quinta-feira, abril 19, 2012

Defender as Árvores de Sintra

Dia 28 de Abril, realiza-se um Colóquio em Defesa das Árvores de Sintra, na Sociedade União Sintrense, organizado pela Alagamares.


Árvores de Sintra-Memórias recentes 

Photobucket
 Foto de um abate injustificado pela EP de um Plátano centenário em Colares Dez. 2010

De um texto de Pedro Nuno Teixeira dos Santos da "Árvores de Portugal", sobre a intervenção da "Estradas de Portugal "(EP) nas árvores de Sintra em 18 de Novembro de 2009:

"Na realidade, a EP não só não está interessada em plantar mais árvores, como está desejosa de se ver livre do património arbóreo que herdou da extinta JAE. É que, para além de não gerarem os tais lucros imediatos, estas árvores são, para a EP, uma fonte de problemas pois há sempre alguém que as quer ver cortadas ou, no mínimo, podadas. Acrescem os custos com os trabalhos de manutenção de todo este património espalhado pelas estradas do nosso país."


 http://www.arvoresdeportugal.net/2009/11/alameda-de-platanos-de-colares-em-risco/


  Photobucket Abate deTílias em S.Pedro de Sintra em Dezembro de 2010


De um comunicado da Associação de Defesa do Património de Sintra (ADPS)-sobre o Congresso Mundial da OCPM , criticando o abate de árvores em Sintra em  Novembro de 2011:

"Os conhecimentos na área da arboricultura para a conservação do arvoredo permitem hoje em dia a aplicação de técnicas para a manutenção em segurança das árvores que pela sua localização, espécie, raridade, longevidade ou monumentalidade devem ser especialmente protegidas na área classificada como Património Mundial e na sua Zona Tampão e de Transição."
528688_3616003368198_1517275690_33151941_806412978_n

4 comentários:

Fatyly disse...

Oxalá que consigam alguma coisa...mas com o Seara não acredito!

Fatyly disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
pedro macieira disse...

Fatyly,
É mais uma tentativa para sensibilizar...sobre como conviver melhor com as árvores.
Obrigado pelo aviso!
Um abraço

Anónimo disse...

Francamente, penso que poderá mexer apenas um pouco com a opinião pública depois, se o evento dada a notoriedade de alguns participantes, for noticiada na comunicação social, porque as pessoas quem têm conhecimento que ele se vai realizar são apenas as que já estão consciencializadas do problema.