terça-feira, julho 17, 2018

IV Edição do Prémio de Fotografia de Sintra 2018

Fonte :Texto e imagem CMS

A Câmara Municipal de Sintra vai realizar a IV Edição do Prémio de Fotografia de Sintra 2018, com o objectivo de promover a arte fotográfica e reconhecer a importância da fotografia na cultura contemporânea como forma de criação plástica, de intervenção na realidade e testemunho, que lhe confere um estatuto único como documento cultural e social. 
As candidaturas deverão ser entregues, juntamente com o formulário, até dia 23 de setembro de 2018, no MU.SA-Museu das Artes de Sintra, na Av. Heliodoro Salgado, Estefânia I 2710-575 Sintra.
As fotografias a concurso serão apreciadas pelo júri, tendo por base os seguintes critérios: contemporaneidade, originalidade, atitude, efeito de surpresa e cultura visual.
O prémio destina-se a fotógrafos nacionais e estrangeiros residentes em Portugal, a partir dos 18 anos, sendo-lhes concedida total liberdade temática, admitindo-se todas as tendências e correntes, podendo concorrer com um único trabalho, inédito e original da sua exclusiva autoria e propriedade. 
Serão atribuídos três prémios monetários: 
1º Prémio - € 2.000,00 (dois mil euros);
2º Prémio - € 1.500,00 (mil e quinhentos euros);
3º Prémio - € 1.000,00 (mil euros)
Consulte aqui o regulamento do concurso e o edital.

segunda-feira, julho 16, 2018

Na foz do rio das Maçãs


"Corre este rio que nasce no termo de Cintra, no logar do Lourel, de nascente a poente, e recebendo as aguas que se despenhão do alto da Serra, e de dois riachos que lhe entrão hum junto á quinta da Bréja, e outro junto ao tanque da varsea da mesma Villa, depois de haver feito moer varias azenhas e fertilizado os pomares que ficão nas suas duas margens com suas aguas (as quaes usavão por distribuição do almoxarife, sem pensão, os povos desta Villa) tomando o nome de Gallamares , desde o sitio de Ponte Redonda á varsea, e desta até o Oceano o de rio das Maçãs, vai alli morrer na praia denominada das Maçãs.”
CINTRA PINTURESCA –Visconde de Juromenha –1838

Um espontâneo banhista que quis participar na foto saindo das águas do Rio das Maçãs


No final do percurso, já na Praia das Maçãs aproximando-se do mar



sábado, julho 14, 2018

Porque hoje é Sábado...

Momentos da Feira Quinhentista de S. Pedro de Sintra


Até ao próximo Domingo a tradicional feira em estilo medieval no largo de S.Pedro de Sintra.

Artesãos e animação permanente recrearam um ambiente de época, que demonstra algum cuidado e preparação neste evento - desde o guarda-roupa, até à intervenção dos actores que  estão presentes nesta encenação. Hoje na visita à Feira, fizemos as fotos que publicamos.

A presença da animação musical
Cenários cuidados, e acção real dos artesãos.
O teatro presente
Fotos em 13/07/2018

sexta-feira, julho 13, 2018

Sintra nos Lusíadas

«Camões lendo os Lusíadas a D.Sebastião na Penha Verde em Cintra»

«Já a vista, pouco e pouco se desterra
Daquele pátrios montes, que ficavam;
Ficava o caro Tejo e a fresca serra
De Sintra, e nela os olhos se alongavam.
Ficava-nos também na amada terra
O coração, que as mágoas lá deixavam.
E já depois que toda se escondeu
Não vimos mais, enfim, que mar e céu.»

Luis de Camões, Os Lusíadas

*Gravura publicada na revista "Occidente" em 10 de Junho de 1880

quarta-feira, julho 11, 2018

Adega Viúva Gomes em Almoçageme

O edifício da adega e escritório foi construído em 1808, pela família Gomes da Silva, oriunda da Região de Loures, que possuía grande extensão de vinha e mais tarde dedicaram-se também ao comércio de vinhos da Região de Colares. De salientar a importância que esta abastada família teve para Almoçageme com a construção a expensas suas em 1926 do edifício da sede da Sociedade Recreativa e Musical de Almoçageme, actualmente- Cine –Teatro José Gomes da Silva, com 230 lugares sentados, que na altura seria uma das melhores no perímetro lisboeta.

José Gomes da Silva além de garantir trabalho e em alguns casos habitação aos que faziam parte do elenco da filarmónica, custeava as despesas de instrumentos, e mesmo os vencimentos do regente.
Inicialmente os vinhos eram produzidos em Almoçageme saindo de carroça para a Praia das Maçãs, onde existia um entreposto. Eram carregados em vagonetas que seguiam atreladas ao eléctrico até Sintra, prosseguindo depois para Lisboa de comboio. Nos inícios do século XX os principais viticultores da região eram Viúva Gomes & Filhos, tendo sido distinguidos com o Grande Prémio na Exposição Mundial do Panamá-Pacífico, em 1915. Durante a Guerra de 1914-1918, enviaram vinho de Colares para consumo dos soldados que combatiam na frente francesa .

Passando por vários proprietários desde a sua fundação, a Adega e toda a existência foi comprada em 1988 pela família Baeta, estabelecida em Sintra no negócio alimentar desde 1898, proprietária de uma Adega em Sintra, tendo a sociedade comercial Jacinto Lopes Baeta, Filhos Lda. ficado na posse de toda a existência, iniciando uma nova fase de comercialização dos vinhos, criando e engarrafando novas colheitas de vinhos de Colares, de modo a restabelecer o prestígio da marca Viúva Gomes. Iniciando a recuperação das instalações com novos tonéis de madeira ficando com uma capacidade de 105.000 litros.
Fontes :
-1892-1992 Cem anos de Vida e História da Sociedade Recreativa e Musical de Almoçageme
-Colares de Maria Teresa Caetano
-Página da Internet da Adega Víuva Gomes da Silva
Post relacionado:
-Sociedade Recreativa e Musical de Almoçageme-pressionar



segunda-feira, julho 09, 2018

Bandeira nova nas praias

As praias  ganharam mais uma bandeira. Agora além da verde, amarela e vermelha, há a listada com as cores amarelo e vermelho: indica onde é seguro tomar banho.
Fotos na Praia Grande