quinta-feira, abril 30, 2015

quarta-feira, abril 29, 2015

Polinização da Primavera

Polinizaçao28042015blog.jpg
Polinização da Primavera 2015 no Mucifal/Colares
PolinizaçaoB270420152bblog.jpg
Efeitos da polinização num zangão
PolinizaçaoB3270420152.blogjpg.jpg
Voar para o objectivo
Polinizaçao27042015cblog.jpg
Objectivo atingido
Polinizaçao27042015bblog.jpg
Descanso e tentar sacudir o pólen, prepararando-se para partir para nova flor.
*Fotos de 28 Abril de 2015

Polinização é o transporte de grãos de pólen de uma flor para outra, ou para o seu próprio estigma. É através deste processo que as flores se reproduzem.
 
Transporte do pólen
 
A transferência de pólen pode ocorrer de duas maneiras: através do auxílio de seres vivos (abelhas, borboletas, besouros, morcegos, aves, etc) que transportam o pólen de uma flor para outra, ou por factores ambientais (através do vento ou da água). 
 
Auto-polinização
 
Além destas duas maneiras, há também a auto-polinização, ou seja, a flor recebe seu próprio pólen. Contudo, há casos em que ela o rejeita; nestas situações, ocorrerá a troca de genes com outras flores, o que resultará em uma variação da espécie.
 
Entretanto, algumas espécies utilizam-se de seu próprio pólen objectivando produzir sementes e garantir a estabilidade de sua população (aqui não ocorrerá a variação, pois não haverá mistura de genes).
 
Polinização amenófila
 
Existem algumas espécies, como as Gimnospermas, onde, na maioria das vezes, a polinização é anemófila (através do vento). Acredita-se que isso seja em decorrência da forma de evolução desta espécie (quando não podiam contar com insectos especializados na coleta de pólen, como as abelhas). Devido a isto, esta espécie possui uma pobre variação morfológica em suas estruturas reprodutivas.
 
Animais polinizadores
 
É impossível deixar de notar a beleza e a enorme variedade de flores existentes na natureza, esta diversidade somente é possível graças à população de insectos coletores de pólen, como as abelhas, borboletas, mariposas, aves e mamíferos.
Texto retirado daqui.
 

terça-feira, abril 28, 2015

Notas sobre o rio das Maçãs

 Lourel, local da nascente do rio das Maçãs -foto na Quinta da Ribafria

"Corre este rio, que nasce no termo de Cintra, no logar de Lourel, de nascente para poente, e recebendo as aguas que se despenham do alto da serra. e de dois riachos que lhe entram, um junto á quinta da Breja, e outro junto ao tanque da varzea da mesma villa, depois de haver feito mover varias azenhas, e fertilizando os pomares que ficam nas suas margens, com as suas aguas ( as quaes usavam por distribuição do almoxarife, sem pensão, os povos d'esta villa), tomando o nome de Gallamares deste sítio de Ponte Redonda. à Varzea, e d'esta até ao Oceano o de rio das Maçãs, vae aí morrer na praia denominada das Maçãs"

In Cintra Pinturesca/Memoria Descritiva das Villas de Cintra e Collares e seus arredores/Antonio A.R. da Cunha/1905


A foz na Praia das Maçãs

"(...) Descendo a costa, encontramos o Rio das Maçãs, cujos afluentes da margem direita drenam a vertente Sul do citado planalto.(planalto de S.João das Lampas)

