quarta-feira, maio 30, 2018

José da Fonseca, escultor 1884 -1956

José da Fonseca nasceu em Coimbra a 20 de Fevereiro de 1884 e faleceu com 72 anos em 13 Dezembro de 1956.
Em artigo publicado em 18/04/1997 no "Jornal de Sintra" da autoria de Adriana Jones, é traçado o percurso artístico de um homem que deixou em Sintra registos importantes da sua arte.

“A Obra escultórica do artista está espalhada em várias colecções particulares e por espaços públicos em todo o país.
Aqui em Sintra , entre outros temos o Monumento aos Mortos da Grande Guerra, o Medalhão de D.Fernando II no Parque da Pena, na Volta do Duche a homenagem do povo de Sintra ao Dr. Gregório de Almeida, estatuária religiosa e fúnebre em S.Marçal e na Regaleira onde a cada passo deparamos com a belísima pedra de Outil (Coimbra) , trabalhada primorosamente por José da Fonseca.
Carvalho Monteiro encontrou na família Fonseca artistas que muito contribuiram para que o projecto de Manini fosse devidamente executado, a talha da Capela é de Júlio da Fonseca e muita da cantaria foi cinzelada por Luis da Fonseca, ambos irmãos do escultor, que acompanhou até à sua conclusão as obras da Regaleira.”

Também a sua filha, Josélia Fonseca que faleceu com a mais de oitenta anos, seguiu as pisadas artísticas de seu pai, participando com as suas pinturas em exposições colectivas.Os desenhos dos marcadores com imagens de Sintra que publicamos são da sua autoria , e foram cedidos amávelmente por Emília Reis.


segunda-feira, maio 28, 2018

Pela estrada de Sintra

Galamares, Estrada Nacional  247 - 28 de Maio 14H00


No regresso 16h00
Desde Novembro de 2017 à espera de obras - prometidas pela Infraestruturas de Portugal para este mês de Maio, que tem ainda 2 dias úteis, para terminar...

sábado, maio 26, 2018

Porque hoje é Sábado...

Expo 98 vinte anos depois
Foto de projecção multimédia debaixo da pala de Siza Vieira

Até 2 de Junho no Parque  da Nações, a recriação de  alguns  momentos do tempo da Expo 98

Os Olharapos, de regresso ao local onde há 20 anos foram felizes, depois de uma viagem a Saragoça e muitos anos de inactividade
Um desfile seguido  com interesse por quem não esteve na Expo 98
O símbolo do momento que marcou a entrada de Portugal na Europa moderna.

quinta-feira, maio 24, 2018

Rodrigues Lobo e Cintra

Foto do Arq.Fotog.da CML

“ Perto da cidade principal da Lusitânia está uma graciosa aldeia que com igual distância, fica situada à vista do Mar Oceano, fresca no Verão com muitos favores da natureza e rica no Estio e no inverno com os frutos e comodidades que ajudam a passar a vida saborosamente porque, com a vizinhança dos portos de mar, por uma parte e da outra com a comunicação de uma ribeira que enche os seus vales e outeiros de arvoredos e verdura, tem, em todos os tempos do ano, o que em diferentes lugares costuma buscar a necessidade dos homens, e, por este respeito foi sempre o sítio escolhido para desvio da corte e voluntário desterro do tráfego dela, dos cortesãos que ali tinham quintas, amigos ou heranças que costumam ser velha couto dos excessivos gastos da cidade.»
Rodrigues Lobo (1579-1621)
Extracto, de “Corte na Aldeia” de Rodrigues Lobo, encontrado no “Sintra Guia” ed. CMS

quarta-feira, maio 23, 2018

Hoje houve mais um Pequeno Almoço de protesto em Galamares

Foto da página de Facebook
https://www.facebook.com/events/320489351813569/permalink/327098337819337/

Um grupo de utilizadores da estrada Nacional 247, organizou mais um pequeno almoço de protesto por falta de obra , seis meses depois da derrocada  de um muro e parte da faixa da estrada que liga Galamares a Sintra, criando graves congestionamentos de trânsito - sem que haja vestígios de começo de obras. (prometidas para este mês de Maio...)

