quinta-feira, fevereiro 28, 2013

Indeferido o pedido da Alagamares para o não arquivamento da classificação do eléctrico de Sintra

No+3+Sintra+Vilaa No+3+Sintra+Vilaa No+3+Sintra+Vilaa
No+3+Sintra+Vilaa
Foto histórica do eléctrico da Praia das Maçãs na Vila Velha, da colecção de Valdemar Alves, recentemente desaparecido do nosso convívio


Alagamares desencadeou em Janeiro passado uma campanha contra o arquivamento da classificação do eléctrico de Sintra como monumento nacional, tendo para tanto recolhido 420 assinaturas e dirigido uma reclamação à Direcção Geral do Património Cultural. (ver antecedentes e histórico em http://alagamaresnews.blogspot.pt/2013/01/ainda-classificacao-do-electrico-de.html ).

Transcrevemos a posição da Alagamares em resposta à DGPC  sobre este assunto:

"Respondeu-nos agora a Direcção Geral do Património Cultural através de um extenso ofício de 8 páginas, datado de 14 de Fevereiro, indeferindo o pedido de reversão de tal arquivamento, com os seguintes argumentos:



-Que o despacho de abertura de instrução do processo de eventual classificação data de 18 de Março de 1997, resultou da tentativa de assegurar a salvaguarda e protecção legal do bem cultural através da figura legal da classificação, em virtude do seu abandono nessa data, e lenta degradação das infraestruturas, sendo que por iniciativa da autarquia a linha foi reinaugurada a 4 de Junho de 2004, encontrando-se presentemente em funcionamento em toda a sua extensão.



-que não existem circunstâncias susceptiveis de acarretarem diminuição ou perda de perenidade ou da integridade do bem, podendo considerar-se que “o conjunto apresenta um valor singular, um interesse histórico e turístico dos pontos de vista arquitetónico, técnico e industrial que justificam a sua eventual classificação de âmbito municipal”.



-que não se deve cair na banalização da classificação enquanto figura de salvaguarda patrimonial.



-que, compreendendo a questão dos afectos, dos sentimentos e das memórias patente na petição remetida pela Alagamares, não consideram que o arquivamento tenha como fim inglório o “lixo”.



-que o arquivamento tem em conta o enquadramento jurídico actual, e resulta de já não se encontrar ao abandono a linha e respectivas infraestruturas.



-que há todo um quadro legal que deve conduzir à classificação do imóvel não como de interesse nacional mas sim municipal, destacando o disposto no nº2 do artigo 20º da Lei 159/99 de 14 de Setembro, a alínea m) do nº2 do artº 64º da Lei 169/99 de 18 de Setembro, bem como o disposto nos artigos 15º nº2, 15º nº6, 94º nº1, 2, 4 e 5 da Lei 107/2001, de 8 de Setembro.



-que a lei pretendeu com a transferência de atribuições e competências atribuir maior responsabilização dos municípios na gestão e valorização do seu património cultural, sendo a classificação como monumento de interesse municipal a mais adequada.



Entretanto, na pendência desta reclamação, foi já pela Câmara Municipal de Sintra deliberado desencadear procedimento tendente à classificação da linha do eléctrico e suas infraestruturas e carruagens como de interesse municipal. A Alagamares vai acompanhar tal processo e oportunamente, face ao resultado e grau de protecção efectiva que tal estatuto confira, decidirá se o mesmo se adequa à real protecção do eléctrico, sendo que ficando a protecção reduzida, desencadeará um procedimento cívico tendente a reatar a classificação como monumento de interesse nacional, que entende ser devido, histórica e culturalmente, não colhendo plenamente o argumento de a reabilitação e o facto de se encontrar em funcionamento serem suficientes para garantir que no futuro assim seja (vejam-se, aliás, as paragens e intermitências no seu funcionamento recente).



Estaremos atentos."

quarta-feira, fevereiro 27, 2013

A arte Sintrense de substituir árvores por pedras de calçada

 photo EstChatildeoM_zps2be115c0.jpg
Foto de hoje de sintrense

Estrada de Chão de Meninos, que este ano ficou com menos árvores...por intervenção da CMS.

A substituição de árvores de Sintra, por pedras de calçada, merecia dos sintrenses alguns pedidos explicação, a quem tem o dever de gerir o património arbóreo, que sem qualquer esforço lhe foi parar às mãos e que pertence a todos nós.

terça-feira, fevereiro 26, 2013

Camélias no Palácio da Vila de Sintra

Camelias2013Blogue33

"Durante metade do ano desde Outubro a Abril, os parque, quintas e jardins de Sintra são animados pelas graciosas flores das "japoneiras". Estas flores introduzidas por el-rei Dom Fernando II na década de 1840 no seu Parque da Pena tornaram-se o ex-libris do Inverno sintrense sendo motivo de bailes e festas e até o símbolo de um rally de automóveis na serra

Foram trazidas dos melhores viveiristas de França, Bélgica, Itália e Inglaterra, sendo mais tarde aumentadas com variedades de criação portuguesa, vindas sobretudo do Porto.
(...)
Para apoiar a divulgação deste património, a Parques de Sintra - Monte da Lua, SA. promove anualmente uma exposição e concurso entre as mais belas coleções de camélias, de modo a contribuir para a divulgação e aproximação destas jóias botânicas a um público mais vasto."

