domingo, janeiro 30, 2011

A Festa do 47º Aniversário dos Diamantes Negros

Photobucket
Os Diamantes Negros comemoraram o 47º Aniversário, no Sábado, na Sociedade União Sintrense, o mesmo local onde tocaram pela primeira vez em 26 de Janeiro de 1964.

Uma grande noite para matar saudades da música dos anos sessenta, e dos muitos amigos que não se encontravam há muito tempo.

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Post relacionado:
-O 47º Aniversário dos Diamantes Negros -Aqui

sábado, janeiro 29, 2011

Porque hoje é Sábado...

Photobucket
(Foto -Praia das Maçãs em 27/01/2011)

Praia
Na luz oscilam os múltiplos navios
Caminho ao longo dos oceanos frios

As ondas desenrolam os seus braços
E brancas tombam de bruços

A praia é lis e longa sob o vento
Saturada de espaços e maresia

E para trás fica o murmúrio
Das ondas enroladas como búzios.

Sophia de Mello Breyner

O espólio de Sophia de Mello Breyner Andresen encontra-se desde o dia 26 de Janeiro na Biblioteca Nacional, em Lisboa, doado pela família da escritora.

Sophia de Mello Breyner Andresen nasceu no Porto a 6 de Novembro de 1919 e morreu em Lisboa a 2 de Julho de 2004.

sexta-feira, janeiro 28, 2011

Fogos controlados no Parque Natural Sintra Cascais

Photobucket
Foto de 26/07/2010 Malveira da Serra

Em Fevereiro, a Protecção Civil de Cascais irá provocar fogos controlados na zona sul encosta da Peninha entre o convento da Peninha e Malveira da Serra - local onde a 25 de Julho de 2010 deflagrou um incêndio numa área de mato , junto à estrada nacional 247, que atingiu toda a encosta até ao mar. O incêndio colocou em risco algumas das habitações daquele local.

Justificando a necessidade desta intervenção, a Protecção Civil de Cascais, esclarece que: "todo o planeamento foi efectuado numa parceria entre o Gabinete Técnico Florestal de Cascais e as entidades pertencentes à Comissão de Defesa da Floresta do Município de Cascais, onde se inclui o ICNB/PNSC. O Plano de Fogo Controlado enquadra-se no âmbito da Defesa da Floresta Contra Incêndios do Município de Cascais com acções e metas preconizadas no referido Plano. "

Acrescentando que: " O facto do mato ser queimado, de forma controlada, no Inverno, tem como objectivo que a parcela não seja inflamável no Verão, sendo possível o controlo de um eventual incêndio por parte dos Bombeiros".

Também o Instituto da Conservação da Natureza e Biodiversidade (ICNB), em resposta a um nosso pedido de explicações para os fogos controlados na área geográfica do PNSC, enviou-nos o seguinte esclarecimento:

"Em resposta ao seu pedido de informação relativo à realização de fogo controlado pela Protecção Civil de Cascais, informo que:
- Em Novembro de 2009 foi aprovado na Comissão Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (CMDFCI) o Plano de Fogo Controlado, que contou com a avaliação e aprovação do ICNB;
- Em 2010 teve inicio a implementação deste plano, com as primeiras acções de fogo;
- Para 2011 está prevista a intervenção num conjunto de parcelas, algumas das quais localizadas na encosta da Peninha.

O Parque Natural de Sintra-Cascais está a acompanhar de perto a situação em estreita articulação com a Protecção Civil Municipal.
A execução destas parcelas dependerá, entre outros aspectos, das condições meteorológicas durante o mês de Fevereiro.
Os melhores cumprimentos
Maria de Jesus Fernandes
Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade (ICNB, I.P.)
Directora-Adjunta Departamento de Gestão de Áreas Classificadas do Litoral de Lisboa e Oeste"

Fotos do incêndio de 25 de Julho 2010 na Malveira da Serra
Photobucket

Photobucket

quinta-feira, janeiro 27, 2011

Feiras de Sintra

SPedro
Foto da Feira de S.Pedro, publicada no "Almanaque Bertrand" de 1938

Com origem secular, é actualmente considerada uma das mais características feiras do género, destaca-se pela qualidade e variedade dos produtos que abrange.


Feira de S.Pedro em 1900
feirachegada

Publicado na Revista "Brasil-Portugal" nº37 em 1 de Agosto de 1900

A tradicional feira de São Pedro é desde há muito tempo, talvez a maior feira do Concelho de Sintra. Situada no Largo D.Fernando II, remonta a sua origem ao século XII.

