terça-feira, junho 30, 2009

Memórias do Tempo -Os novos Paços do Concelho II

(clicar na imagem para ampliar)

Página da "Illustração Portugueza" de 1909, numa reportagem quando da inauguração em 13 de Junho de 1909, dos novos Paços do Concelho e da nova Cadeia de Sintra.

*Fotos são da autoria de Johsua Benoliel.

Fotos da antiga Cadeia de Sintra, também encontradas aqui e aqui

Os torreões dos Paços do Concelho

José Alfredo da Costa Azevedo, em "Bairros de Sintra" comenta:

“A construção dos Paços do Concelho, cujas obras terminaram como já disse, em 1909, no sítio de S.Sebastião , por ter existido uma capela que tinha tal santo como orago, a qual foi demolida em 1904 para no local se construir o edifício que aqui se encontra”

No seu texto José Alfredo Azevedo acrescenta que os Paços do Concelho, cuja “construção ficou incompleta, pois o projecto do Arquitecto Adães Bermudes previa outro corpo igual para o lado norte, também com um torreão.Nunca houve dinheiro para o construir.”

segunda-feira, junho 29, 2009

Sintra, Património da Humanidade vai ser avaliado pela UNESCO

De uma notícia da Lusa/ Jornal "Público online" de 26/08/2009

“A Unesco solicitou hoje ao Estado português uma missão para avaliar no terreno o património cultural de Sintra classificado como Património da Humanidade, soube a Lusa junto de fonte da Comissão Nacional da organização.

Segundo a mesma fonte, na reunião de hoje do comité da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), a decorrer em Sevilha, foi solicitado ao Estado português que convide o Centro Património Mundial desta organização a visitar a zona classificada de Sintra.

Esta missão, adiantou, deverá ser constituída por membros de duas entidades consultivas: o Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS) e a União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN).”

A notícia do "Público" indica ainda que a " Portugal foi ainda solicitado, nessa reunião, um relatório para ser enviado até Fevereiro do próximo ano à organização" pretendendo a Unesco uma "maior coordenação entre as entidades que gerem a paisagem património mundial de Sintra".

sábado, junho 27, 2009

Chalet Biester

(foto bing.maps)

Ernesto Biester (1829-1880), dramaturgo e jornalista, empresário do Teatro D. Maria lI, juntamente com D. João de Menezes e o actor Eduardo Brasão, desejou um dia construir um bonito e cenográfico chalet na encosta da Serra de Sintra. Encomendou a obra ao arquitecto José Luís Monteiro, em 1880, precisamente antes de morrer, em 12 de Dezembro do mesmo ano. Deixou assim o seu nome ligado a Sintra através do famoso exemplar riscado por José Monteiro, e soberbamente decorado nos inte­riores, onde a teatral idade efémera e os «décors» quase de ópera se adequam ao espaço, e que para tal foram recrutados, entre uma elite, aqueles que mais se familiarizavam com o gosto revivalista. Assim, apa­recem o entalhador Leandro Braga, o ceramista Bordalo Pinheiro e, sobre­tudo, o cenógrafo Luigi Manini, a trabalharem os cenários interiores, numa colaboração que, apesar da sua unidade aparente, assinala uma responsabilidade estética diferente.

Texto da autoria dos Prof.Sérgio Luis de Carvalho e João Rodil

sexta-feira, junho 26, 2009

57º Aniversário da FAP em Sintra

A Força Aérea cumpre este ano o seu 57.º Aniversário. Para comemorar esta data, o ramo aeronáutico das Forças Armadas organizou, a partir de 27 de Junho até 5 de Julho, uma série de eventos na Base Aérea de Sintra, com entrada gratuita.




Fotos do Festival Aerosnostalgia, em 25 de Maio de 2008 na Granja do Marquês (BA1)

quinta-feira, junho 25, 2009

Exposição documental - Memórias do Tempo

O edifício dos Paços do Concelho vai abrir as portas para receber uma exposição documental, que assinala o centenário do edifício, da qual consta a história da construção do edifício e dos dois bairros vizinhos onde foi edificado.

