segunda-feira, janeiro 23, 2017

Edifício da Torre do Relógio junto ao Palácio de Queluz

Actualmente a servir de  Pousada, a Torre do Relógio, junto ao Palácio Nacional de Queluz, residência permanente da Família Real a partir de 1794. O edifício da Torre é da autoria do arquitecto e sargento-mor Manuel Caetano de Sousa e funcionava como aposentos do pessoal ao serviço no Palácio e como armazém. Construída com enorme influência do barroco e rococó dos séculos XVIII e XIX


Sobre a edificação da torre do relógio

"A edificação da torre do relógio, e do corpo rectangular que se lhe encontra adossado, remonta a uma das últimas fases de obras do Palácio de Queluz, já durante o reinado de D. Maria I, e após o casamento de D. José com D. Maria Benedita. Manuel Caetano de Sousa, a quem é atribuído o traçado desta campanha de obras, sucedeu a Mateus Vicente e a Jean Baptiste Robillion à frente das obras de Queluz, sendo da sua responsabilidade o Pavilhão D. Maria e a torre do relógio, fronteira ao palácio, com o edifício anexo destinado à guarda real, à casa da administração e às cavalariças. 
Nesta fase, as intervenções arquitectónicas em Queluz pautam-se por um maior sentido utilitário e funcional, afastando-se do espírito que caracterizou os projectos de Mateus Vicente ou Robillion. Considerado por muitos como o último representante do tardobarroco nacional, Caetano de Sousa exige hoje uma reavaliação, principalmente pelo seu gosto ecléctico que pode ser interpretado como uma tentativa de superação dos modelos arquitectónicos vigentes (FERRÃO, 1989, p. 463). 
Na torre de Queluz, o arquitecto optou por manter a linguagem rocaille, mas sem grande inovação. A torre ergue-se sobre uma base de planta quadrada, cuja fachada principal é seccionada por pilastras, definindo três planos e dois registos, separados por frisos. Ambos são abertos ao centro, por uma janela inscrita num arco abatido no primeiro registo, e por uma outra janela de frontão curvo, no segundo. As pilastras são rematadas por fogaréus. O corpo mais elevado é, também, mais estreito e em cantaria. O primeiro registo é ocupado pelo relógio, e no segundo abrem-se as sineiras, em arco de volta perfeita, com colunas nos cunhais, que terminam em fogaréus. Todo o conjunto é rematado por cúpula bolbosa, vazada por óculo. 
O edifício da guarda real desenvolve-se num único piso de planta rectangular, cuja fachada principal, seccionada por pilastras, é aberta por janelas e portas de frontão recortado, e que termina em platibanda rasgada por óculos quadrilobados. 
Este edifício acolhe, desde 1995, a Pousada D. Maria I, que integra a rede das Pousadas de Portugal. "
(Rosário Carvalho)
texto encontrado aqui:

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/70878/


*Fotos em 22 de Janeiro de 2017

1 comentário: