último domingo do mês de Agosto.

Foi precisamente, a partir dessa casa que nasceu o colégio das Irmãs Doroteias, após grandes obras realizadas em 1952 pelas Irmãs, segundo projecto do arquitecto Vasco de Morais Palmeiro mais conhecido por Vasco Regaleira.
De um texto de Teresa Marques Alves, publicado no "Jornal da Região -Sintra" em 28/02/2001

quinta-feira, fevereiro 26, 2009

Exposição de "Brinquedos Personalizados" no Museu do Brinquedo até dia 28

A exposição «Brinquedos Personalizados... Recordações da infância de figuras públicas portuguesas» pode ser vista até ao dia 28 de Fevereiro, no Museu do Brinquedo em Sintra.

"Livros, bonecas, comboios, soldadinhos, jogos, construções, peluches, etc, etc, recordações da infância de algumas figuras públicas portuguesas.

No espaço é, simultaneamente, exibido um DVD com depoimentos dessas pessoas sobre a história e sua relação com o brinquedo exposto. "
"Texto do Museu do Brinquedo"

Horário 10.00h-18.00h
Foto de "Jeux et Jouets du Ciel" colec. Air France

quarta-feira, fevereiro 25, 2009

Seteais ontem e hoje

Hoje
O Palácio e os jardins de Seteais encontram-se encerrados, (desde 2008) situação inédita, pois desde 1800 o terreiro de Seteais foi de acesso público, por imposição do povo de Sintra. (foto de 20/02/2009)

Ontem
“A quinta da Alegria ou Seteais foi anunciada para venda em 1796, estando encarregado d’esta Carlos José Von Nefs, morador na rua de S.Francisco da Cidade. Depois annunciaram, sucessivamente, o leilão de todos os bens da viuva D.Joanna Gildemeester, constante de muitas joias de perolas e brilhantes soltos, pinturas, loiças de Saxónia, livraria de bellas lettras, etc. O leilão continuava em 1800. O palacio de Seteais passou por compra, ao marquez de Marialva, que ahi ofereceu bellas festas a D.Maria I.”
“O terreiro pegado ao palacio serviu, in illo tempore, para exercitações dos milicianos cintrenses com as suas reiunas ferruginosas e, modernamente para os sportismos muito mais fragueiros das tauromachias. Em 1853 e 1855 houve ahi curiosissimas toiradas fidalgas.
A ultima festa que se deu no palacio de Seteais foi em 2 de Setembro de 1876.Consistiu em recita e baile, a que assistiram el-rei D.Fernando, o infante D.Augusto , a condessa d’Edla , os duques de Palmella e de Loulé, Fontes,etc.

No palacio de Seteais não se repetiram as festas. E elle lá se conserva immerso nas recordações deplorativas, e tristes pela nostalgia do passado..."


Pinto de Carvalho - Texto e foto, publicado na revista “Brasil Portugal” de 1 de Abril de 1901
*Ortografia e acentuação conforme texto original

Legenda -Um aspecto da assistência-A rainha Senhora D.Maria Pia, El-Rei, o Principe Real
Foto de Benoliel, publicada na revista "Brasil Portugal" de 1 de Outubro de 1910

terça-feira, fevereiro 24, 2009

Outros Carnavais

Carnaval no Chiado em Domingo Gordo
Teve fama o antigo carnaval do Chiado, quando chegava a haver o receio de por lá se passar. Os rapazes faziam fortalezas dos andares e durante três dias havia uma animação enorme e ficava a rua toda coberta de pós e de tremoços que fermentavam. Só em quarta-feira de cinzas se restabelecia o sossego. Agora com os editais e a festa localizada na avenida, onde se celebram os concursos, o carnaval do Chiado limita-se à passagem das carruagens que vão por ali a caminho do centro dos festejos, passando sob nuvens de serpentinas, na grazinada alegre dos mascarados que por sua vez correspondem com serpentinas e confettis ao ataque feito dos andares.


"Illustração Portugueza" de 15 de Fevereiro de 1904

segunda-feira, fevereiro 23, 2009

Palácio de Monserrate em 1904

“Monserrate é aquele palácio de fadas que fica além da Penha Verde na volta da serra de Cintra, alcantilada e verde, todo garrido e garboso no seu estylo arabe entre arvoredos que dia a dia mais se copam, como para esconderem a residência, mimo d’arte n’uns longes d’essas habitações de conto maravilhoso, nas quaes se levava a entrar um anno e um dia.” Era assim o início de uma reportagem publicada na revista “Illustração Portugueza” de 26 de Setembro de 1904, sobre o Palácio de Monserrate. O objectivo era mostrar o interior do palácio, visita acompanhada pelo Visconde de Monsserate o proprietário na altura, e que nos permite publicar hoje as fotos do interior do palácio com o mobiliário que existia em 1904.




Numa altura em que o Palácio de Monserrate está a ser reabilitado pela PSML, e segundo afirmações do seu presidente António Lamas ao “Jornal da Região” de 10 de Fevereiro, pretender fazer a “escolha do mobiliário, o mais próximo possível do ambiente do final do século XIX”, aqui ficam umas fotos que podem dar uma ajuda.

domingo, fevereiro 22, 2009

Notícias do World Press Cartoon 2009

World Press Cartoon 2009, que se vai realizar em Sintra a 17 de Abril, já está em movimento. O júri já reuniu e escolheu os vencedores deste ano. Os nomes dos vencedores serão conhecidos em 17 de Abril, em cerimónia a realizar no Centro Cultural Olga Cadaval.


Via "Expresso Multimédia" um vídeo da reunião do júri.

sábado, fevereiro 21, 2009

Porque hoje é Sábado

Foto colecção particular

A efeméride e a crise


- A fábrica de comboios eléctricos em miniatura alemã Marklin assinala este ano o 150º aniversário. A Marklin, tem ao longo dos anos, permitido momentos de felicidade a várias gerações com os seus comboios eléctricos .Esta efeméride é marcada também pela crise financeira mundial, e neste momento a fábrica de comboios em miniatura vive um processo de insolvência.

Actualmente a Marklin detém 70 por cento do mercado mundial de comboios em miniatura,
com um volume de negócios de 128 milhões de euros em 2008.

Em Portugal como por todo o mundo, os comboios Marklin tem bastantes seguidores, que acompanham, principalmente desde os anos sessenta as novidades que anualmente surgiam nos seus catálogos.


Foto da exposição no Museu do Brinquedo de Sintra

Também o Museu do Brinquedo de Sintra tem exposto um cenário muito completo com um sistema de linhas e comboios Marklin.

O Jornal
“Diário de Notícias” publicou ontem um interessante artigo, sobre esta famosa marca.

Diário de Noticias de 20/02/2009

sexta-feira, fevereiro 20, 2009

A montra do Vinho de Colares

O café“Cantinho da Várzea” em Colares, vizinho paredes meias com o rio das Maçãs, tem neste momento uma montra alusiva ao famoso Vinho de Colares. Iniciativa muito interessante, num momento em que a divulgação ao vinho Ramisco, elemento integrante na cultura das gentes desta região, não existe.

No “O Vinho de Colares” uma edição da Adega Regional de Colares em 1938, em destaque nesta exposição , é sublinhado a frase:

«“O Ramisco” Casta nobre de Colares e os seus três amigos, O SOL, A AREIA E O MAR.»

Perfeita síntese do ambiente que a vinha desta casta necessita para produzir as uvas que produzem o vinho referenciado tantas vezes por Eça de Queirós nas suas obras.

Anúncio ao vinho de Colares, publicado em 1933 no "Diário da Manhã"

quinta-feira, fevereiro 19, 2009

Cores de final de tarde na Praia Grande

Fotos da Praia Grande ontem à tarde
Na Praia Grande os autênticos dias de Primavera em Fevereiro, criam nos fins das tardes cores no céu e no mar, a que ninguém fica indiferente.


“È aí (Praia Grande), que o mar se enrola na areia e a praia se esvazia, que Marçal Grilo gosta de reencontrar o que define como o mais belo pôr de Sol do mundo.Vezes sem conta por ali se perdeu do mundo na esperança de observar o “raio verde”, o fenómeno popularizado pelo romance de Julio Verne, que não é fácil de observar e lhe escapou até hoje.” (...)

“Raio verde”

“Quando o Sol se põe e a linha do horizonte está completamente limpa, há um instante quando o Sol desaparece, instante imediatamente a seguir, em que sobre a água, os raios vermelhos, alaranjados e amarelos desaparecem antes do verde, azul e violeta.É num momento fugaz, numa pequena fracção de tempo. É quando o limbo superior toca no horizonte que se dá o raio verde.”

Excertos do texto “O mar na Praia Grande parece maior que nas outras praias”de Marçal Grilo em PARQUE PARATE QUERO –ed.Pedra da Lua

quarta-feira, fevereiro 18, 2009

Um alerta sobre o Convento dos Capuchos

Rui Vasco Silva, no Blogue “SOS Capuchos”, faz um alerta sobre o estado de degradação e abandono em que se encontra o Convento dos Capuchos, cuja construção remonta ao séc XVI. Graffitis deixados por visitantes, falta de guias, necessidade urgente de obras de recuperação, questões da segurança do local, alguns dos aspectos que a PSML deveria ter em consideração.

A envolvência florestal arrasada pela intervenção “anti-infestantes“ que ocorreu em 2007, dá actualmente àquele local uma imagem que envergonha quem gosta de Sintra.
O que escreveria dos portugueses, William Beckford se hoje voltasse a Sintra e visitasse o
Convento da cortiça?

Fotos da entrada do Convento publicadas na "Illustração Portugueza" de 3 de Agosto de 1908

“Tenho para mim, porque a realidade assim me leva a concluir, que os Capuchos são a pedra no sapato das sucessivas tutelas. Centrando-me na actual, não é difícil concluir que o Convento é o parente pobre dos Parques sob controlo da Sociedade PSML, razão pela qual o investimento (não apenas mas também financeiro) realizado pela empresa nos diferentes espaços que tutela é tão desiquilibrado, e desajustado face às necessidades dos mesmos.”
Rui Vasco Silva no Blogue “SOS Capuchos”

terça-feira, fevereiro 17, 2009

Lawrence's Hotel


O Diário de Notícias dá destaque na sua edição de 16 de Fevereiro de 2004, ao hotel mais antigo da Península Ibérica, imortalizado por Lord Byron em “Peregrinação de Childe Harold”, e Eça de Queirós nos “Os Maias”.
Construído em 1764, o Lawrence’s é hoje um dos locais de Sintra que cruza a sua história literária romântica com o ambiente Romântico de Sintra.


D.N. de 16/02/2009

Curiosidade - Preçário do Lawrence's Hotel em 1907

segunda-feira, fevereiro 16, 2009

Apontamentos sobre o carro eléctrico da Praia das Maçãs

Legenda:Vista geral das Installações (Ribeira de Sintra)

Publicado na "Illustração Portugueza" em 4 de Abril de 1904
Legenda: Material nas installações da Ribeira

As experiencias officiais da tracção electrica de Cintra ao Oceano, em 27 de Março (1904) Pelas duas horas entre alas de povo, ligeiros e garridos os primeiros carros partiram. Largou primeiro o 14, dirigido pelo engenheiro Wan-den-Walles. Deslisando vertiginosamente pelas linhas, ao sol, saudado pela multidão, o carro atravessou as ruas, passou entre os campos verdes e em 24 minutos chegou a percorrer 8 kilometros.
Pouco depois outros carros partiram, com o engenheiros Benjamim Costa e Simão de Martel.
Durante o percurso os vehiculos eram acclamados, ouvindo-se palmas e vivas, e, n’aquelle banho de luz, os vidros reluziam, os metaes scintillavam, os carros galgavam a distancia, assegurando um novo e bem importante melhoramento á villa de Cintra. Á volta o vehiculo veiu vagarosamente, entrou no Largo D.Amélia, onde havia uma enorme agglomeração que mais uma vez a saudou, mostrando assim o contentamento da população da villa por este progresso digno de todo o louvor.
Os carros já funccionam para publico com uma tabella de preços modicos.
Legenda: Chegada de um carro à Ribeira – passagem do carro em Galamares- partida do 1º carro em Cintra – a casa das Caldeiras
Legenda : Chegada do carro a Collares

Nota.Ortografia e acentuação conforme texto original

domingo, fevereiro 15, 2009

Palácio da Vila fechado para manutenção

O Palácio Nacional de Sintra vai estar encerrado ao público entre os dias 16 e 20 de Fevereiro, na sequência das acções de manutenção, limpeza e conservação, agendadas para aquele período. Segundo informação do Ministério da Cultura e Instituto dos Museus e da Conservação.

sábado, fevereiro 14, 2009

História dramática na Praia das Maçãs nos inícios do Séc.XX

Legenda: Mae de uma das victimas gritando contra o banheiro.