"Memórias no Tempo - Paços do Concelho de Sintra e Cadeia Comarcã Sintrense, Edifícios Centenários" inaugura a 27 de Junho, de segunda a sexta-feira, das 10H00 às 18H00, e fica patente ao público até 30 de Julho.


Em 20 de Junho de 1906, a Revista “Occidente”publicava um artigo sobre novos edifícios em Sintra
(reedição parcial de post publicado em 16 de Dezembro de 2008)

Os novos Paços do Concelho de Cintra


"A encantadora villa de Cintra, cantada pelo bucólico Byron que mais a celebrou em seu poema e d´ella levou fama ao mundo civilisado,também, parece lhe chegou a hora de engrandecer seus encantos naturaes, com aquelles que a arte fornece, completando assim a obra da naturesa e dos homens.

Uma vereação mais intelligente e illustrada á frente da qual se encontra, o sr. Dr. Virgilio Horta, entendeu muito bem, acabar com uns vergonhosos pardieiros que Cintra exibia em desolador espectaculo, como são a Cadeia, o Matadouro, e os casebres onde se acommodam as repartições publicas, tomando a iniciativa de proceder a novas edificações para aqueles fins.

Ao distinto architeto sr. Adães Bermudes, incumbio aquella vereação de fazer os projectos para os novos edificios(...)

A construcção d’este edificio representa para a villa de Cintra um grande melhoramento a par de embellesamento, e só nos resta fazer votos para que em breve o possamos ver erguido."
O edifício da Cadeia da Comarca de Sintra, edificado junto á estação nos terrenos do antigo cemitério foi inaugurada no mesmo dia que o edifício da Câmara Municipal, antigos Paços do Concelho , no dia 13 de Junho de 1909, durante as Festas da Primavera de Sintra.

quarta-feira, junho 24, 2009

Luzes do Mucifal


Melhoramentos no Largo do Mucifal

Em 31 de Março de 2007, publicámos um post sobre a Capela de Nossa Senhora do Mucifal, situado no largo do mesmo nome no centro do Mucifal.

Entretanto largo recentemente teve obras de melhoramento e a colocação de um busto de José Fernandes Badajoz o “Poeta Cavador”, ainda mais recentemente a Capela foi beneficiada com iluminação exterior.

A Capela de Nossa Senhora das Dores do Mucifal foi inaugurada em 1941.

terça-feira, junho 23, 2009

Moradores de Fontanelas e Gouveia reconstroem escadaria de acesso à Praia da Aguda

“O acesso à praia da Aguda está suspenso, mas a escadaria de madeira foi reconstruída por pessoas que vivem nas redondezas. Pedem a reabertura da praia, já utilizada por banhistas e pescadores apesar do perigo existente na arriba. Os moradores de Fontanelas e Gouveia, em Sintra, fartaram-se de esperar por uma intervenção oficial e decidiram consertar a escadaria de acesso à praia da Aguda, interditada há um ano. "Isto só acontece em Sintra, porque vamos aqui ao lado a Mafra e as praias estão cuidadas. Por isso aproveitámos o facto de ter dado à costa uma série de troncos e reconstruímos a escadaria", explica um morador e ex-dirigente associativo que pediu o anonimato.(...)”

Excerto de uma notícia do "Diário de Notícias" em 5 de Junho de 2009, de Luís Galrão



Fotos da Praia da Aguda em 21/06/2009

segunda-feira, junho 22, 2009

Incêndio na Serra de Sintra

O incêndio às 17H00

O primeiro dia de Verão ficou marcado pelo primeiro incêndio na Serra de Sintra. Ontem cerca das 17H00, deflagrou um incêndio em Gigarós.

