terça-feira, janeiro 17, 2017

Contributo para o Diário da Garça da Várzea de Colares em 2017

Nem só de peixe se alimenta a Garça
Garça116012017dblog.jpg
Na horta junto ao rio da Maçãs, talvez por falta de peixe ou preguiça, nada melhor que apanhar minhocas, ou mesmo uma qualquer lagartixa.
Garça116012017blog.jpg
Fotos em 16 de Janeiro de 2017 na Várzea de Colares
Garça116012017Bblog.jpg
Algum tempo de espera em atitude de caça...e aguardar a oportunidade de "pescar" uma lagartixa
Garça116012017cblog.jpg
http://riodasmacas.blogspot.pt/search?q=Contributos+para+o+Di%C3%A1rio+da+Gar%C3%A7a+da+V%C3%A1rzea+de+Colares

segunda-feira, janeiro 16, 2017

Maria Almira Medina

1920 -2016 - 18 de Janeiro

No próximo dia 18, fará um ano que Sintra perdeu Maria Almira Medina,artista multifacetada, deixou um vazio no ambiente cultural  Sintrense - que dificilmente será preenchido nos nossos dias.


"Pés vegetais descobriram caminhos/longitudinais /Logo troncos arbóreos verticalizaram os sonhos /de navegação verde / na busca de muitas outras Indias mais."

In O Chalet da Condessa numa manhã de Março- Maria Almira Medina

Na visita que foi feita ao Chalet em 2008, Maria Almira Medina declamando um poema feito de propósito para aquele momento
No Jornal de Sintra 13-08-1939
"Maria Almira Medina
Completou com plena aprovação, o curso dos Liceus, fazendo em Lisboa, no Filipa de Lencastre, o exame do 7º ano e depois na Faculdade de Letras da Universidade, o respectivo exame de admissão, a aplicada  estudante, que tem sido sempre desde a instrução primária, aluna da ilustre professora de Sintra Srª D. Umbelinda lourenço Pinheiro, menina Maria Almira Pedrosa Medina, filha muito querida do director deste jornal, de que é também colaboradora."
Maria Almira Medina e um conjunto vasto de poetas populares, na celebração dos 35 anos do 25 de Abril de 1974 , aconteceu na União Mucifalense com poesia e canções de Zeca Afonso, em Abril de 2009.

domingo, janeiro 15, 2017

Pássaros de Colares

 Ensombram a ribeira/ e o verde da seara/ e passam pela eira/ em que o sol se pousara/ nas gotas do orvalho/ luarento e vacilante/ refrescam o cansaço/e dormem um instante.(...)

In "Pássaros do Sul"- Mafalda Veiga
passaro15012017blog.jpg
Fotos em 15 de Janeiro de 2017, no Mucifal/Colares
passaro15012017cblog.jpg
Aves no Mucifal, hoje, aproveitando o belo dia de Sol de Inverno
passaro15012017bblog.jpg

sábado, janeiro 14, 2017

Colares nos passeios de William Beckford (reedição)


Vista de Colares a partir do Castelo

"Segui pela estrada de Colares, e senti no ar uma suavidade e uma fragância deliciosa. Uns chuveiros que tinham caído, refrescaram toda a superfície dos campos, e coloriram de púrpura e de verde alcantis para  lá da Penha Verde, porque a numerosa família das urzes achava-se em plena florescência, e os pequenos prados, com os seus curvos e torcidos sobreiros, tão numerosos à beira dos caminhos, estão agora cobertos de grande lírios brancos, matizados de  cravos."

William Beckford /Correspondência 1787

Photobucket
Sobreiros de Monserrate de onde nunca foi retirada a cortiça

*A construção do Palácio do bispo D.Dinis ter-se-á, iniciado em 1620
Diniz de Melo e Castro, nasceu em Colares, onde viveu largos anos. Morreu em Lisboa, em 24 de Novembro de 1640.Bispo de Viseu (1638) ,Guarda e Leiria, de que tomou posse em 11 de Dezembro de 1627.fundou a casa da Câmara e a Misericórdia de Colares .Obteve o domínio do arruinado castelo, fazendo construir sobre ele a sua casa.
`*

**A construção do Palácio dos Melo e Castro, em Colares, ter-se-á, por ventura, iniciado em cerca de 1620. O facto de se terem detectado alguns elementos pétreos manuelinos avulsos permitem supor que o edifício seiscentista se terá desenvolvido a partir de uma estrutura preexistente, nomeadamente segundo uma tradição historiográfica da Casa da Câmara, a qual, por sua vez, teria aproveitado a antiga alcazaba do hoje desaparecido castelo muçulmano.

