domingo, novembro 30, 2014

Postal da Praia das Maçãs com aves

FotoP28112014blog.jpg


Legenda das fotos - Na tarde da última sexta-feira na Praia das Maçãs, pequenas aves ágeis e saltitantes, tentavam conseguir o seu sustento nas saliências das rochas, à beira-mar, durante os curtos intervalos da forte rebentação das ondas - num bailado arriscado, de forma a evitar serem atingidas pela água do mar.


Foto248P28112014blog.jpg
Fotos de sexta-feira 28/11/2014
foto252B28112014blog.jpg
Foto:Praia das Maçãs
Foto260b28112014blog.jpg

sábado, novembro 29, 2014

Porque hoje é Sábado...

A Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura reconheceu o cante alentejano como Património Imaterial da Humanidade.


À hora que se anunciou que o cante alentejano foi reconhecido como Património Cultural Imaterial da Humanidade, mais de 400 crianças, da escola Mário Beirão, envolvidas no projecto cante na escola, Herança com raízes, cantaram a moda “Castelo de Beja”.

Imagem: José Ferrolho

© 2014 www.diariodoalentejo.pt

quinta-feira, novembro 27, 2014

Festival da Nova Poesia em Sintra

Programa do Festival
poesia_net.jpg


O Centro Cultural Olga Cadaval e o MU.SA – Museu das Artes de Sintra vão ser palco do Festival da Nova Poesia que se realiza nos dias 28, 29 e 30 de novembro.
A primeira edição do festival apresenta novas formas de abordagem à poesia,  através do diálogo entre várias linguagens artísticas: música, video-poemas, recitais, slammers, coletivos poéticos. O programa contempla, ainda, debates, workshops e atividades para crianças.
 
Bilhetes para o Festival da Nova Poesia em Sintra:  
- Passe para os 3 dias, no MU.SA: 3,50€
- Noite dos Performers, no dia 29 de novembro, no Centro Cultural Olga Cadaval: 5,00€
 


Sintra em alerta laranja

Temporal2f


A Protecção Civil de Sintra colocou sob alerta laranja o concelho de Sintra, a partir das 21h00 de hoje (dia 27) até às 6h00 da manhã de dia 28 de novembro, devido às previsões que apontam para períodos de chuva ou aguaceiros, por vezes forte e persistente.
O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou também o distrito de Lisboa sob alerta amarelo para as rajadas de vento na ordem dos 80 km, a partir das 21h00 de hoje (dia 27) até às 6h00 da manhã de dia 28 de novembro.
Está prevista agitação marítima com ondas de noroeste com 4 a 5 metros, a partir de dia 28, às 12h00 até dia 30 de novembro, até às 6h00.


Fonte CMS

quarta-feira, novembro 26, 2014

Chuva intensa provoca inundações (actualizado)

 
"A chuva que caiu nesta quarta-feira à tarde na zona da capital provocou inundações em vários locais da cidade de Lisboa e também em Oeiras, Cascais e Sintra. O distrito está, como aliás todo o território continental, sob aviso amarelo até às 9h de quinta-feira."
In Jornal "Público"
http://www.publico.pt/local/noticia/chuva-forte-provocou-varias-inundacoes-na-area-de-lisboa-1677556
foto877x658tvi24
 Inundação em Agualva-Cacém /Foto Sónia Morais/TVI24


*Reportagem fotográfica no blog " Tudo sobre Sintra"
http://www.tudosobresintra.com/2014/11/chuva-intensa-provoca-pequenas.html


Memórias

As cheias em 25 de Novembro de 1967
Na noite de 25 de Novembro de 1967, uma tromba de água caíu sobre a região de Lisboa.Alenquer,Loures, Odivelas,  foram as localidades mais afectadas. No total morreram setecentas pessoas, e houve milhares de contos de prejuízos.
10351605_824090130945638_4365285159891107170_n.jpg

Cacém 1983
Há 31 anos  grandes cheias  atingiram a região de Lisboa,   inundaram a baixa do Cacém, quando as águas da Ribeira das Jardas saíram do seu leito, estrangulado pelas construções de imóveis, aí "plantados",  por não terem sido consideradas questões básicas do ordenamento do território.



Imagens das inundações no Cacém em 1983
Actualmente com o projecto Polis a baixa do Cacém sofreu uma revolução urbanística, espera-se que as lições de há 31 anos tenham servido de lição.

