quinta-feira, agosto 17, 2017

A Aldeia do Penedo e a sua história


Talvez a mais tradicional aldeia de Sintra, situada estratégicamente sobre um alto esporão em plena serra . Além do casario e do património edificado, tem história, tradições e gentes- estas são de certeza os aspectos mais importantes da Aldeia do Penedo.


O Penedo que nos anos 70, já teve um Mosteiro da Igreja Ortodoxa Grega, talvez por ser um local aconselhável para meditação, tem   também no seu histórico uns festejos populares ,dos mais importantes realizados no Concelho de Sintra, conhecidos pela festas em Louvor do Divino Espírito Santo.(1)

Aldeia do Penedo 1981
 Destas festas fazia parte uma largada de um touro á corda , que posteriormente era abatido em público, junto ao fontanário, sendo a sua carne utilizada para um bodo aos pobres da região. No dia seguinte a carne era cozinhada em grande panelas de cobre. Este tipo de eventos devido á legislação actual , e também com a atitude mais sensível das populações sobre este tipo de diversões, sofreu grandes alterações incluindo obviamente a proibição da morte do touro em público .

Local onde nos anos 70, existiu o Mosteiro da Igreja Ortodoxa Grega.

*Uns anos após o 25 de Abril de 1974, com alteração de legislação, a tradição terminou, pois deixou de ser permitido o abate de animais fora dos matadouros, (via pública). Aconteceu assim um avanço civilizacional, quebrando-se a tal tradição.

http://riodasmacas.blogspot.pt/2017/08/aldeia-do-penedo-portefolio.html





(1)*Nota:
Esta festa como as várias que se realizam em Portugal, Açores,Tomar ,Alenquer por ex.tem como origem o culto do Espírito Santo instituído no séc. XIV. A devoção ao Espírito Santo foi criada pela Rainha Santa Isabel.
- Ou segundo a página pessoal de João Vasconcelos Pais
"As festas de Espírito Santo têm um componente importante de humildade e igualdade (que se pode encontrar, tão remotamente, nas saturnais romanas), próprias das ideologias milenaristas e utopistas, de novo império, retomadas por uma espécie de “filosofia nacional”, de destino privilegiado, no discurso sobre o quinto Império do Padre António Vieira e até, tão recentemente, por saudosistas como Agostinho da Silva ou António Quadros"
Fotos:PedroMacieira

Sem comentários: