terça-feira, maio 09, 2017

Debate sobre a caça hoje na Assembleia da República

"O PAN (e Bloco de Esquerda), levam a debate no Parlamento, seis iniciativas legislativas que visam a alteração do Regime Jurídico da Caça. São três projectos de lei e três projectos de resolução que, segundo o partido revelou nesta segunda-feira, em comunicado, têm como objectivos “salvaguardar a preservação da biodiversidade, garantir a saúde pública e reforçar a protecção animal”. As medidas passam principalmente por reduzir os dias de caça, impedir a utilização de matilhas e sancionar a utilização de venenos."
 Fonte: Jornal "Público"
A rola é uma ave da mesma família dos pombos e distingue-se destes por ser mais pequena (28 cm) e de silhueta mais esbelta; em voo nota-se o batimento de asas mais irregular e a cauda negra com barra terminal branca. Outra característica notável é a existência de listras pretas e brancas no pescoço. É uma ave migradora que invernando no continente africano, vem nidificar à Europa; a sua entrada dá-se a partir do mês de Abril e chegam até ao sul da Escócia e ao norte da Alemanha. De fins de Julho a fins de Setembro, e mesmo princípios de Outubro, partem para a sua área de Inverno, na Africa tropical (Gâmbia, Senegal, norte da Nigéria, Chade, Sudão, Abissínia e Eriteia), registando-se as grandes entradas nestes países em meados de Setembro. A sua alimentação baseia-se em sementes de plantas espontâneas e de plantas de cultivo, cereais, mas também come insectos, embora em pequena percentagem.
As rolas são normalmente vistas aos pares ou em grupos que podem atingir os cinquenta elementos. São aves tímidas, mas que se fazem ouvir de forma notável no Verão, com o seu arrulho de chamamento. Os primeiros ninhos são feitos em Maio, construídos rudimentarmente com gravetos entrecruzados, em árvores várias e também em silvados, tojos e arbustos diversos. A postura e de dois ovos, raramente um; a incubação é feita por ambos os sexos e dura 13 a 14 dias.
Texto encontrado Aqui

Fotos no Mucifal/Colares -espécies alvos dos caçadores.
Biologia da Perdiz Vermelha
Classificação Taxonómica desta espécie mais conhecida como perdiz comum, pertence ao Reino animal, ao Filo Cordata, a Classe das Aves, pertencendo a Ordem dos Galliformes. A Familia dos Phasianidea é uma das sete famílias que compõem a Ordem dos Galliformes. São exemplares da família Phasianidea: os faisões, os perus e claro as perdizes. A Perdiz vermelha pertence ao Género Alectoris. Sendo o nome cientifico da espécie Alectoris Rufa. 
A diferença que existe entre macho e fêmea principalmente é no caso do macho a presença de esporão bem desenvolvido nas duas patas pois as fêmeas poderão ter presença de esporão mas apenas num tarso.
O tamanho do macho pode ser maior mais corpulento que a fêmea e o comprimento do tarso ser maior e mais grosso. 
A reprodução desta espécie de uma maneira geral inicia-se em Março onde se costuma ver as perdizes aos casais e não em bandos por serem uma espécie monogâmica, dando inicio a postura nos fins de Abril até Junho podendo alargar o prazo dependendo das condições do ano. 
A fêmea procura uma pequena depressão no meio da vegetação rasteira onde faz o ninho.
A Perdiz é uma espécie nidífuga, os perdigotos abandonam o ninho à nascença, permanecendo a ninhada junto da fêmea. 


(Notas sobre a biologia da Perdiz -retiradas daqui)

1 comentário:

pedro macieira disse...

O pós-debate:Más notícias para espécies cinergéticas: Direita (PSD/CDS) a favor da caça como está. PS:".Nim", PCP e Verdes um debate e manter as coisas como estão.PAN e BE, alteração da legislação, com moratória para o celho bravo e rolas, e proibição de caça com cães com novas matilhas.