quinta-feira, Abril 17, 2014

O Dia Internacional dos Museus e Sìtios no Museu Arqueológico de São Miguel de Odrinhas



O Museu Arqueológico de São Miguel de Odrinhas realizou ontem dia 16 de Abril, no âmbito do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, uma conferência seguida de visita intitulada «A villa e a necrópole romanas do Casal do Rebolo (Almargem do Bispo, Sintra)» guiada .por Alexandre Gonçalves, onde está patente o espólio mais significativo daquele importante sítio arqueológico de Sintra.

 "Tendo como ponto de partida as atitudes do Homem perante a morte, a exposição "Diis  Manibus - Rituais da Morte durante a romanidade" dá a conhecer um importante conjunto de materiais arqueológicos descobertos na região de Sintra"

"A região de Sintra integrava durante a Antiguidade o extenso território rural administrado pelo senado de Olisipo, a única cidade da Lusitânia que obteve o previlegiado estatuto do Municipio de Direito Romano. A zona mais ocidental do Municipio Olisiponense, onde se intregra o território sintrense, apresenta uma inequívoca unidade  cultural, social e económica, de que a epigrafia recolhida constitui um bom testemunho.
Na região de Sintra o processo de romanização é bastante precoce, estendendo-se pelo menos desde meados do século II a.C. até ao momento em que esta cidade recebeu o referido estatuto municipal cerca de 30 a.C.""


"Foi possivel identificar áreas de necrópole contemporâneas do respectivo local de habitação,  nomeadamente na Granja dos Serrões, Casaç do Rebolo, Santo André de Almoçageme, Casal de Pianos e no Casal do Silvério."

http://riodasmacas.blogspot.pt/2008/09/vila-romana-de-santo-andr-em-almoageme.html

Créditos:
 Excertos de um texto de  "Rituais da Morte durante a Romanidade" do Museu Aqueológico de São Miguel de Odrinhas.

terça-feira, Abril 15, 2014

Imaginário e Legado de Carvalho Monteiro em livro

 Dia 19 de Abril, sábado, pelas 21h, a Alagamares promove a apresentação no Café Saudade, em Sintra, do livro de Manuel Gandra “A.A.Carvalho Monteiro, Imaginário e Legado”, com intervenções do próprio e de Miguel Real. Entrada Livre.

 http://www.alagamares.com/19-de-abril-apresentacao-de-livro-sobre-carvalho-monteiro/

Jazigo de Carvalho Monteiro no cemitério dos Prazeres

António Augusto Carvalho Monteiro, filho de pais portugueses, nasceu no Brasil, no Rio de Janeiro em 27 de Novembro de 1850 e faleceu em Sintra em 24 de Outubro de 1920.

Foto do monumental jazigo no cemitério dos Prazeres,em Lisboa
Um interessante pormenor do jazigo de Carvalho Monteiro
 

Sobre a Quinta da Regaleira

Nos finais do Séc. XIX a quinta foi comprada pelo capitalista e homem de grande cultura, formado em Direito pela Universidade de Coimbra, António Augusto de Carvalho Monteiro, o “Monteiro dos Milhões”, com uma enorme riqueza acumulada no Brasil.

Para a construção do palácio e da capela inspirou-se no eclectismo estrutural e no estilo neo-manuelino do Hotel do Buçaco da autoria de Luigi Manini,cenógrafo e arquitecto a quem entregou o projecto e a edificação do palácio da Regaleira. Refletindo a epopeia dos descobrimentos, o misticismo português e os ritos e tradições mais herméticas da humanidade, o Palácio e os seus jardins são somatório de vários estilos, cheios de sinais Maçónicos,Templários e Rosa-Cruz, uma viagem que nos transporta para uma dimensão distante do mundo por onde normalmente andamos.