Ensaio sobre o Cabo da Roca em livro a lançar a 29 de Novembro

Livro_CD_Recital.jpg

Um ensaio fotográfico sobre o Cabo da Roca é lançado em livro no próximo dia 29 de Novembro, numa sessão com entrada livre que decorrerá na galeria de arte Flores do Cabo, situada no Pé da Serra, em Colares, às 17h00.
Flores do Cabo. Estrada dos Capuchos, 839 - Pé da Serra, 2705-255 Colares, Sintra.
Tel 91 445 0858 e-mail: info@floresdocabo.pt

A cerimónia de lançamento integrará um recital de violoncelo e contrabaixo pelo músico e compositor Zé Eduardo, que vai interpretar peças por si criadas a partir do trabalho de Carlos Pinto.

Intitulado "Cabo da Roca. Onde a terra se acaba e o mar começa / The westernmost extent of continental Europe", o livro é composto por 203 fotografias monocromáticas que resultaram de um trabalho desenvolvido entre 2010 e 2014.




O autor
Nascido em 1970, em Lisboa, Carlos Pinto tem já uma longa carreira como fotógrafo, que inclui inúmeras colaborações em vários títulos da imprensa portuguesa, bem como em diversos sites da Internet. Enquanto designer gráfico, foi responsável, entre outros, pela composição de discos de numerosos artistas, portugueses e estrangeiros, dos mais variados géneros musicais.
Sítio: carlospinto.net

terça-feira, novembro 25, 2014

Alterações climáticas



CMS24112014.png
Texto da CMS (Nota do blog:corrigido pela ortografia antiga)
Projecto para adaptar Sintra às alterações climáticas
A Câmara Municipal de Sintra junta-se ao projecto “ClimAdaPT.Local” que tem por objectivo definir estratégias locais para a adaptação às alterações climáticas, em parceria com a Faculdade de Ciências da Univ. de Lisboa, através do Centro de Pesquisa para a Adaptação e Mitigação das Alterações Climáticas.
As recentes intempéries que assolaram a costa de Sintra indicam o modo como fenómenos climatéricos extremos vão-se tornando mais frequentes e com maior impacto no território e indicam a necessidade de actuação da administração local em medidas capazes de dotar de maior resiliência as comunidades com estratégias de adaptação às alterações climáticas. 
Este projecto visa iniciar um processo contínuo para a integração de mecanismos de adaptação local aos desafios climáticos globais nas ferramentas de planeamento e actuação municipal, envolvendo técnicos municipais, e promovendo a consciencialização dos actores locais.
O ClimAdaPT.Local insere-se no Programa AdaPT – Adaptar Portugal às Alterações Climáticas, financiado pela Agência Portuguesa de Ambiente, I.P, através do Fundo Português de Carbono, no âmbito do Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu (MFEEE/EEA-Grants).


http://www.cm-sintra.pt/projeto-para-adaptar-sintra-as-alteracoes-climaticas
 
A foto do site da CMS
PGrande03032014blog.jpg
Fotos da Praia Grande em  3 de Março de 2014, quando fortes intempéries atingiram a costa portuguesa e em particular o litoral sintrense. A primeira foto, com corte, foi agora utilizada pelo site da Câmara de Sintra, para ilustrar o texto que agora publicou sobre o projecto  "ClimAdaPT.Local”, e que foi publicado pelo "Rio das Maçãs": aqui
PGrande0503032014blog.jpg


http://riodasmacas.blogspot.pt/2014/03/praia-grande-com-alerta-vermelho.html

segunda-feira, novembro 24, 2014

Usos e costumes

A utilidade das folhas de cana
FolhadeCanablog.jpg


A tradição obriga  em algumas regiões, que no dia 1 de Novembro, além do "Pão por Deus", a confecção de uma broas , "Bolos dos Santos", (denominação  na região de Mafra) - que tem a particularidade, de usar folhas de cana,  colocadas (ver foto) nos tabuleiros  que vão ao forno, de forma a evitar que as broas com a cozedura não se agarrem à base do forno.