Foto de hoje às 15h00

Desde Novembro de 2017, que  existe condicionamento de  trânsito  na EN247,na zona de Galamares, devido a queda de um muro, fazendo-se a circulação por uma única via. A circulação é orientada por semáforos, que provoca filas de kilómetros aos fins de semana e afecta diáriamente centenas de automobilistas que  utilizam aquele percurso.

A noite na EN247...

Post relacionado:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2018/04/autarcas-exigem-inicio-de-obras-nas.html

terça-feira, maio 22, 2018

Efeméride do dia

Faz hoje 20 anos que foi inaugurada a Expo 98 - um evento que terá marcado um início de um ciclo de  modernidade, neste quintal à beira mar plantado.

Olhares

Estação do Oriente
Gare
Pala de Siza Vieira
Oceanário

segunda-feira, maio 21, 2018

Inauguração de Sala Museu de homenagem a José Fernandes Badajoz


Mucifal tem desde ontem um local de homenagem a José Fernandes Badajoz,  (16/08/1920-07/02/2000), o "Poeta Cavador", com inauguração de uma sala museu na Associação de Idosos Pensionistas e Reformados do Mucifal.


Um texto do amigo Fernando Louro:

JOSE FERNANDES BADAJOZ - Nasceu a 16 de Agosto de 1920 na pequena aldeia do Mucifal, que se tornou bem mais conhecida a partir da década de 40, graças á sua voz, aos seus versos e á popularidade alcançada pelo próprio poeta - O POETA CAVADOR.
Muitos dos teus amigos ainda hoje te recordam num constante "Elogio ao Campo". A muitos de nós ajudaste a descobrir através da "Bela Vista" que Sintra era uma "Terra de Encantos". A muitos ensinaste cantando, que o "Ramisquinho" era um vinho divinal com tanta pureza como não havia outro igual. Ainda hoje quando andamos pelas ruas do Mucifal sabemos que não encontraremos "A Pastorinha" mas que podemos estar junto á casa onde a "Maria Bela" se punha á janela ou onde morou "A santa velhinha" que tantas vezes junto á "Capelinha" contou "A Lenda cantarinha". Isto tudo e muito mais cantaste "Neste palco pequenino" chamado Mucifal.
Meu querido Poeta Cavador da minha terra, não te esqueceremos. Mesmo não havendo hoje, já muitos no campo a labutar como cantavas, não deixaremos de ter orgulho da tua vida atribulada, a puxar pela enxada desde manhã ao sol-pôr. Haverá para ti sempre um aplauso comovido para os muitos "versos singelos feitos á tua terra natal, um dos cantinhos mais belos de Portugal".
Obrigado José Fernandes.


Coro da Associação de Idosos Reformados e Pensionistas  do Mucifal, que interpretou composições de José Fernandes Badajoz,


“Falar de José Fernandes Badajoz é falar de alguém que tem dedicado toda a sua vida em prol dos outros, trocando o êxito pela agricultura mas que é um monstro de vitalidade na cultura popular de Sintra.

José Fernandes Badajoz natural da belíssima localidade do Mucifal é detentor de uma criatividade impar. Com 13 anos de idade, cria o mais célebre dos seus temas – O Cavador, que viria arrastar multidões de norte a sul do país, tal o impacto que o tema despertou nas décadas de 40, 50 e 60, pelo facto dos seus versos serem de uma simplicidade extraordinária.”

