sexta-feira, janeiro 31, 2014

Praia das Maçãs - Aguarela de Alfredo Roque Gameiro




Praia das Maçãs

 Aguarela de Alfredo Roque Gameiro,com a foz do rio das Maçãs, na altura em que dividia a praia ao meio.

 Alfredo Roque Gameiro
1864-1935


Encontrado aqui
http://jcabral.info/RG/TP%200%200%20Alfredo/Orla%20Maritima/3v-TP00%20Orla.html


Triibo dos Pincéis
http://jcabral.info/RG/


 Sobre o rio das Maçãs
 "Na «Crónica do Imperador Clarimundo», que João de Barros trasladou da língua hungara para a portuguesa, se encontra larga referência a Colares e ao rio das Maçãs. "
Ali se diz:


«Rio mui gracioso que pelo meio dêstes pomares corre coalhado de muita fruta e flores.E com um ruído suave se mete no mar onde faz a repartição delas, lançando-as por tantas partes, que daí a 6 e 7 léguas se acham muitas maçãs, peras , marmelos e outros sinais da terra, com que os navegantes se alegram. E saindo dos pomares entram em terra de pão, vinho, azeite e outros géneros de mantimentos e criação de gados, que a fertilidade da terra dá».

quarta-feira, janeiro 29, 2014

Mar agitado no litoral Sintrense

Fotos de hoje 14h00 no Mindelo/Praia das Maçãs
Mar muito agitado hoje no Mindelo/Praia das Maçãs, local por onde hoje andou a navegar um  tubo de 200 metros  de comprimento, de uma piscicultura na zona de Mira, distrito de Coimbra!

O alerta amarelo da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC)

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) emitiu um alerta amarelo para sete distritos do continente até às 02:00 desta  quarta-feira, devido à previsão de forte agitação marítima.

Em comunicado, a ANPC informa que, face à previsão de mau tempo pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), foi emitido um alerta amarelo, que prevê "ocorrência de fenómenos, que não sendo invulgares, podem representar um dano potencial para pessoas e bens".
O alerta amarelo "pressupõe também um incremento da monitorização e a intensificação, por parte do dispositivo de resposta, de ações preparatórias para eventuais intervenções".
O IPMA colocou hoje sob aviso laranja os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro, Coimbra, Leiria e Lisboa entre as 12:00 de hoje segunda-feira)e as 02:00 de quarta-feira, devido à previsão de ondas de noroeste com ondas de noroeste que podem chegar aos seis metros.


A meteorologia desta quarta-feira dia 29/01/2014

GRANDE LISBOA:
Períodos de céu muito nublado.
Aguaceiros, diminuindo de frequência e de intensidade a partir do
meio da tarde.
Vento moderado a forte (20 a 40 km/h) de noroeste, com rajadas da
ordem de 80 km/h até final da tarde.


ESTADO DO MAR
Costa Ocidental a norte do Cabo Raso: Ondas de noroeste
com 5 a 7 metros, diminuindo gradualmente para 5 a 6 metros.
Temperatura da água do mar: 13/14ºC
Costa Ocidental a sul do Cabo Raso: Ondas de noroeste
com 3,5 a 4,5 metros, aumentando gradualmente para 5 a 6 metros.
Temperatura da água do mar: 14/15ºC
Costa Sul: Ondas de sudoeste com 1,5 a 2,5 metros, sendo
2,5 a 3,5 metros junto ao Cabo de Sagres.
Temperatura da água do mar: 16ºC

A toponímica de Paiões

Utilizando o conhecimento  sobre Paiões, pequena localidade vizinha do Cacém de Cortez Fernandes, autor do blog "Tudo de novo a Ocidente",  e tendo oportunidade de uma pequena visita a Paiões, olhando para as suas placas toponímicas, permitiram  num relance olhar para história de Sintra.

 Num largo encontramos a casa onde viveu o Arquitecto Adães Bermudes, que fez o projecto do edificio da Câmara Municipal de Sintra, da antiga Prisão, junto à estação da CP,  e da antiga Escola Primária de Colares, por exemplo. Um pouco à frente encontrámos a rua Escultor Francisco Santos, no local da placa , outra referência -  a casa de Ezequiel Alves o "Alves da Saibreira"...



