quinta-feira, julho 30, 2020

A Lenda da Pedra de Alvidrar (Almoçageme)

“Cheguei-me até à beira do rochedo que tem uma grande altura, e é quase na perpendicular.Um bando de rapazes tinha-nos acompanhado, e cinco lagatões, destacados desta malta, desceram o temeroso precipício com a mais completa indiferença, sobretudo um deles, que foi com os braços abertos, e que parecia uma criatura sobrenatural”.
William Beckford ,1787


Na sequência de um post publicado no Rio das Maçãs em Agosto de 2007, sobre a Pedra de Alvidrar, local muito visitado ao longo dos séculos,voltamos de novo a este interessante tema, agora com fotografias e também com mais alguma informação sobre este belo e perigoso local.

A Pedra de Alvidar, situada entre a Praia da Adraga e Praia da Ursa, embora de difícil acesso é o paraíso dos pescadores mais destemidos. Além ter sido usada no tempo dos romanos, como local para julgamentos de onde se atiravam os acusados, se sobrevivessem eram inocentes, se não, tinham sido mesmo os culpados...

Imagem Google Earth
Sobre a Pedra de Alvidrar, existe uma curiosa lenda que justifica a razão da sua existência:
Lenda de Alvidrar
Há muitos séculos atrás, o Deus Vulcano, figura sinistra e perversa, jurou vingar-se para todo o sempre duma formosa princesa, espelho de virtudes sem par.
O maligno Vulcano, seguindo ruíns desígnios, pretendeu casar-se com a esbelta princesa que já a outro prometera a sua mão. Pouco satisfeito com o inesperado facto, quis saber de quem se tratava. Furioso ficou quando soube que o futuro esposo da gentil princesa era o seu próprio sobrinho, filho primogénito da sua irmã. Imediatamente acorreu à casa de sua irmã Zipa e queixou-se do seu desespero. Esta fez-lhe ver que nada tinha com o próximo enlace. Jovens e obedientes aos pais de cada um, tudo neles concorria para que fossem felizes. Em consciência nada teria a opôr-se e recomendou ao irmão prudência e resignação; a casta princesa não era para a sua idade, merecia um jovem como ela.
Vulcano não acatou os conselhos prudentes e nobres da irmã.
Chegando a seus domínios, organizou fortíssima expedição que se dirigiu para as terras da princesa Al-Vidrar e de seu sobrinho Foje.
Zipa veio ao seu encontro mas nada deteve Vulcano. Naquela cruenda batalha restam os corpos vulcanizados dos moços namorados aos quais chamamos PEDRA DE ALVIDRAR E O FOJE*.
In “Lendas Sintrenses” Recolha e relato de Luiz da Cunha Oliveira, 1968

*Fojo- O Fojo, um abismo aberto na rocha de onde se pode observar no fundo a agitação das ondas.
“Correram-nos oito dias naquele deserto, ora descendo à fertilíssima várzea de Colares, ora subindo às assomadas crespas da serra ou indo ver as ondas, que batiam, refervendo, nos recôncavos do precipício da Pedra de Alvidrar; dias que ficaram para sempre impressos no espírito de Alexandre Herculano e no nosso!”
Bulhão Pato, 1883
Post relacionados:
-Pedra de Alvidrar -pressionar
-Praia da Adraga-pressionar
-A Praia da Adraga-pressionar
Nota:
Texto da lenda retirado da página da Junta de Freguesia de Colares


quarta-feira, julho 29, 2020

Olhares rápidos para a Vila Velha em tempo de Pandemia

Hoje às 15h00, o terreiro do Palácio da Vila tinha este aspecto - ausência das turbas de visitantes
Muito positivo o aspecto actual  da obra do Hotel Netto qual obra de Santa Engrácia
O regresso de alguns trolleys
Piriquita sem filas à entrada
A tradição ainda é o que era - o antigo hospital da Misericórdia