Dia Internacional dos Monumentos e Sítios no Museu Arqueológico de Odrinhas

MUSEU ARQUEOLÓGICO DE SÃO MIGUEL DE ODRINHAS, SINTRA
Dia 16 de Abril – Comemoração do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios
Conferência: «A villa e a necrópole romanas do Casal do Rebolo (Almargem do Bispo, Sintra)», por Alexandre Gonçalves.

O Museu Arqueológico de São Miguel de Odrinhas irá realizar no próximo dia 16 de Abril, no âmbito do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, uma conferência seguida de visita intitulada «A villa e a necrópole romanas do Casal do Rebolo (Almargem do Bispo, Sintra)».

Esta actividade iniciar-se-á no Auditório do Museu, onde terá lugar a conferência. Esta será seguida de visita guiada à exposição temporária «DIIS MANIBVS – Rituais da Morte durante a Romanidade», onde está patente o espólio mais significativo daquele importante sítio arqueológico de Sintra.

Dia 16 de Abril – 15.00 Horas
Duração: 90 minutos (com 15 minutos de intervalo)
Público-alvo: Público em geral.
Acesso: Gratuito – mediante marcação.

Mais informações e/ou marcações:
Telef. 21 960 95 20
Email. divulgação-masmo@sintraquorum.pt

segunda-feira, Abril 14, 2014

Postal da Praia do Magoito

A Praia do Magoito como em todo o litoral Sintrense, sofreu com as últimas intempéries - uma visita à praia, permitiu os registos que hoje publicamos. A falta de areia do extenso areal é o sinal deixado pela agitação marítima dos meses de Fevereiro e Março.




domingo, Abril 13, 2014

Voar nos céus de Sintra

Diáriamente pelos céus de Colares os Epsilon-TB 30, produzem um ruído característico,que já nos habituámos, em voos de treino em formação ou não,oriundos da Base Aérea 1 na Granja do Marquês.Hoje publicamos alguns apontamentos sobre estes nossos vizinhos do ar.
Foto:Epsilon-Tb 30 na pista da BA1 em Sintra
 
O EPSILON-TB 30 produzido pela firma francesa AEROSPATIALE, foi projectado para servir a fase elementar de pilotagem e para permitir que se vá mais além através da fase básica (ou intermédia).
É um avião bi-lugar em tandem, de asa baixa e curta e trem triciclo retrátil.
O motor de 6 cilindros horizontais é de injecção automática, possui um dispositivo de alimentação e lubrificação para o voo invertido e aciona um hélice de velocidade constante.
A configuração do seu painel de instrumentos, a sua velocidade de cruzeiro, a robustez da sua célula que suporta de +6,7 G a -3,35 G e a sensibilidade de comandos, conferem-lhe caraterísticas similares às de um pequeno avião de caça convencional.
Motor:
1 x Avco Lycoming AEI0-540 com a potência de 300 CV às 2.700 r.p.m.

·  Aérospatiale Epsilon-TB 30
Modelo da aeronave
·  Avião monomotor, asa baixa, trem retráctil destinado a instrução de pilotagem. A construção da aeronave foi entregue a uma subsidiária da Aérospatiale, a SOCATA que fez as primeiras entregas à Força Aérea Francesa em junho de 1983. Wikipédia
·  ·  Autonomia de voo: 1.300 km
·  Velocidade máxima: 378 km/h
·  Peso: 932 kg
·  Comprimento: 7,59 m
·  Envergadura: 7,92 m
·  Velocidade de cruzeiro: 358 km/h
·  Voo inaugural: 22 de dezembro de 1977

Esquadra 101 - "Roncos"
Aerospatiale Epsilon-TB 30

Texto,fonte: FAP 



A Esquadra 101 "Roncos"