"O ilustre arquitecto Arnaldo Redondo Adães Bermudes, nasceu na cidade do Porto em 1 de Outubro de 1864 e faleceu em Sintra na aldeia de Paiões em 18 de Fevereiro de 1947, os seus restos mortais repousam no cemitério de Rio de Mouro.
Decorrendo nesta data, o dia dedicado aos sítios  a arte e memória que eles encerram, pareceu-nos adequado recordar este nosso conterrâneo e um dos seu projectos, junto ao mesmo passam diariamente centenas de pessoas e no qual nem reparam. Apesar de ter sido o primeiro prédio construído para rendimento que mereceu ser galardoado com o PRÉMIO VALMOR de arquitectura, no já longínquo ano de 1909.
O prédio situa-se na Avenida Almirante Reis, esquina para o Largo do Intendente, na cidade de Lisboa.
Ainda hoje apresenta um aspecto de modernidade e beleza, características do talento de Bermudes. Merece pois ser referido e admirado, como exemplo de algo que  sendo singular é intemporal.  

Transcrito do blog "Tudo de Novo a Ocidente"
http://tudodenovoaocidente.blogs.sapo.pt/46346.html

Casa onde viveu Adães Bermudes em Paiões
 Rua Escultor Francisco Santos e a casa onde viveu "Alves Saibreira".

Transcrito do blog "Tudo de novo a Ocidente"
http://tudodenovoaocidente.blogs.sapo.pt/13631.html

 

"Escultor Francisco dos Santos

No pretérito dia 22  de  Outubro passaram 130 anos do nascimento do escultor, natural da Aldeia de Paiões Freguesia de Rio de Mouro. Propositadamente deixamos para hoje a recordação da efeméride. Ninguém se lembrou: Autarquias, Entidades Públicas...nada...
Quando da sua morte em 1930 a Câmara Municipal de Sintra, deliberou atribuir o seu nome a uma rua da Vila, mas essa artéria  não tem viva alma, parece mentira mas é assim. A casa humilde onde nasceu, ameaça ruir. As obras do Mestre, porque são belas, resistirão!"
Transcrito do blog "Tudo de novo a Ocidente"
http://tudodenovoaocidente.blogs.sapo.pt/13631.html


Alves da Saibreira



Sobre Adães Bermudes: 

Adães Bermudes, o arquitecto que projectou em Sintra o edifício da Câmara Municipal de Sintra, e a antiga Cadeia junto à estação da CP, e também como lembrou António Lourenço do “Beijo da Terra” - o antigo Matadouro da Ribeira (1905), demolido nos fins da década de sessenta para alargamento da estrada, e da antiga Colónia Penal Agrícola António Macieira (1910), hoje Estabelecimento Prisional de Sintra.

Entre 1902 e 1912 ganhou os concursos públicos para o projecto das Escolas de Instrução Primária, originando a construção de 184 escolas, sendo a Escola Primária de Colares, uma delas.


segunda-feira, janeiro 27, 2014

A comemoração do 50º Aniversário dos Diamantes Negros

No sábado 25 de Janeiro, iniciaram-se as comemorações do 50º aniversário da fundação dos "Diamantes Negros", que irão decorrer durante todo este ano.A celebração aconteceu na Sociedade União Sintrense, local onde em 25 de Janeiro de 1964, começaram a tocar.



Neste aniversário foi tempo de reunir todos os músicos que durante os 50 anos passaram em diversas fases pelo grupo.

 

Em Maio no Olga Cadaval,  os Diamantes irão de novo actuar, e assim permitir um maior número de espectadores na celebração da já longa carreira deste grupo musical sintrense.

Fundadores: Caínhas (bateria), Álvaro Zé (guitarra), Carlinhos (Sax) , Xixó (guitarra) e Luís Manuel (baixo). Outros:Victor Ricardo (manager), Carlos Rebelo (vocalista), Júlio Ribeiro (vocalista), Henrique Max (vocalista), "Charly" (bateria), Francisco Martins (vocalista), Camena (guitarra), Tó Gândara (guitarra), Carvalho (guitarra), Augusto (teclas), Reinaldo Nunes (guitarra e voz), Jaime (baixo e voz), Freitas (trompete) e Álvaro (sax).

domingo, janeiro 26, 2014

A cerimónia de apresentação do restauro do Salão Nobre do Palácio da Pena







   
Foi apresentado  na última quinta-feira (23/01/2014),o restauro completo do Salão Nobre do Palácio da Pena, projecto que implicou um investimento de cerca de 262.500 Euros ao longo de três anos. O projecto contemplou a reabilitação geral das infraestruturas, a revisão do pavimento e o restauro dos revestimentos em madeira e estuque, dos lustres, dos vitrais e do mobiliário especialmente encomendado por D. Fernando, incluindo peças em reserva e porcelanas. Com informação histórica e o apoio de consultores, procurou-se reapresentar o Salão no seu estado original. Na investigação histórica o projecto contou com análises de materiais do Laboratório José de Figueiredo (DGPC).

