terça-feira, março 29, 2016

Notas sobre o jazigo de Carvalho Monteiro

Desenho de Luigi Manini para o jazigo de Carvalho Monteiro no Cemitério dos Prazeres
CapelaCarvalhoMonteiroNanini68_00000068.jpg
Desenho enviado por Maria Clara Gomes

legenda (tradução livre):

Descrição parcial do alçado principal, corte longitudinal do edifício e decoratições dos detalhes do segundo projecto para a capela funerária da família Carvalho Monteiro, no cemitério dos Prazeres em Lisboa

Autor: Luigi Manini (1848/1936), desenhador

Identificazione: Parziale di alzato principale, spaccato longitudinale dell'edificio e dattagli decorativi del secondo progetto per la Cappella funebre della famiglia di Calvalho Monteiro, nel cimitero dei Prazeres a Lisbona
Autore: Manini Luigi (1848/ 1936), disegnatore
Cronologia: 1908
Tipologiadisegno
Materia e tecnica: China nera su carta
Misure: 500 mm x 643 mm

Crédito:
Elemento decorativo do jazigo de Carvalho Monteiro no cemitério dos Prazeres em Lisboa (foto @riodasMaçãs)

Notas sobre Carvalho Monteiro (Monteiro dos Milhões)
Nasceu na cidade do Rio de Janeiro, filho de pais portugueses.
"Carvalho Monteiro era conhecido pela imprensa da época pelo seu carácter simultaneamente altruísta e excêntrico, de que é exemplo o famoso Leroy 01o relógio mais complicado do mundo. Tendo sido encomendado pelo próprio, este tinha 24 funções e cerca de 975 peças.
Carvalho Monteiro manda também construir o seu túmulo no Cemitério dos Prazeres ao mesmo arquitecto que construiu a Quinta da Regaleira, Luigi Manini. A porta do jazigo, também ele recheado de simbologia, era aberta com a mesma chave que abria a Quinta da Regaleira] e o seu palácio em Lisboa, na Rua do Alecrim. O jazigo, localizado do lado esquerdo na alameda de quem entra no Cemitério, ocupando uma área com o lugar, o tamanho e a forma do secretário num templomaçónico, referenciando a igreja como oriente, ostenta múltipla e variada simbologia. A porta tem uma abelha gravada na aldraba, carregando uma caveira. A abelha, diligente e trabalhadora, representa o maçom no seu esforço organizado. O gradeamento, que podemos ver nas traseiras do jazigo, ostenta a simbologia do vinho e do pão, o espírito e o corpo.Corujas, símbolo de sabedoria, ornamentam o jazigo, assim como as papoilas-dormideiras que simbolizam a morte"
in Wikipédia

PrazeresCarvalhoMonteiroblog.jpg
Elemento decorativo do jazigo de Carvalho Monteiro no cemitério dos Prazeres (foto @riodasMaçãs)
http://riodasmacas.blogspot.pt/2016/03/a-ultima-morada-de-carvalho-monteiro-no.html

 "Arte tumular ou arte funerária é um termo usado para designar obras feitas para permanecerem em cima das sepulturas nos cemitérios e igrejas. É uma forma de representação que está ligada à cosmovisão de determinado contexto histórico, ideológico, social e econômico, interpretando a  vida e a morte. Essa interpretação pode ser feita através de um conjunto de símbolos ou de uma obra narrativa, utilizando-se materiais variados como o mármore, ogranito, o ferro fundido e o bronze.
A arte tumular atingiu seu apogeu nos séculos XVIII e XIX, sendo hoje menos utilizada em virtude do avanço do cemitério-jardim."
in Wikipédia
Exemplos de arte tumular no Cemitério de Montmartre/Paris
MonparnassePblog.jpg
Fotos de elementos decorativos no cemitério de Montmartre em Paris
EmileZolacemiterioMontmartre.blogjpg.jpg
Túmulo de Émile Zola em Montmartre

Sem comentários: