quinta-feira, agosto 29, 2019

Tributo a Maria Almira Medina

parquemedina2
A Casa-Museu Leal da Câmara, na Rinchoa, vai receber nos dias 29, 30 e 31 de agosto, um tributo a Maria Almira Medina, figura ímpar a cultura sintrense, falecida em janeiro de 2016.

 Antecipando as comemorações do centenário do nascimento de Maria Almira Medina, esta iniciativa pretende homenagear a mulher, poeta, escritora, caricaturista, professora, jornalista, pintora, pedagoga, ceramista, cuja obra perdura naqueles que com ela conviveram, e pretendem legar às gerações futuras, a grande qualidade desta notável sintrense, cujas origens são Tavarede, Figueira da Foz.
 A iniciativa da Casa das Cenas com a produção do Grupo Acusa Teatro, conta com o apoio da Câmara Municipal de Sintra, ​Junta de Freguesia de Rio de Mouro, entre outras parcerias e entidades


Foto:
Na visita que foi feita ao Chalet  da Condessa d'Edla em 2008, Maria Almira Medina declamando um poema feito de propósito para aquele momento




segunda-feira, agosto 26, 2019

Estátuas Vivas em festival

No  último fim de semana, aconteceu em Sintra um festival de "Estátuas Vivas".
Da nossa visita no Sábado, alguns registos das participações deste ano.

Fotos em 25 de Agosto de 2019
Em frente ao Casino -actual MU.SA
Na via pública...

domingo, agosto 25, 2019

O cartaz da Praia das Maçãs e as celebrações pelas taxas de natalidade

Na Praia das Maçãs o dinamismo das mensagens de um  cartaz sobre as baixas taxas de natalidade em Portugal e as celebrações de uma organização holandesa
1ª foto em 24/08/2019 e  2ª foto em 21/08/2019

No Diário de Notícias: A explicação das razões deste estranho cartaz em inglês:
"Campanha holandesa tem como objectivo sensibilizar os turistas da zona de Sintra para os problemas ecológicos colocados pelo excesso de população no planeta."
 Post relacionado:
http://riodasmacas.blogspot.com/2019/08/sintra-praia-das-macas.html

*Notícia do Diário de Notícias - Aqui

sábado, agosto 24, 2019

Porque hoje é Sábado...


Álvaro de Campos

Acordar da cidade de Lisboa, mais tarde do que as outras,

Acordar da cidade de Lisboa, mais tarde do que as outras,
Acordar da rua do Ouro
Acordar do Rossio, às portas dos cafés,
Acordar
E no meio de tudo a gare, a gare que nunca dorme
Como um coração que tem que pulsar através da vigília e do sono.
Toda a manhã que raia, raia sempre no mesmo lugar,
Não há manhãs sobre cidades, ou manhãs sobre o campo
À hora em que o dia raia, em que a luz estremece a erguer-se
Todos os lugares são o mesmo lugar, todas as terras são a mesma,
E é eterna e de todos os lugares a frescura que sobe por tudo
E (...)
Uma espiritualidade feita com a nossa própria carne.
Um alívio de viver de que o nosso corpo partilha,
Um entusiasmo por o dia que vai vir, uma alegria por o que pode
acontecer de bom,
São os sentimentos que nascem de estar olhando para a madrugada,
Seja ela a leve senhora dos cumes dos montes,
Seja ela a invasora lenta das ruas das cidades que vão leste-oeste,
Seja (...)
A mulher que chora baixinho
Entre o ruído da multidão em vivas...
O vendedor de ruas, que tem um pregão esquisito,
Cheio de individualidade para quem repara...
O arcanjo isolado, escultura numa catedral,
Syringe fugindo aos braços estendidos de Pã,
Tudo isto tende para o mesmo centro,
Busca encontrar-se e fundir-se
Na minha alma.
Eu adoro todas as coisas
E o meu coração é um albergue aberto toda a noite.
Tenho pela vida um interesse ávido
Que busca compreendê-la sentindo-a muito.
Amo tudo, animo tudo, empresto humanidade a tudo,
Aos homens e às pedras, às almas e às máquinas.
Para aumentar com isso a minha personalidade.
Pertenço a tudo para pertencer cada vez mais a mim próprio
E a minha ambição era trazer o universo ao colo
Como uma criança a quem a ama beija.
Eu amo todas as coisas, umas mais do que as outras —
Não nenhuma mais do que outra, mas sempre mais as que estou vendo
Do que as que vi ou verei.
Nada para mim é tão belo como o movimento e as sensações.
A vida é uma grande feira e tudo são barracas e saltimbancos.
Penso nisto, enterneço-me mas não sossego nunca.
Dá-me lírios, lírios
E rosas também.
s.d.
Álvaro de Campos - Livro de Versos . Fernando Pessoa. (Edição crítica. Introdução, transcrição, organização e notas de Teresa Rita Lopes.) Lisboa: Estampa, 1993. 
 - 10.
1ª versão: Poesias de Álvaro de Campos . Fernando Pessoa. (Nota editorial e notas de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1944.

quinta-feira, agosto 22, 2019

Sintra - Praia das Maçãs (Actualizado)

Na Praia das Maçãs. talvez início de campanha publicitária dirigida para conhecedores da língua inglesa.
Foto em 21/08/2019