FFonte:Texto da PSML (adaptado)


sábado, janeiro 25, 2014

Os 50 anos dos "Diamantes Negros"




A 25 de Janeiro de 1964, nascia em Sintra um agrupamento musical denominado “ Diamantes Negros”- a sua primeira actuação foi na Sociedade União Sintrense, na Vila Velha, local onde já ensaiavam há algum tempo. Cinquenta anos depois, ainda  “estão para as curvas”, e preparam no próximo mês de Maio no Olga Cadaval, um concerto comemorativo dos 50 anos da sua já longa carreira.


Foto dos Diamantes Negros em 2011


Para celebrar esta importante data é lançado agora um novo site dos  Diamantes.


Ver aqui 



 


sexta-feira, janeiro 24, 2014

CDU propõe alterações na circulação automóvel na Praia Grande



http://www.publico.pt/local/noticia/cdu-de-sintra-quer-reordenar-o-transito-na-praia-grande-1620607

"A circulação automóvel apenas num sentido e a construção de um parque de estacionamento no acesso à Praia Grande fazem parte de uma proposta apresentada nesta terça-feira ao executivo da Câmara de Sintra pelo vereador Pedro Ventura (CDU).
A proposta de circulação, estacionamento e transportes para a Praia Grande tem como objectivo prioritário a requalificação da Avenida Alfredo Coelho, que corre ao longo da frente marítima, “de forma a potencializar esta área turística de referência no concelho de Sintra”, afirmou o autarca no documento.
Os problemas de circulação durante a época balnear na principal praia do litoral de Sintra são antigos. Numa primeira fase, propõe-se que seja retirado grande parte do estacionamento automóvel junto ao areal. Para que tal seja possível, a primeira acção terá de passar pela criação de uma zona de estacionamento alternativo num terreno próximo do cruzamento com a Estrada do Rodízio, no sentido de Almoçageme, junto ao restaurante Nortada."

Notícia integral no Jornal Público -aqui



quinta-feira, janeiro 23, 2014

Promessa de 4,5 milhões de euros para obras no litoral Sintrense

 photo PraiaGrande24072013jFinalBlogue_zps143008ae.jpg    Praia Grande Verão 2013

Via  jornal Público e blog "Tudo sobre Sintra"

Ministério do Ambiente promete 4,5 milhões de euros para o litoral de Sintra

As obras avançarão "em breve" e serão articuladas com a revisão do Plano de Ordenamento da Orla Costeira.

http://www.publico.pt/local/noticia/ministerio-do-ambiente-promete-45-milhoes-de-euros-para-o-litoral-de-sintra-1620688
As intervenções previstas no litoral de Sintra vão totalizar 4,5 milhões de euros, em projectos a executar com financiamento comunitário até ao fim de 2015, garantiu nesta quarta-feira o secretário de Estado do Ambiente, Paulo Lemos.
"Na zona de Sintra estão previstos cerca de 4,5 milhões de investimento, ao longo deste ano e do próximo, precisamente na protecção do litoral", afirmou Paulo Lemos, após uma visita de trabalho com técnicos da Agência Portuguesa de Ambiente (APA) e autarcas a zonas afectadas pelo recente mau tempo.

O governante referiu que está programado um investimento para todo o país de 200 milhões de euros, para obras de protecção e segurança de pessoas e bens em zonas de risco. A comparticipação de fundos comunitários será na ordem dos 70% a 90% e já estão orçamentadas as verbas da componente nacional.

Após ouvir os pedidos de empresários e autarcas das freguesias de São João das Lampas e Terrugem e de Colares, Paulo Lemos assegurou que as praias do Magoito e das Azenhas do Mar já estavam identificadas como áreas necessitadas de intervenção.

As obras avançarão "em breve" e serão articuladas com a revisão do Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC), que "ficará pronta até ao final do ano", prometeu o secretário de Estado.

"O POOC não pode ser uma abstracção, tem que se adaptar às realidades concretas", defendeu o presidente da Câmara de Sintra. Basílio Horta (PS) deixou três pedidos ao Ministério do Ambiente: segurança nos acessos às praias, autorização para pequenos apoios de praia e a criação de "trilhos para as pessoas passearem, a pé ou de bicicleta".

O autarca identificou ainda como outros problemas a resolver, "mais complexos e de fundo", a consolidação das arribas, para garantir a segurança dos utentes. Para as Azenhas do Mar, Paulo Lemos precisou estar planeado um investimento de 1,2 milhões de euros, para além dos 200 mil euros já aplicados na zona.