Forno2blog.jpg
Foto do processo de cozedura das famosas broas


As broas, (da região de Mafra), após a saída do forno - no caso bem acompanhadas pelo excelente vinho de Colares







*. Em algumas povoações da zona centro e estremadura chama-se a este dia o ‘Dia dos Bolinhos’ ou ‘Dia do Bolinho’. Os bolinhos típicos são especialmente confeccionados para este dia, sendo à base de farinha e erva doce com mel (noutros locais leva batata doce e abóbora) e frutos secos como passas e nozes.
Post relacionado:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2014/10/porque-hoje-e-sabado_31.html

domingo, novembro 23, 2014

Exposição no Chalet da Condessa

 Recentemente  foi atribuído ao Chalet da Condessa d'Edla, o Prémio 2013 União Europeia - Europa Nostra, na categoria de Recuperação, evento que ocorreu no dia 10 de Outubro. Na altura além  do descerramento de uma  placa alusiva, foram expostos vários objectos pessoais pertencentes a Elise Hensler.




O cesto de piquenique da Condessa d'Edla
Chalet10102014INTbcBlog.jpg
O cesto de piquenique de Elise Hensler, Condessa d'Edla,  segunda mulher de D.Fernando II, adquirido pela PSML.

Chalet10102014INTbfBlog.jpg
Desenho de autoria de D. Fernando, representando-se como D.Quixote com o seu Sancho Pança. Assinado e datado, em Lisboa, 18 de Maio de 1872. - "Caderno de desenhos da autoria de D.Fernando".
Carta d'Armas da Condessa d'Edla concedido por Erneste II de Saxe-Coburgo-Gota a 10 de Junho de 1869, na altura do seu casamento com o Rei D.Fernando II.


Post relacionado -Visita ao Chalet


http://riodasmacas.blogspot.pt/2014/11/visita-ao-chalet-da-condessa-dedla.html

sábado, novembro 22, 2014

Porque hoje é Sábado...

JanelaGalamares2014.blogjpg.jpg


O LONGO SONO


Depois da tempestade
o longo sono.
Os tributos. A fome.
E o estrangeiro por dono
deste país que já não tem no nome
a independência da palavra liberdade.


Manuel Alegre/O Canto e as Armas/1965


*Foto: Fachada de um edificío em Galamares

sexta-feira, novembro 21, 2014

Salão de Galamares

Salaogalamares24082012blogue  No  Sábado o Salão de Galamares vai ser reanimado.  Esta sala de espectáculos  foi inaugurada em 1916 por iniciativa do Visconde de Monserrate, onde  durante  décadas se realizaram récitas, festas e sessões de cinema.

O renascimento do Grupo Desportivo e Cultural de Galamares nos  anos 90 e  o esforço da população, permitiu   com a colaboração da Escola Profissional de Recuperação do Património de Sintra, reabilitar a  peculiar traça original do histórico Salão de Galamares.


http://riodasmacas.blogspot.pt/2012/06/reabertura-do-salao-de-galamares.html


cartaz-f-a3.jpg
"Amanhã voltaremos a dar vida ao Salão de Galamares.O cineteatro, mais conhecido por Salão, foi inaugurado em 1916 por iniciativa do Visconde de Monserrate, e durante décadas ali se realizaram festas e sessões de cinema. Até Viana da Motta aí tocou em 1923, numa iniciativa destinada a obter receitas para a electrificação da estrada de Sintra a Colares. "Com pinturas e murais de António Graça, Júlio Fonseca e Garibaldi Martins, artesãos ao serviço do visconde, foram recorrentes ...as récitas onde pontificavam Guilherme Oram ou Eduardo Frutuoso Gaio, o conjunto de saxofones da Sociedade União Sintrense ou o Cynthia Jazz e Os Mexicanos. Depois de um período de apagamento nos anos 70 e 80, sob impulso de galamarenses como Edgar Azevedo ou António Jorge Manata ressurgiu em 1979, tendo nos anos noventa tido o renascido Grupo Desportivo e Cultural de Galamares destaque no ciclismo e no atletismo, onde se destaca por exemplo, a conquista da I Maratona Popular de Badajoz, em 1996. Mercê do esforço da população se reabilitou na traça original o dito salão, confluindo também nessa tarefa a colaboração da Escola Profissional de Recuperação do Património de Sintra. A 24 de Junho de 2012 reabriu em prol da cultura e associativismo locais, e nele se pretendem vir a dinamizar eventos culturais, festejos lúdicos, formação e divulgação, ao serviço de Galamares, de Sintra e do país. Compareçam, para um espectáculo de mais de 2 horas. Entrada Livre e Serviço de Bar"
Texto via Fernando Morais Gomes

quinta-feira, novembro 20, 2014

Garças-Reais do Rio das Maçãs II

GarçaPato217112014blog.jpg
Visitámos de novo,  na última sexta-feira (14/11/2014), as Garças -reais do rio das Maçãs, que ao contrário das outras vezes, continuam já há bastante tempo por ali a conviver com os outros habitantes daquele espaço - neste caso com os "patos-mudos",   também eles têm o hábito, de passar algumas temporadas na Várzea de Colares.
Garça16112014bblog.jpg
Foto em 14/11/2014 na Várzea de Colares
Garça16112014blog.jpg