Excerto de um  texto da PSML

*Fotos da Exposição de Camélias no Palácio da Vila de Sintra, no último domingo

 Camélias2013 Camelia2013Blogue2 Camelias2013Blogue7 Camelias2013Blogue6

segunda-feira, fevereiro 25, 2013

Sintra Vila Park, em Fervença iniciou a reconstrução



 photo IMG-20130222-00458_zps10f723fc.jpg Foto Grajomar

A reconstrução do centro empresarial Sintra Vila Park, na Fervença, propriedade da Grajormar, parcialmente destruído por um violento incêndio, no passado dia 8 de Fevereiro, arrancou na última  semana. Os cerca de € 800.000,00 de prejuízos envolvidos, apesar do contexto de depressão económica que o país atravessa, não foi condicionante para impedir  o seu responsável de tomar a decisão de reconstrução, tendo dado a ordem para reconstruir, "enquanto se combatiam as chamas." a obra estará concluída em cerca de 4 meses e segundo a Granjomar  e  irá "contribuir para a manutenção de postos de trabalho nas 7 empresas da região envolvidas na reconstrução." afirma Manuel Jorge, proprietário da empresa.

domingo, fevereiro 24, 2013

O Eléctrico da Praia das Maçãs perdeu um Amigo

ValdemarAlvesBlogue2013 

Tomámos conhecimento hoje, do falecimento de Valdemar Alves, responsável pelo Eléctrico da Praia das Maçãs, e também seu guarda-freio por opção e gosto de os conduzir. Habituámo-nos à troca de informações sobre o seu eléctrico, o que gerou uma amizade  ao longo do tempo -  que nos faz agora aceitar  o seu desaparecimento com grande dificuldade. Os nossos sentimentos à familia.

ValdemarAlves2  Uma das últimas viagens que fizemos no seu eléctricoelectrico4af

sábado, fevereiro 23, 2013

Porque hoje é Sábado...


 photo granvimo_zps1b2370d5.gif

José Afonso: 2 de Agosto de 1929/23 de Fevereiro de 1987

A historiadora Irene Pimentel, num interessante  texto publicado no blogue Jugular, conta-nos a  história  de um activista de Grândola,  José Conceição e a sua ligação  a  "Grândola Vila Morena" de José Afonso.

Adeus a José Conceição (31/1/1937 -16/4/211)
Morreu hoje José da Conceição, uma das figuras mais importantes do associativismo cultural português, conhecido por várias gerações de pessoas ligadas ao teatro amador e ao chamado «trabalho legal» nas colectividades e sociedades de cultura e recreio durante a ditadura de Salazar e Caetano. Além de ter sido militante e dirigente político da chamada esquerda radical, nomeadamente da Organização Comunista Marxista-Leninista Portuguesa (OCMLP-O Grito do Povo), antes e pouco depois de 25 de Abril de 1974, José da Conceição foi sobretudo um organizador e dinamizador de grupos de teatro – além de ter encenado inúmeras peças e participado nelas como actor - em colectividades, em particular na Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense (SMFOG), de Grândola, e no Clube Fluvial Vianense, de Viana do Castelo.


Tive a grande sorte de conhecer, em 1971, José da Conceição, pelo qual tive uma profunda e terna amizade, bem como uma estreita camaradagem política. Além disso, pude participar com ele em actividades políticas e culturais em associações na margem sul do Tejo. Em conjunto, sob sua direcção, organizámos, em Alhos Vedros e Grândola, sessões culturais, de teatro, cinema e canto, com diversos intelectuais, escritores, encenadores e cantores, entre os quais se contaram José Saramago, Joaquim Benite, Armando Caldas, Adriano Correia de Oliveira, Fausto e José Afonso, entre outros.
 
Para José Afonso, aliás, o ano de 1964 foi crucial, pois foi então que escreveu o poema «Grândola, Vila Morena». Mais tarde, José Afonso contou ter ficado «brutalmente satisfeito com o convite» da «Música Velha» - Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense (SMFOG), onde conheceu Carlos Paredes. José (Zeca) Afonso descreveu a «Fraternidade Grandolense» como um «local obscuro, quase sem estruturas nenhumas, com uma biblioteca de evidentes objectivos revolucionários, uma disciplina generalizada e aceite entre todos os membros, o que revelava já uma grande consciência e maturidade políticas» (José A. Salvador, Livra-te do medo, 1984, p. 127-128).
 
