quinta-feira, setembro 15, 2011

A efémera flor da planta Amazónica de Monserrate II

Victoria Amazónica 14092011BB
Foto das 09h30 (14/09/2011)

Ontem tivemos a sorte de acompanhar o ciclo de vida da 2ª flor da Victória Amazónica, nascida no Parque de Monserrate.
A Vitória Amazónica, sendo uma planta aquática de climas quentes, em Portugal e fora de estufa, como é o caso, o ciclo de vida da flor é encurtado para um dia - tendo de manhã durante o auge da floração, uma cor branca e na tarde desse dia(fase de polinização) cor-de-rosa, enquanto nos climas quentes, esse ciclo acontece em 48 horas.

VicioriaAmazonica14092011aa
Foto das 11h00 (14/09/2011)

VitóriaAmazónica14092011tardeFF
Fotos das 16H30 (14/09/2011)
VitóriaAmazónica14092011tardEEE

Notas sobre a Vitória Amazónica:

"A vitória-régia é uma planta aquática gigante e *rizomatosa, nativa da Amazônia. Suas folhas são circulares, enormes, podendo alcançar 2,5 metros de diâmetro, e flutuantes, com bordos elevados em até 10 cm, que revelam a página inferior espinhenta e avermelhada. Esta face inferior apresenta uma rede de grossas nervuras e compartimentos de ar responsáveis pela flutuação da folha.
(...)
As flores são lindas, grandes e perfumadas e surgem no verão, durando apenas 48 horas. No primeiro dia da floração elas se mostram brancas e no segundo dia, o da polinização, elas se tornam róseas. O besouro responsável pela polinização da Vitória-régia entra na flor no primeiro dia, após o desabrochar, que ocorre no final da tarde, e acaba prisioneiro até o dia seguinte, pois a flor se fecha durante a noite. Após a polinização a flor volta para dentro do lago, para a formação do fruto, do tipo baga, que amadurece em 6 semanas. As sementes produzidas são comestíveis e envoltas por uma espécie de esponja que permite sua flutuação."

*De um texto da autoria de Raquel Patro, publicado no site brasileiro : "Jardineiro.net"

*Nota do blogue: rizoma
s. f.
[Botânica] Espécie de haste subterrânea, quase sempre horizontal.

6 comentários:

Pedro disse...

Uma flor e uma reportagem lindas!

Carlos José Santos disse...

Não consigo ter o poder de sintese do comentador antecedente.
Tenho que comentar, esta dedicação do Pedro Macieira ao seu blogue, e a vontade de informar quem o lê, talvez por isso este Rio das Maçãs, tenha tanta freguesia certa.
É preciso ter muito amor e paciência, para fazer uma reportagem destas.

Anónimo disse...

Se P. Maceira não existisse e não partilhasse connosco todo esse seu Amor, seriamos muito mais pobres.

Anónimo disse...

Linda a flor !!!
Muito obrigada Pedro.
ereis

Anónimo disse...

Uma flor especial num blog ainda mais especial!

Bjs pai!

pedro macieira disse...

Obrigado pelas visitas e comentários.
A sorte de viver em Sintra, ajuda muito.
Abraços