Luciano Reis
O Jornal “A Pena” nº18 de 04-04-1994


Momentos na AIPR do Mucifal
Graça Pedroso e Fernando Louro


Maestro  Paulo Taful
Coro da Associação de Idosos Reformados e Pensionistas  do Mucifal



Quem foi José Fernandes Badajoz?
Muita gente, não esquecida ainda das velhas emissões de J. O. Cosme, irá relembrar, com saudade, este jovem simpático e modesto, de voz límpida e bem timbrada. Nascido há 63 anos, de Pais campesinos, numa aldeia, ao tempo, essencialmente agrícola, José Fernandes deixa-se de tal modo seduzir pelo campo que nem a ARTE, com todo o fascínio, consegue arrancá-lo do seu MUCIFAL. Dá-se, integralmente, ao campo e à sua magia. Nos seus poemas e na melodia que os obriga e os embala como mãe, presente sempre a vida simples, pura e honrada do CAVADOR, o seu primeiro POEMA, o seu POEMA de sempre, a sua Bandeira, o seu Hino, o seu Sol até ao último dia.
Vive no campo, vive do campo, nos seus versos, na sua música, tudo é campo:
“PORQUE GOSTO DESTA LIDA NUNCA A PODEREI DEIXAR”

Texto de apresentação de José Fernandes, no seu disco (LP) editado em Janeiro de 1984

domingo, maio 20, 2018

Mês Municipal do Bombeiro comemorado em Sintra

A comemoração do Mês Municipal do Bombeiro, comemorou-se este Domingo
A cerimónia constou da condecoração Municipal aos bombeiros que estiveram presentes no grande incêndio de Pedrógão Grande, em Junho de 2017.
Foram entregues às nove corporações de Bombeiros Voluntários do Concelho de Sintra  diversos equipamento e novos veículos de combate a incêndios.
A Associação Humanitária dos Bombeiros de Colares conta agora com mais um meio para apoio e socorro

*Viaturas de combate a incêndios, equipamentos de proteção individual e câmaras térmicas para deteção de incêndios são os equipamentos que foram entregues com a comparticipação da Parques de Sintra – Monte da Lua, da Câmara municipal de Sintra e Cultursintra.

sexta-feira, maio 18, 2018

Mês Municipal do Bombeiro e Dia da Protecção Civil em Sintra

Foto Protecção Civil/Sintra Notícias
O Mês Municipal do Bombeiro e o Dia da Protecção Civil vão ser comemorados em Sintra, este fim de semana, no Largo Rainha D. Amélia, em Sintra.
Este sábado, dia 19 de Maio pelas 10h00, no largo fronteiro ao Palácio Nacional de Sintra, será assinalado o Dia da Protecção Civil, com a exposição de agentes de proteção civil, atividades dirigidas a crianças e a presença de um master training de suporte básico de vida.
No domingo, dia 20 de maio, pelas 10h00, terá lugar a cerimónia alusiva ao Mês Municipal do Bombeiros, iniciativa que contará com a condecoração municipal aos bombeiros que estiveram no incêndio em Pedrogão Grande bem como a entrega de equipamentos e de veículos às nove Associações Humanitárias de Bombeiros Voluntários do Concelho de Sintra e conta com a presença do presidente da Câmara de Sintra, Basílio Horta.
Viaturas de combate a incêndios, equipamentos de proteção individual e câmaras térmicas para deteção de incêndios são os equimpamentos que vão ser entregues com a comparticipação da Parques de Sintra – Monte da Lua, da Câmara municipal de Sintra e Cultursintra.
O fecho destas comemorações termina com um desfile, na Volta do Duche, das Forças Apeadas e Motorizadas.
Texto do Sintra Notícias

quinta-feira, maio 17, 2018

Sociedade Recreativa e Musical de Almoçageme (reedição)

A sede inaugurada em 1926 (Foto:PedroMacieira)

Brancos e Amarelos

Os primeiros testemunhos existentes sobre a Filarmónica de Almoçageme remontam aos anos de 1768, nessa altura já abrilhantando as festas , organizadas pela confrarias em honra dos diversos patronos.Também nessa data se iniciou a tradição dos Festejos de Almoçageme que por autorização de D.Maria II concedeu para que anualmente, no primeiro domingo de Outubro de realize uma feira no largo junto à capela de Almoçageme.
Mais tarde por volta de 1922 por divergências várias entre a Direcção e os elementos da Filarmónica, provocou uma cisão , e os elementos que abandonaram a Filarmonica formaram outra.
Esta existência de duas filarmónicas criou grandes rivalidades, em Almoçageme, surgindo também denominações para cada grupo, assim a filarmónica mais recente denominada AMARELA (Banda da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Almoçageme) e a BRANCA –a filarmónica mais antiga (Grémio Republicano) estas designações era devido às cores dos instrumentos de cada uma das bandas.