Quatro dias, José Afonso enviou a um dos organizadores da sessão de Grândola, precisamente José da Conceição, uma missiva, com um poema dedicado à SMFOG, lido publicamente na sala desta colectividade, em 31 de Maio, por ocasião da estreia do Grupo de Teatro da «Música Velha»: tratava-se de «Grândola, Vila Morena». Em Agosto de 1968, foi a vez de Manuel Freire, cantor da «Pedro Filosofal», conhecer José Afonso, em Viana do Castelo, pois ambos foram convidados para actuar no Clube Fluvial Vianense (José A. Salvador, José Afonso: O que Faz Falta, Uma memória plural, pp. 59-62) cuja secção cultural era então dirigida pelo mesmo José da Conceição havia organizado o espectáculo de Grândola, em 1964.
 
Em 13 de Agosto de 1968, o comando-geral da PSP enviou ao director da PIDE o relato feito por um agente desse espectáculo em Viana do Castelo, segundo o qual a ele tinham assistido cerca de 200 indivíduos «desafectos» ao regime. Quanto às «letras dos fados e canções (…) encerravam um fundo picante para o lado subversivo», embora, segundo dizia o relator da sessão, os cantores haviam moderado a sua tendência subversiva, «certamente por se terem apercebido da presença dos nossos agentes». O autor do referido ofício, que visivelmente desconhecia completamente o conteúdo das canções dos dois cantores, deu conta de algumas das estrofes das canções de José Afonso, trocando as respectivas palavras. Por exemplo, «Cantar alentejano» e «Ó cavador do Alentejo» continham, segundo o elemento da PSP, respectivamente, as seguintes estrofes: «Catarina do Alentejo que não te viu nascer mas há-de vir o dia que hás-de viver» e «Oh cavador do Alentejo que há muito tempo não te vi cantar» (Arquivo da PIDE/DGS no ANTT, proc. 931 CI (1), fl. 394).
 
José Afonso voltaria a Grândola, em final de 1970, quando renasceu a actividade cultural da SMFOG, pela mão de José da Conceição e de uma nova geração de jovens, e novamente em Junho de 1972, por ocasião da primeira feira do livro, realizada no jardim da vila, pela «Música Velha», e por José da Conceição. Tive então a sorte de participar nesse evento, escolhendo livros que eram vendidos no jardim central de Grândola em lindas barracas de praia às riscas – uma ideia de José da Conceição. Alguns dos livros «do dia» foram obras de autores marxistas, cujos nomes José da Conceição e eu nomeámos numa entrevista dada a João Paulo Guerra, na Rádio Renascença. Lembre-se que estávamos no período “marcelista” e o certo é que os censores e a polícia política já tinham então muito que fazer, pois aparentemente a iniciativa “esquerdista” passou despercebida.
 
 Foi também uma ideia de José da Conceição realizar, ainda na SMFOG de Grândola, um ciclo de cinema com filmes de teor político - daqueles que a censura deixava passar -, por escolhidos a dedo. Lembro-me que um deles era o western, «Soldado Azul» (Soldier Blue, 1970), com Candice Bergen e Peter Strauss, onde era pela primeira vez dada uma imagem diferente da habitualmente retratada nos filmes de cowboys acerca do verdadeiro massacre de índios perpetrado na América do norte.
 
Gerações de jovens activistas e militantes, entre os quais me incluo, foram levados para a actividade cultural nas colectividades por José da Conceição, um homem com uma inteligência acutilante e um sentido de humor do tamanho da sua generosidade, com o qual aprendi muito, tanto na actividade cultural como na política. Que saudades vou ter de ti, Zé, das nossas conversas, dos nossos almoços onde nos divertíamos e ríamos a bom rir do passado e do presente!

Irene Pimentel


 photo IrenePimentelcopy_zpsa808050e.jpg Irene Pimentel na Escola Ferreira Dias no Cacém em Março de 2012, durante uma palestra sobre "A politica para a juventude no Estado Novo e a Mocidade Portuguesa Feminina"

sexta-feira, fevereiro 22, 2013

O 45º Aniversário do Museu do Ar

 photo FAPMuseu_zps123d99db.jpg Decorreram ontem, na BA1, Granja do Marquês em Sintra, as comemorações do 45ºAniversário do Museu do Ar sob o mote "Dever da memória".

