domingo, novembro 18, 2018

Visita às árvores classificadas em Sintra de Interesse Municipal

No último Sábado,o Grupo dos Amigos de Árvores de Sintra, realizou um passeio pelas árvores classificadas de Interesse Municipal. Correspondente a 80 árvores de médio e grande porte.
   Sendo a primeira acção pública, deste grupo de cidadãos, decorreu num percurso entre o Jardim da Correnteza e o Largo da República na Vila Velha, guiada pelo Engº Rui Queirós, do ICNF. A necessidade de existência de boas práticas na preservação das árvores, evitando abates prematuros,  como recentemente aconteceu, com árvores classificadas pela própria autarquia -  o motivo principal desta visita.
De fora desta visita ficou o conjunto de 43 plátanos e 11 tílias do Largo D.Fernando II em São Pedro de Sintra, o que acontecerá numa 2ª visita.
Um caso chocante, uma caldeira coberta com cimento, na rua .Alfredo da Costa
Também as tílias do Largo da República receberam a visita do grupo.

sexta-feira, novembro 16, 2018

Tuia-gigante do Parque da Pena é candidata a Árvore do Ano 2019

Fotos da Tuia-gigante do Parque da Pena em 2007
Tuia-gigante do Parque da Pena é candidata a Árvore do Ano 2019

- Votação nacional até 20 de novembro em https://portugal.treeoftheyear.eu/Vote
- Árvore eleita representará Portugal no concurso europeu Tree of the Year 2019
- Evento promove a importância das árvores antigas na herança cultural e natural

Sintra, 15 de novembro de 2018 – A tuia-gigante, uma das árvores mais emblemáticas do Parque da Pena, está a concorrer ao título de Árvore do Ano 2019, sob o mote “O Gigante da Pena”. Com cerca de 150 anos, uma altura aproximada de 35 metros e uma copa extensa e envolvente, foi plantada na época da criação do parque por D. Fernando II e é considerada, desde 1916, um dos exemplares notáveis deste recinto. Beneficiando de uma carga fortemente cénica, bem ao gosto do Romantismo, tem impressionado gerações e destaca-se como uma das árvores mais fotografadas da Pena.

Esta espécie nativa da América do Norte, famosa entre os índios locais pelas suas propriedades terapêuticas e pelo seu caráter sagrado, assume no Parque da Pena uma estrutura de copa singular, diferente da que a caracteriza no seu ambiente original. Imponente e silenciosa, tem caminhado em direção ao lago que a ladeia e tem estimulado a imaginação dos visitantes, levando-os a “viajar” até paragens exóticas e potenciando o ambiente romântico idealizado pelo Rei Artista.

A eleição da Árvore do Ano é organizada, em Portugal, pela UNAC – União da Floresta Mediterrânica e as votações estão disponíveis, até ao próximo dia 20 de novembro, em https://portugal.treeoftheyear.eu/Vote. Numa iniciativa que vai para além da beleza ou da idade das árvores a concurso, pretende-se revelar a sua história e o seu papel na vida das pessoas e das comunidades.

Para votar na tuia-gigante do Parque da Pena basta:
1) Aceder à página do concurso em https://portugal.treeoftheyear.eu/Vote
2) Selecionar a “Tuia-gigante” e uma segunda árvore em que pretenda votar
3) Carregar em “VOTE”, no rodapé da página
4) Introduzir o seu endereço de email e selecionar “VOTE”
5) No email de confirmação, que irá receber no endereço que introduziu, carregar em “clique aqui” para que o voto seja validado/contabilizado

A árvore portuguesa vencedora concorre posteriormente à votação para a Árvore Europeia do Ano (European Tree of the Year), promovida pela Environmental Partnership Association (EPA), desde 2011. Em 2018, Portugal estreou-se a vencer na participação neste evento, com o “Sobreiro Assobiador”, de Águas de Moura, Alentejo, numa edição que contou com mais de 200.000 votos através do website oficial.
(texto da PSML)



quinta-feira, novembro 15, 2018

Marketing da Adega Regional de Colares em 1938

Reprodução de página de"O Vinho de Colares"
Numa reimpressão de “O Vinho de Colares” edição da Adega Regional de Colares de 1938 , feita pela C.M.Sintra encontramos uma obra muito interessante e um grafismo da época, que demonstra o cuidado com a imagem que o vinho de Colares já teria para os produtores nessa altura.
Transcreve-se um texto publicitário sobre o vinho de Colares:

