quinta-feira, julho 31, 2014

Efeméride - Centenário da 1ª Grande Guerra 1914 -18 III

Presenças na frente de batalha



Fotos de José Augusto Martins e José António da Costa do espólio de Eugénio Germano Baptista.
Infelizmente não foi possível saber  mais dados do percurso militar destes dois expedicionários.

 Carlos Ferreira
Fotos enviados por gentileza de Rafael Rodrigues, bisneto de Carlos Ferreira

Foto 1- Carlos Ferreira, 3º a contar da esquerda, sentado, em França em 6/01/1918



Foto 2 - Carlos Ferreira em 5/9/1917

Foto 3-Carlos Ferreira é o condutor em Tourville, França em Agosto de 1919


Publicações da Época

"Apresentado em conselho de ministros o pedido de cooperação feito pelo Governo Britannico nos termos a que me referi, o ministro da Guerra, sr. Pereira d'Eça, foi de opinião que o material de guerra que fossemos levados a fornecer á Inglaterra deveria de qualquer modo ser acompanhado de forças correspondentes e, por outro lado, que o concurso que a Inglaterra nos pedia, de uma arma só, era de natureza a provocar susceptibilidades entre os representantes das outras.
(...)
Ministro da Guerra de Portugal, se apressou a dirigir então ao nosso Governo um pedido de concurso que não excluía nenhuma das armas do exercito portuguez. Esse documento  tem a data de 10 de outubro de 1914 e apezar de afirmação que o sr. Brito Camacho (1) renovou no ultimo congresso do seu partido de que o legitimo orgulho da Inglaterra » a impediria de fazer similhante pedido sponde  sua, ou espontaneamente, esse pedido é formulado no referido documento em termos tão isemptos de orgulho e tão lisongeiros para o amor próprio nacional, que não suponho existia outro igual no archivo do ministério dos Negocios Estrangeiros."
*Ortografia  conforme texto original
In "Portugal perante a Guerra"/João Chagas/1915

*(1)Brito Camacho-Manuel de Brito Camacho foi um médico militar, escritor, publicista e político que, entre outros cargos de relevo, exerceu as funções de Ministro do Fomento e de Alto Comissário da República em Moçambique. Fundou e liderou o Partido Unionista.(nota do blog).

Posts relacionados:

*Efeméride - Centenário 1ª Grande Guerra  1914-18
http://riodasmacas.blogspot.pt/2014/07/efemeride-centenario-da-1-grande-guerra.html
*Efeméride - Centenário 1ª Grande Guerra 1914-18 II
http://riodasmacas.blogspot.pt/2014/07/efemeride-1-grande-guerra-1914-18-ii.html

Palácio da Pena em obras



 A Parques de Sintra iniciou no passado mês de junho uma intervenção nos revestimentos das estruturas edificadas que constituem todo o Palácio Nacional da Pena, onde existem rebocos caiados (paredes e muros), revestimentos azulejares e elementos de cantaria (pedra). O Palácio permanecerá aberto durante os trabalhos, mantendo a política de “Aberto para Obras” da Parques de Sintra, sendo que os andaimes não cobrirão todo o Palácio em simultâneo, para minimizar o impacto visual nos visitantes. Ambos os trabalhos estão previstos terminar antes do final do ano.

Texto da PSML

quarta-feira, julho 30, 2014

Efeméride - Centenário da 1ª Grande Guerra 1914-18 II

"Em Março de 1919 regressam a Portugal os últimos expedicionários portugueses com saudades da família e da terra natal. Para trás ficava uma guerra devastadora que, entre mortos e feridos e prisioneiros, marcou a vida de 14.062 portugueses."
in "Das trincheiras com Saudade"/Isabel Pestana Marques