Neste mercado, actualmente, podemos encontrar barros saloios, latoaria, velharias ou antiguidades, todas as variedades de produtos hortícolas, pão e bolos saloios, enchidos e queijos da região, roupas e espaços para “comes e bebes”.


Feira de S. Pedro de Penaferrim (Fotos de 1900)-aqui
Periodicidade: 2º e 4º domingos de cada mês
Local: Largo D. Fernando II - S. Pedro de Penaferrim
Horário: 09h00/18h00 (Inverno) / 08h00/19h00 (Verão)

Outras Feiras

-Feira da Primavera - Mercês (Fotos de 1904)-aqui
Periodicidade: Realiza-se anualmente no mês de Abril

-Feira da Agualva- (Memórias de 1904) -aqui

quarta-feira, janeiro 26, 2011

DEDICAÇÕES

Photobucket
(Fotomontagem Blogue Rio das Maçãs)

No jornal "A Bola" de 24 de Janeiro de 2011:

"«Se houver alteração de estatutos e estes ficarem adequadas ao novo Regime Jurídico das Federações Desportivas, serei candidato à presidência da Federação Portuguesa de Futebol», disse Fernando Seara, em declarações prestadas à Benfica TV.

De resto, o clube da Luz, do qual Fernando Seara é adepto confesso, já anteriormente tinha manifestado total apoio ao actual presidente da Câmara de Sintra.

As eleições estão neste momento agendadas para 5 de Fevereiro, com uma única candidatura, liderada por Horácio Antunes, presidente da Associação de Futebol de Coimbra, oficializada."


Dedicação Total
O Presidente da CMS, Fernando Seara foi reeleito em 11 de Outubro de 2009, para a autarquia Sintrense para um mandato de 4 anos, pela coligação "Mais Sintra" PPD/PSD, CDS,PPM,MPT com o lema "Sintra merece mais. Sintra exige mais" - prometendo na propaganda eleitoral distribuida "Dedicação Total".

terça-feira, janeiro 25, 2011

Árvores de Sintra - Resposta da EP aos nossos pedidos de explicações

Photobucket
Foto dos plátanos de Colares em 21 de Dezembro de 2010 , antes da intervenção da Estradas de Portugal SA.

No dia da emissão em directo da Antena 1 sobre os Plátanos de Colares, em 18 de Janeiro de 2011, a Estradas de Portugal SA.resolveu responder aos nossos pedidos de explicações, sobre a intervenção que está a decorrer nas árvores de Sintra.

Intervenção iniciada no dia 13 de Dezembro de 2010, nos Plátanos de Colares, em frente à Adega Regional, com podas e abates de dois Plátanos centenários.


Nota-Durante a emissão nenhum dos intervenientes do directo da Antena 1 tinha conhecimento desta resposta , nem mesmo a representante da EP.

Resposta da Estradas de Portugal SA.

Assunto: intervenções em curso nas árvores do concelho de Sintra

Em resposta à vossa comunicação do passado dia 16 de Dezembro, gostaríamos de esclarecer em primeiro lugar, quais os princípios por que se pauta a actuação da ËP, ao nível da arborização rodoviária.

As intervenções na arborização existente ao longo das estradas a cargo da EP enquadram-se nas operações de conservação e manutenção das vias, que se realizam regularmente, com vista a garantir as condições de transitabilidade e segurança destas.

A identificação das necessidades de intervenção nos exemplares arbóreos é efectuada por técnicos da EP com formação adequada (Eng.º Florestais, Eng.º Agrónomos e Arq.º Paisagistas), de acordo com critérios relacionados com as características desses exemplares, da área onde se inserem e da via onde se situam.

Deste modo são tidos em conta, no que respeita às características do exemplar, as características da espécie, tais como o seu valor ecológico, a sua adequação ao local onde está implantado e a sua capacidade de resistência às agressões a que se encontra sujeito; a sua conformação e dimensão, nomeadamente, o seu valor como elemento paisagístico, o equilíbrio da copa, que determina a sua estabilidade, a ocorrência de ramos que perturbem a circulação na via ou nos espaços confinantes; o seu estado fitossanitário, nomeadamente a presença de sinais de senescência ou da presença de pragas ou doenças que possam causar danos significativos ou a ocorrência de feridas e podridões no lenho, com dimensão significativa; e a ocorrência de sinais de perturbação da estabilidade mecânica da árvore, tais como ramos e pernadas mal inseridos, bifurcações dos troncos, raízes nuas, etc.

