quinta-feira, dezembro 26, 2013

Tribunal de Contas autoriza a aquisição pela C.M.S. do Hotel Netto





Notícia no "Diário de Notícias"

"O Tribunal de Contas (TC) declarou a conformidade da aquisição das ruínas do Hotel Netto por parte do município de Sintra, disse hoje à agência Lusa o presidente da Câmara, Basílio Horta.

O edifício do século XIX, adjacente ao Palácio Nacional no centro histórico da vila, que se encontra em ruínas e é conhecido por ter sido o local onde o escritor romancista Ferreira de Castro morou e escreveu parte da sua obra, será adquirido por 600 mil euros à cadeia de hotéis Tivoli.
A Câmara de Sintra exerceu o direito de preferência na aquisição do hotel, impedindo a intenção de aquisição da Parques de Sintra Monte da Lua, da qual é acionista.
De acordo com o presidente do município, Basílio Horta (PS), "a confirmação do Tribunal de Contas do processo de aquisição do Hotel Netto vai permitir à Câmara de Sintra adquirir este edifício degradado que se encontra no centro histórico da vila, e assim iniciar mais uma etapa de requalificação de um dos pontos turísticos mais visitados no país".
"A aquisição do Hotel Netto revela que a Câmara Municipal vai assumir as suas responsabilidades na requalificação do centro histórico da vila de Sintra e em todo o concelho", disse o autarca à agência Lusa.
Basílio Horta acrescentou que o município pretende instalar um hostel naquele edifício.
A Câmara e a Assembleia Municipal aprovaram a aquisição do imóvel.
A declaração de conformidade é o ato em que se consubstancia juridicamente a fiscalização prévia do Tribunal de Contas, inserida nos seus poderes de controlo financeiro."

http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=3604307&seccao=Sul

 http://riodasmacas.blogspot.pt/2013/11/o-estranho-caso-do-hotel-netto.html

2 comentários:

Carlos José dos Santos disse...

A Parques de Sintra Monte da Lua, não é uma empresa Municipal?
Não foi das que ficaram porque dá lucro, e está bem gerida?
Qual o ganho de ser a Câmara a ficar com esta empreitada, tendo nós tantos exemplos de má gestão do património em poder da Câmara?
Será que vai ser uma obra de Santa Ingrácia a perder-se no tempo? Entretanto o que resta do imóvel vai todo ao chão. Algo que ainda se possa aproveitar, morre!
Gostava de tudo o que disse fosse o maior erro de juízo antecipado da minha vida, e que fosse, tudo como todos os filhos da terra mais desejam, que é ver aquele hotel que tanta história tem, e eu ainda assisti, voltar a funcionar bem e com vida para alegria de todos os filhos de Sintra.

Fatyly disse...

Subscrevo o comentário de Carlos José dos Santos e inquietou-me ter sido...a Câmara?????