"Este espaço museológico que ao longo destes anos recuperou e inventariou muito do património da Aviação em Portugal, tanto com atividades de restauro e recuperação de aeronaves e objetos aeronáuticos, bem como de recolha de testemunhos documentais, é hoje herdeiro de perto de 10 000 peças, entre aeronaves, motores, hélices, equipamentos de voo e de navegação, painéis de instrumentos, simuladores, fardamentos, troféus aeronáuticos e vários objectos dos Pioneiros da Aviação Portuguesa, incorporando também dois valiosos acervos, da TAP e da ANA.
O Museu do Ar, que comemora 45 anos, é considerado uma das vinte melhores coleções do mundo."
Fonte FAP

quinta-feira, fevereiro 21, 2013

Previsão de agravamento das condições meteorológicas

 photo TemporalMindelo4.jpg
Foto:Mindelo/Praia das Maçãs 17 de Fev. de 2011



 
PRECIPITAÇÃO, AGITAÇÃO MARÍTIMA E VENTO FORTE

De acordo com a informação meteorológica disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA),prevê-se um agravamento das condições meteorológicas a partir da tarde de hoje (21FEV) e durante o dia de amanhã (22FEV):

- Precipitação que poderá ser localmente intensa e acompanhada da queda de granizo e rajadas que poderão atingir os 90km/h, em especial nas regiões do Litoral, Sul e Vale do Tejo;
...
- Aumento da agitação marítima em toda a costa oeste para valores entre 5 a 7 m. Espera - se uma melhoria significativa das condições meteorológicas a partir do meio-dia de sábado (23FEV);

- Descida dos valores da temperatura mínima a partir de domingo (24FEV).

Acompanhe as previsões meteorológicas em www.ipma.pt

Manifestação "O Povo É Quem Mais Ordena!" - 2 de Março


quarta-feira, fevereiro 20, 2013

Fatima Campos abandona o PS

 photo fatimaCampos_zps7ccc295e.png
Voz critica e uma presença activa nos assuntos do Concelho de Sintra, Fátima Campos,  Presidente da Junta de Freguesia de Monte Abraão, anuncia agora a sua saída do Partido Socialista,  onde era militante há 25 anos  - baixa de peso,  num partido que se tem mantido quase silencioso durante os "reinados" de Fernando Seara.

 "Após vários meses de reflexão, decidi no último fim de semana desfiliar-me do PS, resolução já comunicada ao Presidente da Federação da Área Urbana de Lisboa (FAUL), Dr. Marcos Perestrello", revela a autarca em comunicado. "Não tomei esta decisão de ânimo leve. Bem pelo contrário. Esta ruptura constitui um dos momentos mais difíceis da minha vida, como bem o demonstram os meus 25 anos de militância dedicada. Prova da dificuldade e ponderação associadas a esta separação são o tempo para a sua maturação e a capacidade de resistência a que me venho submetendo há longos meses. O meu desagrado com o "estado de coisas" no PS não é de hoje. Porém, entendi, durante todo este tempo, não ceder à tentação fácil de abandonar o meu partido de sempre em razão das primeiras discordâncias ou dos meus primeiros sinais de desconforto." A contribuir para a saída estiveram também problemas internos na concelhia. "Pese embora toda a minha resiliência, de facto, hoje, perdi a esperança de que o PS retome o bom trilho que percorreu durante décadas, designadamente desde os tempos da sua fundação e liderança do Dr. Mário Soares. Este cepticismo deve-se, no essencial, à acentuada deterioração dos processos internos no partido: eleição dos titulares dos órgãos locais, regionais e nacionais e, igualmente, clima de intriga, conspiração e até boicote entre supostos camaradas."

Fonte Blogue "Tudo sobre Sintra"

terça-feira, fevereiro 19, 2013

Exposição de Camélias no Palácio da Vila

Photobucket
Em 23 e 24 de Fevereiro,  nos Jardins do Palácio Nacional de Sintra, irá acontecer a III Exposição e Concurso de Camélias (entrada livre).
Mais informações:
 http://www.parquesdesintra.pt/index.aspx?p=agendaIndex&day=23-02-2013

segunda-feira, fevereiro 18, 2013

Um olhar de Oliva Guerra sobre a Adega Regional de Colares

Electrico2013Fev18blogue

"(...) Passamos agora junto da Adega Regional, belíssima organização instituída pelo Estado Novo em forma de Grémio para a defesa dos interesses dos vinhateiros e dos créditos dos vinhos da região, cujo fabrico assim tem melhorado.
Foi animador da sua fundação o honestíssimo Dr. António Brandão de Vasconcelos, que lhe deu o melhor do seu esforço sacrificando-lhe até a própria vida numa cilada do Destino.(...) "

Oliva Guerra em "Roteiro Lírico de Sintra" ed.1940


Foto:Eléctrico da Praia das Maçãs, ontem, Domingo, no seu horário de Inverno, passando por Colares pelos Plátanos e Adega Regional de Colares.

