Cinco artistas em Sintra , 1855

Foto  PM, em 18/05/2019, no Museu  Nacional de Arte Contemporânea do Chiado
João Cristino da Silva
Este é o primeiro retrato colectivo de artistas na pintura portuguesa, na romântica Sintra. Cristino, auto-representado, revela as linhas principais exploradas pelo grupo dos cinco artistas (Tomás da Anunciação, Francisco Metrass, Vítor Bastos e José Rodrigues) que desenvolvem o retrato, a pintura de paisagem e o natural e a pintura de costumes. Os cinco artistas, à excepção do escultor Vítor Bastos, observam e registam “o natural” em pequenos apontamentos, manifestando a sua atitude artística de captação da natureza e divulgação das tradições locais, embora posteriormente retocada em atelier. Cria-se um envolvente diálogo entre a arte, onde se destaca Anunciação ao centro, em jeito de homenagem, e os usos e hábitos populares, na descrição pormenorizada dos seus trajes, mas também se avista, num horizonte longínquo, uma paisagem, através de um “óculo” criado pela junção dos dois rochedos, muito ao gosto romântico. Exibido na Exposição Universal de Paris, em 1855, Cristino obteve grande sucesso com este quadro, no início da sua carreira, facto que desempenhou um importante papel na sua afirmação social e artística, projectando-o como herói romântico nacional. Ao fundo, e entre brumas, o Palácio da Pena, edificado por D. Fernando, também ele um espírito romântico, surge como pontuação desta pintura, cenograficamente tratada e símbolo de uma natureza artisticamente apropriada.
 Maria Aires Silveira
*Fonte MNAC

Óleo sobre tela. 86,3 × 128,8 cm assinado e datado Inv. 23 Historial Pertenceu às colecções do rei D. Fernando II (1816 – 1885). Adquirido pelo Estado, através do Legado Valmor, a Madalena Adelaide Namura para a Academia Real de Belas-Artes em 1908 – 1909. Integrado no MNAC em 1911.

 Exposições Paris, 1855, 1676; Lisboa, 1856; Lisboa, 1913, 23; Lisboa, 1947; Lisboa, 1950; Lisboa 1950, 2, p.b.; Lisboa, 1979, 21, p.b.; Lisboa, 1981; Lisboa, 1986; Paris, 1987, 94, cor e p.b.; Lisboa, 1988, 94, cor e p.b.; Queluz, 1989, 2; Porto, 1999, 61, cor; Lisboa, 2000, 22, cor; Almada, 2001, 7, cor; Lisboa, 2002; Lisboa, 2005; Lisboa, 2008; Lisboa, 2010.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Visita à Casa Branca nas Azenhas do Mar

Irmãos Mayer

Os cedros também se abatem na Serra de Sintra