O Rio das Maçãs é o mais importante curso de água desta vertente.Nasce no Castanheiro, a cerca de 200 m. de altitude, passa em S.Romão, depois em Lourel, tomando o nome desse povoado até à ponte Redonda, para depois ser conhecido com o nome de Ribeira de Galamares, até à várzea de Colares.
.Nesta secção descreve um largo meandro envolvendo o Vinagre e, retomando a direcção dominante SE-NW. passa a denominar-se Rio das Maçãs, embocando no oceano na praia assim chamada.
(...)
O Rio das Maçãs, com cerca de 13,5 Km. de extensão, recebe pela margem direita alguns afluentes vindos dos contrafortes  do planalto de S.João das Lampas, como as ribeiras de Janas,Mucifal, Morelinho, Carrascal e Cabriz.
Pela margem esquerda, muito abrupta recebe as ribeiras do Covão, Colares,Monserrate e a do Duche, ou Rio do Porto, que corre num apertado vale de fractura onde se nota  uma interessante inversão estratigráfica.(...)"
em "Sintra e o seu Termo" de José de Oliveira Boléo,1940



segunda-feira, abril 27, 2015

Lançamento do livro "Histórias Com Sintra Dentro"

Livro11169883_10206494113821088_292950629532139950

Lançamento do livro "Histórias Com Sintra Dentro" de Fernando Morais Gomes

"Este livro, produto de muitas noites de insónia, assim não dadas por perdidas, é dedicado a todos os que em Sintra fazem a sua transumância, vagueando entre passados holográficos que bem podiam ter sido, e um presente errático em busca da Lua argêntea que um dia talvez surja num rasgo promontorial. Sem pretensões retóricas ou vanguardismos de cliché, um livro com "estórias"para ler ao ritmo de um café ou numa viagem de comboio."
Apresentação pelo escritor e historiador João Rodil

No Café Garagem, em Sintra (junto ao Jardim da Correnteza)  dia 2 de Maio, pelas 17horas

domingo, abril 26, 2015

Postal de Colares

Costumes da Regiao de CollaresCintra.jpg
Em 1937 Colares vivia uma fase de grande desenvolvimento.Época em que a Adega Regional de Colares, com o Dr.Brandão de Vasconcelos e Alberto Totta na direcção reflectia também os bons resultados da produção do vinho de Colares.

*Foto do arquivo Municipal de Sintra/Costumes da região de Collares

sábado, abril 25, 2015

Os Jardins da Quinta da Ribafria afinal abriram mesmo hoje...

Ribafria10052014fblog.jpg


Com a confusão instalada sobre a  data da abertura dos Jardins da Quinta de Ribafria, (inauguração cancelada na véspera do dia 25 de Abril e adiada para o próximo 1º de Maio) - afinal abriu mesmo hoje, face aos inúmeros visitantes que  ali se  deslocaram, para o evento anteriormente anunciado pela CMS, sem receio das "condições atmosféricas", a  razão alegada para a alteração da data.

Horário para visitar:
De Abril a Setembro, das 10h às 19h, e de Outubro a Março, entre as 10h e as 18h.

Via blog "Tudo sobre Sintra"
http://www.tudosobresintra.com/2015/04/jardins-da-quinta-da-ribafria-abriram.html

Porque hoje é 25 de Abril!

Foi bonita a festa, pá
Fiquei contente
Ainda guardo renitente
um velho cravo para mim

Já murcharam tua festa, pá
Mas certamente
Esqueceram uma semente
n'algum canto de jardim
(...)
Chico Buarque de Holanda/Tanto Mar

DiarioPopular26041074blog.jpg
Diário Popular de 30/04/1974

25-abril-74_21.jpg
Foto de Alfredo Cunha/Lisboa 25 de Abril de 1974

sexta-feira, abril 24, 2015

Abertura dos jardins da Quinta da Ribafria do 25 de Abril para o 1º de Maio

Segundo informação da CMS: "A abertura ao público dos Jardins da Quinta da Ribafria, prevista para dia 25 de abril, foi adiada devido ao agravamento das condições atmosféricas, para o próximo dia 1 de Maio, às 15h00.
O concerto da Banda Militar do Exército também está adiado para o próximo dia 1 de maio, às 17h30. 
A exposição de escultura de Laranjeira Santos e o percurso pedestre de visitação de toda a Quinta da Ribafria vão estar disponíveis ao público a partir do próximo dia 1 de Maio."

