quarta-feira, julho 08, 2015

"Allianz Sintra Pro" na Praia Grande

liga_moche.jpg

A Praia Grande, em Sintra, vai ser palco da 4ª etapa da Liga Moche, o “Allianz Sintra Pro”, nos próximos dias 10, 11 e 12 de julho.
O evento, apoiado pela Câmara Municipal de Sintra, é a principal competição do surf nacional, pelo que está garantida a presença dos melhores atletas da modalidade.
No circuito masculino, após a realização das três primeiras etapas, Frederico Morais lidera o ranking nacional seguido por Filipe Jervis e Vasco Ribeiro.
No circuito feminino o ranking nacional é liderado por Teresa Bonvalot, atual campeã nacional, seguida de perto por Carina Duarte e Carol Henrique.
A edição de 2015 da Liga Moche tem como novidade o regresso à Praia Grande, em Sintra, palco de alguns dos momentos mais marcantes do surf nacional e local de treino por excelência de muitos dos principais atletas da modalidade.
Texto e imagem CMS

segunda-feira, julho 06, 2015

Histórias do Vinho de Colares

Adegas Beira-Mar, nas Azenha do Mar
Texto publicado no Diário de Notícias, em 5 de Agosto de 2006, (autor desconhecido), que nos conta uma história (que eu gostaria de ter escrito) sobre como nos nossos dias, se vive e se produz o Vinho de Colares.

Deolinda olha a garrafa em contraluz. Procura vestígios de pé através da transparência verde do vidro e a cada olhar vai engordando o lote de garrafas de vinho branco que tem à sua frente e hão-de seguir para embalamento. Deolinda aprendeu a olhar o vinho em 34 anos de trabalho na adega de António Paulo da Silva. Sabe encontrar-lhe o defeito e pô-lo de parte quando não serve. Olha as garrafas uma a uma para depois as rotular à mão, num controlo tal qual se fazia quando ali chegou há muito tempo com a tarefa de "lavar o vasilhame". Vieram depois as máquinas e Deolinda mudou o gesto, passando a ter uma função em que a máquina ainda não substitui a eficácia da mão. Põe o rótulos e é a paciência a fazer o acerto com a ajuda da cola que o patrão traz e que dilui em água. O trabalho de Deolinda já poucos fazem. É quase um exclusivo, como é também único o vinho que vai catalogando.

António Paulo da Silva (Imagem RTP)
A adega onde Deolinda trabalha fica nas Azenhas do Mar, em plena Região Demarcada do Vinho Colares, uma das regiões vinícolas mais antigas do País. Criada em 1908, situa-se no concelho de Sintra, entre a serra e o oceano e ocupa os terrenos costeiros que vão de Colares a S. João das Lampas. De uma dessas vinhas, num caminho de terra que vai dar a Fontanelas, a aldeia em verso, avista-se o cabo da Roca coberto por um manto de neblina, prenúncio de um dia de calor, mesmo em Sintra.
É uma pequena parcela de terreno como são em regra as vinhas de Colares, protegidas do vento por paliçadas de canas e rodeadas de muros resultado de um puzzle de pedras, perfeitamente desmontáveis. Lá dentro, as cepas rastejam na areia a cerca de um mês e meio de serem vindimadas, como é costume "entre 20 e 24 de Setembro".
É assim há 98 anos, a idade da região demarcada. Já era assim antes. Os tonéis vizinhos de Deolinda são ainda mais antigos, do tempo em que as Adegas Beira Mar pertenciam ao avô do actual dono. A prova dessa antiguidade está esculpida em cada um dos depósitos de mogno: 28-8-86. "O 86 é do século XIX", esclarece Paulo da Silva que aproveita a deixa para desfiar a história do vinho que não sucumbiu à filoxera, como aconteceu com vinhedos no Douro "e por essa Europa fora.
Adega Visconde de Salreu em Colares