A intervenção na arriba sul desta zona turística da freguesia de Colares, adiantou à agência Lusa uma responsável da APA, devem começar dentro de "dois meses" e vão levar à remoção do snack-bar abandonado que ali se encontra à beira das arribas. No entanto, será mantido o acesso pedonal ao miradouro.

Os técnicos da APA foram ainda alertados para a erosão provocada pelo mar na arriba junto à estrada que liga à Praia das Maçãs, na proximidade da antiga escola primária das Azenhas do Mar, que poderá vir a ameaçar a circulação rodoviária na entre as duas localidades.

"A piscina sofreu muito com o mar e estou com medo que no próximo ano não tenha capacidade para aguentar", explicou aos técnicos o concessionário das Azenhas do Mar, que pediu para se estudar a desclassificação daquela reduzida faixa de areia como praia. "Há anos que temos areia e outros que não", observou, após mostrar os estragos que o recente mau tempo provocou num armazém de apoio ao restaurante.

O acesso à Praia do Magoito, na União das Freguesias de São João das Lampas e Terrugem, também mereceu um pedido de atenção ao secretário de Estado: "Se tirarem daqui este acesso, o apoio de praia fecha", avisou o presidente da junta de freguesia, Guilherme Leão, responsabilizando o Parque Natural de Sintra-Cascais pelas restrições impostas às populações da zona.

Um acesso alternativo também estará em risco, por estar em propriedade privada, mas Basílio Horta prometeu que vai negociar a permanência do passadiço com o proprietário.


quarta-feira, janeiro 22, 2014

Coisas do Vinho de Colares


"Plantadas na camada argilosa subjacente à camada arenosa, ainda hoje se utiliza, nas vinhas da denominação Colares, ao invés de qualquer viticultura europeia, o sistema radicular das plantas americanas, ou seja, os chamados porta-excertos. A imunidade ao ataque filoxérico dos fins do século XIX, fez com que ainda presentemente as vinhas sejam plantadas de pé-franco.Todavia pode colocar-se agora a questão - será que resistirão à ausência de viticultores?

Presentemente, a classe etária a que pertence a maioria dos produtores associados da Adega Regional, é elevada. São pessoas que possuem uma grande lucidez em relação a isso, mas para quem a vinha é uma parte de si próprios. Pode mesmo afirmar-se que, nalguns casos, é possivel observar o estado de saúde do viticultor através da observação da vinha, em diversos momentos so seu ciclo cultural. Torna-se por demais evidente que se nada for feito, a curto prazo para inverter este estado das coisas o limite será o desaparecimento da viticultura de Colares.(...)"

*José António Vicente Paulo Presidente da Adega Regional de Colares
"Jornal de Sintra" de 10 de Novembro de 2006

terça-feira, janeiro 21, 2014

segunda-feira, janeiro 20, 2014

Há um ano a Serra de Sintra foi assolada por um temporal


 photo PPenaf.jpg  
 Parque da Pena

 "A 19 de Janeiro de 2013, a serra de Sintra foi assolada por fortes chuvas e ventos ciclónicos de velocidades superiores a 120km/hora, evento extremo que atingiu em particular o Parque da Pena, sob gestão da Parques de Sintra. Registou-se a queda de cerca de 2.000 árvores, as estradas e caminhos ficaram quase todos cortados, diversos muros e pavimentos foram danificados, e as infraestruturas de rega, energia e comunicações foram também em grande parte afetadas.
 (...)
A Parques de Sintra estimou prejuízos em cerca de 3 milhões de Euros e tem feito face aos trabalhos de reconstrução, remoção de árvores e replantação com recursos próprios (receitas de bilheteiras, cafetarias, lojas e aluguer de espaços)."


Parque da Pena

"Imediatamente após o temporal, as equipas de operadores florestais, jardineiros e cantoneiros da Parques de Sintra avançaram, com a maior rapidez possível, no corte e remoção das árvores que bloqueavam os caminhos de acesso à serra e de circulação no Parque da Pena.

Os trabalhos incluíram também a recuperação dos sistemas de drenagem de águas pluviais, calçadas e valetas, bem como em infraestruturas de energia, iluminação, comunicações e segurança (CCTV).
Foi reconstruída a Casa do Guarda do Chalet, aproveitando-se a oportunidade para alterar a organização interior do espaço, aumentando a área útil de trabalho e permitindo que hoje funcione não só como bilheteira mas também como loja.
Desenvolveu-se também um projeto de recuperação dos muros (já terminado) e caminhos destruídos (já reabertos).

