quarta-feira, junho 12, 2013

Postal da Várzea de Colares com Perdizes

bloguePerdizVarzeadeColares32 Ontem na Várzea de Colares, tivemos a sorte de nos cruzarmos com uma numerosa família de perdizes, o que possibilitou as fotos que publicamos  nesta quarta-feira. BloguePerdizVarzeadeColares2BloguePerdizVarzeadeCola8 Biologia da Perdiz Vermelha
Classificação Taxonómica desta espécie mais conhecida como perdiz comum, pertence ao Reino animal, ao Filo Cordata, a Classe das Aves, pertencendo a Ordem dos Galliformes. A Familia dos Phasianidea é uma das sete famílias que compõem a Ordem dos Galliformes. São exemplares da família Phasianidea: os faisões, os perus e claro as perdizes. A Perdiz vermelha pertence ao Género Alectoris. Sendo o nome cientifico da espécie Alectoris Rufa.
A diferença que existe entre macho e fêmea principalmente é no caso do macho a presença de esporão bem desenvolvido nas duas patas pois as fêmeas poderão ter presença de esporão mas apenas num tarso.
O tamanho do macho pode ser maior mais corpulento que a fêmea e o comprimento do tarso ser maior e mais grosso.
A reprodução desta espécie de uma maneira geral inicia-se em Março onde se costuma ver as perdizes aos casais e não em bandos por serem uma espécie monogâmica, dando inicio a postura nos fins de Abril até Junho podendo alargar o prazo dependendo das condições do ano.
A fêmea procura uma pequena depressão no meio da vegetação rasteira onde faz o ninho.
A Perdiz é uma espécie nidífuga, os perdigotos abandonam o ninho à nascença, permanecendo a ninhada junto da fêmea.


(Notas sobre a biologia da Perdiz -retiradas daqui)

4 comentários:

Anónimo disse...

Perdizes eu nunca vi, Pedro. Que sorte !!! Obrigada pelas fotos.
Abraço.
emília reis

pedro macieira disse...

Emília,
Obrigado pelos comentários.Tive a sorte de as encontrar, nunca tinha reparado que por estes lado existissem.Tenho cada vez mais interesse na fauna sintrense, ainda muito diversa, e tenho tido a possibilidade de ir fotografando espécies que habitualmente só conhecia de fotos publicadas.
Abraço

Carlos José dos Santos disse...

Estas aves estão a voltar a aprecer, ou porque de todo não desapareceram da região, (antes haviam cá em numero razoável), mas depois vinha o tempo da caça que era livre, e lá se matavam grande parte delas. Agora com as restrições à caça será mais fácil dar com as espécies, e como não se sentem atacadas vão andando cada vez mais perto do homem.
Belas e oportunas fotos.
Grande abraço Pedro.

pedro macieira disse...

Caínhas,
Pode ser que a malfadada crise tenha aumentado o suficiente o custo do material para a caça,e que o o seu acesso seja agora mais dificil e assim possibilite a vida aos alvos preferidos dos que praticam este estranho hobbie - e como diz,os que gostam de sentir e observar as aves e a restante fauna em plena natureza tem agora a possibilidade de encontrar espécies que antes era como estivessem extintas em algumas regiões.
Um abraço