*fotos em 29/07/2020

segunda-feira, julho 27, 2020

Projecto para criação de Área Marinha Protegida em Sintra

Uma boa idéia desde que saia do papel

Informação via CMS

"A Câmara Municipal de Sintra aprovou, em reunião de executivo, o desenvolvimento de um projecto para a criação de uma Área Marinha Protegida em Sintra.
O projecto de cariz ambiental pretende preservar o meio marinho e preservar os recursos naturais do concelho, indo ao encontro da Estratégia da União Europeia para a Biodiversidade traçada até 2030.
As Áreas Marinhas Protegidas são espaços marinhos integralmente delimitados em águas oceânicas, geridas através de meios legais, com o propósito de reforçar a conservação da natureza e da biodiversidade marinha, assim como dos serviços dos ecossistemas e dos valores culturais associados. Desta forma, através da regulamentação e limitação de atividades humanas passíveis de causar impacto negativo nestes lugares, as áreas marinhas protegidas constituem uma importante ferramenta de conservação e gestão marinha, com o objectivo de mitigar a perda de biodiversidade e dos serviços de ecossistema associados.

As orientações aprovadas para o desenvolvimento do projecto são:
  • Estabelecimento de contactos com equipas de investigação e especialistas na área da biologia marinha, conservação em meio marinho e criação e gestão de áreas protegidas marinhas.
  • Avaliação de custos para a realização de uma avaliação da área costeira de Sintra, através da contratação dos serviços de uma equipa externa ligada à biologia marinha, no sentido de:
  • Caracterização da topografia marinha e dos diferentes tipos de substrato ao longo da costa de Sintra, através da compilação de informação existente, e eventual sobreposição com informação obtida através de detecção remota, em ficheiro georreferenciado;
  • Caracterização fina dos habitats naturais, dos habitats de interesse comunitário e levantamento de fauna e lera marinha, com caracterização da biodiversidade presente;
  • Definição da(s) área(s) com maior potencial para a criação de uma Área Marinha Protegida, a sua extensão e a sua tipologia;
  • Articulação com outras entidades, como a Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos e o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, bem como Universidades e Centros de Investigação, para a implementação e gestão da Área Marinha Protegida."

quarta-feira, julho 22, 2020

Convento dos Capuchos reabre a 1 de Agosto



CONVENTO DOS CAPUCHOS REABRE A 1 DE AGOSTO, APÓS OBRAS DE RESTAURO E DE REQUALIFICAÇÃO


[Informação disponibilizada pela Parques de Sintra 
©  PSML]

No próximo dia 1 de agosto, o Convento dos Capuchos reabrirá ao público, após a conclusão de diversas intervenções de conservação e restauro de grande dimensão, cujo impacto significativo na circulação no espaço levou ao encerramento do monumento a 18 de novembro de 2019. A data de reabertura é assinalada com a visita ‘Do Musgo e da Cortiça – O Restauro do Convento dos Capuchos’, que dará a conhecer a complexidade e a minúcia de um dos processos de conservação e restauro mais sensíveis dos 20 anos de história da Parques de Sintra.


No dia da reabertura, realiza-se a visita ‘Do Musgo e da Cortiça – O Restauro do Convento dos Capuchos’, que pretende proporcionar aos visitantes a descoberta e a compreensão do complexo processo de conservação, restauro e requalificação, que foi iniciado 2013. Envolvendo uma equipa multidisciplinar, o projeto incide na recuperação do conjunto edificado, de todos os elementos construídos e decorativos e aposta na experiência da visita, potenciada por novas valências.

segunda-feira, julho 20, 2020

Prolongada a interdição do trânsito no perímetro da Serra de Sintra - Actualizado

Actualização em 21/07/2020

A Câmara Municipal de Sintra determinou a interdição do trânsito nas vias municipais que integram o perímetro da Serra de Sintra entre as 00h00 de dia 22 de julho (quarta-feira) e as 23h59 de 25 de julho (sábado).
 📍No perímetro florestal da Serra de Sintra passa a vigorar: proibição de circulação, estacionamento e permanência de viaturas no interior do perímetro florestal. || Excepto para veículos de moradores e de empresas aí sediadas, transportes públicos de passageiros (todos os veículos titulares de alvará emitido pelo IMT que realizam o transporte de passageiros), veículos de socorro, de emergência e das entidades integrantes do Sistema Municipal de Proteção Civil.


