sexta-feira, abril 18, 2008

Comandante dos Bombeiros Voluntários de Sintra critíca a intervenção politica no trabalho dos bombeiros


Imagens do incêndio de Agosto de 2007, em Janas

De uma entrevista ao "Alvor de Sintra" do Comandante do B.V.S. transcrevemos:

«Os bombeiros que combateram em Agosto o incêndio responsável pela devastação de mais de 200 hectares de floresta no concelho de Sintra poderiam ter evitado parte dos danos com menor intervenção política nas operações, considera Manuel Beja, comandante dos Bombeiros Voluntários de Sintra. Ao Alvor de Sintra, o comandante admite que “quando chegam certas entidades comando sai das mãos de quem coordena os meios o teatro de operações e é difícil fazer um bom trabalho”.»

O "Alvor de Sintra", iniciou ontem a publicação de uma entrevista com Manuel Beja, Comandante dos Bombeiros Voluntários de Sintra onde tece fortes criticas, à coordenação do ataque ao incêndio que no mês de Agosto de 2007 “ reduziu a cinzas várias manchas verdes em Pernigem, Janas, Nafarros, Várzea de Sintra e Carrascal, as máquinas de rastos “deveriam ter dado entrada nas áreas mais críticas, mas foram para outros locais, explica Manuel Beja ao "Alvor de Sintra". O resultado foi a retirada forçada de veículos de combate a incêndios e homens, ameaçados pelas chamas, com falta de água e sem as máquinas para desbravar a área florestal mais próxima. “Foi mais uma parte que ardeu e deixou os bombeiros malvistos”.


O Comandante dos Bombeiros Voluntários de Sintra, afirma que está de acordo com “a limpeza de “espécies invasoras” como a acácia ou o pitósporo, em curso até ao início do ano nos parques florestais de Sintra. Manuel Beja considera que “toda a matéria combustível que possamos eliminar pode fazer parte de uma estratégia de prevenção”.


Mas também está preocupado com as florestas que se encontram fora da área protegida . “Os sapadores limpam as florestas, mas esse já é um trabalho complicado se pensarmos no caso dos cidadãos particulares, que por vezes não têm capacidade para o fazer, nas matas que possuem”.Criticando a " burocracia que complica tudo."

Texto integral do "Alvor de Sintra"-aqui

5 comentários:

Kijar disse...

See Please Here

viajante disse...

Vai ser dificil recuperar tudo o que perdi mas voltarei com mais assiduidade.
Ainda sobre a Quinta dos Lagos: é verdade que foi partida ao meio com a construção da estrada?
Do outro lado começaram uma urbanização que felizmente, para quem lá mora, ficou no inicio.
Um abraço.

Alcina disse...

Gostei de visitar o seu blogue e até aproveitei informação sobre a Pena!
Obrigada!Voltarei!

pedro macieira disse...

Viajante,
Vou em breve voltar ao tema da Quinta dos Lagos,, porque a história daquela propriedade, é muito curiosa, assim como da familia Formigal de Morais.Quanto ao ter sido dividida, não tenho nenhuma informação.
Um abraço

pedro macieira disse...

Alcina,
Agradeço a visita e as simpáticas palavras.
Um abraço