Posts relacionados:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2009/04/o-castelo-de-colares.html

http://riodasmacas.blogspot.pt/2009/04/o-castelo-de-colares-ii.html

sexta-feira, janeiro 13, 2017

A estrada velha de Colares e o Marquês de Pombal

 Estrada que liga a Vila velha de Sintra a Colares, é sem dúvida um dos mais bonitos caminhos da Serra de Sintra. Devido à riqueza arquitectónica dos inúmeros palácios e das quintas que a circundam.O lugar da Eugaria ,é um dos locais servido pela estrada antes da chegada a Colares término deste percurso. Lugar onde também Alfredo Keil tinha uma habitação.(Casal da Serrana).

Tem esta estrada mais de 240 anos, construída no tempo de Marquês de Pombal e Conde de Oeiras, Sebastião José de Carvalho e Melo. Primeiro Ministro de D.José.

(Foto:Pedro Macieira)

Excerto de documento existente no Arquivo Histórico de Sintra.
“Copia de Avizo que no anno de 1773 foi ao provedor de Torre Vedras para auxiliar Bento Dias na abertura da estrada pello caminho da Serra de Sintra e Collares.
Sendo prezente a El rey Meu Senhor a petição incluza de Bento Dias Pereira Chaves reprezentando a incapacida.e , e ruina em que actualm.te se achão os Caminhos da Villa de Collares e a grande utilid.e que se seguirá aos moradores da mesma Villa , e a extracção dos seus fructos, de se ampliar, e abrir huma boa estrada pello caminho da Serra............ (..)
Deos G.de a V.M.ª Oeiras 18 de Setembro de 1773
Marquês de Pombal”


(Foto: Pedro Macieira)
Ainda hoje muito utilizada , não só pela beleza do cenário que se desfruta neste percurso, mas ainda uma via de circulação de grande utilidade nos acessos de e para Sintra.


quinta-feira, janeiro 12, 2017

Exposição Roque Gameiro em Cascais

 Sexta feira, 13 de Janeiro, 21:30h
- Centro Cultural de Cascais
- Avenida Rei Humberto II de Itália, 16, 2750-800 Cascais

A exposição foi organizada por um grupo de descendentes de Alfredo Roque Gameiro . Incluirá mais de 100 peças de Alfredo Roque Gameiro; filhos Raquel, Manuel, Helena, Màmía e Ruy; e genros José Leitão de Barros e Jaime Martins Barata.

O site da exposição, ainda incompleto, encontra-se aqui
A exposição fica até 22 março.

Almoçageme
Eugaria
-Alfredo Roque Gameiro 1864-1934

«Entendíamo-nos muito bem. Aproveitávamos domingos ou feriados para percorrer arredores de Lisboa ou regiões do Alentejo, porquanto o pouco tempo livre que tínhamos e o meio individual de transporte de que dispúnhamos — que eram as bicicletas — não nos permitiam ir mais longe. Mas as nossas vidas prenderam-nos para sempre à capital e foi assim que o meu grande Companheiro acabou por ser o poeta que nas suas aguarelas melhor soube cantar e... cantarolar os encantos e os recantos da nossa amada Lisboa antiga.
Perdoe-se-me não ter sabido apagar mais a minha pessoa nos entrelaços desta pequena silva ditada pela saudade!»

in catálogo da exposição do 1.° centenário do nascimento do artista

Raul Lino


Helena Roque Gameiro 1895-1984

Alfredo Roque Gameiro deixou uma descendência de artistas plásticos,Helena Roque Gameiro sua filha , retratou assim as Azenhas do mar
Azenhas do mar

Saber mais sobre Roque Gameiro-pressionar
Notas:
Todas as reproduções foram retiradas da página "A Tribo dos Pincéis" dedicada à familia Roque Gameiro


quarta-feira, janeiro 11, 2017

Caminhadas

Caminhar é preciso, também à beira mar.
PG11012017blog.jpg
Praia Grande, final de tarde de 11/01/2017
PG11012017cblog.jpg
Fotos em 11/01/2017
PG11012017bblog.jpg