O colares resistiu e a explicação para a sobrevivência está na profundidade em que é plantada cada cepa de ramisco, a casta do colares. "Chega a ter um homem, dois homens e até três homens de fundo", diz António Paulo da Silva usando na explicação a medida que tradicionalmente se usava,
A filoxera não foi à raiz da cepa, a vinha sobreviveu e o colares tornou-se um dos vinhos mais populares em finais do século passado, início do século XX com honras de entrar na literatura feita por Eça. Paulo da Silva conta a história, encadeando a marca colares com o percurso da casa que dirige. Exibe prémios, diplomas, folheia livros de honra onde cada assinatura serve para provar um prestígio antigo. Não se perdeu, garante, embora não se venda tanto como antes. Depois de uns anos de crise, diz que o colares voltou a vender-se bem, em parte graças à acção da Adega Regional. Denuncia, no entanto, uma especulação no preço final que pode deitar muito a perder. Passa à frente. Afinal, da sua adega não sai apenas o colares que vende com o rótulo Colares Chitas. Há ainda o Casal da Azenha, vinho que já não é de areia, mas de chão rijo, mais de encosta, "um campeão em grandes concursos", com currículo invejável na Jugoslávia de Tito; e outro, mais corrente, o Beira Mar. Vinhos da casa a que se juntou o Carunchoso, que herdou do sogro.
António Paulo da Silva defende o colares apesar do travo. Isso que se estranha à primeira e que o distingue dos demais vinhos. "Tem um travinho próprio do ramisco." Gosta de o beber, garante. "É um vinho leve, de baixa graduação, na casa dos 11%, que deve ser servido entre os 20 e os 22º", ensina e quando fala tem por perto uma publicidade que se perdeu no tempo. "Na época das descobertas D. Manoel dictou: que a bordo não falte vinho de Collares. Há 400 anos que Collares não falta em parte alguma. Vende-se aqui." Foi quando Sintra se escrevia com C.
Texto DN

domingo, julho 05, 2015

Ελλάδα ψηφίζει Όχι

greece-oxi-grc3a9cia.jpg
Ελλάδα ψηφίζει Όχι -Grécia vota NÃO

http://riodasmacas.blogspot.pt/2015/07/grecia.html

Grécia Σήμερα

greecenew_2149663b.jpg
Este domingo, os gregos vão a referendo para responder a esta pergunta: "Deverá ser aceite o projecto de acordo que foi apresentado pela Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional no Eurogrupo de 25.06.2015 e que consiste em duas partes, que constituem a sua proposta unificada? O primeiro documento intitula-se 'Reformas para a Conclusão do Presente Programa e Mais Além' e o segundo 'Análise Preliminar à Sustentabilidade da Dívida'

*Grécia Hoje (Título do post)

sábado, julho 04, 2015

Sobre a intervenção nas arribas da Praia da Adraga

Adraga10610469_10206692437857020_30719384849081821
Foto F.Diniz

Texto  e fotos de Fernando Diniz
Na praia da Adraga instalaram de um lado e do outro, uma zona de segurança que faz lembrar um campo de concentração. Do lado do arco a enorme grua que aparenta servir de plataforma de apoio à projeção de qualquer coisa que sirva para dar pelo menos uma cor diferente (aparenta ter sido projetado qualquer coisa com cor cinzento claro) à parte da encosta que antecede o arco.
Na minha opinião o cenário é desolador.
Julgo que tudo isto (incluindo as redes que implantaram na enco...sta da arriba esquerda (sentido terra/mar) antes do restaurante, está a ser feito em nome da consolidação e da segurança da arriba. A oportunidade da intervenção, considerando a coincidência com a época balnear, não é a melhor. A informação ou divulgação da intervenção é pouca, e a que existe, provavelmente é reservada aos entendidos na matéria. Considerando que a intervenção é devida, bem planeada e melhor executada, como é uma zona pública, com muita afluência nesta época do ano, penso que deveria haver preocupação por quem de direito em proporcionar mais informação sobre o que está a passar, no sentido de proteger não só o interesse da paisagem, mas também o interesse dos cidadãos que no seu pleno direito pretendem usufruir da praia e da sua beleza exclusiva, evitando assim surpreender desagradavelmente quem ali vai ou em última instância evitar uma deslocação em vão. Se calhar existe tudo o que referi, eu é que não vi.

Adraga10616506_10206692437897021_10698629706780845
Foto F.Diniz

Posição da autarquia Sintrense
"Exmo. Senhor.
Relativamente à reclamação/petição apresentada por V. Exa., no Gabinete de Apoio ao Munícipe a 19/05/2015, incumbe-me o Exmo. Senhor Vereador, Dr. Eduardo Quinta Nova, de informar que, após diligências efetuadas pelo Departamento de Obras Municipais e Gestão do Espaço Público, foi-nos comunicado que os trabalhos que se encontram em curso na arriba sul da Praia da Adraga, são trabalhos de estabilização, denominados “ Estabilização das Arribas da Praia da Adraga”, com a construção de uma barreira dinâmica, sob a responsabilidade da Agencia Portuguesa do Ambiente.
Agradecemos a oportunidade de colaboração dos munícipes para se ver prestado um melhor serviço pela Autarquia, alertando-nos para problemas que se vêem assim identificados."
,Com os melhores cumprimentos,
Adraga10930187_10206692437737017_63790641566759441
Foto F.Diniz
Post relacionado:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2015/05/intervencao-na-falesia-da-praia-da.html

sexta-feira, julho 03, 2015

Doçaria da Região II

Nozes02072015Fina3blog.jpg
Nozes Douradas do Mucifal

Tem a região de Sintra, várias especialidades regionais de doçaria muito afamadas – as queijadas de Sintra e os travesseiros serão sem dúvida das mais conhecidas, especialmente as queijadas com uma referência nos Maias, de  Eça de Queirós.

