quinta-feira, abril 16, 2015

Memórias do Hotel Netto na Vila Velha

Copy of HotelNetto210220158blog.jpg
Hotel Netto
Jornal de Sintra  nº182 de 1 de Agosto de 1937 nº182 

"Sabíamos que a nova gerência deste acreditadíssimo hotel o transformara quási radicalmente. Assim e gostosos de apreciar os progressos da nossa terra, dirigimos nós  ali a título de tudo e de nada, mas na mira sincera de podermos ver o que era essa transformação.
Manuel Lopez Alves, dedicado amigo deste jornal com todo o prazer nos recebeu e nos levou a percorrer as dependências do acreditado hotel, que sofreu de facto, transformações quais radicais, desde a entrada até aos confins do amplo e confortável prédio, de cujos quartos todos mobilados de novo e com instalações de água quente e fria, se disfrutam paisagens de terra e mar verdadeiramente deslumbrantes.
Nesses melhoramentos andou o fino gosto do grande arquitecto, nosso amigo sr. Norte Júnior, que mais uma vez não quis deixar os seus honrosos créditos por mão alheias.
Tanto no confortável escritório, onde as coisas estão preparadas para se prestar quaisquer esclarecimentos ao turista, português ou estrangeiro, até aos amplos salões onde se serve a comida e desde estes até aos aposentos de hospedes tudo é decência e comodidade, tudo é aceio e higiene, tudo é, em suma, um hotel digno das tradições do Neto e da Vila de Sintra.
A par das dezenas e dezenas de quartos e dos chics «appartmens» de janelas rasgadas olhando a luxuriante Serra de Sintra, os prados e os vergéis, o mar e a mancha bizarra das povoações limítrofes e por aí fora até ao vetusto Convento de Mafra, tudo no Hotel Neto constitui o que se chama uma ducificante paragem do bem-estar e da saúde que muitos sanatórios portugueses invejariam.

Saímos de facto, encantados com o que nos foi dado ver e apreciar e -  perdôe-nos a gerência do Hotel Neto - não resistimos à tentação de falar e, como tal como recompensa das amabilidades com que nos cumularam, aturando-nos nessa digressão cometemos esta indiscrição jornalística que representa, sem favor uma justiça de Jornal de Sintra a quem por Sintra trabalha."

Copy of HotelNetto21022015P4jpg.jpg
O outro lado...
Copy of HotelNetto210220153blog.jpg

Notícia no "Diário de Notícias"
20 Dezembro 2013

"O Tribunal de Contas (TC) declarou a conformidade da aquisição das ruínas do Hotel Netto por parte do município de Sintra, disse hoje à agência Lusa o presidente da Câmara, Basílio Horta.

O edifício do século XIX, adjacente ao Palácio Nacional no centro histórico da vila, que se encontra em ruínas e é conhecido por ter sido o local onde o escritor romancista Ferreira de Castro morou e escreveu parte da sua obra, será adquirido por 600 mil euros à cadeia de hotéis Tivoli.
A Câmara de Sintra exerceu o direito de preferência na aquisição do hotel, impedindo a intenção de aquisição da Parques de Sintra Monte da Lua, da qual é acionista.
De acordo com o presidente do município, Basílio Horta (PS), "a confirmação do Tribunal de Contas do processo de aquisição do Hotel Netto vai permitir à Câmara de Sintra adquirir este edifício degradado que se encontra no centro histórico da vila, e assim iniciar mais uma etapa de requalificação de um dos pontos turísticos mais visitados no país".
"A aquisição do Hotel Netto revela que a Câmara Municipal vai assumir as suas responsabilidades na requalificação do centro histórico da vila de Sintra e em todo o concelho", disse o autarca à agência Lusa.
Basílio Horta acrescentou que o município pretende instalar um hostel naquele edifício.
A Câmara e a Assembleia Municipal aprovaram a aquisição do imóvel.
A declaração de conformidade é o ato em que se consubstancia juridicamente a fiscalização prévia do Tribunal de Contas, inserida nos seus poderes de controlo financeiro."
 


Tabela de preços no Guia do Viajante de 1907


Posts relacionados:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2013/11/sobre-o-hotel-netto-da-vila-velha-dxe.html
http://riodasmacas.blogspot.pt/2015/02/debate-sobre-os-20-anos-de-sintra-como.html

1 comentário:

Graça Sampaio disse...

Muito deprimentes estas imagens! Também tirei fotografias ao máximo das ruínas. Todos os dias por aí passava a caminho da Académica e ainda tinha tantos hóspedes! Ainda fomos lá a uma festa dos Diamantes... Que saudades...