O trânsito na serra de Sintra, vai continuar interditado até terça-feira, dia 21 de Julho, excepto a transportes públicos e moradores, devido ao alerta laranja da Proteção Civil para risco de incêndio, determinou o município.
Em comunicado, da Câmara de Sintra determinou, este domingo, a “interdição do trânsito nas vias municipais que integram o perímetro da Serra de Sintra até às 23h59 de 21 de julho, prolongando a interdição imposta desde 17 de julho e que terminava este domingo às 23h59.”
De acordo com a autarquia, no perímetro da Serra de Serra passa a vigorar: Proibição do acesso, circulação e permanência no interior e a permanência de pessoas.

Inf. via Sintra Notícias

quinta-feira, julho 16, 2020

Em processo de classificação para Sítio de Interesse Público o local do Templo Romano no Alto da Vigía

O Sitio Arqueológico do Alto da Vigia. na Praia das Maçãs, que se encontra numa propriedade particular, está a ser avaliado para ser classificado como Sítio de Interesse Público, estando segundo a CMS, o processo em fase de consulta pública.


É de todo interesse essa classificação, para o alargamento  do trabalho de escavações, possibilitando ao Museu Arqueológico de São Miguel de Odrinhas um trabalho mais profundo e uma maior preservação  dos vestígios já a descoberto do Templo Romano,  e  dos resultados  das futuras escavações.



Sobre o Santuário Romano da Praia das Maçãs

Descoberto templo romano ao Sol, à Lua e ao Oceano, que estava perdido
Via Diário de Notícias:
"Ali,  (junto à falésia, perto da Praia das Maçãs), descobriu o arqueólogo Cardim Ribeiro, ergueu-se em tempos um dos mais importantes santuários do Império Romano, consagrado ao Sol à Lua e ao Oceano, cuja localização estava há muito perdida, e que muitos julgavam até que fosse apenas lenda. Não era. Com a descoberta do templo, em 2008, vieram outros achados, alguns surpreendentes, que "tornam este local único e de grande alcance histórico", assegura Cardim Ribeiro ao DN.
A descoberta logo no primeiro ano de escavações de um ribat, uma mesquita feita de uma série de celas e, numa delas, de um mirhab, um nicho para as orações, orientado para Meca, "foi uma surpresa", conta o arqueólogo. Com toda a probabilidade, não será a única. Há muito mais História debaixo daquelas areias e do mar de chorões que cobre as dunas.
Para já, as escavações incidem "na periferia do santuário". Uma prospeção geofísica feita em agosto de 2011 indica que o edifício principal do templo romano, retangular e de grande dimensão, está ali enterrado, um pouco atrás do local onde agora decorrem os trabalhos. "Este sítio é um ovo de História, que atravessa diferentes eras civilizacionais e cultos, ao longo de mais de um milénio", resume Cardim Ribeiro."

http://www.dn.pt/inicio/ciencia/interior.aspx?content_id=4241547

http://riodasmacas.blogspot.pt/2014/11/o-templo-romano-da-praia-das-macas.html

Santuário Romano consagrado ao Sol, à Lua e ao Oceano (Alto da Vigia, Praia das Maçãs, Colares) – sítio arqueológico que está directamente relacionado com cultos astrais –, numa visita guiada ao local, concretamente no momento do pôr-do-sol do dia mais longo do ano  (fotos de 21/06/2015),  guiada por José Cardim Ribeiro,na altura Director do Museu Arqueológico de São Miguel de Odrinhas.

sexta-feira, julho 10, 2020

O eléctrico azul da Companhia Sintra Atlântico

Foto do eléctrico nº1, com o  azul  da Sintra Atlântico em 2018

 O eléctrico de Sintra foi inaugurado há 114 anos, a 31 de Março de 1904, com o material circulante encomendado à J.G.Brill Company (Estados Unidos).O percurso, com uma extensão de 8.900 metros, foi prolongado a 10 de Julho desse ano até à Praia das Maçãs, totalizando uma extensão de 12.685 metros. Mais tarde, a 31 de Janeiro de 1930, o eléctrico chegou às Azenhas do Mar.

A cor azul, surgiu com a Companhia Sintra Atlântico (1914-1975), posteriormente consequência das privatizações que aconteceram após o 25 de Abril de 1974, tendo sido integrada na Rodoviária Nacional (1976-1995).