Nos primeiros anos da publicação deste blog – fizemos uma larga recolha de histórias dos actuais e antigos fabricantes de queijadas de Sintra.( Ver aqui). E também sobre as queijadas de Canela. Fizemos uma referência  no blog, aos famosos travesseiros da Piriquita, e às Pérolas de Colares - faltava-nos  publicar um apontamento sobre uma especialidade muito apreciada, as famosas  Nozes Douradas, ou Nozes Douradas de Galamares.
.
Em Galamares a pastelaria que as fabricava encerrou há muito tempo, mas podemos encontrá-las em Sintra e também no Mucifal, numa pastelaria de referência, onde todas as semanas são fabricadas como as que a foto que publicamos neste post.

Sobre as Queijadas de Sintra:
http://riodasmacas.blogspot.pt/search?q=Queijadas
Travesseiros
http://riodasmacas.blogspot.pt/2007/08/fbrica-de-queijadas-da-piriquita.html
Pérolas de Colares
http://riodasmacas.blogspot.pt/2013/12/docaria-da-regiao.html

quinta-feira, julho 02, 2015

Escola de Hotelaria da Quinta da Sarrazola abre residência para estudantes

sarrazola2blog.jpg
A Escola de Hotelaria de Colares, abriu uma residência para que alunos fora de Lisboa  possam frequentar os cursos leccionados por aquela escola, situada na Quinta da Sarrazola.
A nova residência - a utilizar no período de férias como complemento ao hotel - tem segundo informa o Jornal da Região, " 18 camas, devidamente equipados, cozinha de sala de estar, tendo capacidade para albergar 18 alunos."
Com uma oferta formativa  ao equivalente ao 12º ano, a Escola de Hotelaria de Colares detém um quadro de 50 professores/formadores e alberga cerca de 500 formandos, incluindo os que frequentam o pólo do Instituto de Emprego e Formação Profissional recentemente inaugurado. A escola lecciona um vasto conjunto de  cursos profissionais e vocacionais.

Fonte Jornal da Região de 1 a 7 de Julho de 2015


A Quinta da Sarrazola em Colares, foi deixada em legado ao Estado ,por testamento pelo Dr.António Brandão de Vasconcelos e sua esposa,para que ali fosse construído uma “escola agrícola que servisse os filhos e filhas da região dos vinhos de Colares”, médico e grande benemérito da região de Colares e de Sintra,fundador do Sindicato Agrícola da Região de Colares, e primeiro Presidente da Adega Regional de Colares, faleceu em 14 de Janeiro de 1934.

http://www.sarrazolahouse.pt/

http://www.publituris.pt/2014/08/26/escola-de-hotelaria-de-colares-com-elevada-taxa-de-inscricoes/
Post relacionado:
Sobre Dr. António Brandão Vasconcelos
http://riodasmacas.blogspot.pt/2013/02/drantonio-brandao-de-vasconcelos.html

quarta-feira, julho 01, 2015

A Grécia o FMI & Incumprimentos

Greece-Administrative-Map.jpg

Lista de Paises que não cumpriram com os pagamentos ao FMI
Destes, 3 continuam em incumprimento. A Grécia juntou-se ontem, às 24h00 a  esta lista.
Cuba (1959-64)
Egypt (1966-68)
Cambodia (1975-92), 36.9m SDR (special drawing rights)
Nicaragua (1983-85), 14.4m
Guyana (1983-90), 107.7m
Chad (1984-94), 4.1m
Vietnam (1984-93), 100.2m
Sierra Leone (1984-86), 25.1m
Sudan (1984-present), 979.8
Liberia (1984-2008), 543m
Tanzania (1985-86), 22.9m
Zambia (1985-86), 115.1m
The Gambia (1985-86), 10.6m
Peru (1985-93), 621m
Jamaica (1986-87), 50m
Zambia (1986-95), 830.2m
Sierra Leone (1987-94), 85.5m
Somalia (1987-present), 234.6m
Honduras (1987-88), 3.3m
Panama (1987-92), 180.9
Democratic Republic of the Congo (1988-89), 115.4m
Haiti (1988-89), 9.2m
Honduras (1988-90), 27.5m
Iraq (1990-2004), 55.3m
Dominican Republic (1990-91), 24.3m
Democratic Republic of the Congo (1990-2002), 403.6m
Haiti (1991-94), 24.8m
Bosnia and Herzegovina (1992-95), 25.1m
Yugoslavia (1992-2000), 101.1m
Central African Republic (1994-94), 1.6m
Afghanistan (1995-2003), 8.1m
Zimbabwe (2001-present), 81.1m

http://www.theguardian.com/new...

Nota histórica
german_troops_in_acropolis1941.jpg
Tropas alemãs na Acrópole, 1941