 


Memórias de uma Primavera chuvosa

JRepublica22041974blog.jpg
Jornal República de 22 de Abril de 1974 /visado pela comissão de censura

AIlustracaoPortuguesa_1021_29Set1961_0008.jpg
Ilustração Portuguesa -Ano 55, n.º 1021, 29 de Setembro de 1961/visado pela comissão de censura

quinta-feira, abril 23, 2015

Biblioteca de Arte Equestre inaugurada no Palácio Nacional de Queluz

Casaca_cavaleiro_tauromaquico_e_aderecos_cavalo_aj
Foto PSML
A Parques de Sintra (PSML) inaugurou, a 22 de abril, no Palácio Nacional de Queluz, a única biblioteca nacional dedicada exclusivamente à Arte Equestre e aberta ao público: a “Biblioteca de Arte Equestre D. Diogo de Bragança, VIII Marquês de Marialva”. No local, além da consulta das publicações, será também possível observar 165 gravuras, duas pinturas (um retrato da família dos 3ºs Duques de Lafões e um de D. Pedro Vito de Meneses Coutinho, 6º Marquês de Marialva), uma casaca de cavaleiro tauromáquico e uma réplica de cavalo ajaezado com gualdrapas e xairel de finais do século XVIII.
 

 

quarta-feira, abril 22, 2015

Quinta da Ribafria aberta ao público no dia 25 de Abril

No âmbito das comemorações do 41º aniversário do 25 de Abril, a Câmara Municipal de Sintra abre ao público os Jardins da Quinta da Ribafria
QuintadaRibafria11052446_1069535683060691_81935004

Com a abertura dos jardins da Ribafria é inaugurada a exposição de escultura de Laranjeira Santos, onde vão estar expostas 16 esculturas.





Revista Ilustração nº86, de 16 de Julho de 1929




Posts relacionados sobre a Quinta da Ribafria:


http://riodasmacas.blogspot.pt/2015/03/noticias-da-quinta-da-ribafria.html


http://riodasmacas.blogspot.pt/2014/08/visita-quinta-da-ribafria.html


 http://riodasmacas.blogspot.pt/2011/01/quinta-da-ribafria.html

terça-feira, abril 21, 2015

Postal das Azenhas do Mar de ontem e de hoje

Azenhas vistas do mar.1953.António Passaporte.jpg

Foto de 1953, da autoria de António Pedro Passaporte 1901/1983
"Azenhas do Mar , povoação assente nas arribas e que desce, na mais caprichosa assimetria, até ao-rés-da-agua, nas faldas dum pequeno promontório."
Raul Proença/Guia de Portugal 1924
AzenhadoMarPx20042015blog.jpg
Foto das Azenhas do Mar de ontem, 20/04/2015, com a piscina oceânica assoreada.

"Azenhas do Mar são a denominação de uma aldeia, duma antiquíssima povoação, que pertenceu há mais dum século ao extinto Concelho de Colares, orago de Nossa Senhora da Assunção, jurisdição da Comarca de Torres Vedras. Fez parte das 25 povoações que constituiam o distrito daquela invocação e era a oitava em importância e número de fogos que, já em 1815, atingiam o somatório de 22. O indicado distrito de Nossa Senhora da Assunção confinava com os das freguesias de S.Martinho da Vila de Cintra, S.João das Lampas, e com o Oceano, pertencendo-lhe as praias que lhe são adjacentes, e indo acabar no cabo ou farol da Roca (Visconde de Jerumenha no seu livro Cintra Pinturesca Pg. 155 a 157) (...)"
Opúsculo da Comissão de melhoramentos das Azenhas do Mar -relatório e Contas , exercicio de 1928. Ed. 1929

segunda-feira, abril 20, 2015

Do Cabo da Roca ao Cabo Espichel

CaboaCabo19042015cblog.jpg
O Moto Clube de Sintra promoveu no domingo, dia 19, um passeio motard que ligou o Cabo da Roca ao Cabo Espichel, numa iniciativa que acompanhou  a imagem de Nossa Senhora do Cabo Espichel.
Caboacabo19052015fgblog.jpg