Ilustração Portuguesa II Série nº573 de 12 de Fevereiro de 1917


"Na Grande Guerra de 1914-18, o Exército português sofreu a maior derrota em África desde Alcácer Quibir.No Norte de Moçambique morreram mais soldados portugueses do que na Flandres. Não tanto pela razia das balas alemãs. Mais pela fome, pela sede, pela doença e pela incúria."
in jornal Público/28 de Julho 2014


Ilustração Portuguesa 1ª Série nº483 de 24 de Maio de 1915



Memorabilia

Referência medalhística  militar em Angola e França /Colecção  particular @RiodasMaçãs



Máscara anti-gás utilizada nas primeiras linhas/Colecção particular @RiodasMaçãs

Post relacionado:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2014/07/efemeride-centenario-da-1-grande-guerra.html

terça-feira, julho 29, 2014

Olhares de passagem pela Vila Velha

Foto:Rua do Macieira

Há muitos pontos de interesse fotográfico na Vila Velha de Sintra, mas  que no caso, não passam de sinais de desleixo para com um local, que deveria ser cuidado e tratado como uma jóia do património Sintrense.


Foto:Escadinhas do Hospital

No caso seguinte uma visão de uma passagem no Palácio Nacional de Sintra, pouco visível para os muitos visitantes ocasionais.

Fotos de 25 de Junho de 2014

segunda-feira, julho 28, 2014

Efeméride - Centenário da 1ª Grande Guerra 1914-1918



Em 28 de julho de 1914, a ocupação da Sérvia pelas forças do Império Austro-Húngaro marcava o início de
 um conflito que rapidamente se propagou, num esquema de alianças que dividiu o mundo em dois, alterou
o curso da história e constituiu, para muitos autores, a verdadeira entrada na contemporaneidade.

Portugal acabou por abandonar a neutralidade inicial, em parte pela necessidade de afirmação da

 jovem República (proclamada 4 anos antes) no contexto internacional, em parte pela necessidade
     de defesa dos seus interesses coloniais em África. África foi, de resto, o primeiro palco de
 guerra das tropas portuguesas, que desde setembro de 1914 se viam envolvidas em combates fronteiriços
 no Sul de Angola e no Norte de Moçambique, embora só em 9 de março de 1916 a Alemanha nos declarasse
 oficialmente guerra.

Só em princípios de 1917 se inicia o envio de tropas portuguesas para a Flandres, com o primeiro

contingente do Corpo Expedicionário Português (C.E.P.) a embarcar, em janeiro, a bordo de
três vapores ingleses. Este exército, composto por cerca de 30.000 homens, foi sujeito a uma instrução
 preparatória intensiva de nove meses, sob a direção do então ministro de Guerra, o general Norton
de Matos. Ficaria conhecida como "Milagre de Tancos". Visivelmente mal preparado e equipado,
o C.E.P. sofreu pesadas baixas, sendo tristemente célebre a data de 9 de Abril de 1918, que assinala
 a Batalha de La Lys






Equipamentos  militares da época

Máscara anti-gás e fardamento de um modelo de um soldado escocês da 51st Higland Division, que chegou a França em Maio de 1915.

Colecção particular @RiodasMaças

Postal da Vila Velha

Quinta do Sadanha, Casa dos Penedos, antigo Externato Santa Maria,  e  Palácio Valenças em primeiro plano.

Quinta do Saldanha
http://riodasmacas.blogspot.pt/2009/01/quinta-do-saldanha.html

Casa dos Penedos
http://riodasmacas.blogspot.pt/2014/07/olhares-sobre-casa-dos-penedos-ii.html
Antigo Externato Santa Maria
http://riodasmacas.blogspot.pt/2014/07/externato-de-santa-maria.html

Palácio Valenças
http://riodasmacas.blogspot.pt/2009/02/palacio-de-valencas.html

domingo, julho 27, 2014

Sintra no Sábado à noite


No Terreiro do Palácio Nacional de Sintra, uma feira Natural.PT e um espectáculo multimédia noturno Natural.PT, com projeção na fachada do Palácio.

