Poesia de Sintra

"Sintra é a minha geografia! Tenho muito amor à natureza e às pessoas de Sintra Sinto-me profundamente enraizada aqui. Não quero ficar noutro qualquer sítio..."

Maria Almira Medina


Redondilhas com varanda

Visto-me de lume
na varanda nua
e caio de bruços
na concha da rua

Sangue derramado
neste chão imundo
mata a sede às pedras
e às raivas do mundo.

Náufrago imperfeito
agarrado à lua
com olhos de prata
nas trevas da rua.

Pombas ou gaivotas
na varanda poente
O mar é a terra
e o céu está na gente.

Maria Almira Medina




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Visita à Casa Branca nas Azenhas do Mar

Frutas da Região - Pêra " Lambe-os-dedos" II

Os cedros também se abatem na Serra de Sintra