O Vinho de Colares é vinho com corpo, alma e perfume.
É o vinho da mais linda cor rubi, quando novo, e de cor acastanhada, ou casca de cebola velha, quando antigo.
Antes de o beber deve, através do copo, contemplar-se a sua linda cor e aspirar-se o seu rico perfume.
Num trago delicado é agradabilíssimo por toda a boca; o sabor e o perfume mixto de amêndoas e violetas dispersa-se estimulando o paladar.
O Vinho de Colares é um vinho servido nas refeições não embota o gosto apurado para o vinho do Porto; o vinho branco servido com o peixe, o vinho tinto acompanhando entradas de carne, ou de caça, não estraga, não torna insensível, nem enfraquece a sublimidade receptiva daquele vinho fino do Douro.
Pela delicadeza da sua composição e perfume não convém deixá-lo na garrafa de um dia para o outro.É finalmente um vinho para apreciadores , para os que sabem beber, para os que tem o sentido gustativo,refinado e distinto
.


Rótulo Collares Burjacas de J.Gomes da Silva Júnior

Posts relacionados:Caves Visconde de Salreu-pressionar
Ode ao Vinho Ramisco -pressionar
Vinhedos e Vinhos - pressionar
Almoçageme e o Vinho Ramisco-pressionar
A Fundação Oriente e o vinho de Colares-pressionar

terça-feira, novembro 13, 2018

Visita às árvores com a classificação de Interesse Municipal em Sintra

No próximo dia 17, venha conhecer de perto os lódãos (Celtis australis L.), as tílias (Tilia x vulgaris Hayne) e  a  tília tomentosa e os 12 freixos (Fraxinus angustifólia), todas estas árvores classificadas de Interesse Municipal pela Câmara Municipal de Sintra. 
O Grupo dos Amigos das Árvores de Sintra, um grupo de pessoas, indignadas com o que aconteceu  recentemente ao “Freixo” (árvore classificada), na Alameda dos Combatentes da Grande Guerra, e preocupadas com preservação do património arbóreo sintrense, decidiram  organizar  uma visita às árvores classificadas de interesse municipal, guiada pelo Engº  Rui Queirós do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).
 : https://www.facebook.com/events/354107725335021/

Após o abate de duas árvores classificadas no jardim da Correnteza, a CMS plantou no fim de semana  novas árvores no local. Abates como consequência de podas mal feitas, e de não serem tomadas medidas sugeridas  pela ADPS, (Associação de Defesa de Património Sintrense), para as manter  como parte integrante da paisagem daquele local nobre de Sintra.(Foto de M.Clara Gomes)
(Foto de M.Clara Gomes)

«Não é raro vermos numa praça pública abater-se sem protesto uma árvore. É até vulgar! … Quando a árvore começa a ser bela, esgalhada e enorme, cheia de ruídos e de sombra, surge o vereador e corta-a, sem imaginar , sequer, que mais vale um simples e humilde plátano do que um conselheiro de Estado (…) Faz mais diferença à natureza o assassinato de uma grande árvore, que dá sombra e frescura, que tem a alta missão de purificar a atmosfera, do que a morte de meia dúzia de conselheiros de Estado gravíssimos e calvos». 

(um excerto de um artigo “Maio”, de Raul Brandão, publicado em 16 de Maio de 1901 ‘Revista Brasil-Portugal’).

Créditos:
Artigo de Raul Brandão - num post de Emilia Reis
Fotografias de M.Clara Gomes

segunda-feira, novembro 12, 2018

Momentos Zen na Praia Grande


Uma visita de Outono à Praia Grande
Fotos desta tarde, com um grupo de visitantes não habitual, mas alegre e satisfeito decerto, com a beleza que a natureza brindou o local e com uma tarde com sol luminoso -  como é costume, nestes dias de  Outono sintrense.

