segunda-feira, dezembro 11, 2017

Quando a Natureza corrige os abusos do homem

Cabo da Roca Dezembro de 2017. Área protegida do Parque Natural Sintra.Cascais
Imagem do Farol que não era possivel observar desde 2013 (foto de Luis Filipe Correia)

A ANA, o temporal de ontem, provovocou uma vitima mortal , e destruiu  e provocou danos por todo o País, mas deu a Colares uma prenda de Natal, repôs a paisagem do Cabo da Roca.
A monstruosa torre metálica que ali nasceu em 2013, no Parque Natural Sintra Cascais,com a Câmara de Sintra (PSD/CDS), vários Ministérios do governo PSD/CDS,ICNF, Associações ambientalistas, todos a olhar para o lado, foi preciso a força de uma ANA, para tomar a atitude que ninguém, até agora  queria tomar - deitar a torre abaixo.
Fotos  Luis Filipe Correia em 10/11 de Dezembro de 2017
Sobre a Torre Metálica de 50 metros do MAI
Desde Setembro de 2013, (Governo PSD/CDS e Câmara M.de Sintra PSD/CDS, Câmara M.de Cascais PSD), temos divulgado  frequentemente o atentado ambiental e paisagístico, efectuado no Cabo da Roca ,Parque Natural Sintra-Cascais, na altura (2013) pelo MAI, com a instalação de uma torre metálica de 50 metros junto ao farol  -  instalação que teve  na altura o parecer contrário do Ministério do Ambiente.(MAMAOT),tendo aqui , publicado diversas tomadas de posição sobre o assunto.

Após as eleições autárquicas  de 2013, com a eleição do PS para a CMS, (mantendo-se o PSD na C.M.de Cascais), voltámos ao assunto, diversas vezes para um facto que é  uma ilegalidade face às leis e regras do Estado de Direito da ainda República Portuguesa, e actualmente já com um governo PS, nada foi alterado até hoje.

Posição do Ministério da Agricultura, do Mar do Ambiente e de Ordenamento de Território (2013)


 Resposta do Ministério da Agricultura, do Mar do Ambiente e do Ordenamento do Território sobre A Instalação do posto Fixo de observação do SIVICC no Cabo da Roca:
"Relativamente à intenção de Instalação de um posto de Observação fixo integrante do sistema integrado de Vigilância, Comando e Controlo Costeiro no Cabo da Roca, não foi tomada qualquer decisão sobre a matéria. O Instituto de conservação da natureza e florestas e agência Portuguesa do ambiente, através dos seus serviços, receberam o pedido de parecer relativo à construção de um posto de observação do SIVICC. Foram emitidos os referidos pareceres, no âmbito das suas competências específicas e de acordo com o disposto tanto no Plano de Ordenamento Do Parque Natural Sintra Cascais e do Plano de Oedenamento da Costa costeira. Da análise efectuada conclui-se que a pretenção não tem enquadramento no plano de ordemento do parque natural sintra cascais e a APA, I.P., informou a entidade responsável pelo sistema Integrado de vigilância, comando e controlo da costa costeira portuguesa, sobre as disposições do Plano que condicionaram ou inviabilizaram a instalação do posto de observação nos locais alternativos indicados, incluindo nessa informação aspectos técnicos relativoa à sua inserção em faixas de salvaguarda do litoral e servidões e restrições administrativas e legislação em vigor. O projecto em causa não se enquadra no DL 69/2000, com a nova redacção que lhe foi dada pelo DL 197/2005, pelo que não foi feito qualquer estudo de impacto ambiental."

Fonte:.
 Ana Caetano Miragaia Matias ,candidata do PSD à eleição da Junta de Freguesia de Colares

2 comentários:

Pedro disse...

Uau!!! Cinco estrelas!

Zé Maria disse...

Aleluia! Tomara que o temporal tivesse mandado abaixo também a mansão do comendador :-)
Bem trabalhado.