A Garça-real (Ardea cinerea), pertencente à família Ardeidae, é a maior das garças da Europa, com 90 cm de comprimento, entre 175 e 195 cm de envergadura e cerca de 2 kg de peso. É uma espécie conspícua, facilmente observável e reconhecível no campo, mesmo pelos observadores menos experientes. As garças apresentam um voo impetuoso, com o pescoço retraído formando um “s” e emitem frequentemente um grasnar rouco característico. A plumagem das aves adultas é idêntica para os dois sexos, dominando os tons de cinzento, preto e branco. A cabeça e pescoço são maioritariamente brancos, com excepção de uma nítida coroa preta prolongada, na plumagem nupcial, por duas ou três penas também negras. O dorso é cinzento, bem como parte das asas em que somente as penas de voo (primárias e secundárias) são pretas. O bico é amarelo e as patas cor de carne. Os juvenis apresentam uma maior uniformidade no cinzento da plumagem.


Texto sobre as Garças-reais,encontrado aqui:


http://naturlink.sapo.pt/Natureza-e-Ambiente/Fichas-de-Especies/content/Garca-real-pescadora-elegante?bl=1&viewall=true


Post relacionado
Os Patos-reais do Rio das Maçãs:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2014/02/patos-reais-no-rio-das-macas.html

quarta-feira, novembro 19, 2014

Notas sobre o Palácio Nacional de Sintra II



Photobucket
-Foto do eléctrico na Vila Velha junto ao Palácio -publicada na "Ilustração Portuguesa" II série nº31, em 24 de Setembro de 1906.

"A aproximação do palácio não se faz hoje, como antes de 1910, através de um portão aberto no grosso muro que vedava o TERREIRO à frente do monumento. E é pena, porque o recato que o grande recinto fechado estabelecia convinha muito à nobre ambiência do edifício. A vila de Sintra, destituída hoje do pitoresco e completamente banalizada, pouco tem a ganhar pelo contacto com o monumento que não merece; e o palácio só perde com esta aproximação, esta comunicabilidade democrática... de que também não é merecedor.(...)"


Raul Lino/Os Paços Reais da Vila de Sintra/1948

terça-feira, novembro 18, 2014

Seteais/Património e a concessão aos Hotéis Tivoli


images.jpg

A Rioforte, sociedade que controla os activos não financeiros do Grupo Espírito Santo (GES), vai contestar a recusa do tribunal de Luxemburgo em conceder a gestão controlada ("gestion contrôlée"), que permitiria ficar protegida de acções dos credores.
in Jornal de Negócios: aqui



Sobre os Hotéis Tivoli
Após a derrocada do  império BES/GES, há problemas complexos a resolver e  consequências ainda não perfeitamente esclarecidas.
Com sede no Luxemburgo, a Holding  para a área não financeira do Grupo Espírito Santo (GES): Rioforte Investiments,  que pediu  recentemente a  protecção contra credores (falência) - detinha os interesses do GES nos sectores imobiliários, turismo, agricultura saúde e energia. na área do turismo entre muitos outros investimentos estão os Hotéis Tivoli, que têm a concessão até 2023 do Hotel de Seteais -  importante património histórico Sintrense, e que segundo *jornal I - "um consórcio internacional já terá oferecido 853 milhões de Euros pela empresa."
 Relativamente  a esta concessão  que tem um futuro nebuloso, espera-se que os interlocutores neste processo, defendam  os interesses do Estado Português, e de Sintra em particular.


Hotéis Tivoli podem render 300 milhões
O processo de venda dos Hotéis Tivoli foi iniciado ainda antes de a Rioforte pedir a gestão controlada. Mas a decisão pela insolvência poderá fazer com que o dossiê volte à estaca zero. Em causa está uma operação que poderá render mais de 300 milhões à "holding" do GES.