,As bases das tradições e práticas budistas, são as Três Joias: o Buda (como seu mestre), o Dharma (ensinamentos baseados nas leis do universo) e a Sangha (a comunidade budista).[ Encontrar refúgio espiritual nas Três Joias ou Três Tesouros é, em geral, o que distingue um budista de um não budista. Outras práticas podem incluir a renúncia convencional de vida secular para se tornar um monge (sânscrito/páli: bhikkhu) ou monja (sânscrito/páli: bhikkhuni).

Fonte Wikipédia (adapt.)

domingo, novembro 11, 2018

A lenda de S. Martinho


No dia de S.Martinho
, come-se castanhas e bebe-se vinhoMartinho era um soldado romano ,valente e valoroso, que regressava de Itália para a sua terra em França.Na viagem, cruzou-se com um mendigo que tremia de frio, devido à chuva que caía com intensidade. Sentindo piedade daquela alma que lhe pedia esmola,Martinho não hesitou em partilhar a sua capa militar. Pegou na espada e cortou a capa ao meio.Quando se preparava para seguir viagem, a chuva parou de cair, as nuvens fugiram e o sol começou a brilhar.Assim ficou durante três dias.Diz-se que foi recompensa divina. A tradição mantém-se e por isso se fala no verão de S.Martinho, para lembrar que as boas acções não se devem esquecer.A ligação de S.Martinho e deste episódio às castanhas faz-se porque, quer a morte do Santo, quer a lenda,terão ocorrido em Novembro, a época das castanhas e da prova do vinho novo.


sábado, novembro 10, 2018

Porque hoje é Sábado...


 Pedido de pão por Deus ainda é tradição no 1 de Novembro
Transcrição de uma reportagem  da TSF/ Sandra Pires)

Segundo o sociólogo Moisés Espírito Santo, a tradição do pedido do pão por Deus começa a misturar-se com o Halloween, em particular nas cidades.

Nas zonas rurais portuguesas, o  feriado do 1 de Novembro é aproveitado para se fazer o pedido do pão por Deus, uma comemoração onde os mais novos andam de porta em porta vestidos a rigor, como manda a tradição.
Ouvido pela TSF, o sociólogo Moisés Espírito Santo explicou que «as mamãs preparam-nos muito bem para andar na rua, muito bem vestidinhos, com uma saquinha muito bem arranjadinha para aquele efeito, mas nada de mascarados».
«Andam muito seriozinhos, muito sossegadinhos e preparadinhos para aquele diz de festa», acrescentou este sociólogo sobre esta comemoração numa altura em que se começa a arraigar a tradição do dia das Bruxas na cultura portuguesa.
Por esta razão, é já «costume a garotada subir aos prédios e aos andares com uma abóbora furada em forma de caveira com uma vela dentro acesa e pedem 'bolinho, bolinho, que é para as almas'».
«É uma mistura da festa das Bruxas, do Halloween e isto é próprio da cidade. Mas a tradição popular portuguesa tem a ver com a tradição de dar bolos secos e frutos secos a quem ajudou as colheitas», acrescentou.
Pão, broa, bolinhos, frutos secos e, mais recentemente chocolates, são as oferendas habituais, sendo que a quem não dá nada não lhe é rogada nenhuma praga, uma tradição que aos poucos vem perdendo força.
«Enquanto o costume era dos adultos era fácil transmitir, mas estando nas mãos da garotada tende a desaparecer, porque, às vezes, não funciona e os pais não encorajam, porque acham que é pedinchice», adiantou.
Moisés Espírito Santo notou mesmo que na região de Leiria houve mais crianças envolvidas nesta tradição no ano passado do que neste ano.
http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Vida/Interior.aspx?content_id=1700539&page=-1

  Também faz parte da tradição do Dia de Todos os Santos, o fabrico dos  "Bolos dos Santos", um bolo tradicional desta época nas localidades dos Concelhos de Mafra e Torres vedras. Associámos na imagem o vinho de Colares.
*. Em algumas povoações da zona centro e estremadura chama-se a este dia o ‘Dia dos Bolinhos’ ou ‘Dia do Bolinho’. Os bolinhos típicos são especialmente confecionados para este dia, sendo à base de farinha e erva doce com mel (noutros locais leva batata doce e abóbora) e frutos secos como passas e nozes.