No que respeita ao espaço envolvente, é tida em consideração a utilização desse espaço, sendo sempre dada particular atenção às áreas urbanas, onde há que garantir a segurança das pessoas que circulam sob as copas e onde, habitualmente, as árvores estão sujeitas a mais agressões ao seu sistema radicular. São também, neste âmbito, considerados factores relacionados com o interesse ecológico da presença do exemplar, tais como a vizinhança de linhas de água ou de outros locais de elevado interesse ecológico a preservar.

Por fim, são analisadas as características do troço da via em causa, tais como a presença de curvas sinuosas, a largura das bermas, o espaço disponível para a arborização, a inclinação e constituição dos taludes, o tipo e volume de tráfego, as velocidades permitidas, etc.

Da análise conjunta destes factores resulta a opção de intervir num determinado exemplar arbóreo, a determinação do tipo de intervenção mais adequado, da periodicidade da realização de intervenções ou da possibilidade de efectuar nova plantação. Por vezes, resulta a constatação da necessidade de uma análise mais aprofundada, com recurso a equipamentos específicos ou com recurso à consulta de especialistas em fitossanidade florestal.

Estas situações verificam-se, normalmente, quando se identifica a ocorrência de problemas mecânicos ou fitossanitários em exemplares arbóreos de maior valor ecológico ou paisagístico, mas há dúvidas sobre o grau de afectação, a capacidade de resistência do exemplar ou a forma mais adequada de tratamento deste.

No caso concreto da arborização do concelho de Sintra, foram identificadas, pelos técnicos da EP, cerca de 150 árvores a necessitar de poda de limpeza e manutenção, cerca de 150 a necessitar de poda de correcção e cerca de 40 árvores para abate.

O primeiro tipo de poda, limpeza e manutenção, esta consiste na remoção de ramos secos, partidos ou mal inseridos e de ramos mais baixos que afectem a -circulação de viaturas ou peões. É uma operação a efectuar com alguma regularidade em qualquer árvore de arruamento, devendo ser feita com maior
frequência em zonas urbanas, onde há circulação de pessoas sob as copas das árvores, e em árvores muito próximas da faixa de rodagem.

O segundo tipo de poda consiste na correcção da copa das árvores e só deve ser efectuado em situações excepcionais, para corrigir copas desequilibradas, para reduzir o peso dos ramos em árvores debilitadas, para reduzir a dimensão das copas em situações de constrangimentos ou para reequilibrar árvores que
sofreram a quebra de grandes ramos, incêndio, corte de raízes, etc. No caso dos alinhamentos de árvores ao longo da ER 247, entre Sintra e Colares, na EN 375, em Colares, e na EN 249, na Vila de Sintra, verificou-se a necessidade de proceder a este tipo de podas com o objectivo de reduzir o peso suportado por pernadas de grandes dimensões, que pendem sobre a via, sobre zonas de estacionamento e de circulação de peões e sobre habitações e outras construções. Efectivamente trata-se de um número muito elevado de árvores a necessitarem de uma poda que deveria ser excepcional. Contudo, considerando as características da zona, mais concretamente, o elevado número de árvores de porte grande e muito grande, implantadas em espaços exíguos, entendeu-se ser esta a melhor forma de manter estes exemplares arbóreos, garantindo a segurança de pessoas e bens.

Quanto aos exemplares identificados para abate pelos técnicos da EP, estes encontram-se numa das seguintes situações: árvores secas, árvores que apresentam sinais generalizados e inequívocos de decrepitude, árvores que apresentam cavidades nos troncos com podridões, com dimensões muito grandes (superiores a 70% do raio do tronco) e árvores que se encontram a crescer inclinadas sobre a via, apresentando sinais de instabilidade.

Para além das situações acima identificadas, foi considerada a necessidade de uma análise mais especializada a três grupos de árvores, designadamente a 17 árvores situadas em Colares, na EN 375, em frente à Adega Regional de Colares, 9 árvores situadas em Galamares, na EN247, e em 12 árvores situadas na Vila de Sintra, na Praça da República, na EN 249. Desta análise, efectuada pelo Prof. António Fabião, do Instituto Superior de Agronomia (lSA), resultou o relatório técnico disponibilizado no site da ÉP desde 7 de Dezembro, com recomendação de realização de podas de correcção na maior parte dos exemplares em causa e de substituição de alguns.