No Diário de Notícias: A explicação das razões deste estranho cartaz em inglês:
"Campanha holandesa tem como objetivo sensibilizar os turistas da zona de Sintra para os problemas ecológicos colocados pelo excesso de população no planeta."
Mais ou menos isto:
Comemore as baixas taxas de natalidade
Grande redução

terça-feira, agosto 20, 2019

Sintra com Aviso Amarelo

O IPMA, colocou Lisboa em aviso amarelo para tempo quente entra as 10h00 de dia 21 de agosto e as 05h00 de dia 22 de agosto de 2019.
Como atuar:
☀️ Mantenha-se hidratado.
☀️ Esteja atento a pessoas mais vulneráveis, especialmente crianças e idosos.
☀️ Procure locais frescos ou com ar condicionado.
☀️ Evite esforços físicos.
☀️ Escolha as horas de menor calor para viajar de carro.

segunda-feira, agosto 19, 2019

Momentos da Festa de S.Mamede de Janas

S.Mamede de Janas

E porque hoje é Dia Mundial da Fotografia

Fotos em 17 de Agosto de 2019

Três voltas no sentido inverso do relógio na Igreja circular do Séc XVII

Toino de Janas e os Sons de Cascais, na volta dos tradicionais piqueniques
A tradição

https://riodasmacas.blogspot.com/2018/03/capela-circular-de-janas-e-o-culto-de.html

terça-feira, agosto 06, 2019

Os Trabalhadores dos Parques de Sintra-Monte da Lua...

Imagem SIC
"A Parques de Sintra-Monte da Lua, S.A. (PSML) é uma empresa de capitais exclusivamente públicos, criada em 2000, no seguimento da classificação pela UNESCO da Paisagem Cultural de Sintra como Património Mundial da Humanidade (1995). A sua criação teve como objetivo reunir as instituições com responsabilidade na salvaguarda e valorização da Paisagem Cultural de Sintra, e o Estado Português entregou-lhe a gestão das suas principais propriedades na zona. Não recorre ao Orçamento do Estado, pelo que a recuperação e manutenção do património que gere são asseguradas pelas receitas de bilheteiras, lojas, cafetarias e aluguer de espaços para eventos. Não tem fins lucrativos, na medida em que todos os lucros são investidos na salvaguarda e valorização de património sob a sua gestão. São actualmente acionistas da PSML o Estado, representado pela Direção Geral do Tesouro e Finanças (35%), o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, I.P. (35%), o Turismo de Portugal, I.P. (15%) e a Câmara Municipal de Sintra (15%)."

ImagemSIC
Imagem SIC

"A Parques de Sintra-Monte da Lua, S.A. (PSML), com sede no Parque de Monserrate, Estrada de Monserrate, 2710-405 Sintra, tem, entre outras missões, a de gerir os mais importantes valores naturais e culturais situados na zona da Paisagem Cultural de Sintra e em Queluz: o Parque e o Palácio da Pena, os Jardins e o Palácio de Monserrate, o Castelo dos Mouros, o Convento dos Capuchos, o Jardim e o Chalet da Condessa d’Edla e, desde 2012, os Palácios Nacionais de Sintra e de Queluz e a Escola Portuguesa de Arte Equestre sediada nos Jardins históricos de Queluz, – e com apresentações no Picadeiro Henrique Calado, na Calçada da Ajuda (Belém)"
texto PSML.

segunda-feira, agosto 05, 2019

Pêras Lambe-os-dedos produção 2019

foto em 2 de Agosto de 2019


Temos acompanhado desde 2012, a produção de uma centenária pereira na Várzea de Colares, que ano após ano produzia as famosas pêras lambe-os-dedos, espécie antigamente muito apreciada e actualmente quase desaparecida por falta de interesse comercial, talvez devido ao seu pequeno tamanho.

Este ano por gentileza da D.Isabel do Mucifal, é possivel publicar as fotos de uma resistente pereira desta qualidade, a segunda que conhecemos na região de Colares, que este ano se encontra carregada com as famosas pêras.

Foto em 02 de Agosto de 2019, no Mucifal
«Lembro, na minha infância, ver chegar as mulheres atrás de um burrito, a quem chamavam "as saloias de Cheleiros" com pêras "lambe os dedos"»

"Era uma pêra pequenina do tamanho de uma Clementina, com casca afogueada de verde e castanho de uma doçura invulgar. Aguentava muito pouco tempo, tanto na árvore como depois de colhida, é um fruto que para os dias de hoje não tem as características exigidas”

(Comentários deixados no blogue em posts anteriores)

https://riodasmacas.blogspot.com/2018/08/peras-lambe-os-dedos-producao-2018.html

sábado, agosto 03, 2019

Incêndio em Alpolentim/Sintra

Via SIC: Fogo dominado 19h18
Imagens do incêndio cerca das 17h00
Incêndio em Alpolentim, UF São João das Lampas e Terrugem.
De acordo com o site fogos.pt, estão no local 112 meios humanos, 28 veículos e 2 helicópteros. O alerta foi dado às 16h31
https://fogos.pt/fogo/2019110158503


*via Correio de Sintra

sexta-feira, agosto 02, 2019

quinta-feira, agosto 01, 2019

AURA 2019 em Sintra de novo



 "A 5ª edição do AURA inicia um ciclo de programação artística dedicado à Arte da Luz e ao Ambiente. No centro histórico da vila de Sintra, de 1 e 4 de agosto, entre a Volta do Duche e a Quinta da Regaleira, apresentam-se dez obras originais que transfiguram a Noite através da criação de Atmosferas Lumínicas. São apresentadas projeções multimédia, instalações audiovisuais interativas, video mapping e esculturas de luz, sem esquecer uma zona de convívio no Aura Lounge e a oferta de street food."  
*Texto da organização do evento