Fotos de Sábado 26/07/2014


Junto ao Centro Cultural Olga Cadaval, projecção do filme "A Canção de Lisboa"

Com uma organização algo amadora, e a inexistência de qualquer tipo de cadeiras para os espectadores - será necessário a haver continuidade, nestas sessões, de serem  melhoradas as  condições para quem pretenda assistir naquele local à projecção  de filmes ao ar livre.

sábado, julho 26, 2014

A Canção de Lisboa, em Sintra

 
 
 

Hoje pelas 22h00, junto ao Centro Cultural Olga Cadaval, projecção do filme "A Canção de Lisboa" - entrada gratuita.

 
 

Vasco Santana, Beatriz Costa e António Silva na mais admirável, inspirada e irresistível comédia portuguesa de sempre
Vasco Leitão, estudante de Medicina em Lisboa, vive da mesada de umas tias de Trás-os-Montes que nunca vieram à capital e o consideram um excelente aluno. O Vasco, porém, prefere os retiros de fado, os arraiais, os bailes e as mulheres bonitas. Especialmente Alice, uma costureira do Bairro dos Castelinhos, o que não agrada ao seu pai, o intratável alfaiate Caetano, que conhece bem o rol das dívidas do Vasco e a sua vida de boémio. Um dia, o Vasco chumba no exame, é posto pelo seu senhorio na rua e, para cúmulo, aparecem as tias...
Cottinelli Telmo é aquilo que se pode chamar um caso singular do Cinema Português. Arquiteto de formação, assina o primeiro filme sonoro em Portugal, que é também a sua única longa-metragem já que morreu prematuramente. "A Canção de Lisboa" é ainda a primeira grande comédia populista do cinema português, o género de maior sucesso de sempre em todo o cinema nacional, e hoje continua a ser aclamado como um filme de culto. Dos diálogos inspirados ao humor irresistível, onde a tradição da Revista e a comédia de costumes se fundem de forma notável, "A Canção de Lisboa" é, sem exagero, um dos mais célebres e admiráveis filmes portugueses de sempre, a que não é alheio o talento de um elenco portentoso com o mítico trio Vasco Santana/Beatriz Costa/António Silva à cabeça.

Texto  retirado daqui

sexta-feira, julho 25, 2014

Festas Populares do Mucifal iniciam-se hoje

Foto da página de FB do Bar da Sede do Mucifalense

Foto de um baile nas Festas do Mucifal, no Largo da Capela, antes da interrupção de oito anos e da mudança o ano passado, para junto do Pavilhão do  União Mucifalense.


Posts relacionados:

-O regresso das Festas do Mucifal -Aqui

-Festas Populares do Mucifal 2013 -Aqui

Horário de Verão do Eléctrico da Praia das Maçãs

 
 


quinta-feira, julho 24, 2014

Feira Natural.PT e Espectáculo multimédia no Palácio da Vila

Com a presença da Adega Regional de Colares


Feira Natural.PT e espectáculo multimédia no Terreiro do Palácio de Sintra
 
Vai ter lugar, no Terreiro do Palácio Nacional de Sintra, na próxima sexta-feira e sábado (25 e 26 de julho), a feira Natural.PT e o espectáculo multimédia noturno Natural.PT, com projeção na fachada do Palácio.
Organizada pelo ICNF, esta mostra de produtos e serviços associados aos recursos naturais, culturais e patrimoniais das Áreas Classificadas, conta com 27 expositores e pretende dar a conhecer a marca Natural.PT. De acordo com a organização, esta é “uma aposta nacional na biodiversidade, na economia, no património e na identidade de Portugal através da valorização e promoção de produtos e serviços associados a estes espaços singulares”. 
 
Feira
Sexta-feira: 11h00 às 23h00
Sábado: 10h00 às 23h00
 
Espectáculo multimédia
Sexta-feira e sábado: 21h00, 21h30, 22h00 e 22h30.
 
