sábado, Setembro 20, 2014

Tertúlia "Sintra e a Grande Guerra, em tempo de ideais" na Sala da Folha em Colares

JTertúlia "Sintra e a Grande Guerra, em tempo de ideais" na Sala da Folha em Colares


 O Monumento aos Mortos da Primeira Grande Guerra existente no Jardim da Correnteza em Sintra, é obra do escultor José da Fonseca.

Colecção particular @RiodasMaças

quinta-feira, Setembro 18, 2014

Noite Romana no Museu de Odrinhas


Ave Amici! Noite Romana no Museu de Odrinhas - 20 de Setembro
 


No último sábado deste Verão, venha ser conduzido à luz das tochas por entre sepulturas milenares. Figuras da época romana ler-lhe-ão os epitáfios latinos ocultados pela penumbra dos séculos de esquecimento, agora desvendados.

Duas sessões nocturnas às 21.00 horas, e às 22.00 horas;

Ingresso: 3 Euros; mediante reserva. Isenção para crianças até aos 14 anos.

Informações e reservas:
Telef. 21 960 95 20
Email.
 
Fonte:Museu de Odrinhas

quarta-feira, Setembro 17, 2014

A Praia Grande continua a surpreender

Agora
Fotos em 17 de Setembro de 2014

A estrutura assenta em pilares de madeira, e está construída a 3 ou 4 metros do areal

A ocupação do  novo espaço termina mesmo no acesso ao areal

Antes
Foto em 22/07/2013

Primeiro foram as  lagoas e as deslumbrantes falésias,  depois as tempestades que varreram a praia, a seguir  o fenómeno  natural  do areal ter tido  uma recuperação rápida - agora a construção de uma volumosa edificação em madeira,  no final da Praia, muito perto do areal - no local onde antes existia um pequeno apoio de praia com uma esplanada.

Lembramos a história relativamente recente que um pequeno local, fora da zona de praia, que vendia e cozia pão com chouriço, ter  sido obrigado a fechar para defesa da área da orla marítima.

Post relacionado:
http://cidadaniastr.blogspot.pt/2014/09/praia-grande.html?view=classic

Círios de Sintra



Ilustração Portuguesa, nº280

de 17 de Agosto de 1937

Círio de N.ªS.ª do Cabo Espichel


Foto de Setembro de 2010 - Durante a chegada da imagem da Senhora do Cabo Espichel a Sintra às Freguesias de Sta Maria e S.Miguel

As origens deste antigo culto, de acordo com alguns investigadores terá tido início em 1215, após um alegado ”milagre” que terá salvo de um naufrágio a tripulação de um navio junto ao Cabo Espichel, uma outra versão data o início do culto em 1410 quando foi descoberta no Cabo Espichel a imagem de Nossa Senhora do Cabo, por populares da Costa da Caparica e de Alcabideche.

Estas festividades religiosas, só terão tido um interregno a seguir à implantação da República, recomeçando em 1927 .

No início desta tradição o circuito da imagem, percorria 30 freguesias,permanecendo um ano em cada paróquia. Actualmente o número foi reduzido para 26, nos Concelhos de Cascais, Sintra,Oeiras, Lisboa e Mafra.
http://riodasmacas.blogspot.pt/2011/09/festas-de-sintra-na-freguesia-de-santa.html


Notas sobre o Círio de N.ªS.ª da Praia da Maçãs



O Círio de Nossa Senhora da Praia que nasceu em 1897,por iniciativa de Alfredo Keil e foi efectuado pela última vez em 1944, tinha o seu inicio na Vila de Colares para as Azenhas do Mar.
Também José Alfredo Azevedo, abordou o tema do Círio da Praia das Maçãs , reportando que nesse ano (1897)“Para além das cerimónias tradicionais meteu um galeão que “navegou” em terra puxado por duas juntas de bois, conduzido a banda dos Voluntários de Colares”mas em “1898 a coisa não correu da melhor maneira.Embora com três círios, de Colares,Sintra e Almoçageme,Alfredo Keil, por razões que não consegui apurar, não franqueou a sua capela.Logo os festeiros resolveram construir outra, em terreno oferecido pelo padre Matias del Campo, no outro lado do areal, na eminência conhecida por Ponta da vigia.Chegou a ser anunciado o início das obras, mas a capela que seria da mesma invocação, nunca foi construida.”

No texto,publicado nas “Loas” da autoria de Maria Teresa Caetano do mais recente círio , o Círio do Litoral Colarense em honra de S.Lourenço” organizado pela Associação dos Bombeiros voluntários de Colares e do CEDCRAM-Centro Educativo das Azenhas do Mar, em 2 de Julho de 2006, é descrito que,” Os círios surgiram assim vinculados a irmandades e/ou comissões de festeiros que se empenhavam em garantir a continuidade da tradição, cuja génese é hoje muito dificil de determinar sendo notável porém, a sua estreita relação com a finisterra ocidental, porquanto quase todos eles , organizados segundo regras ancestrais e percorrendo sempre os mesmos itinerários, se encaminhando até à beira-mar(...)”
“Os Círios assumiram-se , pois como activos mágico-simbólicos, e para além de agirem como catalizadores sociais e religiosos evoluiram segundo as necessidades próprias das comunidades quer acrescentando novos episódios (...),tudo isto de forma a melhor se contextualizar também o momento histórico vivenciado pelos seus actores.”