Dos 33 hectares afetados no Parque, garantiu-se desde logo a segurança dos visitantes removendo potenciais perigos. Os principais espaços de visita no Parque da Pena estão hoje limpos, tendo a Parques de Sintra recorrido às suas equipas internas, apoiadas por maquinaria florestal mas também pelos cavalos Ardennais, que efetuam trabalhos nas áreas de acesso difícil ou para as quais é menos indicada a utilização de máquinas. No total, foram removidas até ao momento cerca de 700 árvores, faltando ainda limpar cerca de 24 hectares no Parque, trabalho que prosseguirá em 2014."
Cavalo de raça  Ardennais

"Dado que, nos Parques da Pena e Monserrate, todas as árvores estão etiquetadas com código de barras, georreferenciadas e classificadas botanicamente (no âmbito do sistema de informação da Parques de Sintra sobre o património botânico), sabe-se que na Pena havia 35.000 e em Monserrate 18.000 árvores, sendo possível, no final da remoção de todas as árvores caídas, saber com rigor o número e a espécie das árvores atingidas.

Em novembro último reuniram-se condições para iniciar a reflorestação de algumas das áreas que, após os trabalhos de remoção de árvores e resíduos lenhosos ficaram mais expostas. Assim, foram já plantadas 285 árvores jovens de médio porte, incluindo abetos, cedros, juníperos, criptomérias, píceas, sequoias, pseudotsugas, tsugas, liriodendros, faias e tílias. 

Também em novembro começou o projeto de recuperação do Sistema de Rega do Jardim da Condessa d’Edla e da Quinta da Pena, muito danificado no temporal, e que envolve a deteção e correção de roturas na rede de rega, e a substituição de válvulas, electroválvulas e emissores de rega danificados. Por fim, serão reparados elementos como valetas, passagens hidráulicas e sumidouros, remates de canteiros, degraus e pavimentos."

 Chalet da Condessa
 *Todas as fotos do post são anteriores ao temporal de 2013.

Créditos
*Utliizado excertos de um texto da PSML

sábado, janeiro 18, 2014

Dias de clima complicado

 Foto em Lisboa, rua do Cabo, em 1954, durante um forte nevão (foto de Eugénio Baptista)


Lisboa e arredores acordaram na sexta-feira 17 de Janeiro, cobertos de granizo, provocando imagens que não são habituais com o nosso clima. Publicamos uma foto de um forte nevão em Lisboa em 1954, também uns anos antes em Sintra, imagens que nunca mais se repetiram.-  Sintra ficou branca em 1945.

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) emitiu um alerta amarelo para o continente entre as 00h de sexta-feira e as 20h de sábado devido à previsão de precipitação, queda de neve, agitação marítima e vento forte.
A ANPC informava na sua página na Internet que, face à previsão de mau tempo pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), foi emitido um alerta amarelo, que previa "ocorrência de fenómenos, que não sendo invulgares, podem representar um dano potencial para pessoas e bens".



Lisboa 17/01/2014
Foto de uma ambulância dos Bombeiros Lisbonenses no dia em que um "nevão" de granizo transformou alguma zonas da região de  Lisboa, permitindo fotos que não são habituais no nosso clima temperado.

 Praia Grande em 17/01/2014

No litoral Sintrense o mar agitado, na sexta-feira, era o único aspecto que marcou um dia de condições meteorológicas extremas.
 
Ver nevão em Sintra em 1945, aqui:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2009/01/neve-em-sintra-em-1945.html

 Créditos
Foto de ambulâcia  retirada da página de Facebook dos B.V.Lisbonenses

A Convenção de Sintra de 1808


Palácio de Seteais

Em "Breve História de Lisboa Cidade do Mar", Malcolm Jack, descreve  alguns aspectos da Convenção de Sintra de 1808, que afinal foi assinada em Lisboa a 30 de Agosto de 1808 .Acordo sobre forma de armistício entre o exército invasor francês e o exército britânico, que estabeleceu as condições para a retirada do exército francês de Portugal,  em condições desfavoráveis para o país invadido...


"(...)Tem de ser ponto de partida a peregrinação de Childe Harold* uma viagem um tanto espiritual como fisica através da adversidade e aspereza, bem como a gradiosidade e nobreza. Um dos sítios por onde passa Childe Harold é o local do Palácio do Seteais, uma das casas dos Marialvas, onde Byron achou erroneamente ter sido o lugar onde fora assinada a Convenção de Sintra no ano anterior em 1808.
Segundo os termos da  Convenção, o general francês Junot foi autorizado a sair do país com o espólio do seu exército intacto. Ficou escrito que não haveria  quaisquer indemnizações para compensar os enormes prejuízos causados em Portugal, no acordo do armistício  que o comandante supremo britânico, Sir Hugh Dalrymple, concluira em Torres Vedras ali perto, o local dos últimos entrincheiramentos de Wellington. O negociador francês, Marechal Kellerman, deve ter ficado encantado com os termos do acordo de paz. Embora Dalrymple  possa ter tido um ponto de vista prático de que  os termos aceites sem mais derramamento de sangue, este foi um mau acordo para Portugal, deixando o país fraco à mercê dos Britânicos, algo que, se  não fosse o objectivo secreto da policia britânica, não prejudicava, no entanto os interesses dos Britânicos(...)."