Em quinta-feira 28 de Setembro duas meninas do logar do Mucifal, uma de 14 annos chamada Marcellina Rosa e outra de 15 annos chamada Umbellina d’Assumpção, primas carnaes, foram como de costume pelas 7 horas da manhã tomar o seu banho despindo-se na barraca do João Claudio, um dos quatro banheiros que teem installações na praia que, quando as reconduzia, lhes recommendou não tornassem a metter-se no mar.
Dentro em pouco quando o banheiro estava com outra cliente n’agua alguem lhe disse atrapalhadamente: “Olhe as pequenas do Mucifal andam além embrulhadas”. Com effeito as pequenas tinham saído da barraca e entrado de novo no mar, sendo logo levadas pela ressaca. João Claudio atirou-se em seu socorro, começou a nadar com rapidez, chegando a agarrar uma d’elas pelo fato, mas tendo que a largar em virtude da violência das ondas; o pobre banheiro ainda mergulhou e ainda veio ao lume d’agua estava exhausto, conseguindo chegar a terra em virtude de lhe ter sido lançado uma toalha por uma mulher de nome Josephina que assim, ao vê-lo perto, mas sem poder nadar.

Legenda: Mulheres do Mucifal e a mae de uma victima orando

Quando a noticia chegou ao Mucifal os paes das victimas dirigiram-se logo para a praia havendo então cenas bem dolorosas e, tendo chegado muita gente do Mucifal, começou uma perseguição aos banheiros que na sua grande excitação culpavam do desastre tendo-se refugiado os perseguidos, uns no Chalet Cunha, outros no posto fiscal das Azenhas do Mar até onde aquella gente os foi apedrejando.
Legenda:Os banheiros da Praia das Maçãs João Claudio,Afonso Lopes e José Daniel
Texto e fotos (António Cunha) publicado na "Illustração Portugueza" de 9 de Outubro de 1905


Outro caso ocorrido também na Praia das Maçãs, é relatado por Visconde de Juromenha em “Cintra Pinturesca” de 1838:

”Um funesto exemplo se experimentou recentemente no anno de 1838. Tres senhoras que se banhavam foram arrebatadas pelas ondas juntamente com os banheiros; destas apenas huma foi arrojada morta á praia, as outras não foram mais vistas, enchendo de consternação tão lastimoso successo as familias, que naquele tempo por aquelles sitios residiam”

Nota:Ortografia e acentuação conforme os textos originais

sexta-feira, fevereiro 13, 2009

Chalet da Condessa d'Edla 2009

Foto do Chalet, publicada na Revista "Brasil Portugal" de 1 de Setembro de 1900

O” Jornal da Região” de 10 de Fevereiro, relata que a previsão para recuperação do interior do Chalet da Condessa d’Edla no Parque da Pena, terá início em 2010, longe do que estava previsto no plano de obras de recuperação, que apontava para que as obras estariam terminadas em Julho de 2009.

Esperando que estes prazos não se dilatem no tempo, e que pelo menos a afirmação ao ”Jornal da Região” do presidente da PSML de que nesta época estival será possivel abrir o Chalet, para que “as pessoas vejam a obra a andar” tenha correspondência com a realidade.


Jornal da Região de 10 de Fevereiro de 2009

quinta-feira, fevereiro 12, 2009

Lenda de Monserrate

Aguarela de Stephen Brody

Diz a tradição que nos tempos de domínio árabe morou naquele sítio, no alto da Penha, um moço árabe ou fidalgo cristão, que tinha grande predomínio com todas as famílias cristãs que habitavam a serra.

Esse moço árabe andava em rixa velha com o alcaide do castelo de Sintra, resultando dessa discórdia este vir desafiá-lo a um duelo. Deste duelo resultou a morte do moço árabe que ficou estendido no chão. Logo foi tido em conta por toda a gente como mártir, ao qual levantaram um túmulo e depois uma capelinha de oração.

