As eleições em Portugal - 1942

Mais de cinquenta mil razões para publicar pequenas memórias de um País com amnésia.


Publicado em 11 de Fevereiro de 1942 na primeira página do Jornal de Sintra.


No Portugal de antigamente (1942),as condições para se poder votar* eram:

1-Os portugueses do sexo masculino,maiores ou emacipados, que saibam ler e escrever, domiciliados no Concelho há mais de 6 meses.
2-Os que não saibendo ler nem escrever, paguem ao Estado contribuições não inferiores a 100$00.
3-Os portugueses do sexo masculino, com curso especial, secundário ou superior.

*Só existia um partido politico denominado "União Nacional".

Nota-António Óscar de Fragoso Carmona (Marechal Carmona); foi eleito, por sufrágio directo, presidente (25.3.1928); e sucessivamente reeleito sem opositor (17.2.1935, 8.2.1942, 13.2.1949)

Foto utilizada da autoria de Armando Serôdio-Arquivo Fotográfico da C.M.L.

Comentários

Zé-Viajante disse…
...e agora em "eleições livres" o Senhor de Santa Comba é o "melhor português de sempre"


Pobre país o meu.
Camões e Pessoa ( e não só ) tinham algo a escrever agora.

Abraço
greentea disse…
ainda bem que eu não era nascida nessa +epoca...
Por acaso ainda me lembro de uma cena , anos mais tarde, com uma Tia minha que era viúva e a quem não queriam deixar votar apesar de ela ser "cabeça de casal" como diziam .
O meu sogro contava que numa pequena aldeia onde ele chegou a pertencer à Junta de Freguesia , recebiam ordens para apontar quem não fosse votar, nesses anos quarentas . Comno não havia jornais nem luz nem tv e muita gente não sabia ler, nem sequer tinham conhecimento das eleições ou então porque discordavam do regime que tanta fome os fazia passar, nem lá iam.
Para que ninguém sofresse as consequencias , alguém da Junta preenchia os cadernos eleitorais como se todos tivessem ido votar - o que explica tb a inexistencia de abstenções nessa época.
Curiosamente , essa mesma aldeia tal como o distrito nunca votaram à direita
pedro macieira disse…
A questão das "eleições" no "Estado Novo", é um assunto que deveria ser obrigatório estudar no ensino secundário , e assim evitar a ignorância que é demonstrada pelo resultado da votação que choca os mais informados.As "eleições" não só eram uma farsa, pelas regras de votação impostas como,se não bastasse, as brigadas da Legião Portuguesa percorriam os locais de voto com certidões de óbito na mão, e votavam em nome dos falecidos, para aumentar os resultados no seu e "único" candidato.E talvez lembrar as estas gerações mais novas o que é que aconteceu a Humberto Delgado, quando se candidatou contra ao candidato do regime Américo Tomaz. Humberto Delgado que foi assassinado pela PIDE, em Espanha, não era um perigoso comunista, ele que tinha sido fundador da Legião Portuguesa...
greentea disse…
conheci Humberto Delgado na éppoca em que ele ia a Peniche para visitar alguém que na época estava preso no Forte. Meu pai falava com ele e disse-me quem era. Ficava numa residencial qd ia visitar esse amigo que suponho fosse Alvaro Cunhal. E apesar de ser miuda lembro-me muito bem da fuga de Peniche, que deixou toda a vila em suspense, sendo muitas casas revolvidas duma ponta à outra...
Delgado jantava numa mesa sozinho mas "alguém" aparecia sempre nessa mesma altura , alojando-se no mesmo local, chegando pouco depois dele e partindo logo q ele partia - decerto um pide deses q na época tudo vigiavam.

Mensagens populares deste blogue

Visita à Casa Branca nas Azenhas do Mar

Frutas da Região - Pêra " Lambe-os-dedos" II

Os cedros também se abatem na Serra de Sintra