Palácio de Seteais

Facilidades concedidas pelos Ingleses aos Franceses na Convenção de Sintra
(...)
Art. III. O Governo inglês fornecerá os meios de transporte para o exército francês, que desembarcará em qualquer um dos portos de França entre Rochefort e Lorient, inclusive.
Art. IV. O exército francês levará consigo toda a sua artilharia de calibre francês, com os cavalos do seu trem, e os [respectivos] carros munidos de 60 balas por peça. Toda a demais artilharia, armas e munições, tal como os arsenais navais e militares, serão entregues ao exército e à marinha britânica no estado em que possam estar no momento da ratificação desta Convenção.
Art. V. O exército francês levará consigo todos os seus equipamentos e tudo o que se compreende debaixo da denominação de propriedade do exército; ou seja, a sua caixa militar e as carruagens agregadas ao comissariado e aos hospitais de campanha; em alternativa, permitir-se-lhe-á negociar, por sua conta, aquela parte da mesma que o Comandante em Chefe julgue desnecessário embarcar. Da mesma forma, todos os indivíduos do exército serão livres para vender a sua propriedade particular, seja qual for, com plena segurança futura para os seus compradores.
Art. VI. Os cavalos da cavalaria serão embarcados, tal como os dos Generais e dos outros oficiais de todas as graduações. É contudo perfeitamente entendido que os meios de transporte dos cavalos à disposição dos comandantes britânicos são muito limitados; poderão conseguir-se alguns transportes adicionais no porto de Lisboa; os cavalos que se embarcarem pelas tropas não excederão o número de seiscentos, e o número embarcado pelo Estado Maior não excederá os duzentos. Em todo o caso, dar-se-á ao exército francês toda a facilidade para negociar os cavalos que lhe pertençam e que não se possam embarcar.
Art. VII. Com o objectivo de facilitar o embarque, este será feito em três divisões, compondo-se a última das quais principalmente pelas guarnições das praças, pela cavalaria, pela artilharia, pelos doentes e pelo equipamento do exército. A primeira divisão embarcará dentro de 7 dias a partir da data da ratificação, ou mais cedo, se possível.
(...)
A Convenção de Sintra de 1808 na Wikipédia:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Conven%C3%A7%C3%A3o_de_Sintra

*Childe Harold´s Pilmrimage
NOME ORIGINAL_Childe Harold·s Pilgrimage (Inglaterra)
EDIÇÃO EM INGLÊS_ Lord Byron: The Major Works, Oxford University Press; 2000

Narra as viagens e os amores de um herói desencantado, ao mesmo tempo em que descreve a natureza dos países da região do Mediterrâneo. Os primeiros dois cantos do livro contemplam as viagens feitas por Byron pela Espanha, Portugal, Albânia e Grécia, entre outros países. O terceiro canto, escrito 6 anos depois, na Suíça, traz as auto-reflexões que caracterizam o "herói byroniano".


*Breve História de Lisboa Cidade do Mar/Malcolm Jack/ ed.Aletheia.

quinta-feira, janeiro 16, 2014

Poesia no Café Saudade

João Afonso Aguiar, advogado e escritor, apresenta a sua primeira obra de poesia "Ab Initio", com um encontro e sessão de autógrafos, no qual usarão da palavra Fernando Morais Gomes, presidente da Alagamares, Eduardo Rebelo, que prefaciou o livro, e o escritor João Rodil
"Percorro a pluralidade do pensamento.
Sozinho,
confronto-me com o olhar,
aí encontro a minha insanidade,
são imagens do que não sou,
não existo,
não sou o que sou,
sou o que sonho."

Café Saudade em Sintra - sexta-feira  17/01/2014 às 18h30

quarta-feira, janeiro 15, 2014

O 81º Aniversário do Sport União Colarense




Fundado em 10 de Janeiro de 1933, o Sport União Colarense,comemora este ano 81 anos.

Importante polo dinamizador cultural e do desporto na região, em diversas modalidades,tem ao longo destes 75 anos um historial de interessantes resultados desportivos, tendo sido o único clube concelhio possuidor de uma equipa feminina de Ténis de Mesa e o Voleibol e o Basquetebol,
praticado pelos jovens colarenses marcaram posição de destaque.