 
Semelhanças - O Hospital de Loures e a Rioforte (BES Saúde)
«A norte-americana UnitedHealth já tem autorização do Governo para controlar o hospital de Loures, a única unidade da Espírito Santo Saúde que funciona sob parceria público-privada e que, por isso, necessita de autorização estatal para mudar de mãos.

"A autorização foi assinada hoje", confirmou ao Negócios fonte oficial do Ministério da Saúde que, juntamente com o Ministério das Finanças, tem de escrever um parecer a permitir a alteração de controlo da sociedade que gere o hospital de Loures e também da sociedade que gere o edifício em que funciona.»
In Jornal de Negócios de Outubro 2014 -
aqui

Posts relacionados:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2008/05/assembleia-municipal-de-sintra-contra-o.html

Palácio/Hotel de Seteais - Interiores
http://riodasmacas.blogspot.pt/2011/12/palaciohotel-de-seteais-interiores.html

*Jornal I de 2 de Agosto de 2014


segunda-feira, novembro 17, 2014

Notas sobre o Palácio Nacional de Sintra

Palácio Nacional de Sintra


"Detenhamo-nos por uns momentos diante da frontaria principal do palácio e atentemos no contraste das duas épocas que a arquitectura traduz. Vale a pena de nos afirmar-mos no aspecto do corpo joanino com as suas cinco formosas janelas que se inserem a considerável altura acima das ogivas do átrio de entrada. Há nas linhas desta fachada, a  par da rua reticência e elegante sobriedade, como que certo ar de satisfação discreta e segurança que nos fazem pensar no período único da nossa História, quando esta arquitectura foi criada: momento fugaz no desenvolvimento da nacionalidade, instante de máxima tensão, de força contida, que precede o estado de expansibilidade determinante dos nossos destinos.(...)"
Raul Lino/ Os Paços Reais da Vila de Sintra/1948

domingo, novembro 16, 2014

O Santuário romano da Praia das Maçãs

A Praia das Maçãs guarda vestígios de um convento islâmico e de um santuário romano


 Encontrados vestígios do santuário romano, mas também restos de convento islâmico, durante as escavações de um santuário romano dedicado ao sol, à lua e ao oceano.



PraiadasMacasSantuarioAltodaVigia2013c
Foto do grupo de visitantes nas escavações do local do Santuário romano do séc XII/XV

 photo SantuaacuterioPMacas_zps3ca298d5.jpg
«Memória»  do Santuário do Alto da Vigia, referido por Francisco d'Ollanda pintor e escritor que viveu no séc,XVII (1517-1584). publicada no livro  "Da fábrica que falece ha Cidade de Lysboa´',
As primeira informações que nos falam da existência de um Santuário Romano junto à foz do rio das Maçãs. no lugar denominado Alto da Vigia, são da autoria de Valentim Fernandes em 1505; e de Francisco d'Ollanda  por volta de 1541.
Ler mais aqui


Descoberto templo romano ao Sol, à Lua e ao Oceano, que estava perdido
Via Diário de Notícias:
"Ali,  (junto à falésia, perto da Praia das Maçãs), descobriu o arqueólogo Cardim Ribeiro, ergueu-se em tempos um dos mais importantes santuários do Império Romano, consagrado ao Sol à Lua e ao Oceano, cuja localização estava há muito perdida, e que muitos julgavam até que fosse apenas lenda. Não era. Com a descoberta do templo, em 2008, vieram outros achados, alguns surpreendentes, que "tornam este local único e de grande alcance histórico", assegura Cardim Ribeiro ao DN.
A descoberta logo no primeiro ano de escavações de um ribat, uma mesquita feita de uma série de celas e, numa delas, de um mirhab, um nicho para as orações, orientado para Meca, "foi uma surpresa", conta o arqueólogo. Com toda a probabilidade, não será a única. Há muito mais História debaixo daquelas areias e do mar de chorões que cobre as dunas.
Para já, as escavações incidem "na periferia do santuário". Uma prospeção geofísica feita em agosto de 2011 indica que o edifício principal do templo romano, retangular e de grande dimensão, está ali enterrado, um pouco atrás do local onde agora decorrem os trabalhos. "Este sítio é um ovo de História, que atravessa diferentes eras civilizacionais e cultos, ao longo de mais de um milénio", resume Cardim Ribeiro."