No que respeita à primeira questão colocada na vossa comunicação, sobre o motivo pelo qual não foi disponibilizado mais cedo o relatório do Prof. António Fabião, esclarece-se que este relatório foi enviado à Autoridade Florestal Nacional, em Maio de 2010, no âmbito do processo de classificação das árvores da Alameda Coronel Linhares de Lima, em Colares, para que aquela entidade, tendo conhecimento do diagnóstico efectuado, se pudesse pronunciar sobre a melhor forma de compatibilizar a preservação dos exemplares arbóreos em vias de classificação, com a segurança dos utentes da via e do espaço envolvente.

Quando a AFN, após analise daquele relatório, suspendeu o processo de classificação até à realização das acções preconizadas no relatório, a EP, ciente de que essas acções poderiam ter impacte no aspecto visual do alinhamento em causa, considerou que seria de todo o interesse concertar previamente estas acções com a AFN, assim como, com a Câmara Municipal e Parque Natural de Sintra/Cascais. Este processo terminou em meados de Outubro, com a realização de uma reunião em Colares, com as entidades referidas e com o autor do relatório, onde a AFN reafirmou que reservaria a decisão final de classificação para depois da intervenção, tendo as restantes entidades intervenientes manifestado o seu acordo às intervenções propostas.

Naturalmente, por uma questão de respeito por aquela Autoridade, enquanto decorreu o diálogo com a AFN, não se divulgou publicamente o relatório.

Este esclarecimento poderia ter sido prestado a qualquer entidade que solicitasse à EP o referido relatório. Contudo, a EP não recebeu qualquer pedido nesse sentido.

Na sessão pública de esclarecimento para informar os interessados das acções a realizar, tendo sido, nessa altura, manifestado por alguns dos participantes o interesse em conhecer o conteúdo do relatório, que, com autorização do seu autor, foi disponibilizado, no dia seguinte, no site da EP.

No que respeita à segunda questão colocada, como já se explicitou, a maior parte dos exemplares arbóreos que irão ser intervencionados foram objecto de inspecção efectuada pelos técnicos da EP, de acordo com os critérios acima enumerados, e não suscitaram dúvidas que levassem à necessidade de efectuar estudos mais aprofundados.

Quanto ao número de árvores que se pretende plantar, em substituição das abatidas, esclarece-se que foi considerada, sempre que possível, a plantação de novas árvores com vista a manter o valor paisagístico dos locais. Nalguns casos a replantação foi considerada inviável uma vez que as árvores a abater se encontram, manifestamente, em locais onde não há espaço para o seu crescimento.

A este respeito, convém referir que, embora sem efeito na reposição do elemento paisagístico, mas com efeito como compensação ambiental pelo abate de árvores em todo o país, a EP financia, anualmente, a plantação de vários hectares de floresta, que é efectuada pela Fundação Floresta Unida, em áreas públicas afectadas por incêndios florestais.

No que concerne à equipa responsável pela execução dos trabalhos, importa esclarecer que estes estão a ser realizados no âmbito do Contrato de Conservação Corrente das vias para o Distrito de Lisboa de 2010/2013, tendo sido exigido, em Caderno de Encargos, que as empresas concorrentes apresentassem um técnico de acompanhamento ambiental com formação adequada a garantir a correcta execução destes trabalhos.

No caso do Distrito de Lisboa, a empresa a quem foi adjudicada a empreitada de conservação corrente, apresentou uma Arquitecta Paisagista, com experiência e formação em arboricultura urbana, que se encontra, actualmente, a acompanhar a execução dos trabalhos.

A empresa subcontratada para a execução dos trabalhos é uma empresa especializada em serviços florestais que já realizou vários trabalhos de podas em estradas da EP, no âmbito de anteriores contratos de conservação corrente, com resultados satisfatórios.

Naturalmente, a execução destes como de quaisquer outros trabalhos de conservação das vias, são acompanhados pelos técnicos da EP.

Por fim, no que respeita à última questão colocada, julga-se que os motivos do abate de dois plátanos pertencentes ao conjunto de dezassete exemplares situados em frente à Adega Regional de Colares, se encontram devidamente esclarecidos no relatório elaborado pelo Prof. António Fabião, que refere a necessidade de se proceder a uma substituição a curto/médio prazo de alguns dos exemplares, devendo essa substituição ser gradual e iniciar-se pelos dois exemplares que apresentavam risco potencial mais imediato.