domingo, fevereiro 17, 2013

Dr. António Brandão de Vasconcelos

Photobucket Com  a esperada aquiescência de Cortez Fernandes, tomamos a liberdade de transcrever, pelo seu interesse e significado histórico, um post publicado no blogue, "Tudo de Novo a Ocidente":

UM SENADOR SINTRENSE

Médico e agricultor, dirigente associativo e politico o Dr.António Brandão de Vasconcelos, nasceu na Beira Alta em 1866, falecendo tragicamente no seu palacete de Colares no dia 14 de Janeiro de 1934. Com grande prestígio local e nacional, fundador da Adega Regional, e Sindicato Agrícola colarenses, não admira que o seu funeral tenha sido acompanhado por milhares de pessoas, a pé até Colares, donde partiu um extenso cortejo automóvel em direcção ao cemitério dos prazeres em Lisboa onde está sepultado.
Brandão de Vasconcelos fez parte da Assembleia Constituinte de 1911, e posterirmente membro do Senado da República. Desiludido com o evoluir da situação política, renunciou ao mandato de Senador por carta enviada ao Presidente do mesmo, cujo teor é um testemunho notável, demonstrativo em parte, do seu carácter. Lido na sessão de 5 de Janeiro de 1916, deixamos aqui o seu conteúdo como preito a tão insigne Sintrense:
 
"Exmº Senhor Presidente do Senado. Nas mãos de V.Exª venho depor a minha renúncia a Congressista.
No início da passada sessão ordinária perante a dificuldade de conciliar os afazeres profissionais, e de lavrador em Colares, região de monocultura e que temerosa crise atravessa, com as funções legislativas, quis abandonar o Parlamento. Tendo porém surgido o conflito com o senado fiquei a acompanhar os meus colegas na reacção contra uma violência que me revoltava e que traduzia o nenhum respeito, que certos políticos tinham pela lei, pelo espírito e letra da Constituição, tentando transformar arbitrariamente e por meras conveniências partidárias o sistema bi-camaral em uni-camaral.
Agora já em um periodo execepcional de legislatura prorrogada resolvi retirar-me, lamentando a solução que teve a crise ministerial em que numa ocasião tão grave da vida portuguesa se constitue um ministério que em parte representa um desafio ao resto da nação que não comunga nas ideias Democráticas*, como se todo o País não estivesse interessado na momentosa questão da guerra europeia, como se não fosse todo ele que tem de pagar os enormes encargos que caíram e continuarão a pesar sobre as finanças portuguesas, para fazer face aos quais se vai lançar mão do agravamento da contribuição predial com a sua base iníqua de incidência cujas desigualdades a REPUBLICA TEM VINDO AGRAVAR.
Há muito que tenho a opinião de que a monarquia caíra muito pelos seus erros, mas também por falta de respeito por conveniências sociais. Infelizmente republicano antigo e como tal continuando a ser, vejo o mal não só deste ou daquele partido, deste ou daquele regime, é orgânico, é nacional.
Sem paixões partidárias, já velho para continuar na luta em vez de fazer como os meus colegas que não comparecem à sessão do Senado, resolvo retirar-me por uma vez, fazendo a toda esta câmara, a que vossa Ex.ª tão dignamente preside e onde não sofri o minimo agravo pessoal as minhas respeitosas saudações e despedidas
Saude e Fraternidade, Colares, 15 de Dezembro de 1915"
 
Quando terminou a leitura desta carta diversos senadores pretenderam intervir para manifestarem a sua opinião; o ambiente acalorou-se tendo o Presidente cortado qualquer possibilidade de intervenção, afirmando, por se tratar duma carta, o regimento não permitia discussão.
O Dr.Brandão de Vasconcelos algumas ocasiões poderá, talvez, ter assumido posições menos correctas, no entanto, esta carta deveria servir de motivo de reflexão. Nos nossos dias os Parlamentares raramente renunciam, quando o fazem evocam motivos pessoais, e não discordância como o ilustre Senador assumiu.
*"democrático" foi a designação adoptada pelo PRP,Partido Republicano Português depois de 1910, face as diversas cisões verificadas no seu seio.

sábado, fevereiro 16, 2013

Porque hoje é Sábado...

Aranha2013Blogue

A aranha

Aranha do meu destino
Faz teias de eu não pensar.
Não soube o que era em menino,
Sou adulto sem o achar.
É que a teia, de espalhada
Apanhou-me o querer ir...
Sou uma vida baloiçada
Na consciência de existir.
A aranha da minha sorte
Faz teia de muro a muro...
Sou presa do meu suporte.

Fernando Pessoa

Aranhag2013Blogue

quinta-feira, fevereiro 14, 2013

2ª edição do Festival Internacional de Artes Performativas em Sintra

Photobucket
 A 2ª edição do “Festival Internacional de Artes Performativas em Sintra – Periferias”, organização do Chão de Oliva, está de volta em Março.