Texto PSML

Espectáculo SINTRARTES em 2011
 
Outro espectáculo de luz e música o SINTRARTES, aconteceu em 23 de Setembro de 2011, utilizando também a fachada da Palácio da Vila


Fotos de 23/09/2011

quarta-feira, julho 23, 2014

Postal da Praia das Maçãs

"Praia das Maçãs onde desagua o rio do mesmo nome num areal fortemente batido pelas ondas.
A praia, de fundo arenoso, estende-se num comprimento  de 500 m. Abrigada dos ventos S. e SE., é uima esplêndida estação de Inverno. De Verão dominam os ventos N. e NE.Extremamente belo o panorama das arribas maravilhosamente recortadas, fechado a SO. por altas rochas caindo a prumo sobre o mar."

Raul Proença/Guia de Portugal 1924

Foto antiga  da praia das Maçãs,não datada

Praia das Maçãs faz em 2014, 130 anos da sua edificação. Embora as primeira edificações pertençam a 1888 na verdade é que três anos antes três homens de boa vontade (Luis de Almeida Albuquerque, dr.Joaquim de Vasconcelos Gusmão e António Maria Dias Pereira Chaves Mazzioti),agregando a si dois engenheiros de grande categoria profissional , se constituiram em comissão, e levaram a cabo a construção do lanço de estrada que continuou, até à Praia das Maçãs, a velha estrada de Colares que partindo de Sintra e passando por Seteais, Monserrate e Eugaria chegava , apenas até ao Banzão.


Foto antiga do Ringue de patinagem, da Praia das Maçãs - hoje só utilizado para torneios de futebol de 5/futsal  com  um verde, relvado sintético.

*Fotos enviadas por  João Vassalo

terça-feira, julho 22, 2014

Olhares sobre a Casa dos Penedos II



«A Casa dos Penedos será talvez umas das realizações deste arquitecto (Raul Lino), em que  melhor se entende a sua preocupação com as "boas maneiras" anunciadas na sua obra escrita e transposta para a arquitectura, mas sobretudo entendidas na construção desta casa, onde podemos encontrar "gestos inteligentes e sinais  de insensatez".
Concluída em 1922, por encomenda do financeiro Carlos Machado Ribeiro Ferreira, que tinha já recorrido aos serviços do arquitecto tanto em Cascais como em Lisboa.»
In Raul Lino 1879/1974/Ed.Blau

Fotos de 26/05/2014


"Um patamar que a própria obra cria, sensivelmente a meio do morro"(Raul Lino 1879-1974)
 
Fotos de 26/05/2014


Post relacionado:
-Olhares sobre a Casa dos Penedos
http://riodasmacas.blogspot.pt/2014/07/olhares-sobre-casa-dos-penedos.html

segunda-feira, julho 21, 2014

Festival Hípico em São João da Lampas


No espaço público (Largo relvado) de São João das Lampas, aconteceu, no domingo um festival hípico, com a organização do Centro Equestre Seara do Campo, uma prova de escolas, open e uma prova de potência.




domingo, julho 20, 2014

Olhares sobre a Casa dos Penedos

Pedro Cabral/Blog Bonecos de Bolso


"Concluída em 1922, por encomenda do financeiro Carlos Machado Ribeiro, que tinha já recorrido aos serviços do arquitecto (Raul Lino), tanto em Cascais como em Lisboa, esta grande residência encontra-se na encosta onde se implanta um patamar que a própria obra cria, sensivelmente a meio do morro - uma relação directa com a paisagem montanhosa de Sintra, que lhe dá, quando observada a partir da vila e dos pontos mais baixos, uma predominância decisiva na paisagem que domina e define, fazendo com que simultaneamente se converta num ponto de referência.(...)"
Em Raul Lino 1879-1974