http://www.dn.pt/inicio/ciencia/interior.aspx?content_id=4241547




PraiadasMacasSantoarioAltoVigia20092013a Estação arqueológica no Alto da Vigia (Praia das Maçãs) PraiadasMacasSantuarioAltodaVigia20092013b PraiadasMacasSantuarioAltodaVigia20092013d Saber mais aqui:
 http://www.portugalromano.com/2013/01/santuario-romano-ao-soli-et-lunae/

http://www.publico.pt/local/noticia/museu-arqueologico-em-sintra-estuda-vestigios-romanos-e-islamicos-1676346

http://riodasmacas.blogspot.pt/2013/09/o-santuario-romano-consagrado-ao-sol-e.html

sábado, novembro 15, 2014

Teleféricos & Funiculares



"Câmara desiste do silo da Portela e retoma a ideia do teleférico para a Pena"
Jornal de Sintra, 14/11/2014


A propósito, algumas notas sobre Teleféricos e Funiculares para Sintra                              Postal antigo com a legenda: Palácio da Pena visto do ar


Projectos para a construção de um teleférico, ou funiculares, para o Palácio da Pena, foram vários e começaram a surgir desde o início do séc.XX, o primeiro terá sido em 1910 para a construção de ascensores, felizmente já nesse tempo houve o bom senso das autoridades da época de não dar andamento a essas propostas, com o argumentos como de que “ colocar carris e cremalheira e cabos aéreos exigindo o corte de árvores e arbustos seria uma grande barbaridade.(...) Uma vez que o Parque da Pena, constitui (...)um dos arboretos mais valiosos do Mundo.” Ou se fosse aprovado a instalação de um funicular , existiria a “ depreciação do Parque, pois sendo um jardim botânico florestal de colecções e exemplares raros e valiosos, exige uma fiscalização muito rigorosa e para o que possui um regulamento de policia...”, estes extractos foram retirados de uma exposição enviada ao Ministro da Agricultura e Obras Públicas, em 1949, pelo então Director Geral dos Serviços Florestais e Aquícolas, José Almeida de Mendia.



Noticia do Diário de Lisboa de 27/9/1949

O mesmo Director Geral, avançava com uma ideia, também mais tarde  proposta pela UNESCO, que era a criação de uma” Task Force “para a gestão do Parque Natural Sintra-Cascais, semelhante ao que era sugerido já em 1949 na exposição enviada ao Ministro “só uma comissão oficial, com representantes dos organismos locais, para elaborarem esse plano (plano sobre o turismo de Sintra) a que o Poder central dê pronta solução....” é que permitiria resolver os problemas causados pelos “interesses de ocasiões e de efeitos desordenados” a Sintra e ao seu turismo.


Fonte: "O Palácio da Pena -Turismo Cultural num Palácio Nacional" de Alexandre Garcia da Fonseca

- Imagem da Noticia do Diário de Lisboa retirada da mesma obra.






Notícia do "Jornal da Região Sintra" de 13/11/2007



Proposta da CDU


O "Jornal da Região" de 13 de Julho de 2007, noticiava a existência de  uma nova proposta sobre este tipo de acesso ao Palácio da Pena, avançada pela CDU. A proposta tinha o objectivo de revitalizar o centro histórico de Sintra, além de adopção de medidas ao nível dos transportes, circulação e estacionamento, com destaque para uma proposta de implantação de um teleférico entre S.Pedro (Ramalhão) e o Palácio da Pena. O acesso proposto não seria a partir do Vale do Rio do Porto (Vila Velha) como foi equacionado no passado, adiantando que “aquela encosta está cheia de eucaliptos e de acácias, além de uma série de antenas, e o teleférico permitiria interligar vários transportes e aliviar a pressão automóvel no centro histórico”.


Porque hoje é Sábado...


quinta-feira, novembro 13, 2014

Notas sobre o Eléctrico da Praia das Maçãs

Passagem por Galamares, Outubro 2014

O eléctrico de Sintra foi inaugurado há 116 anos, a 31 de Março de 1904, com o material circulante encomendado à J.G.Brill Company (Estados Unidos).O percurso, com uma extensão de 8.900 metros, foi prolongado a 10 de Julho desse ano até à Praia das Maçãs, totalizando uma extensão de 12.685 metros. Mais tarde, a 31 de Janeiro de 1930, o eléctrico chegou às Azenhas do Mar.

Na sua já longa vida, o eléctrico, parte integrante da bela paisagem de Sintra, tão acarinhado pelas populações que o vêem passar às suas portas há mais de cem anos, teve ao longo da sua exploração algumas paragens , felizmente sempre retomadas.