Um Periferias é um festival onde se concentra toda a experiência organizativa acumulada pelo Chão de Oliva, desde a sua fundação, na organização de festivais e mostras assim como a transversalidade artística que sempre marcaram essas mesmas iniciativas. Com um formato mais reduzido adequado aos tempos difíceis que a sociedade portuguesa está a viver, e que se reflecte na actividade cultural, a 2ª edição do Periferias contará com grupos vindos de vários pontos do país, assim como manterá a sua ligação ao mundo lusófono com a participação representações de Moçambique e do Brasil.

Os espectáculos decorrerão na Casa de Teatro de Sintra, no Palácio Monserrate, no terreiro fronteiro à Vila Alda – a poucos metros da Casa de Teatro de Sintra – e no Cine-Teatro Eduardo Brazão no Bombarral. A anteceder a realização do evento e durante todo o mês de Março, estará patente na já referida Vila Alda uma exposição sobre o Periferias, suas origens e percurso até à presente edição.
Fonte: Chão de Oliva

quarta-feira, fevereiro 13, 2013

O último Temporal em Sintra abriu uma " janela de oportunidade"

O temporal  de 18 de Janeiro,em Sintra, que criou um dos maiores desastre ambientais que há memória (provocando a queda de mais de 2000 árvores na Serra de Sintra), foi infelizmente uma "janela de oportunidade" para  a CMS, começar a abater sem qualquer sentido árvores por toda a Vila.
 A título de exemplo, mais  de 10 árvores abatidas na estrada de Chão de Meninos, e rua D.João de Castro,  e as que já foram "substituidas" como se tornou prática por estes sítios por pedras de calçada...
Photobucket Aqui vivia uma enorme tília, substítuida por pedras de calçada (Est.Chão de Meninos) Foto sintrensePhotobucket Na Estefânia de Sintra (foto sintrense)

terça-feira, fevereiro 12, 2013

A tradição ainda é o que era ...

CorsoMTBA2013Blogue  A chuva a estragar a festa dos foliões, nesta Terça feira de Carnaval. No Domingo o Corso carnavalesco do MTBA, Magoito, Tojeira, Bolembre e Arneiro de Marinheiros, enfrentou a intempérie e permitiu os registos que publicamos hoje.

Em Sintra  a autarquia PSD/CDS, este ano permitiu  a originalidade, que a tolerância de ponto fosse repartida entre a  Terça feira de Carnaval e dia 1 de Abril (após a Páscoa), talvez porque se aproximam eleições autárquicas - prova que a tradição do carnaval é uma festa popular e nem Cavaco Silva antes  e Passos Coelho/Paulo Portas agora, conseguem que as autarquias do PSD e CDS, respeitem as suas decisões, em proibir que o povo português participe e  na festa popular do carnaval.
CorsoMTBAc2013Blogue CorsoMTBAf2013 CorsoMTBAb2013 CorsoMTBAd2013Blogue

segunda-feira, fevereiro 11, 2013

O regresso do velho Fontanário

Fonte2013

Hoje Sintra, acordou com a reposição no local de um velho fontanário Neo-Manuelino, vandalizado  e totalmente retirado pela CMS, em Outubro  de 2007.
 Numa exigência da reposição do fontanário, não se calou o Blogue "Retalhos de Sintra", que nunca desistiu de pedir responsabilidades à CMS, pela ausência daquela peça do património sintrense, viu agora satisfeita a sua justa reclamação.

 Sintrense Foto de Sintrense

Corso Carnavalesco MTBA

Magoito2013hBlogue

S.Pedro, não ajudou este ano o desfile do corso carnavalesco das 4 aldeias - Magoito  Tojeira, Bolembre e Arneiro de Marinheiros. Aproveitando uma aberta da chuva deste Domingo Gordo, o desfile fez-se como programado.
  O corso carnavalesco do MTBA, é uma das tradições que o clube organiza anualmente e conta com a participação de 400 pessoas das várias  aldeias.
Publicamos alguns registos desses animados momentos.


Magoito2013jBlogue Magoito2013bBlogue Magoito2013oBlogue

domingo, fevereiro 10, 2013

Jazz na Regaleira

Photobucket

Este Domingo terá início o 3º CICLO DE JAZZ

10 FEV | 16h00

AMBERLIGHTS
Jonny Phillips - guitarra, composição
... Bruno Margalho - sax alto
Andre Rosinha - contrabaixo

Local: Palácio - Sala da Renascença
Acesso: Incluído nas condições de acesso à Quinta da Regaleira


sábado, fevereiro 09, 2013

Porque hoje é Sábado...

