domingo, outubro 21, 2018

A antiga ponte do Rodízio na Praia Grande

A Ponte que já não é uma passagem para a outra margem

Há 35 anos nas grandes cheias que atingiram a região de Lisboa,  inundaram a baixa do Cacém, quando as águas da Ribeira das Jardas sairam do seu leito, estrangulado pelas construções de imóveis, aí "plantados". Também a zona de Sintra foi gravemente afectada pela forte pluviosidade, provocando a morte de 10 pessoas,e vários desaparecidos,  totalizando  os prejuízos em  cerca de 18 milhões de contos. A ponte do Rodízio que ligava a estrada da Praia das Maçãs à Praia Grande, sob o rio das Maçãs ,construída nos inicíos do Séc.XX, foi nessa altura destruída. Na semana passada, aproveitando a limpeza efectuada naquele local, nas margens do rio das Maçãs, fizemos as fotos que hoje publicamos.

 Fotografia da Ponte do Rodízio em 1915, destruída nas cheias de 1983

Testemunho de Vergílio Ferreira
Praia Grande 22. Novembro.1983 - Ontem de tarde fomos ver os desastres da cheia 
aqui ao pé. Do Rodízio para a Praia Grande há uma ponte com um 
pilar sobre uma ribeira seca durante quase todo o ano. Com a
enchente, a ribeira inchou pavorosamente e levou a ponte adiante
ontem inundava todo o areal numa maré de água turva. Havia 
almofadas vermelhas a boiarem, talvez de automóveis, muros
derrubados, canos rebentados ou postos à mostra nas ruas. Na grande
adega de Colares os tonéis sem vinho boiavam leves e ficaram 
trancados contra as portas que eram estreitas para darem passagem. 




 http://www.apagina.pt/?aba=7&cat=180&doc=12689&mid=2


Post relacionado:
https://riodasmacas.blogspot.com/2014/01/a-ponte-do-rodizio.html

http://riodasmacas.blogspot.com/2008/02/cheias-aprender-lio-de-uma-vez-por.html

2 comentários:

Graça Sampaio disse...

Como Vergílio Ferreira gostava da sua casa em Fontanelas. Tudo isto é falado na sua excelente Conta-Corrente. Muito bom lembrá-lo!

Beijinho.

pedro macieira disse...

Nota sobre a não publicação de comentários de leitores no blogue nos últimos tempos

Só hoje, por um e-mail que me foi enviado, verifiquei que havia vários comentários que não tinham sido publicados ainda. A razão detectada, terá sido uma falha técnica, no envio automático do blogue para o meu e-mail, e que nos últimos tempos não tem estado a acontecer, daí a minha falta de conhecimento da existência de comentários para aprovar. Facto que peço desculpa.
Neste momento activei o processo de publicação de comentários, esperando assim tentar repor embora com bastante atraso em alguns assuntos, um conjunto de comentários que por esse motivo estavam por publicar.

Mais uma vez as minhas desculpas
Pedro Macieira