sábado, junho 16, 2018

Do Vale da Raposa a Gigarós

Nos últimos dias uma intervenção da CMS,  resolveu um caso que há muito tempo necessitava de solução. O Vale da Raposa, na Estefânia , sendo uma propriedade particular e num local nobre da Vila de Sintra, mantinha  um enorme matagal, e acumulação de lixo. Com a limpeza coerciva por parte da autarquia naquela propriedade, terá sido anulado um perígo  para a saúde pública e potencial  risco de incêndio naquele local - o panorama que  agora se desfruta do  jardim da Correnteza, miradouro muito visitado, é ainda de uma beleza maior.

Fotos em 14/07/2018
A intervenção decorre até ao fim deste mês

E uma limpeza radical em Gigarós

Junto a uma ribeira em Gigarós a desmatação  em curso na altura (07/06/2018),  já apresentava o resultado que a foto  demonstra.

Outras "limpezas":
http://riodasmacas.blogspot.com/2018/06/a-limpeza.html

sexta-feira, junho 15, 2018

Avenida Heliodoro Salgado e Estefânia nos anos sessenta

Avenida Heliodoro Salgado 1960-Foto de FP.Eaton

 a Avenida Heliodoro Salgado , na Estefânia nos anos sessenta, quando era uma movimentada via de Sintra , com o tradicional eléctrico azul da “Sintra Atlântico”que tinha o início da linha , em frente à estação da CP. Avenida Heliodoro Salgado-1960-Colecção de Valdemar Alves
Avenida Heliodoro Salgado-1965, com sinaleiro-Colecção de Valdemar Alves

quarta-feira, junho 13, 2018

Em Queluz a 17 de Junho a "Rota dos Palácios" com automóveis antigos.


A  IV Expo Clássicos de Queluz “Rota dos Palácios”, iniciativa do Queluz Clássicos - Automóvel Antigo, que decorrerá frente ao Palácio Nacional de Queluz, no dia 17 de junho, pelas 10h00.
À semelhança do que tem sucedido em anos anteriores vão estar presentes diversos clubes, particulares e grandes marcas do circuito automóvel tais como a Porsche, Lotus, Mercedes, BMW, VW, Fiat, Renault, Citroen entre outros.
*Fotos prova  Londres -Lisboa em 2017/Cascais

terça-feira, junho 12, 2018

Morangos de Sintra

 Esta qualidade de morangos, e muito dificil de encontrar nos nossos dias, por contágio de plantas de outros tipos de morangos usadas pelo agricultores. Em 2014,  tivemos a oportunidade de os fotografar, e este ano a sorte repetiu-se por gentileza de alguém que conhece bem a fruta tradicional da região de Colares. Morangos de Sintra, que são cada vez mais raros.

Morangos de Sintra/Colares -Foto em Maio de 2018

Sobre os morangos de Sintra


Rótulo de licor Morango de Sintra

Créditos:
Foto Blog restos de coleccao
http://restosdecoleccao.blogspot.pt/2013/12/antigamente-86.html


JFABRICA ANCORA
Fabrica Ancora : licores e cognacs portuguezes. - Lisboa : F.A.

Peça de antiga de louça com morangos
Peça em louça de criança com Morangos  (foto de Filipe Dias)

Uma curiosa história ja com alguns anos, permite agora ser publicada por gentileza de Filipe Dias, que nos fez chegar foto que publicamos. Nos anos 60 numa drogaria, que na altura havia no Mucifal , foi encomendada a uma fábrica de Alcobaça, pequenas figuras em louça representando um casal de crianças com um cesto de morangos, em ligação com os  tradicionais e  apreciados Morangos de Sintra.

Não foi possivel encontrar o par desta peça, mas poderá ser com a publicação deste post,  surja a possibilidade de alguem ainda possuir exemplares deste casal de  saloios de Sintra.


domingo, junho 10, 2018

Ermida de Santa Anna da Penha

A Ermida de "Santa Anna da Penha",  encontra-se num local denominado Boca da Mata, entre Gigarós e o Penedo, no coração da Serra de Sintra - a explicação para a sua construção  em meados de 1400, é nos dada pelo Visconde de Jerumenha em 1838, na sua "Sintra Pinturesca".


"Como o sítio fosse pouco fructifero, e desabrigado, tendo hum certo Sebastião e sua mulher Inez Esteves feito doação ao dito C.Pereira, para elle seus herdeiros e sucessores, de huma sesmaria que possuíam, no logar da boca da mata, partindo para o oriente com a quinta de Milides, e pelo poente com a Serra, tratou logo de suspender a obra começada, e principiar nova fábrica no local, ficando malograda a primeira fundação. Chamou este para o ajudar o seu antigo companheiro o Padre Fr. João de Santa Anna, e prevendo ambos que o edifício gastava tempo antes que fosse de todo concluído, construíram huma pequena Ermida com o nome de oratório dedicado a Santa Anna, que tomaram por orago do novo Convento, onde interinamente celebravam os os officios divinos, empregando-se os  ditos Padres em cultivar a Serra, rompendo matos, plantando arvores, em quanto não se podia acudir á obra do edifício por a Provincia não ter os fundos necessários para a despesa. Neste exercícios se conservou o sobrinho do Condestável até que faleceu a 14 de Fevereiro de 1465.”

