quinta-feira, fevereiro 03, 2011

Oliva Guerra

Photobucket
Oliva Guerra com as suas alunas -(De uma foto encontrada aqui)

Oliva Guerra, quem é?
A Câmara Municipal de Sintra instituiu em 1992 o Prémio Literário Oliva Guerra que permeia trabalhos de poesia inéditos de autores nacionais. Este prémio homenageia Oliva Correia de Almada Meneses Guerra, nascida no Concelho, e em cuja obra como poetisa, musicóloga e cronista procurou não só contribuir para a vida cultural do concelho, mas também promovê-lo além fronteiras.
Das suas várias actividades destaca-se o seu trabalho como presidente do conselho director do Instituto de Sintra, que em conjunto com a Câmara Municipal de Sintra era responsável pela dinamização cultural do concelho, e a edição, de autor, dos livros Passos ao Longe e Roteiro Lírico de Sintra, bem como a sua actividade de cronista em jornais como o Diário de Lisboa e Diário Popular. No âmbito das suas várias actividades, conviveu com outras personalidades locais como a Condessa do Cadaval, mais conhecida como Olga Cadaval, o compositor Viana da Mota e o poeta Nunes Claro.

Oliva Guerra nasceu em Sintra em 1898, e veio a falecer em 1982.

(Texto adaptado daqui)

Photobucket
Publicado na Ilustração Portuguesa nº487 de 3 de Novembro de 1914


Photobucket
Feteira da Condessa no Parque da Pena

O poema de Oliva Guerra, na Feteira da Condessa

"PARQUE DA PENA RAMO SENHORIL
NO REGAÇO GRANÍTICO DA SERRA
EM TEU CONDÃO DE LÍRICA BELEZA
FICASTE NESTE MUNDO DE TRISTEZA
COMO UM SONHO DE AMOR PRIMAVERIL
- VERDE ESTROFE DE UM CANTO PANTEÍSTA
PARAÍSO QUE A ALMA NOS CONQUISTA
E QUE POR DOM DE DEUS DESCEU À TERRA!..."

OLIVA GUERRA -1957

3 comentários:

ASB disse...

Quem desejar conhecer um pouco mais a autora, deverá consultar o seu espólio na Biblioteca Mantero.

Obrigado pela menção e continuação do bom trabalho de divulgação do nosso património.

pedro macieira disse...

ASB,
Obrigado pelo seu comentário, e agradeço a informação que o seu blogue me forneceu, para a edição do post.
Um abraço

Fatyly disse...

Já tinha lido este último poema no Parque da Pena, mas desconhecia por completo toda esta informação. Obrigado e hei-de pesquisar mais!