Sobre o Sport União Colarense

Um conjunto de jovens colarenses, sentindo falta de um grupo desportivo na sua terra, decidiram fundar em 10 de Janeiro de 1933 o Grupo Desportivo União Colarense (inicialmente previsto como Atlético Clube de Colares). Posteriormente em 10 de Janeiro de 1936, um outro de grupo de colarenses constituiram-no legalmente com novas bases denominando-o Sport União Colarense e filiando-o na Associação de Futebol de Lisboa.


Em 2000, o Sport União Colarense viu realizado o seu grande desejo de lhe ser cedida sede própria, embora em regime de comodato por um período de 70 anos.

terça-feira, janeiro 14, 2014

Várzea de Colares

Boletim Photographico, Nº75 Março de 1916


O Jornal " O Concelho de Sintra" nº29 de 1 de Junho de 1911 , publicava um artigo dedicado à Várzea de Colares, que transcrevemos parcialmente mantendo a acentuação e ortografia do original.

"A poetica Varzea de Collares e o dia de S.João

Ha 37 annos via-se ao pé da antiga ponte e no sítio que hoje occupa a adega Bernardino Gomes e Comp.ª uma tosca cabana coberta de colmo vendo-se sobre uns fetos peras, pecegos e mais fructas; e um barril do bello ramisco...
Eram as filhas do conhecido fazendeiro Chistovão d'Almeida, vulgo da Volta, as caixeirinhas assiduas d'aquella tendinha em miniatura! Coitadas! não morreram velhas!
Parece-me estar ainda em pleno e intimo convivio com os meus amigos João Paraty, Conde de Caparica, Manoel Pereira, Conde de Idanha, do Tojal, Portocarrero, Villa Real, Luiz do Rego, Isidoro de Bemfica...e tuti quanti - a maior parte já fugiu para a outra banda.
O dia de S.João d'aquelles tempos!
Enquanto os barcos do Almeida da volta se retiravam suavemente com as cachopas, ás vezes misturadas com os Marialvas que lhes pagavam o bote, grupos alegre d'outras raparigas dançavam alegremente ao som do pifano sem chaves, e descantes populares(...)".

segunda-feira, janeiro 13, 2014

Exposição Etnográfica Saloia do Concelho de Sintra -Alvarinhos 1956


Sobre uma "exposição Etnográfica Saloia do Concelho de Sintra" promovida pela Câmara Municipal de Sintra em 1956, Alvarinhos "povoação dividida pela estrada que de Sintra segue para a Ericeira".

"Seguindo o indicativo colocado à beira da estrada e passando sob o arco ornamental, que é costume fazer nalgumas romarias do Concelho, entra-se no maior largo da aldeia"

"Alvarinhos oferecia as precisas condições.
É lugarejo de certo valor populacional, de acesso  fácil e onde algumas das suas ruelas, casas e quinteiros, justificando já visita de viajante curioso, explicam a escolha feita.
Depois, no recheio dessas casas foi possivel a recolha de alguns objectos expostos.
Muitos entram no dia a dia da vida saloia e os que já não são, houve que ir buscá-los, às vezes, a velhas arcas ou desvãos menos frequentados de casais mais arredios."

 "Nas noites de seroada, nas grandes noites de inverno, o elemento feminino senta-se aqui, abre as gavetas, tira a tarefa e aí o temos a costurar, a deitar remendos nas calças dos machos da casa, técnica em que é exímio, a fazer crochet e, ainda ontem, aqui manejava as 4 agulhas na confecção das meias (...)"

 photo EscolaAlvarinhos.jpg Antiga escola primária de Alvarinhos, encerrada em 2010
 http://riodasmacas.blogspot.pt/2010/09/escola-basica-do-1-ciclo-de.html

  photo EscolaAlvarinhos2.jpg

domingo, janeiro 12, 2014

Casa dos Penedos




"Concluída em 1922, por encomenda do financeiro Carlos Machado Ribeiro, que tinha já recorrido aos serviços do arquitecto (Raul Lino), tanto em Cascais como em Lisboa, esta grande residência encontra-se na encosta onde se implanta um patamar que a própria obra cria, sensivelmente a meio do morro - uma relação directa com a paisagem montanhosa de Sintra, que lhe dá, quando observada a partir da vila e dos pontos mais baixos, uma predominância decisiva na paisagem que domina e define, fazendo com que simultaneamente se converta num ponto de referência.(...)"
Em Raul Lino 1879-1974