O pequeno altar da Ermida
“Na proximidade desta Ermida, está o extinto Convento de invocação Santa Anna, de Padres Carmelitas. Foi primeiro fundado este convento no casal da Torre, antigamente chamado de Miguel Joanes no termo de Sintra, que pertenceo a mestre Henrique, physico mór d’El-Rei D.Duarte"
In "Sintra Pinturesca ou memória Descritiva da Via  de Sintra, Colares e seus arredores".
Visconde de Jerumenha, 1838

Sobre o Convento da Quinta do Carmo

"Acha-se o Convento edificado em hum sitio ameno, em huma planície na raiz da Serra, e sobranceiro á Villa de Collares, cercado de frondoso arvoredo. Gosa ao perto da aprazivel vista da varzea, casas de campo, pomares, e quintas revestidas de copados arvoredos, e mais longe de logares, e casaes, terminando o horizonte de hum tão variado e deleitavel painel o oceano, cujas vagas prateadas se estão vendo em distancia  quebrar naquelas praias.
Tem a igreja a porta para o poente e está assentada em hum Adro, no fim do qual se lê em letras  maiúsculas –
O Bispo D.Fr. Cristovão Moniz, religioso do Carmo, sagro esta Igreja até este logar no anno de 1528.”
In "Sintra Pinturesca ou memória Descritiva da Via  de Sintra, Colares e seus arredores".
Visconde de Jerumenha, 1838

sábado, junho 09, 2018

Convento de Santa Ana do Carmo

Quinta do Carmo /Foto em 07/06/2018

CONVENTO DE SANTA ANA DO CARMO
O Convento de Santa Ana do Carmo situa-se em plena serra de Sintra, entre os lugares de Gigarós e Boca da Mata, freguesia de Colares. Seguindo a estrada que liga Monserrate a Colares, pela serra, e ao chegar à povoação da Eugaria, surge-nos uma estrada de calçada à esquerda com a indicação Gigarós. Tomando-a, cerca de mil metros daqui avistamos o portão principal da quinta onde foi edificado o antigo Convento de Santa Ana do Carmo da Ordem dos Carmelitas Calçados, actualmente propriedade privada.
Em 1389, D. Nuno Álvares Pereira manda construir o Convento do Carmo, em Lisboa. Para este convento vieram religiosos do Convento de Moura, solicitados e indicados pelo próprio D. Nuno. Em 1423, realiza-se o primeiro Capítulo Provincial em terras de Portugal. Elaboram-se os primeiros Estatutos, que foram aprovados por D. João I, em 1424.
O Convento de Santa Ana de Colares será o terceiro convento da ordem carmelita fundado em Portugal, porém, o segundo convento fundado em Sintra, depois da tentativa falhada de construção de um primeiro cenóbio nos arredores da vila.(1)
André Manique
(1) Este primeiro cenóbio foi construído próximo de Janas, em terrenos que hoje pertencem a uma caríssima amiga, a Ana B., que mantém os restos arqueológicos do mesmo devidamente preservados.
Post Scriptum : com pouca distância uns dos outros, quase em linha recta, a Ermida da Peninha, o Convento dos Capuchos e o Convento de Santa Maria do Carmo, hoje todos desactivados, significam a permanência religiosa da Igreja Católica num local - o extremo ocidental da Serra de Sintra, que coincide com a freguesia de Colares - que no passado remoto foi local de cultos fenícios, celtiberos, romanos e do cristianismo primitivo visigótico, de que permanecem vestígios arqueológicos no Promontório da Roca, no Porto Touro e no Alto da Vigia, junto à foz do Rio das Maçãs. Não sendo caso único - existem referências equivalentes noutros promontórios localizados na Europa, sobretudo na Irlanda e em Finisterra - , é de referir a concentração inusitada de diferentes cultos esotéricos e religiosos que se sobrepõem ao longo do tempo.

Inf.encontrada aqui:
 http://www.bvalmocageme.pt/associa%C3%A7%C3%A3o/historia/historia%20de%20almo%C3%A7ageme/

Após a extinção das Ordens Religiosas decretada por Joaquim António de Aguiar em 1834, o convento foi abandonada pelo seus ocupantes, encontrando-se em bom estado de conservação, sendo actualmente uma propriedade particular, com a denominação de Quinta do Carmo.




Teatro na Sociedade União Sintrense



Espectáculos aos sábados na sede da  Sociedade União Sintrense – 21h30
 16, 23 e 30 Junho | 7  de Julho – 8, 15, 22 e 29 de Setembro | 6 e 13 Outubro
Dia 7 de Julho e 13 de Outubro – Também Matiné
Contactos para reservas e informações
Telefone – 91 960 48 74
Mail – teatrouniao@outlook.com
Facebook – Teatro União

Site: teatrouniao.wordpress.com