sexta-feira, julho 10, 2009

O eléctrico do nosso descontentamento II

As "obras de recuperação" da via do eléctrico, entre a Ribeira de Sintra e a Praia das Maçãs
via4
Via do eléctrico em Colares em 9/07/2009
via
Estado da via no Banzão em 9/07/2009

Na semana em que o gabinete do Presidente da Câmara de Sintra informou o Diário de Notícias, que iriam começar as obras de recuperação da via.


Quarta-Feira, percorri o percurso do eléctrico entre Sintra e Praia das Maçãs, sem encontrar qualquer vestígio de início de obras na via.

Quinta-Feira, fotografei (talvez para uma memória futura), o (mau) estado da via entre Colares e a Praia das Maçãs.

Vamos ver se hoje, Sexta-Feira é mesmo o início das obras...

via2
Praia das Maçãs 9/07/2009
via3
A única informação que é possivel encontrar na Praia das Maçãs-foto de 9/07/2009

Os contactos efectuados tentando informações junto da CMS:
25/06/2009
"Acusamos a recepção da mensagem que nos remeteu, a qual mereceu a nossa melhor atenção. Informamos que a mesma foi registada sob o n.º 2301/2009 e que, em face do seu conteúdo foi encaminhada para o responsável pelo Eléctrico de Sintra"
Gabinete de Apoio ao Munícipe
4/07/2009
"Informo que o seu mail foi re-encaminhado para o sr. Presidente."

Continuo a aguardar que o Gabinete do Presidente da autarquia Sintrense dê resposta às minhas questões sobre o futuro do eléctrico da Praia das Maçãs.

2 comentários:

Carlos Portugal disse...

Também verifiquei o mesmo ontem, dia 9, Caro Pedro.

E também, ao fazer o percurso Pé da Serra - Capuchos - Malveira, verifiquei que recomeçaram o abate indiscriminado de árvores, especialmente junto ao cruzamento dos Capuchos. Abate indiscriminado e selvático, já que algumas árvores - cedros e pinheiros - «poupadas» à ceifa foram de tal modo danificadas que parecem ter sido atingidas por disparos de artilharia.

E os camiões carregados de grossos troncos, como de costume...

Não começam as obras de recuperação da linha do eléctrico, mas apressam-se a destruir o património florestal que é de todos nós. Se calhar, a devastação é o «novo conceito de floresta» apregoado. Decerto importado do Dubai, da Arábia Saudita, ou de outro local com conceitos «florestais» idênticos.

Enfim, uma tristeza... E um crime.

Cumprimentos.

pedro macieira disse...

Caro Carlos Portugal,
A falta de consideração pelos munícipes,é notório neste caso, pois a CMS nem se dá ao trabalho de responder aos meus pedidos de explicação sobre o futuro do eléctrico.

Quanto às obras virtuais da via, parece ser uma brincadeira de mau gosto. Espero que o "DN", exija explicações sobre isso.
Quanto ao estado da via entre a Ribeira de Sintra e a Praia das Maçãs só existe uma palavra -lamentável!
Quanto aos abates de árvores que desde 2007 estão acontecer na serra de sintra, sempre com a justificação "técnica" de combate às infestantes, estão a criar clareiras, e a descaracterizar a própria serra.

Curioso é o silêncio que estas deflorestaçõs provocam nas "forças vivas" de Sintra, e mesmo naquelas que se consideram ecologistas...
Embora um pouco cansado, estarei atento.
Um abraço