Post relacionado:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2014/09/notas-sobre-o-cirio-de-nsenhora-do-cabo.html

terça-feira, Setembro 16, 2014

Festas N.ª S.ª do Cabo - Espectáculo com os Diamantes Negros

Foto no Olga Cadaval no 50ºaniversário dos Diamantes Negros em Maio de 2014

 Quinta Sta Theresa - S.Pedro de Penaferrim


Sexta-feira dia 19 de Setembro pelas 22h30, integrado no programa dos festejos de N.ª S.ª do Cabo Espichel.




Fotos da actuaçâo dos Diamantes, na Quinta  de Santo António em Sintra, nas celebrações em  2011 na última visita a Sintra de N.S. do Cabo Espichel. às Freguesias de Santa Maria e São Miguel.


Os primeiros acordes musicais dos Diamantes Negros terão um pouco mais de 50 anos, quando dois meninos, Álvaro José Silvestre e Carlos José Santos (Caínhas), davam autênticos concertos de harmónica no espaço real do Palácio Nacional de Sintra. E, foi aí que começaram a navegar nas ondas da musicalidade ainda que, logo de imediato mudassem de instrumentos. O Álvaro José para viola baixo e o Caínhas para bateria.
Para navegar as ondas da musicalidade era preciso um timoneiro. A escolha recaiu no Carlos Henriques (Xixó) que abarcava vários saberes musicais. A eles logo se juntou o Carlos Rodrigues com o seu saxofone. E foi com estes quatro elementos que o sonho se concretizou, a 25 de Janeiro de 1964. Um ano depois, juntou-se aos Diamantes Negros um outro histórico de peso, o Luis Cardoso.
Em 1965 gravam um disco e dado o sucesso participam em programas de televisão. Nos anos seguintes participam em festivais, concursos de bandas e obtém sempre lugares no pódio.
Os Diamantes Negros, fruto de incidências várias, guerra colonial, por exemplo, tiveram ao longo destes anos 50 anos várias formações.

Fonte:Diamantes Negros



Post relacionado, sobre o 50º aniversário dos Diamantes Negros no Olga Cadaval em Maio de 2014
 

segunda-feira, Setembro 15, 2014

Os cavalos de raça Ardennais do Parque da Pena

Foto dos cavalos Ardennais no cortejo do Círio de N.Senhora do Cabo Espichel no sábado 13 de Setembro de 2014

A Parques de Sintra Monte da Lua (PSML) iniciou, em 2010, um projecto para a recuperação de métodos tradicionais de trabalho na exploração e manutenção florestal, nomeadamente a utilização de cavalos.

Por esse motivo foi feita a aquisição de três exemplares da raça Ardennais (cavalos de tiro).
O Kali, o Valseur e o Medhi são três excelentes cavalos da raça Ardennais que chegaram ao Parque da Pena, em 21 de Abril  de 2011.

http://riodasmacas.blogspot.pt/2011/07/tres-cavalos-belgas-na-serra-de-sintra.HTML


Foto dos Cavalos Ardennais no II desfile Equestre de Sintra durante os festejos de N.Senhora do Cabo Espichel em Setembro de 2011


Os cavalos de raça Ardennais são comandados essencialmente através de ordens vocais e sem grande auxílio das rédeas. Respondem a mais de 10 tipos diferentes de ordens vocais e respondem sempre pelo seu nome.

http://riodasmacas.blogspot.pt/2011/09/festas-de-sintra-na-freguesia-de-santa_04.html



Foto de um Ardennias durante uma sessão de trabalho no Parque da Pena em 2011

http://riodasmacas.blogspot.pt/2013/08/demonstracao-com-cavalos-de-raca.html

"Com vista à introdução de cavalos de trabalho na Serra de Sintra, a PSML estabeleceu contactos com o Centro Europeu do Cavalo, nomeadamente com o seu director Pierre Arnoud (Centre Européen du Cheval, localizado perto de Liège, instituição do Governo Belga vocacionada exactamente para manter viva esta prática florestal), com o qual veio a contratar o apoio logístico e de consultoria ao projecto, a aquisição de três cavalos e a formação de técnicos portugueses.
Em 2011, o projecto concretizou-se e a 21 de Abril chegaram ao Parque da Pena, três cavalos da raça Ardennais: o Kali, o Valseur e o Medhi. A opção por esta raça deveu-se ao facto deste tipo de cavalos serem muito populares para trabalhos na floresta, por serem relativamente pequenos, ágeis, muito fortes, e de temperamento muito dócil. Esta é uma das raças mais antigas e bem documentadas em toda a Europa.(...)"

In  revista online “Voz do Campo”

domingo, Setembro 14, 2014

O Banho Público dos Bombeiros Voluntários de Colares


Realizou-se hoje o Banho Público solidário dos Bombeiros Voluntários de Colares, com o objectivo de recolher donativos para a Associação.




A chegada do Círio a S.Pedro de Penaferrim

 
S.Pedro de Penaferrim, recebeu no sábado, 25 anos depois o Círio de N. Senhora do Cabo Espichel,  cujas Festas de acolhimento irão decorrer até dia  31 de Setembro.


O cortejo saíu da capela da Colónia Penal no final de um dia chuvoso - permitindo os registos que hoje publicamos.






A Banda da Sociedade Filarmónica Os Aliados

Post relacionado:
Notas sobre o Círio de N. Senhora do Cabo Espichel