A Esquadra 101, como Esquadra de Instrução Elementar e Básica da Força Aérea Portuguesa, é a fiel depositária das tradições e conhecimentos herdados de todas as Esquadras que, ao longo dos tempos e em diversos aviões, cumpriram esta nobre missão.
É uma longa História, a que se começou a desenhar a 14 de maio de 1914, com a criação da Escola Aeronáutica Militar. Foi nesta Escola, a 2 de novembro de 1916, e tendo como Chefe de Pilotos o Comandante Sacadura Cabral, que se iniciou o primeiro curso de pilotagem ministrado em Portugal. Dos dezasseis alunos que o iniciaram, foram brevetados treze, a 10 de maio de 1917.
Congregando toda a experiência adquirida desde 1914, a Esquadra 101 materializa a sua presente designação em 1978, fruto de uma reorganização na Força Aérea Portuguesa. Herda, na altura, os meios humanos e materiais da Esquadra 21 - Esquadra de Instrução Elementar de Pilotagem – sedeada na Base Aérea N.º2, e equipada com aeronaves Chipmunk.
Inicia uma nova etapa em 1989, com a aquisição de 18 aeronaves de fabrico francês – EPSILON TB 30 –, tendo, na mesma data, sido transferida para a Base Aérea N.º1. Mantém-se por Sintra até 1993, altura em que é relocalizada na Base Aérea N.º11.
E, é em Beja que, a 26 de julho de 1995, como corolário da sua História dedicada à Instrução na Aviação Militar, é condecorada com a Medalha de Ouro de Serviços Distintos, destinada a “…galardoar serviços de carácter militar relevantes e extraordinários ou atos notáveis de qualquer natureza ligados à vida do Exército, da Armada ou da Força Aérea, de que resulte, em qualquer dos casos, honra e lustre para a pátria ou para as instituições militares do país.”
Regressa, novamente, em 2009, à Casa Mãe da Instrução em Portugal, a Base Aérea N.º1, local onde continua a honrar o seu lema – “…Ensinando os Princípios da Arte.”
 Texto, fonte :FAP

Foto FAP
 http://www.emfa.pt/www/po/esquadra/esq101


sábado, Abril 12, 2014

Porque hoje é Sábado...


LISBOA PERTO E LONGE

Lisboa chora dentro de Lisboa
Lisboa tem palácios sentinelas.
E fecham-se janelas - branca e rota
a blusa de seu povo - essa gaivota

Lisboa tem casernas catedrais
museus cadeias donos muito velhos
palavra de joelhos tribunais.
Parada sobre o cais olhando as águas
Lisboa é triste assim cheia de mágoas.

Lisboa tem o sol crucificado
nas armas que em Lisboa estão voltadas
contra as mãos desarmadas - povo armado
de vento revoltado violas astros
- meu povo que ninguém verá de rastos.

Lisboa tem o Tejo tem veleiros
e dentro das prisões tem velas rios
dentro das mãos navios prisioneiros
aí olhos marinheiros - mar aberto
- com Lisboa tão longe em Lisboa tão perto.

Lisboa é uma palavra dolorosa
Lisboa são seis letras proibidas
seis gaivotas feridas rosa a rosa
Lisboa a desditosa desfolhada
palavra por palavra espada a espada.

Lisboa tem um cravo em cada mão
tem camisas que abril desabotoa
mas em maio Lisboa é uma canção
onde há versos que são cravos vermelhos
Lisboa que ninguém verá de joelhos.

Lisboa a desditosa a violada
a exilada dentro de Lisboa.
E há um braço que voa há uma espada.
E há na madrugada azul e triste
Lisboa que não morre e que resiste.

Manuel Alegre/ O Canto e as ArmasEd.1974


*Foto1- Lisboa e o Tejo
*Foto2- 1º de Maio de 1974/Lisboa

sexta-feira, Abril 11, 2014

Postal da estrada da Peninha

Foto:Estrada Florestal da Peninha  (E.N 9-1),com nevoeiro

Curiosidade
No tempo em que o Rally das Camélias e  o TAP, passavam pela estrada Florestal da Peninha, em plena Serra de Sintra.


Itinerário do XVII Rally das Camélias em 1972
(Publicado no jornal "Motor" de 23 de Março de 1972

 http://riodasmacas.blogspot.pt/2007/01/o-rali-das-camlias.html