Postal ilustrado dos anos setenta


Posteriormente os dois grupos em conflito, voltaram a juntar-se, numa unica filarmónica.A nova sede da Sociedade Recreativa e Musical de Almoçageme é inaugurada em 1 de Agosto de 1926 ,com grande pompa por um grupo de teatro de Dona Maria.

Almoçageme passou a usufruir gratuitamente até aos nossos dias de uma sala de espectáculos, dispondo de uma ampla plateia, balcão e palco, que era para o seu tempo uma das melhores do perímetro lisboeta com cerca de 230 lugares sentados.

Fonte:Texto baseado em "1892-1992 Cem anos de Vida e História da Sociedade Recreativa e Musical de Almoçageme"

"Foi aprovada por unanimidade, a atribuição uma Medalha de Mérito Municipal – Grau Ouro à Sociedade Recreativa Musical de Almoçageme"
(Proposta 4-24-LP/ 2007-Subscrita pelo Vereador Luis Patricio)

quarta-feira, maio 16, 2018

Apontamento histórico sobre a Quinta do Vinagre em Colares



"Em meio do virgiliano vale de Colares existe esta quinta que conserva todo o perfume das nossas antigas casas fidalgas.
Deve grande parte do seu encanto à feliz e já rara circunstância de estar ainda na posse da nobre familia que em tempos idos a construiu e que é hoje representada pela sr.ª D. Maria José Dick Bandeira Nobre, actual proprietária da Quinta do Vinagre onde sempre residiu.
São de aspecto senhorial o portão de entrada e o grande pátio assombreado por seculares plátanos que todos os anos pelo Outono, enchem o chão e recobrem o tanque dos leões com a mancha doiradas das suas folhas perdidas. Algumas salas ainda agora iluminadas pela frágil graça de antigos lustres de Veneza que pendem de tectos lindamente desenhados no puro estilo rococó. Animada foi outrora esta quinta, principalmente no séc.XVIII, quando a sociedade galante da côrte - e não raro a própria Magestade - aqui vinham em alegre divertimento pelas tarde de estio para gozar a beleza bucólica destas paragens."

*In Revista "Ilustração" nº70 de 16 de Novembro de 1928

Dados históricos sobre a Quinta do Vinagre:
-O Palacete foi construído no Séc.XVI, por D.Fernando Coutinho Bispo de Silves.Veio a ser adquirido mais tarde pelo Conde de Mafra que o vendeu à familia Schumberger.
-Segundo descrição efectuada em 1907, pela Morgada do Vinagre, D.Maria José Dick Bandeira Nobre, aquele palacete albergou por várias vezes D. João V e a Rainha em 1708, D.Maria I em 1777, D.Maria II e D.Amélia de Bragança.
-No início do séc XIX,(1926) foi instalado na quinta o Preventório de Colares.Que tinha como finalidade o internamento das crianças de "primeira e segunda infância", filhos de pai ou mãe tuberculosos, ou em perigo de contágio pela tuberculose.
-Em 1968, a Quinta do Vinagre, foi primeiras páginas de toda a imprensa pela festa que reuniu o Jet-Set internacional.
-Em 15 de Outubro de 1975 deflagrou um grande incêndio, no palacete.
-Hoje a Quinta do Vinagre, é uma propriedade bem preservada e um dos locais mais interessantes de Colares, pela beleza do local (ladeado pelo rio das Maçãs, em que uma pequena represa cria um autêntico lago) e pela riqueza da sua história.