O culto medieval a Nossa Senhora do Cabo ou Santa Maria da Pedra de Mua é documentalmente mencionado pela primeira vez numa carta régia de D. Pedro I, datada de 1366 e constitui uma das mais antigas e interessantes manifestações de religiosidade popular em Portugal.
Divulgado o miraculoso achamento da imagem de Nossa Senhora no espigão rochoso do Cabo Espichel, muito rapidamente o culto terá levedado, não só entre as localidades mais ou menos vizinhas da margem sul do Tejo, mas sobretudo na margem norte do rio, recobrindo praticamente todo o território da região saloia. Aqui viria a atingir assinalável relevo, ficando conhecido pela designação de "círio saloio", "círio real" ou "círio do bodo", tendo não poucas vezes contado com a especial proteção da Família Real.
In Wikipédia
CaboaCabo19042015gblog.jpg


O passeio  acompanhado por centenas de motards, resultou   de uma iniciativa conjunta do Moto Clube de Sintra e da Comissão das Festas da Nª Sª do Cabo de S. Pedro Penaferrim.
 
CaboaCaboPnvs219042015blog.jpg

Fotos da passagem do cortejo "De Cabo a Cabo" por Colares.

Post relacionado:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2014/09/notas-sobre-o-cirio-de-nsenhora-do-cabo.html



domingo, abril 19, 2015

Visita ao Dakota (DC3) do Museu do Ar

DC3MuseuAr16042013ablog.jpg
O Dakota DC3 , é a aeronave que fazia  ligação  Lisboa - Luanda - Lourenço Marques, a Linha Imperial, iniciada em 2 de Dezembro de 1946. Hoje, faz parte do espólio do Museu do Ar em Sintra e foi apresentado após restauro, no dia em que a TAP comemorava os 70º aniversário, em 14 de Março último.
DC3MuseuAr16042013.dblogjpg.jpg
Linha Imperial, um voo de 24.540 Km era efectuado em 12 escalas.
DC3MuseuAr16042015Blog.jpg


Escalas do voo da linha Imperial: Marrocos, Senegal, Gana, Gabão, Luanda, até Maputo (Lourenço Marques), no Congo ou Zimbabué.
DC316042015blog.jpg
Interior do DC3 durante uma viagem.( Foto do Museu do Ar)

DC3MuseuAr16042015bbBlog.jpg


 Casa de banho e cozinha do DC3. Preço total do voo entre Portugal e Moçambique 14.470 escudos.
DC3MuseuAr16042013.wdblogjpg.jpg
"O avião  de transporte Douglas D-47 Dakota (DC3) de origem americana, foi o cavalo de batalha da aviação de transporte táctico dos Aliados durante a II Guerra Mundial. Robusto e fiável. O primeiro avião deste tipo a ser utilizado por Portugal era da USAAf e aterrou por avaria em 1943, tendo sido apreendido e depois integrado na então Aeronáutica Militar, do Exército. Foram depois adquiridos a partir de 1953 mais 28 para a Força Aérea. Estavam dotados de dois motores radiais de 1200 hp, tinham uma velocidade máxima de 370 Km/h ou 290 em cruzeiro, um raio de acção de 3300 km e uma capacidade de carga de 3170 kg."
in "Os anos da Guerra Colonial" nº1
DakotaMueda.jpg
Dakota e Fiat G-91 em Mueda/Moçambique ( Guerra Colonia/DN)
DakotaDC3.jpg
Transporte de militares em avião «Dakota C-47», na zona de canbanga, no Leste de Angola(Guerra Colonial/DN)