Pedro Cabral/Blog Bonecos de Bolso

Pedro Cabral/Blog Bonecos de Bolso

Créditos

Desenhos de Pedro Cabral, publicados no blog "Bonecos de Bolso"

http://bonecosdebolso1.blogspot.pt/2010/09/r-marechal-saldanha.html
http://bonecosdebolso1.blogspot.pt/2010/07/bonecos-de-bolso-em-sintra-4.html
http://bonecosdebolso1.blogspot.pt/2010/07/bonecos-de-bolso-em-sintra-3.html
http://bonecosdebolso1.blogspot.pt/2010/07/casa-dos-penedos-3.html
http://bonecosdebolso1.blogspot.pt/2010/07/casa-dos-penedos-2.html


Casa dos Penedos Sintra photo CasadosPenedos1outubro1926ilustraca.jpg

Casa dos Penedos de Raul Lino, publicado na "Ilustração" de 1 de Outubro de 1926


 photo CasadosPenedosRL.jpg Publicado na "Ilustração" Nº20 de 16 de Outubro de 1926

Post relacionado:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2014/07/externato-de-santa-maria.html

sábado, julho 19, 2014

Porque hoje é Sábado...

Gatos de Colares
Foto1
Foto2
Foto3


Foto4


Oda al Gato
Los animales fueron
Imperfectos,...
Largos de cola, tristes
De cabeza.
Poco a poco se fueron
Componiendo,
Haciéndose paisaje,
Adquiriendo lunares, gracia, vuelo.
El gato,
Sólo el gato
Apareció completo
Y orgulloso:
Nació completamente terminado,
Camina solo y sabe lo que quiere.
El hombre quiere ser pescado y pájaro,
La serpiente quisiera tener alas,
El perro es un león desorientado,
El ingeniero quiere ser poeta,
La mosca estudia para golondrina,
El poeta trata de imitar la mosca,
Pero el gato
Quiere ser sólo gato
Y todo gato es gato
Desde bigote a cola,
Desde presentimiento a rata viva,
Desde la noche hasta sus ojos de oro.
No hay unidad
Como él,
No tienen
La luna ni la flor
Tal contextura:
Es una sola cosa
Como el sol o el topacio,
Y la elástica línea en su contorno
Firme y sutil es como
La línea de la proa de una nave.
Sus ojos amarillos
Dejaron una sola
Ranura
Para echar las monedas de la noche.
Oh pequeño
Emperador sin orbe,
Conquistador sin patria,
Mínimo tigre de salón, nupcial
Sultán del cielo
De las tejas eróticas,
El viento del amor
En la intemperie
Reclamas
Cuando pasas
Y posas
Cuatro pies delicados
En el suelo,
Oliendo,
Desconfiando
De todo lo terrestre,
Porque todo
Es inmundo
Para el inmaculado pie del gato.
Oh fiera independiente
De la casa, arrogante
Vestigio de la noche,
Perezoso, gimnástico
Y ajeno,
Profundísimo gato,
Policía secreta
De las habitaciones,
Insignia
De un
Desaparecido terciopelo,
Seguramente no hay
Enigma
En tu manera,
Tal vez no eres misterio,
Todo el mundo te sabe y perteneces
Al habitante menos misterioso,
Tal vez todos lo creen,
Todos se creen dueños,
Propietarios, tíos
De gatos, compañeros,
Colegas,
Discípulos o amigos
De su gato.
Yo no.
Yo no suscribo.
Yo no conozco al gato.
Todo lo sé, la vida y su archipiélago
El mar y la ciudad incalculable,
La botánica,
El gineceo con sus extravíos,
El por y el menos de la matemática,
Los embudos volcánicos del mundo,
La cáscara irreal del cocodrilo,
La bondad ignorada del bombero,
El atavismo azul del sacerdote,
Pero no puedo descifrar un gato.
Mi razón resbaló en su indiferencia,
Sus ojos tienen números de oro.
Pablo Neruda


Créditos:
Poema de Pablo Neruda via Fb de Maria Lisete Almeida