Photobucket Foto:Presidência  de Conselho de  Ministros


Poema de agradecimento à corja

Obrigado, excelências.
Obrigado por nos destruírem o sonho e a oportunidade
de vivermos felizes e em paz.
Obrigado
pelo exemplo que se esforçam em nos dar
de como é possível viver sem vergonha, sem respeito e sem
dignidade.
Obrigado por nos roubarem. Por não nos perguntarem nada.
Por não nos darem explicações.
Obrigado por se orgulharem de nos tirar
as coisas por que lutámos e às quais temos direito.
Obrigado por nos tirarem até o sono. E a tranquilidade. E a alegria.
Obrigado pelo cinzentismo, pela depressão, pelo desespero.
Obrigado pela vossa mediocridade.
E obrigado por aquilo que podem e não querem fazer.
Obrigado por tudo o que não sabem e fingem saber.
Obrigado por transformarem o nosso coração numa sala de espera.
Obrigado por fazerem de cada um dos nossos dias
um dia menos interessante que o anterior.
Obrigado por nos exigirem mais do que podemos dar.
Obrigado por nos darem em troca quase nada.
Obrigado por não disfarçarem a cobiça, a corrupção, a indignidade.
Pelo chocante imerecimento da vossa comodidade
e da vossa felicidade adquirida a qualquer preço.
E pelo vosso vergonhoso descaramento.
Obrigado por nos ensinarem tudo o que nunca deveremos querer,
o que nunca deveremos fazer, o que nunca deveremos aceitar.
Obrigado por serem o que são.
Obrigado por serem como são.
Para que não sejamos também assim.
E para que possamos reconhecer facilmente
quem temos de rejeitar.

Joaquim Pessoa

*reedição de poema de Joaquim Pessoa no blogue.

sexta-feira, fevereiro 08, 2013

Incêndio em Armazém de Móveis em Fervença/Sintra

Photobucket 
 Foto TVI24
Encontra-se já dominado  o incêndio que deflagrou hoje durante a tarde no armazém e loja de mobiliário Hiper Centro do Móvel, na EN 9, na localidade de Fervença, perto da Base Aérea da Granja do Marquês
.
Photobucket 
Foto TVI24
Notícia TVI24:

"De acordo com o comandante adjunto distrital do Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Lisboa, Francisco Oliveira Miguel, o incêndio está a lavrar num armazém perto da Base Aérea n.º1.

No local encontram-se 54 bombeiros e 19 viaturas de sete corporações de Sintra e de Cascais.

Contactado pela agência Lusa, o comandante dos bombeiros de Algueirão-Mem Martins, Joaquim Leonardo, disse que se trata de um «incêndio de grandes proporções».

Fonte dos bombeiros de Sintra disse à agência Lusa que o incêndio teve início perto das 15:30."

http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/incendio-fervenca-sintra-moveis-base-aerea-tvi24/1417887-4071.html
Mais informação no Blogue "Tudo sobre Sintra":
http://www.tudosobresintra.com/2013/02/ultima-hora-incendio-industrial-em.html



quinta-feira, fevereiro 07, 2013

Câmara Municipal de Sintra pretende classificar a Linha do Eléctrico como imóvel de interesse público

Photobucket Texto publicado no "Correio de Sintra" e "Rio das Maçãs"
Tendo a Direção-Geral do Património Cultural determinado o arquivamento do procedimento administrativo relativo à classificação do Troço Ribeira/Praia das Maçãs da antiga Linha de eléctricos, a Câmara Municipal de Sintra vai proceder à abertura do procedimento de classificação como imóvel de interesse municipal de toda a linha de eléctrico, oficinas e instalações secundárias, respetivos recheios e material circulante.
A Câmara Municipal de Sintra considera ser necessário proteger a já centenária linha de eléctrico, não só no que concerne às memórias e vivências passadas, mas também pela peculiaridade deste antigo meio de transporte, hoje de grande alcance turístico.
Texto CMS

quarta-feira, fevereiro 06, 2013

O Baile da Rainha em S.Pedro de Sintra

Photobucket
A histórica Sociedade Filarmónica "Os Aliados", de S.Pedro de Sintra, fundada em 1922, vai organizar o tradicional Baile da Rainha, no próximo dia 8 de fevereiro, pelas 22H00, na sede da coletividade. Este carnaval caracolino teve origem em 1926 e tem como principal objectivo preservar a tradição e cultura popular.
 