Esta pequena ermida com o tempo ruiu, sendo em 1500 substituída por outra, edificada pelo padre Gaspar Preto, sob a invocação de Nossa Senhora de Monserrate, tendo vindo de Roma a imagem da Virgem, feita de alabastro.

quarta-feira, fevereiro 11, 2009

Um novo blogue sobre o Convento dos Capuchos

“SOS CAPUCHOS” é um novo blogue dedicado ao Convento dos Capuchos, o seu autor Rui Vasco Silva, responsável por dois outros blogues: Serra de Sintra e Parque da Pena - três trabalhos essenciais para quem quer conhecer melhor a Serra de Sintra.

Este novo blogue na sequência dos dois outros trabalhos pretende, como escreve Rui Vasco Silva, chamar a atenção para a “enorme importância histórica e patrimonial” do Convento dos Capuchos - preocupado também com “a destruição do espaço, e má gestão material, o desrespeito pelo seu espírito inicial bem como pela memória do lugar” e para a “ausência das imagens de arte sacra há muito tempo retiradas, supostamente para restauro.” Considera ainda que intervenção da PSML naquele local desde 2007, afronta a “ Memória do Lugar" pois as “Tapadas adjacentes ao Convento foram arrasadas pelo abate não proporcionado nem selectivos de árvores.” Pretende que o trabalho agora lançado, ajude a “sua recuperação, bem como pelo respeito relativo à história, ao espírito e à memória do lugar."

terça-feira, fevereiro 10, 2009

Parque de Monserrate

“Com uma história que remonta ao século XVI, Monserrate é hoje um enorme jardim plantado na vertente norte da serra de Sintra, um parque onde centenas de espécies diferentes de árvores, arbustos, fetos, flores ou líquenes convivem em plena harmonia nos seus cerca de 30 hectares. Estão lá as árvores, autóctones da serra, como os medronheiros, os carvalhos e os sobreiros. A elas se juntaram outras árvores e plantas vindas de toda a parte do mundo.”

Emma Gilbert, Presidente da Associação Amigos de Monserrate
No “Guia Sentimental – PARQUE PARAQUE TEQUERO” Ed.Pedra da Lua
Vista do Palácio sobre o relvado
Sobreiros em que nunca foi extraída cortiça
Casa de Pedra
Cascata de de Beckford

segunda-feira, fevereiro 09, 2009

Palácio de Valenças

"Cintra era então um refugio, onde se gosava socegadamente longe do bulicio da cidade, sem importunos e sem caminho de ferro.
Podia-se ali viver por gosto alguns mezes do anno, os mais quentes , cada familia em sua casa, ou no hotel do Sant’Anna, o que valia o mesmo.
Passavam-se os dias em deliciosos passeios ora á Peninha,á Penha Verde, á Varzea de Collares, a Sitiais, a S.Pedro, onde se encontravam francas as quintas dos srs. Marquezes de Vianna e de Vallada, ou ao Duche a gosar a frescura perenne d´aquelle logar, onde a agua nasce borbotando da areia e as arvores seculares se fecham em cerrada aboboda, onde os passarinhos chilreiam e os doirados raios solares a custo penetram por entre a folhagem.
Pois foi n’este logar, onde se bifurcam as estradas que vão para a recente Villa Estephania e para a velha fonte da Sabuga, que o bem conhecido negociante da praça de Lisboa, sr. António Lopes Ferreira dos Anjos mandou edificar o palacio, que faz o assumpto da nossa gravura, palacio magnifico que attesta o bom gosto do seu fundador e que é uma das melhores coisas que ha para ver em Cintra.
O sr. Anjos confiou o risco e a direcção da obra ao notavel architecto italiano José Cinatti, mas não teve a satisfação de a ver concluida, porque a morte o arrebatou, em 31 de Outubro de 1879, tendo principiado a edificação em 1877.
Este palacio, assim como toda a propriedade do Duche, deixou o sr. Anjos a sua filha, a ex.ma sr.ª condessa de Valenças ficando assim vinculado a essa casa.(...)"

Excerto de um texto publicado na "Revista Occidente" em 15 de Julho de 1896

No edifício romântico do Palácio de Valenças, funcionou durante 64 anos de 1939 a 2003 a Biblioteca Municipal de Sintra.

Nota:
O texto conforme a ortografia e acentuação original