De salientar que foi com pleno conhecimento do conteúdo deste relatório que a Autoridade Florestal Nacional suspendeu o processo de classificação.

Com os melhores cumprimentos,
O Conselho de Administração

Photobucket
Foto dos Plátanos de Colares antes da intervenção da EP em 12 de Dezembro de 2010

Photobucket
Foto dos Plátanos depois da intervenção da EP em 21 de Janeiro de 2011 ( como dois dos plátanos abatidos).

segunda-feira, janeiro 24, 2011

47º Aniversário dos Diamantes Negros (Actualizado)

Diamantes 31
Estávamos em Janeiro do ano de 1964. Era presidente da * Sociedade União Sintrense José Lima Magalhães,(antigo guarda redes do Hockey Club de Sintra, Campeão do Mundo e da Europa) e é na sala da SUS que se estreia um novo conjunto musical: os DIAMANTES NEGROS.

Na sua primeira apresentação no dia 25 de Janeiro de 1964, a constituição dos DIAMANTES NEGROS era a seguinte:
Carlos José Paulo Santos (Caínhas) -Álvaro José Silvestre, Carlos Alberto Rodrigues e Carlos Henriques, (Xixó).

Em 1966, já os DIAMANTES NEGROS tocavam no famoso Baile das Camélias o “She loves You”.
Nesses anos, também no Palácio de Valenças, eram entregues os prémios do Rally das Camélias, sempre organizado pelo
***" Clube Arte e Sport", que trazia às noites de Sintra milhares de adeptos daquele desporto motorizado, onde por diversas vezes os DIAMANTES NEGROS estiveram presentes.




Nas Jukeboxes, tão frequentes na época, ouviam-se repetidamente os Beatles, os Bee Gees, Procol Harum, Manfred Man, e outros que surgiam nos “Top Ten” musicais da altura. Na Escola Industrial e Comercial de Sintra no Cacém, os DIAMANTES NEGROS abrilhantavam os bailes de finalistas.

Também nessa época eram frequentes os concursos entre os conjuntos musicais, da então música denominada YÉ-YÉ .
Em 11 de Setembro de 1965 no antigo cinema Monumental decorreu um concurso, no qual os Diamantes Negros perderam a meia final para os SHEIKS, tendo ficado em primeiro lugar os Claves.

Os DIAMANTES eram então formados por Carlos Manuel Mendes, viola-solo e vocalista, Carlos Alberto Duarte, sax tenor, Luis Manuel Cardoso, Álvaro Silvestre e Carlos José santos (Caínhas).

Em 1968, os DIAMANTES NEGROS, alcançaram enormes sucessos nomeadamente com as suas participações nas várias eliminatórias do Concurso Académico de Música Moderna que se realizou no saudoso Cinema Império, com o patrocínio do C.I.T.U, classificando-se em 2ºlugar, tendo o 1º lugar sido atribuído aos PSICO, conjunto musical do Porto.

Dia 29 de Janeiro, 47 anos depois os Diamantes Negros voltam a tocar na sala onde deram os primeiros passos… e a entrada custa apenas 3 euros, para ajudar às despesas, como limpeza da sala, licenças e decoração.

Notas adicionais:

-Em 1966 foi editado o seu único EP (Alvorada AEP 60781)

-Em 1968, os DIAMANTES NEGROS assinalaram o seu 4º aniversário com uma festa em que participaram também os Sheiks, Ekos.Snobs, Flyers e os 6 de Portugal.
-Também em 1968 venceram o II Festival da Costa do Sol
Foram os seus fundadores:
Caínhas (bateria), Álvaro Zé (guitarra), Carlinhos (Sax) , Xixó (guitarra) e Luís Manuel (baixo). Outros:Victor Ricardo (manager), Carlos Rebelo (vocalista), Júlio Ribeiro (vocalista), Henrique Max (vocalista), "Charly" (bateria), Francisco Martins (vocalista), Camena (guitarra), Tó Gândara (guitarra), Carvalho (guitarra), Augusto (teclas), Reinaldo Nunes (guitarra e voz), Jaime (baixo e voz), Freitas (trompete) e Álvaro (sax).

*
A Sociedade União Sintrense (SUS), foi fundada em 8 de Maio de 1877, sendo a colectividade mais antiga do Concelho de Sintra.
Durante o regime monárquico, esta sociedade ostentou o epíteto de 'Real'. Os seus principais obreiros foram José Simões, Joaquim Barreto, António Marçal da Silva Rosa e Domingos Santos e Silva.
A Sociedade União Sintrense tem desenvolvido, ao longo de 134 anos de existência, um trabalho de destaque no domínio do teatro, música, dança e artes plásticas.