Post relacionado:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2017/04/sao-schlumberger-e-quinta-do-vinagre-em.html
 
Sobre o Preventório de Colares
“Lá em baixo na Várzea de Colares, em pleno seio da Natureza, embalado pelo cachoar, suave ou agreste, do rio das Maçãs, fica o Preventório de Colares. Solarenga habitação, outrora remanso de brasonadas famílias, ela é na hora actual, a concepção da mais simpática organização preventiva da tuberculose na infância.(...) Tem o aspecto de paço medievo. Sólida arquitectura.O escadório, e a varanda corrida as gárgulas, colunatas e pilastras, tudo evoca docemente, misteriosamente, o passado poderio que morreu com seu brasão. (...)”
(Jornal de Sintra nº257 de 1938, artigo da autoria de A.B.)


«No início do Sec.XX existiu em Colares uma instituição que dava apoio a menores do sexo feminino, numa altura em que a tuberculose era a grande ameaça e denominava-se "Preventório de Colares", tinha como impulsionadora D. Isabel Morais Sarmento. Segundo dados publicados no "Jornal de Sintra" nos primeiros nove anos da sua existência o Preventório teria apoiado para cima de trezentas crianças,” filhas de tuberculosos “necessitados da zona de Colares.
O Preventório de Colares debateu-se desde o seu início,(1926) com problemas de ordem financeira. Para fazer face a essas necessidades, frequentemente organizava festas de angariação de fundos. Como curiosidade e demonstrativa da importância que estas festas tinham para a região de Colares, o facto da Companhia Sintra-Atlântico ter um serviço especial que era mencionado com os respectivos horários no anúncio da festa de recolha de fundos, "
Sempre pronta a corresponder aos desejos do publico, estabeleceu um serviço especial de carreiras de eléctricos”»



"A favor do Preventório de Colares"

Pressionar imagem para ampliar
Anúncio de festa de angariação de fundos para o Preventório, no "Jornal de Sintra" em 1938.

"Realiza-se este ano,(ontem , hoje e amanhã) no vasto recinto da Adega Regional de Colares, a terceira festa de caridade em favor do Preventório de Colares.A primeira foi há três anos, num pinhal sob nevoeiro, perto do marulho do mar.A segunda festa, muito mais linda, foi levada a efeito no Banzão silente e umbroso.Para a terceira foi escolhido o mesmo local e é de esperar que as experiências anteriores contribuam este ano para os resultados ainda mais belos."



"Em meio do virgiliano vale de Colares existe esta quinta que conserva todo o perfume das nossas antigas casas fidalgas.
Deve grande parte do seu encanto à feliz e já rara circunstância de estar ainda na posse da nobre familia que em tempos idos a construiu e que é hoje representada pela sr.ª D. Maria José Dick Bandeira Nobre, actual proprietária da Quinta do Vinagre onde sempre residiu.
São de aspecto senhorial o portão de entrada e o grande pátio assombreado por seculares plátanos que todos os anos pelo Outono, enchem o chão e recobrem o tanque dos leões com a mancha doiradas das suas folhas perdidas. Algumas salas ainda agora iluminadas pela frágil graça de antigos lustres de Veneza que pendem de tectos lindamente desenhados no puro estilo rococó. Animada foi outrora esta quinta, principalmente no séc.XVIII, quando a sociedade galante da côrte - e não raro a própria Magestade - aqui vinham em alegre divertimento pelas tarde de estio para gozar a beleza bucólica destas paragens."

Revista "Ilustração" nº70 de 16 de Novembro de 1928

 
Posts relacionados:
--O Preventório de Colares-pressionar

Os portões da Quinta do Vinagre


PortaoVinagreBlog20130905

Como curiosidade sobre Colares, publicamos neste post, uma referência  sobre  o portão da estrada principal da Quinta do Vinagre em Colares, ladeado por duas pilastras em pedra. O portão foi construido precisamente há 45 anos, quando da famosa festa dada pelo casal Schumberger (04/09/1968), para permitir um melhor acesso  aos convidados, entre eles a  nata da alta sociedade mundial.
 O  acesso ao portão principal   da  quinta é feito por uma pequena estrada mais recuada.
 O outro portão da Quinta do Vinagre