  • O eléctrico nº7, com as cores da "Sintra-Atlântico", perto do desvio para o depósito na Ribeira de Sintra em 1959-Foto da colecção Valdemar Alves


      Companhia Sintra -Atlântico (1914-1975)
    "A 15 de Agosto de 1914, o novo dono dos eléctricos tomou posse de todos os bens e respectivas concessões da extinta Cintra ao Oceano."


    "Os seus principais objectivos, continuavam a ser a exploração da linha de carros eléctricos entre Sintra e a Praia das Maçãs. Por outro lado, o fornecimento de iluminação eléctrica, tanto pública, como particular, no Concelho de Sintra continuava a ser uma missão importante da nova companhia."

    *textos retirados de Eléctricos de Sintra de Júlio Cardoso e Valdemar Alves.




    quarta-feira, julho 08, 2020

    Rua dos Amores em Colares

    (Clicar na imagem para ampliar)

    "Na secção de Bellas-Artes da exposição Industrial Portugueza, figura o quadro «A rua dos Amores, em Collares» que reproduzimos.

    Esta téla é um dos melhores quadros do sr.Isaias Newton , um artista que não se filia nos processos da pintura moderna, mas que resiste valorosamente pelo bom coup d’oeil das suas paizagens, bem compostas e escrupulosamente desenhadas, sem liberdades de pintura, que nem sempre conduzem á verdade. O quadro do sr.Isaias é agradável e muito decorativo. Foi encommendado ao distinto artista pelo sr. José Ignácio da Costa, abastado industrial e proprietário."

    Publicado na Revista “Occidente” Nº 351 de 21 de Setembro de 1880

    *Ortografia e acentuação conforme o texto original

    terça-feira, julho 07, 2020

    Memórias de Cintra antiga -reedição

    Revista "Occidente" nº1256 de 20 de Novembro de 1913
    (Ortografia e acentuação conforme o texto original)

    CasaSintra "O Chalet  do  Ex.mo. Sr. Dr. José  Maria de Andrade, na sua quinta em S.Pedro, S.Pedro de Cintra

    Está disposta  numa das melhores alturas  da nossa verdejante serra de Cintra, esta linda construção, que constitue uma grande gloria  para o autor do projecto , o sr. Dr.  Alexandre Saldanha da Gama, que sendo um engenheiro distinto, tambem  se nos revéla  com a presente obra uma arquitéto de incontestavel valôr.

    Estivémos ha dias a  olhar de perto o soberbo chalet, e demoramo nos  longamente na encantada observação de todas as suas fachadas que são de uma elegância  de traçado devéras original.
    A magnifica propriedade  do sr. D. José Maria de Andrade, a quem felicitamos pelo seu louvavel empreendimento tão brilhantemente realizado, está situado numa bela altitude e cercada de uma grande orla de arvorêdo, que abrange em parte grande declives, e donde se destaca admiravelmente com os seus  caprichosos telhados de fórmas ponteagudas agora espelhados pelas neves que  refletem os melhores  raio de sol que carinhosamente doiram um dos mais pitorescos trechos  da paisagem  que comove, por certo os ainda menos sensiveis.

    (...)
    Oxala que d´entre  os inumeros visitantes e admiradores do  chalet do sr. Dr . Andrade, alguns tentem continuar a obra de devoção pela belêsa da encantadora Cintra, que bem merece  o empreendimento de grandiosos planos  de arquitetura moderna  e nacional , que como esta de que vimos  falando, representem  uma admiração  profunda  pela riquissima  região , cuja paisagem  é uma das mais belas , senão a mais bela da nossa querida terra."

    quinta-feira, julho 02, 2020

    Cintra - Lista telefónica de 1925 - reedição



    Por gentileza de Maria Natércia Santos, bisneta de Manoel João, detentor do telefone nº1 de Cintra em 1925, publicamos uma página  (2197), de um Almanaque,  que retrata  embora parcialmente, uma Cintra de outros tempos. 


    AlmanaqueCintra1925 copy *Manoel João, figura muito conhecida em Sintra, naquela época tinha junto à Estação de Caminho de Ferro um quiosque, porque era naquele local  onde  estacionava os  trens.