Mais um pouco de história do DC3 do Museu do Ar, retirado do no site do Projecto Vintage AeroClub:
O avião DC3 da TAP, exposto no museu do Ar, na base aérea de Sintra é na verdade uma aeronave ex-DGAC, de matrícula CS-DGA. O modelo completo é C47A-80-DL, o seu número de registo é o 43-15037 e foi construído em 1943, na fábrica de Long Beach. Enquanto ao serviço da USAAF, participou nas operações militares da 2ª Guerra Mundial entre 1944 e 1945, foi vendido como surplus de guerra em 1946, primeiro para a Irlanda e finalmente para Israel, onde foi adquirido para voar para a DGAC, em 1963. A sua vida operacional terminou 29 Junho de 1979 e em 1987 foi oficialmente oferecido à TAP. Este avião nunca voou nas linhas da TAP. Enquanto espólio da TAP, foram-lhes aplicados vários tratamentos estéticos, principalmente ao nível do exterior, tendo o seu interior degradado significativamente ao longo dos anos. A pintura aplicada representa o CS-TDA, primeiro DC3 matriculado nos TAP. Um conjunto de pessoas interessadas e voluntárias, dentro e fora da TAP, propôs o restauro estético deste avião, para que volte a apresentar a excelência que a companhia representava, aquando da inauguração das suas operações, em 1946.
Projecto Vintage AeroClub
https://grupodakotatap.wordpress.com/projecto-a/



*Fotos do DC3 no Museu do Ar/Granja do Marquês em 16/04/2015

sábado, abril 18, 2015

Porque hoje é Sábado...

Mucifal17042015blog.jpg
 Noite
Assim a noite, o
céu vazio de estrelas, a própria
luz que te escorre dos olhos,
como lágrimas, encharca o lenço
que guardas no bolso do casaco.


E uma linha
de ecos frios baixa do
céu para onde já não
olhas, pesa-te nos ombros, e
obriga-te a esquecer
todas as ausências.


Nuno Júdice




*Foto Mucifal/Colares à noite (14-04-2015)

sexta-feira, abril 17, 2015

Festival de Sintra 2015

Cartaz_FestivalSintra.jpg
 Notícia do  Diário de Notícias de 15/04/2015
http://www.dn.pt/inicio/artes/interior.aspx?content_id=4513155



«Edição 2015 é dedicada à Marquesa de Cadaval (1900-1996), que ajudou o Festival a nascer e estabelecer-se. Começa a 9 de maio com um recital do grande pianista brasileiro Nelson Freire

Qualquer aparição de Nelson Freire no nosso país merece destaque, e a próxima é já a 9 de maio, no Centro Olga Cadaval, em Sintra, no recital de abertura do Festival de Sintra. Mas a verdadeira novidade desta edição "cinquentenária" é a iniciativa da câmara de transmitir, por live streaming ou em diferido, vários dos eventos da edição deste ano em espaços públicos espalhados pelas freguesias mais populosas do concelho. Nas palavras de Basílio Horta, edil de Sintra: "o Festival tem que ir onde vivem as pessoas". E são 400 mil pessoas
Outra novidade é benemérita de outro modo: toda a receita de bilheteira reverterá a favor do Conservatório de Sintra. A descida (ou subida) à dimensão local cumpre-se por fim na participação de quatro sociedades filarmónicas concelhias no programa.
E o programa foi inspirado na Marquesa de Cadaval (1900-1996), grande promotora do Festival desde os seus primeiros passos (a 1.ª edição foi em 1957). Daí também o simbolismo do recital de Nelson Freire (n. 1944), que foi desde tenra idade acarinhado e apoiado pela Marquesa. Mas a sua memória estará também presente no recital do pianista norte-americano Jeffrey Swann (23 de maio), outro dos muitos artistas que fizeram da casa da Marquesa a sua casa, a dada altura do seu percurso; ainda no recital de poesia e música "Ausências" com Leonor Seixas e Paulo Pires (30 de maio); ou também na dupla presença da pianista Olga Prats, que deve o seu nome próprio ao facto de ter sido afilhada de uma parente próxima da Marquesa (29 e 31 de maio); ou finalmente, unindo o simbólico ao festivo, um tributo em forma de concerto ao ar livre (6 de junho) a D. Nuno Álvares Pereira, antepassado direto da linhagem Cadaval, sob a forma da famosa cantata Carmina Burana, de Carl Orff, no largo fronteiro ao Palácio de Queluz.
"Mudança de agulha" verifica-se também nas datas: além de ter sido antecipado em cerca de um mês em relação ao que era tradicional, o Festival 50 situa todos os concertos entre sexta e domingo. São ao todo 16 os concertos, além de três masterclasses, divididos por oito diferentes locais. À exceção do concerto de 6 de junho, que é de entrada livre, todos os outros têm o preço fixo de dez euros.»