A prontidão do ataque tanto por meios terrestres como aéreos,(1 helicóptero pesado), permitiu a sua extinção 40 minutos depois.
-A chegada do meio aéreo às 17H30
-17H40 o incêndio em vias de ficar extinto

Mais uma vez no momento em que o calor aumenta a Serra de Sintra é atingida por incêndios. O ano passado em 11 de Julho,um Domingo também às 17H00, na mesma zona deflagrou um violento incêndio perto da Quinta do Carmo (Capuchos).

domingo, junho 21, 2009

Tempo de Praia


(clicar nas imagens para ampliar)
Praia da Maçãs em reportagem no "O Notícias Ilustrado" de 8 de Setembro de 1929

sábado, junho 20, 2009

Sintra de Pinheiro Chagas

Post publicado com a colaboração de Nuno Saraiva do Blogue - Colares-Entre o Mar e a Serra
«Quem ousará passar n'outro campo que não fosse o de Seteais, cismar n'outro arvoredo que não fosse o da Penha Verde, comer outros pêssegos que não fossem os de Collares, outros dôces que não fossem as queijadas das trinta únicas e verdadeiras Sapas cujos protestos de veracidade se desdobram aos olhos do viajante espantado, nas paredes brancas da estrada do Ramalhão?»

Pinheiro Chagas (1842-1895)
Fora da Terra
Foto publicada na Revista "Occidente" de 15 de Abril de 1985

sexta-feira, junho 19, 2009

Praia da Ursa II

As fotos da Praia da Ursa, desta vez do areal


A Praia da Ursa “permanece invisível até se alcançar o alto das falésias de mais duma centena de metros de altura, a partir das quais se desenham os trilhos íngremes e ziguezagueantes, que lhe dão acesso.

Para quem se dá ao trabalho de lá chegar o prémio é um escaninho de paraíso, íntimo e quase secreto, amuralhado por vertiginosas arribas e emoldurado por dramáticos Farilhões, o mais emblemático dos quais responde pelo nome de Pedra da Ursa.

Um colar de escolhos e cachopos semeados em redor contribuem para a beleza do lugar, mas também para aplacar a fúria do mar e velam pela segurança dos banhistas, boa parte dos quais são naturalistas.
"

De um texto da revista “Fugas“ do Jornal "Público" de 31 de Maio de 2008
escolha das 10 melhores praias, texto de Luis Maio

Post relacionados:
Praia da Ursa -aqui
Praia da Ursa nos 10 mais do "Fugas"-aqui

quinta-feira, junho 18, 2009

As casas da Condessa II

Palácio da Condessa d'Edla (Palácio Raposo), na rua Alexandre Herculano em Lisboa em 1938 (foto de Eduardo Portugal ,Arq.Fot.CML)

Na sequência do post publicado em 21 de Maio de 2009, publica-se hoje, mais alguns apontamentos sobre os locais onde viveu a Elise Hensler .

A casa da Condessa em Lisboa, local onde faleceu 21 de Maio de 1929 , (confrontava com a Rua Camilo Castelo Branco, Rua Alexandre Herculano e Rua de Santa Marta), terá sido demolida por volta de 1940 e nesse local foram construídos dois prédios que lá existem ainda sendo num deles uma garagem, Auto Santa Marta.

Casa da Condessa d'Edla na Bafureira/Parede


Quanto à casa da Bafureira (Parede), é um caso exemplar de como neste País se preserva o património histórico.

-O jornal "Público" de 16 de Fevereiro de 2000, em artigo com o título em “Casa da Condessa d’Edla foi abaixo” relatava que a casa onde viveu Elise Hensler «Era uma das poucas casas do início do século que ainda se mantinha em pé na Parede.No domingo foi abaixo. “Ruiu”, disse ontem Manuel Arnault, da Sociedade de construção Manuel Santos e Filhos, que comprou a propriedade há acerca de um ano e meio e para a quem aquela construção era apenas uma “casa velha e sem qualquer valor”, construída por alguém que, segundo sublinha, foi “amante” e não mulher de um regente de Portugal(...)»

Após a demolição da casa a Câmara Municipal de Cascais, fez seguir um despacho ordenando a suspensão da demolição...
Jornal "Público" de 16-02-2000

A casa da Parede , tinha sido mandada erigir pela Condessa d’Edla, em 1901, projectada pelo arquitecto Nicola Bigaglia.

No “Diário de Notícias”, de 15 de Agosto de 2004, Maria João Pinto sobre a destruição da casa de Elise Hensler na Parede, escrevia:

“Espelho de quem a projectou, construiu ou nela viveu, uma casa é sempre um documento, tanto mais rico quando consolidado pelo teste do tempo. O que fica, pois, de uma casa quando a sua integridade e autenticidade são lesadas ao ponto de nada restar?(...)”