terça-feira, fevereiro 05, 2013

Carnaval no Palácio Nacional de Queluz

 Photobucket Foto PSML
Dia 10 de Fevereiro (14h30) a Parques de Sintra assinala o Carnaval no Palácio de Queluz com a temática das festas da corte no séc. XVIII que, desde o período de D. Pedro III e D. Maria I ali tiveram lugar, marcando a sua história com uma imagem de referência no que respeita à animação lúdica de eventos palacianos.
Nesta Festa, a decorrer na Sala do Trono, pretende-se recriar o animado e sofisticado ambiente da Corte através da presença de personagens de época, música ao vivo, e um concurso de máscaras. Razão pela qual os participantes são desafiados a levar máscara adequada ao tema, encarnando a personagem. O júri premiará, das melhores, a máscara mais graciosa e fiel à época.
Enredados no contexto histórico daquele que foi um período áureo no Palácio de Queluz, cavalheiros e damas serão desafiados a aprender a dança em voga em Setecentos e a dar vida ao magnífico salão de festas.
Carnaval no Palácio de Queluz
10 de fevereiro
14h30 às 16h30
8 Euros
Crianças a partir dos 4 anos e sempre acompanhadas por adulto
Necessária a inscrição prévia (npa@parquesdesintra.pt ou +351 21 923 73 00
Fonte: PSML

segunda-feira, fevereiro 04, 2013

O "Cipreste do Buçaco" de Monserrate não morreu de pé

Um "Cipreste do Buçaco" derrubado pelo temporal do passado dia 19 de Janeiro, logo à entrada do Parque de Monserrate.(Foto de Emília Reis).

  1. Photobucket Palácio de Monserrate, Cipreste do Buçaco. Na inscrição perto da árvore lê-se: Cupressus Lusitanica/CUPRESSACEAE/Cipreste do Buçaco/Os trabalhos de manutenção desta árvore foram patrocinados por/WILLIAM COOK/Outubro de 1999
    1. Photobucket
    Cipreste -do-Buçaco:Supressus lusitanica, também designado por cedro-do-Buçaco, cipreste do Buçaco, ou cipreste-de-bentham .... Parque de Monserrate em Sintra  Foto de cipreste-do-Buçaco do Parque de Monserrate -Wikipédia

    Sobre o Cipreste -do-Buçaco
    Esta espécie encontra-se amplamente representada nesta área do Parque, sendo possivel observar diversos espécimens nos canteiros que ladeiam o caminho. Os Cedros do Buçaco podem atingir 25 a 30 metros sde altura,, com copas amplamente piramidais, apresentando as árvores mais antigas ramos pendulares. A casca é grossa e de cor castanha avermelhada com fissuras longitudinais. A folhagem é distintamente verde-azulada.Apesar de oriunda da região da Guatemala, esta espécie é vulgarmente conhecida como Cedro do Buçaco, Cipreste do Buçaco, ou Cedro de Portugal.
    No séc XVII, quando se iniciou a classificação taxonómica das espécies na Europa, os exemplares mais antigos desta árvore, foram encontrados em Portugal  associando-se po isso o seu nome à região Lusitânia.

  2. Nome comum:Cedro-do-Buçaco/Cipreste do Buçaco
    Nome científico:Cupressus Lusitanica M
    Origem: América Central
    Etimologia:Cupressus =Cedro em Latim,Lusitanica=proveniente de Portugal
    Fonte "Viagem Botânica à Sintra Romântica -Parque de Monserrate"-
    Aqui

domingo, fevereiro 03, 2013

Tertúlia à conversa com António Pedro Vasconcelos em Sintra


"Por demais conhecido é este realizador de cinema de quem podemos citar filmes como “Perdido por Cem...”, “O lugar do morto”, “Jaime”, “A Bela e o Paparazzo” que vai estar à conversa no proximo dia 6 de feveiro, pelas 20h00, no restaurante Sopa D`Avó, em Sintra.
Professor universitário, comunicador envolvente e apaixonado, António Pedro Vasconcelos é um homem que tem muito a dizer e a partilhar com quem o ouve.
Conversar com ele vai ser um grande prazer em mais um jantar da Tertúlia Sintrense, no próximo dia 6 de fevereiro no restaurante Sopa D`Avó, em Sintra.
RESTAURANTE “SOPA D’AVÓ”
Inscrições: 21 923 85 99
Fonte CMS
Photobucket

sábado, fevereiro 02, 2013

Porque hoje é Sábado...

Tronco30012013Blogue

 Poema da Solidão I

Nem aqui nem ali: em parte alguma.
Não é este ou aquele o meu lugar.
Desço à praia, mergulho as mãos no mar,
mas do mar, nos meus dedos, fica a espuma.

Meu jardim, minha cerca, meu pomar.
Perpassa a Ideia e mói, como verruma.
Falar mas para quê? Só por falar?
Já nada quer dizer coisa nenhuma.

Os instintos à solta, como feras,
e eu a pensar em velhas primaveras,
no antigo sortilégio das palavras.

Agora é tudo igual, prazer e dor,
e a tua sementeira não dá flor,
ó triste solidão que as almas lavras.

(...)

Fernanda de Castro, in "E Eu, Saudosa, Saudosa"


*Foto Praia das Maçãs 30/01/2013