http://www.dn.pt/inicio/artes/interior.aspx?content_id=4513155

quinta-feira, abril 16, 2015

Memórias do Hotel Netto na Vila Velha

Copy of HotelNetto210220158blog.jpg
Hotel Netto
Jornal de Sintra  nº182 de 1 de Agosto de 1937 nº182 

"Sabíamos que a nova gerência deste acreditadíssimo hotel o transformara quási radicalmente. Assim e gostosos de apreciar os progressos da nossa terra, dirigimos nós  ali a título de tudo e de nada, mas na mira sincera de podermos ver o que era essa transformação.
Manuel Lopez Alves, dedicado amigo deste jornal com todo o prazer nos recebeu e nos levou a percorrer as dependências do acreditado hotel, que sofreu de facto, transformações quais radicais, desde a entrada até aos confins do amplo e confortável prédio, de cujos quartos todos mobilados de novo e com instalações de água quente e fria, se disfrutam paisagens de terra e mar verdadeiramente deslumbrantes.
Nesses melhoramentos andou o fino gosto do grande arquitecto, nosso amigo sr. Norte Júnior, que mais uma vez não quis deixar os seus honrosos créditos por mão alheias.
Tanto no confortável escritório, onde as coisas estão preparadas para se prestar quaisquer esclarecimentos ao turista, português ou estrangeiro, até aos amplos salões onde se serve a comida e desde estes até aos aposentos de hospedes tudo é decência e comodidade, tudo é aceio e higiene, tudo é, em suma, um hotel digno das tradições do Neto e da Vila de Sintra.
A par das dezenas e dezenas de quartos e dos chics «appartmens» de janelas rasgadas olhando a luxuriante Serra de Sintra, os prados e os vergéis, o mar e a mancha bizarra das povoações limítrofes e por aí fora até ao vetusto Convento de Mafra, tudo no Hotel Neto constitui o que se chama uma ducificante paragem do bem-estar e da saúde que muitos sanatórios portugueses invejariam.

Saímos de facto, encantados com o que nos foi dado ver e apreciar e -  perdôe-nos a gerência do Hotel Neto - não resistimos à tentação de falar e, como tal como recompensa das amabilidades com que nos cumularam, aturando-nos nessa digressão cometemos esta indiscrição jornalística que representa, sem favor uma justiça de Jornal de Sintra a quem por Sintra trabalha."

Copy of HotelNetto21022015P4jpg.jpg
O outro lado...
Copy of HotelNetto210220153blog.jpg

Notícia no "Diário de Notícias"
20 Dezembro 2013

"O Tribunal de Contas (TC) declarou a conformidade da aquisição das ruínas do Hotel Netto por parte do município de Sintra, disse hoje à agência Lusa o presidente da Câmara, Basílio Horta.

O edifício do século XIX, adjacente ao Palácio Nacional no centro histórico da vila, que se encontra em ruínas e é conhecido por ter sido o local onde o escritor romancista Ferreira de Castro morou e escreveu parte da sua obra, será adquirido por 600 mil euros à cadeia de hotéis Tivoli.
A Câmara de Sintra exerceu o direito de preferência na aquisição do hotel, impedindo a intenção de aquisição da Parques de Sintra Monte da Lua, da qual é acionista.
De acordo com o presidente do município, Basílio Horta (PS), "a confirmação do Tribunal de Contas do processo de aquisição do Hotel Netto vai permitir à Câmara de Sintra adquirir este edifício degradado que se encontra no centro histórico da vila, e assim iniciar mais uma etapa de requalificação de um dos pontos turísticos mais visitados no país".
"A aquisição do Hotel Netto revela que a Câmara Municipal vai assumir as suas responsabilidades na requalificação do centro histórico da vila de Sintra e em todo o concelho", disse o autarca à agência Lusa.
Basílio Horta acrescentou que o município pretende instalar um hostel naquele edifício.
A Câmara e a Assembleia Municipal aprovaram a aquisição do imóvel.
A declaração de conformidade é o ato em que se consubstancia juridicamente a fiscalização prévia do Tribunal de Contas, inserida nos seus poderes de controlo financeiro."
 