Em 2006/2007, foi construído no local um condomínio que "recorda" a Quinta da Condessa, (foto de Ricardo Carvalho)

Post relacionado:
As casas da Condessa-aqui

quarta-feira, junho 17, 2009

Praia da Ursa






Poucos se arriscam a descer à praia mais ocidental da Europa – a Praia da Ursa – devido aos escorregadios trilhos que lhe servem de acesso. Mas quem já visitou esta praia, vizinha do Cabo da Roca, não esquece a imponente e arrebatadora beleza selvagem que enquadra o pequeno (por vezes inexistente) areal.

Duas gigantescas pedras destacam-se no seu lado Norte fazendo-nos lembrar, a primeira, uma ursa em pose altiva. Uma lenda conta que há muitos milhares de anos, quando a terra estava coberta de gelo, aqui vivia uma ursa e seus filhotes. Quando o degelo começou, os Deuses avisaram todos os animais para abandonarem a beira-mar, mas a ursa, teimosa, recusou-se pois ali tinha nascido e ali queria ficar. Os Deuses enfurecidos transformaram a ursa em pedra e os seus filhotes em pequenos calhaus dispersos à volta da mãe e ali ficaram para sempre dando assim o nome à praia.


Um passeio de Inverno a não perder!

Texto da Agenda Cultural do Gabinete de Imprensa da CMS

terça-feira, junho 16, 2009

Três anos depois

O “Rio das Maçãs”, nasceu na blogosfera no dia 11 de Junho de 2006, embora o contador de acessos só fosse activado a 16 desse mês. Assim a data de aniversário será considerada a partir de 16 de Junho de cada ano.

2006-2009

Após 3 anos de actividade, foram publicados 1089 posts, e o blogue teve 159.146 Page views.

Como curiosidade o dia com mais acessos foi em 8 de Fevereiro de 2008 com 1387 Page Views.

Nota final:
O agradecimento a todos os visitantes e a todos que deixaram os seus comentários, dessa forma incentivando a continuação deste trabalho em prol de Sintra.


Clicar nas imagens para ampliar
Reedição parcial de um post publicado em 17 de Junho de 2006

A Casa Branca de Raul Lino

“(..)A Casa Branca, construída em 1920 enquanto residência de férias para seu próprio uso, e por esse motivo sem grandes exigências de projecto, a casa tem uma estrutura simples e denota alguma austeridade tanto no espaço interior como na sua imagem exterior.

Segundo Ana Vaz Milheiro, em artigo publicado no Público em 15 de Julho de 2003 -“A Casa Branca é provavelmente uma das suas melhores realizações, porque Lino , não foi obrigado a manipular programas domésticos demasiados exaustivos, que constituiam normalmente a encomenda típica da burguesia para quem trabalhava.

O imaginário da Casa Branca é o da Arquitectura popular portuguesa – ou melhor o modo como Raul Lino viu a tradição popular – e que se transformou numa das marcas que o seu percurso imprimiu ao longo da primeira metade do século arquitectónico português.”

Ainda hoje tantos anos depois a Casa Branca é uma referência para as Azenhas do Mar,com a sua localização e principalmente pelo branco da sua imagem que contrasta com o verde e azul que a envolve.

segunda-feira, junho 15, 2009

Colares



Viagem a Colares em 1907

“Tornando á estrada , segue para Collares, formosa villa por onde corre o rio das Maçãs, situada sobre duas collinas, tendo , no valle, a encantadora varzea. Dista de Cintra 6 kilometros.
Doada por D.João I, ao condestável D.Nuno alvares Pereira, foi passando aos diversos descendentes , ficando por ultimo patrimonio da Casa Real.
A varzea que se segue desde a Ribeira até ao Oceano, é rica de vegetação, tendo uma grande profusão de árvores de fructo e para terrenos de vinha.A sua perspectiva é deliciosa, e para a gosar, segue-se rio abaixo, n’um elegante barquinho, sob uma verdura, d’uma aragem fresca”

Excerto do Guia do Viajante em Portugal e suas Colonias em africa –(Empresa Nacional de Navegação) publicado em 1907