terça-feira, julho 12, 2016

Notas sobre o Hino Nacional (Reedição)

Photobucket

A Portuguesa

Photobucket

O hino português é um dos símbolos nacionais. O hino actual, A Portuguesa, foi composto em 1890 como canção patriótica, na sequência do Ultimato britânico (por causa da questão do "Mapa Cor de Rosa"). A início cantado por todos, depressa foi adoptado pelos republicanos, que fariam da composição de Alfredo Keil, com letra de Henrique Lopes de Mendonça, hino nacional após a implantação da República, em 5 de Outubro de 1910.

Photobucket

Notas sobre Alfredo Keil

Photobucket
Alfredo Keil e o seu médico na estrada das Azenhas do Mar

(Talvez a última fotografia conhecida de Alfredo keil mostra-o doente e debilitado, amparado por um amigo olhando uma derradeira vez o mar do cimo das falésias entre a Praia das Maçãs e as Azenhas do Mar- Francisco Pires Keil do Amaral)

Alfredo keil , foi um ilústre habitante da nossa região, o terceiro fundador do lugar de Nossa Senhora da Praia, hoje Praia das Maçãs, onde erigiu em 1890 um chalé, “Vila Guida”e uma pequena ermida. Iniciou ali naquele local, em 1893, uma manifestação de carácter religioso que se denomina “Círio de Nossa Senhora da Praia”.
Além da Praia das Maçãs Alfredo Keil autor da música da “Portuguesa”, viveu no lugar da Eugaria, no Casal da Serrana, e fez parte do círculo intelectual e mundano que se reunia em Colares ,no Eden Hotel, e na Villa Costa, com figuras de relevo como a familia Costa, Chaves Mazziotti-proprietário da Quinta Mazziotti e deputado pelo partido Progressista,o pintor Veloso Salgado , Marquesa de Val Flôr,Conde de Sabugosa, o Conde de Valenças,etc.
Alfredo Keil também costumava passar algum tempo em Ferreira de Zêzere, na antiga Estalagem dos Vales, e que segundo alguns autores, seria ali que teria composto " A Portuguesa" e não na Vila Guida na Praia das Maçãs , como também é referenciado. Autor da “Serrana”, a primeira ópera com libreto em português.
Alfredo Keil, além de compositor também deixou um vasta obra de pintura e desenhos, e foi pena que Sintra, que é ingrata para os seus amigos ter deixado fugir a oportunidade de ter aqui , o espólio de um homem que deixou tantas marcas , neste Concelho.

Créditos:
Gravura daFábrica Popular e Fotos de Alfredo Keil retirados de "Alfredo Keil em Sintra 100 anos depois" Ed. da CMS.

1 comentário:

Anónimo disse...

Graças a Deus sou monárquico!