 *Foto retirada do blog Estupefacto.

http://riodasmacas.blogspot.pt/2017/07/a-festa-da-quinta-do-vinagre-em-1968.html


quintavinagreportao Dados históricos sobre a Quinta do Vinagre:
-

 *Post relacionado sobre São Shumberger-aqui
 
  


segunda-feira, maio 14, 2018

Noite dos Museus no Museu do Ar em Sintra

A Noite dos Museus no Museu do Ar.
Actividade Aérea com os Epsilons da Esquadra 101 "Roncos" e com os F-16 que pertencem à Base Aérea 5 em Monte Real.
Sorteio de 10 lugares para batismos de voo, zona de Gaming com a recriação do Circuito da Granja do Marquês entre muitas outras atividades.

domingo, maio 13, 2018

Estado da Arte

Hotel Vila Galé, inaugurado hoje em Janas (foto em 13/05/2018)
Jornal Público de 13 de Maio de 2018 e Jornal Expresso de 5 de Maio de 2018

Transformar Sintra num  enorme resort turístico?

"Fernando Seara deferiu o processo  (hotel da Gandarinha) em 10 de Janeiro de 2011"
Expresso


Sobre  o hotel da Gandarinha: "Ninguém estaria contra fazer-se ali um hotel, pelo contrário, todos os sintrenses e os visitantes poderiam regozijar-se pela recuperação daquele sítio abandonado há tantos anos. Mas o projecto tem vindo a revelar-se uma enormidade, desfigurando irremediavelmente um caminho iconográfico do centro histórico de Sintra"cidadãos Q Sintra , no Expresso.

Vila Galé Sintra
"Este projecto da Vila Galé vem do tempo em que Edite Estrela presidia à Câmara. Já é o nosso quarto projecto em Sintra, e a certa altura até ardeu"
Expresso
-25milhões de Euros foi o investimento segundo o Expresso.

-184 unidades de alojamento integram o Vila Galé Sintra - o que, além dos 48 apartamentos T2 e T3 disponíveis para venda, também .inclui 77 quartos duplos, 44 apartamentos T0 e 15 apartamentos T1.
no Expresso

A Obra de Santa Engrácia Sintrense

Folhetim Hotel Netto -novo episódio (ver as estrelas a aumentar)

Novo episódio (2018)
Os trabalhos terão parado devido a um “desentendimento” entre o promotor e o empreiteiro. Com um novo responsável pela recuperação do hotel, a autarquia garante que as obras já recomeçaram - escreve Cristiana Faria Moreira, no jornal Público em 28/02/2018.


https://www.publico.pt/2018/02/27/local/noticia/depois-de-meses-paradas-camara-diz-que-obras-no-hotel-netto-ja-recomecaram-1804553

 Iniciou-se (?) mais um episódio da saga "Hotel Netto" e segundo descreve o PÚBLICO: "apesar da grua e dois andaimes ao que o PÚBLICO apurou, a recuperação do edifício está suspensa desde Junho" e adianta que questionada a CMS a "autarquia garante estarem a ser cumpridos os prazos legais da empreitada. Nos termos da adjudicação, em Julho de 2016, o promotor dispõe de 30 meses para concluir o hotel. Após emissão do alvará de construção ou licenciamento da operação urbanística"

http://riodasmacas.blogspot.pt/2018/03/folhetim-hotel-netto-novo-episodio-ver_2.html

sexta-feira, maio 11, 2018

Feira da Agualva com recriação histórica

De 18 a 20 de Maio, no coração da Freguesia - Largo da República, será possível viajar até ao século XVIII na Feira de Maio. Com entrada livre, tem como principal objectivo a recriação histórica de um mercado e das vivências de uma quinta de recreio na primeira metade do século XVIII.
*Foto da organização do evento

A criação da Feira de Agualva, uma das mais antigas da região saloia entre as feiras tradicionais, resultou de uma petição feita a D. João V pela Irmandade de Nossa Senhora da Consolação de Agualva. O rei acolheu favoravelmente este pedido e autorizou a realização da feira através de alvará régio datado de 22 de Setembro de 1712.


Informações: camara.oficios@mail.telepac.pt


quinta-feira, maio 10, 2018

Festival de Teatro Clássico no MASMO

16.ª Edição do Festival de Teatro de Tema Clássico
De 12 a 18 de Maio de 2018

É na grande praça central do Museu, a Ágora – local de eleição do Mundo Antigo –, que se levam a cena quatro espectáculos: duas comédias; uma tragédia; e um bailado de dança grega antiga. Nesta edição, serão ainda realizados dois workshops de temática clássica.
(texto MASMO)

terça-feira, maio 08, 2018

O novo passadiço da Praia do Magoito

A Praia do Magoito ganhou um novo passadiço em madeira. Construído ao lado da rampa existente, de forma a afastar a circulação de pessoas, dos perigos de queda de partes da  extraordinária duna fóssil - classificada como geomonumento.
Além da estabilização da arriba a norte, o passadiço de madeira, importou segundo a CMS, num investimento de 664 mil Euros.
O acesso mais antigo, que também terá sido recuperado.

segunda-feira, maio 07, 2018

A saúde das nossas Abelhas

Abelhas (mais) a salvo

(transcrição parcial de artigo da revista Visão de 3 de Maio de 2018)

União Europeia proíbe uso de pesticidas considerados prejudiciais à polinização

As abelhas ajudam a polinizar 90% das principais culturas agrícolas do mundo - mas nos últuimos anos têm vindo a desaparecer- Os culpados apontam há que tempos os ambientalistas, são três substâncias conhecidas como neonicotinoides: imidaclopride, clotianidina e tiametoxam. Ao contrário dos pesticidas de contacto, que permanecem na superficie da folhagem, os neonicotinoides são absorvidos pela planta na fase da semente e transportados para as folhas, flores, raízes e caule. O seu uso na União Europeia já tinha sido restringido em 2013, mas Bruxelas encomendou um relatório mais abrangente sobre os seus efeitos. O uso daquelas substâncias será apenas permitido em estufas locais em que os insectos não estão expostos aos malefícios. (...)

Agora, espera-se que a medida entre em vigor até ao fim do ano.

Revista Visão
*Fotos de ontem mesmo no Mucifal/Colares

domingo, maio 06, 2018

Referências Sintrenses

O primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, fez na sexta-feira um discurso com rasgados elogios à comunidade portuguesa no Canadá e lembrou com emoção os seus tempos de jovem campista na Praia da Adraga, Sintra, com vinho tinto e chouriço assado.

Justin Trudeau
De uma notícia do Correio da Manhã: 

 Justin Trudeau fez um discurso informal na abertura do almoço que ofereceu ao primeiro-ministro, António Costa, que completa em Toronto o terceiro de quatro dias de visita oficial ao Canadá. "Há 20 anos fui um dos muitos jovens canadianos que fez férias em Portugal, acampando e viajando pelo país. Mas tenho de admitir: Não se vive até se acampar em Portugal", afirmou, surpreendendo com estas palavras boa parte dos seus convidados presentes no almoço oficial. O primeiro-ministro canadiano referiu-se depois a uma "noite especial" que passou há duas décadas junto às falésias da Praia da Adraga, no concelho de Sintra. "Esqueçam as batatas fritas ou o strogonof. A nossa ementa nessa noite foi chouriço assado, um excelente pão e um dos melhores vinhos tintos que provei durante as minhas férias de campismo", contou.

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/mundo/detalhe/primeiro-ministro-do-canada-recorda-campismo-em-sintra-com-vinho-tinto-e-chourico-assado?utm_medium=Social


Imagens  de Sintra do genérico da telenovela da SIC

Imagem SIC

Uma telenovela em exibição na SIC, (Vidas Opostas), utiliza imagens de vários locais de Sintra, além do próprio genérico.