 Sobre o    Externato Santa Maria- ver aqui

sábado, janeiro 11, 2014

Sobre a Presidência Aberta de Basílio Horta e a torre metálica de 50 metros no Farol do Cabo da Roca

 O Farol do Cabo da Roca e a torre de radar de 50 metros de altura, instalada pelo M.A.I

Achamos curioso que não exista nenhuma foto oficial ou não, no novo cenário do farol do Cabo da Roca com a escandalosa torre metálica instalada pelo M.A.I. junto ao farol (torre com 50m e o farol com 22m) - durante visita de Basílio Horta, ao Cabo da Roca no âmbito da "Presidência Aberta", que ontem fez a Sintra.
Assunto tabu para os ambientalistas da região, começa agora a imagem do farol a ser "apagada" pelos fotógrafos que visitam o local e que antes utilizavam o cenário do local com o farol como alvo principal das suas fotos.

 "Compreendo que são necessárias informações sobre o tráfego marítimo, mas não acredito que o único sítio para ter a antena seja ali. Não acredito. É preciso sensibilidade. Temos jóias turísticas e culturais, temos de as preservar, e o Cabo da Roca é uma preciosidade. A sensibilidade deve ser transversal a todas as entidades públicas. Isto é uma falta de sensibilidade de quem autorizou e a verdade é que vai ser muito difícil mudar aquele monstro que está ali".
Basílio Horta ontem no Cabo da Roca (via blog Tudo sobre Sintra)

O blog "Tudo Sobre Sintra", publica as afirmações sobre o assunto feitas pelo Presidente da C.M.S.no local --Aqui


Porque hoje é Sábado...


Digo amanhã
como se tivesse a certeza de que amanhã estou vivo


António Ramos Rosa,
in Em torno do imponderável, p. 7 (2012)

 Foto: Praia das Maçãs

quinta-feira, janeiro 09, 2014

Presidência Aberta


A torre metálica de 50m do M.A.I no Farol do Cabo da Roca

"Basílio Horta, presidente da Câmara de Sintra, inicia amanhã, em Colares, um ciclo de iniciativas de “presidência aberta”, onde deverá “anunciar quando e como vão ser resolvidos problemas concretos da freguesia.” A visita inclui a passagem pelo Cabo da Roca, local onde os Ministérios da Administração Interna e da Defesa instalaram uma torre de radar de 45 metros à revelia da câmara, numa decisão já criticada pelo autarca.

As Azenhas do Mar e o Mercado da Praia das Maçãs fazem parte do itinerário, assim como o Parque de Campismo da Praia Grande, encerrado há vários anos na sequência de um litígio judicial. O autarca aproveitará ainda a visita para “confirmar a forma como a limpeza e recuperação está a decorrer nas zonas mais afectadas pelo mau tempo que atingiu a costa sintrense” na segunda-feira."


Notícia via Expresso de Sintra

Assuntos pendentes


« Cumpridas todas as formalidades legais prévias, Nunes Correia (Ministro do Ambiente), deu agora o último passo, concedendo ao dono do prédio 120 dias para cumprir a ordem de demolição.Caso contrário, avançará o PNSC, que o fará "a expensas do proprietário procedendo, se necessário, à tomada de posse administrativa do imóvel enquanto medida de tutela da legalidade urbanística."»

 Jornal Público de 16/01/2007

   Ministro do Ambiente, Nunes Correia na SIC em 15 de Novembro de 2006

Na actualidade 30/12/2013
«O novo Conselho Estratégico Ambiental de Sintra deverá ser dirigido por Nunes Correia, ministro do ambiente do penúltimo Governo de José Sócrates, e o Conselho Estratégico Empresarial ficará a cargo de “um grande empresário nacional”, revelou ontem Basílio Horta na Assembleia Municipal de Sintra. As duas estruturas que deverão tomar posse em Janeiro, e a reformulação da orgânica municipal, foram aprovadas apenas com a abstenção do movimento Sintrenses com Marco Almeida e do Bloco de Esquerda.

Segundo o autarca, “Sintra vai ser a primeira câmara a assinar um protocolo com o Ministério do Ambiente para juntar no Conselho Estratégico Ambiental a nova Direcção Municipal de Ambiente e Gestão Territorial, a HPEM [limpeza urbana] e os SMAS [água e saneamento], com representantes da Agência Portuguesa do Ambiente, Instituto de Conservação da Natureza, Parque Natural Sintra-Cascais, Comissão de Coordenação Regional (CCDR-LVT) e Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana”.»

Via blog "Tudo Sobre Sintra"

 http://riodasmacas.blogspot.pt/2007/07/manso-de-colares-e-o-juiz-do-tribunal.html