O eléctrico da Praia das Maçãs acompanhou diversos ciclos da nossa história. A 1ª tentativa de construção da linha de caminho de ferro entre Sintra e Colares foi em 1886, reinava então D. Luis.

A 2 de Julho de 1900, é constituída a Companhia de Caminho de Ferro de Cintra à Praia das Maçãs SARL, ainda em monarquia, no reinado de D.Carlos.

Anos mais tarde a empresa sofre uma alteração e passa a denominar-se “Cintra ao Oceano”, em 1904 , já no fim do regime monárquico, e mantém-se até 1914, já em pleno regime Republicano, com os eléctricos pintados de amarelo.

A cor azul, surgiu com a Companhia Sintra Atlântico (1914-1975), posteriormente consequência das privatizações que aconteceram após o 25 de Abril de 1974, tendo sido integrada na Rodoviária Nacional (1976-1995).
 
Horário de Inverno do Eléctrico (via blog Tudo Sobre Sintra)-Aqui

terça-feira, novembro 11, 2014

Substituição do Professor António Lamas só em 2015


Via blog "Tudo sobre Sintra"

Câmara e Governo adiam para 2015 a escolha do novo presidente da Parques de Sintra
O lugar de António Lamas, que esta semana deixou a presidência do conselho de administração da Parques de Sintra – Monte da Lua (PSML), só será preenchido em 2015, na data legal para a nomeação da nova administração. Até lá, a empresa pública será gerida pelos outros dois elementos do conselho de administração: Manuel Baptista, nomeado agora administrador delegado, e João Lacerda Tavares, em representação da autarquia.
(...)

A Parques de Sintra – Monte da Lua é uma sociedade anónima de capitais exclusivamente públicos criada em 2000, após a classificação da Paisagem Cultural de Sintra como Património da Humanidade. Actualmente, a Direcção-Geral do Tesouro, detém 35% da empresa, a mesma percentagem do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, enquanto o Turismo de Portugal e o município de Sintra detêm 15% cada. António Lamas sai pouco antes do final do terceiro mandato para assumir o cargo de presidente do Centro Cultural de Belém (CCB). Os dois administradores que permanecem em funções também estão no final do terceiro mandato, pelo que terão obrigatoriamente de ser substituídos até Maio de 2015.

Texto integral aqui:

http://www.tudosobresintra.com/2014/10/camara-e-governo-adiam-para-2015.html

domingo, novembro 09, 2014

O rei vai nu! - Espectáculo Marionetas na Casa de Teatro de Sintra



O Fio d’Azeite – Grupo de Marionetas do Chão de Oliva apresenta, de 29 de Novembro a 21 de Dezembro, a sua adaptação do conto infantil de Hans Christian Andersen “O Rei Vai Nu”, na Casa de Teatro de Sintra. As sessões são ao sábado e ao domingo às 16h.
O Rei vai nu!, diz a voz inocente de uma criança, pura, infantil de quem tudo observa mas tudo pergunta, tudo quer saber. É esta moral que liberta os sentidos que atrai a liberdade de pensar, de pôr em causa o faz-de-conta que é a vida onde actuamos: a feira das vaidades que olhamos todos os dias, as tendas que montamos numa mascarada e santa ignorância. A ausência do sentido de ridículo desmonta o que parece ser para encontrarmos o que nos faz sentido ser, evidencia as pedras que lançamos e para onde as mandamos. E o espelho de quarto onde gritamos o óbvio: o Rei Vai Nu! E nós, como vamos?
Com encenação de Nuno Correia Pinto e de João de Mello Alvim. Num espectáculo rico em técnicas e expressões, o teatro de marionetas vem fazer as delícias a todas as idades. A não perder, para miúdos e graúdos na Casa de Teatro de Sintra.
Mais informações e esclarecimentos (contacto: 21 923 37 19).

Foto e texto do Chão de Oliva

sexta-feira, novembro 07, 2014

Obras nas Azenhas do Mar

A aguardar há muito tempo uma intervenção nas arribas das Azenhas do Mar, obra que agora está a acontecer, e que provocou o  fecho de  toda a área aos frequentadores habituais do miradouro e da própria praia. Mas uma visita no dia 4, mostrou que aparentemente o miradouro tinha encolhido - não conhecendo o projecto da obra em curso, é um assunto que preocupa as gentes das Azenhas.
Fotos em 4/11/2014