Tabela de preços no Guia do Viajante de 1907


Posts relacionados:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2013/11/sobre-o-hotel-netto-da-vila-velha-dxe.html
http://riodasmacas.blogspot.pt/2015/02/debate-sobre-os-20-anos-de-sintra-como.html

quarta-feira, abril 15, 2015

Festa dos Merendeiros de Santo Isidoro

scan0012.jpg
Folheto com explicação sobre a Festa dos Merendeiros Merendeiro12042015blog.jpg
Merendeiro distribuído em Santo Isidoro no Domingo de Pascoela (12-04-2015)


*Freguesia de Santo Isidoro, Concelho de Mafra
http://www.freguesia-santoisidoro.pt/portal/v2.0/





terça-feira, abril 14, 2015

Vinho de Colares

Transporte das uvas para a Adega Regional de Colar
*Fotos não datadas do Arquivo Municipal de Sintra
Trabalhadores rurais em traje popular na vindima u
"Pensa-se que a introdução da casta “Ramisco” na região se deve ao rei D. Afonso III (séc. XIII), que a teria trazido de França. O grande enólogo Ferreira Lapa afirma que “o Colares é o vinho mais francês que possuímos”. O rei D. Dinis (séc. XIII-XIV) aplicou aos mouros, donos das terras de Colares, um tributo no qual se inclui uma quarta parte da produção de vinho da região. A primeira exportação de vinho de Colares, documentada, efectuou-se no reinado de D. Fernando I (séc. XIV). D. João I (séc. XIV-XV) ofereceu esta região a D. Nuno Alvares Pereira como recompensa pela vitória de Aljubarrota.(...)"

Na Revista de Vinhos, nº 154, Setembro de 2002.



segunda-feira, abril 13, 2015

Insólito na Vila Velha

PorschePoliciaalemablog.jpg
Alemães em Sintra

Legenda ficcionada da foto
A Polícia Alemã já chegou a Sintra, para ajudar na regulação do trânsito na Vila Velha, por indicação da Chanceler Angela  Merkel, satisfazendo um insistente pedido do seu bom aluno, Passos Coelho.

Legenda real da foto
A foto é real e foi obtida em 26 de Maio de 2014, quando da passagem pela Vila Velha de Sintra, do 39º Encontro Internacional de Porsches 356.
Post relacionado:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2014/05/passeio-dos-porsches-356-por-sintra.html

sábado, abril 11, 2015

Mercado das Bagageiras em S.Pedro de Sintra

Cartaz_Bagageiras.jpg

Porque hoje é Sábado...

Primavera, é a estação do ano que se segue ao Inverno e precede o Verão. É tipicamente associada ao reflorescimento da flora e da fauna terrestres.


Passaro20150408eblog.jpg
Foto. O  sinal do reflorescimento da fauna  - Colares 08-04-2015

quinta-feira, abril 09, 2015

Praia Grande: Estado da Arte

PG08042015eblog.jpg
Foto de 08/04/2015

Ontem  (08/04/2015), visitámos de novo as obras de "Reabilitação da Estrutura de Defesa Aderente", que estão a decorrer na Praia Grande, e que segundo a CMS tem o objectivo de "corrigir os estragos causados pelas intempéries, de modo a assegurar a sustentabilidade e a manutenção equilibrada da linha de costa, aumentando o grau de protecção contra o risco de galgamento oceânico."

PG08042015gblog.jpg
Fotos em 8 de Abril de 2015

A obra deverá estar concluída no próximo mês de Junho.
Post relacionado:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2015/03/praia-grande-em-obras-de-requalificacao.html