** Actualizações do texto, com a prestimosa colaboração de Caínhas, baterista dos Diamantes Negros.
*** Corrigido " Clube 100 à Hora" para "ClubeArte e Sport"

domingo, janeiro 23, 2011

Bombeiros do Algueirão sem telefones há 24 horas

Photobucket
"Estamos sem comunicações telefónicas de rede fixa desde sábado. A Vodafone não consegue resolver o problema, não dando qualquer estimativa para a resolução, e diz apenas que está para avaliação nas próximas 24 a 48 horas", disse à Lusa o comandante dos bombeiros, Joaquim Leonardo. "

Notícia integral no "Correio da Manhã" -Aqui

A Posse Presidencial (actualizado)

Algumas páginas de um opúsculo publicado em 1976, pela Secretaria Geral da Assembleia da República, para a primeira eleição presidencial de um Portugal depois de Abril de 74.


Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Saber o número de eleitor para os cartões de cidadão- se o sistema informático permitir...

Saiba o NÚMERO DE ELEITOR e a FREGUESIA onde se encontra recenseado, através:

- do sítio da internet http://www.recenseamento.mai.gov.pt/;
- por sms (enviando para o nº 3838 a seguinte mensagem: RE nº de BI/CC data de nascimento=AAAAMMDD);
- pelo telefone 808 206 206;
- ou na Junta de Freguesia.

Resultado das Eleições Presidenciais na Freguesia de Colares -Aqui


Photobucket

sábado, janeiro 22, 2011

Porque hoje é Sábado...

Eleições Presidenciais 2011



Comissão Nacional de eleições -
Aqui

No "Tudo Sobre Sintra" - locais das Assembleias e Secções de Voto em Sintra -Aqui

sexta-feira, janeiro 21, 2011

Fim de tarde no Cabo da Roca

Photobucket

Photobucket

Photobucket

"A costa é realmente pitoresca, formada como é por arrojadas projecções entremeadas de rochedo piramidais, sucedendo-se uns aos outros em perpectivas cenográficas, coroado o mais distante de alta torre, que serve de farol (Cabo da Roca)."
William Beckford em 1787

O farol do Cabo da Roca é um dos faróis mais antigos da costa portuguesa, integrando o leque de seis que foram mandados construir por alvará pombalino, em 1758. A sua conclusão e entrada em funcionamento concretizaram-se em 1772.

*Fotos de 19/01/2011

quinta-feira, janeiro 20, 2011

Notícias do Surf

Photobucket
Foto encontrada no Surfer Today.com

João Macedo, português, fundador da Academia de Surf da Praia Grande, a viver na Califórnia – ganhou ontem o prémio da “melhor onda” no Quicksilver La Vaca Gigante, prova realizada na praia de El Bocal, em Santader, Espanha. A prova de El Bocal considerada uma das mais importantes, de ondas gigantes na Europa, e que futuramente estará integrada como prova de qualificação para o Big Wave World Tour.

Photobucket
Site da Academia de Surf da Praia Grande -aqui

Outras ondas




Depois desta onda, a resposta de João Macedo numa entrevista ao Destak:

O que sentiu ao apanhar aquela onda gigante na praia em Half Moon Bay, na Califórnia?
É uma sensação difícil de pôr em palavras. A adrenalina e concentração estão a níveis tão altos. Há tanta preparação e visualização para colocar tudo em prática naquele preciso momento em que se apanha uma onda daquele tamanho. Depois quando finalmente se consegue apanhar e descer com sucesso uma onda em Mavericks, há também uma grande sensação de alívio, de sobrevivência... de ter conseguido completar algo que é qualquer coisa de extraordinário.

terça-feira, janeiro 18, 2011

Antena 1 em Colares por causa dos Plátanos

antena1directo

A Antena 1 fez hoje às 13h30, um directo a partir da Junta de Freguesia de Colares, sobre a intervenção da Estradas de Portugal nas árvores de Sintra, passando inevitávelmente pelos abates e podas em Colares.
Estiveram presentes a Arq.ª Ana Cristina Martins, Directora do Gabinete de Ambiente da EP o Eng.º Domingos Patacho da Quercus e Rui Franco dos Santos, Presidente da Junta de Freguesia de Colares.


A emissão da Antena 1

Photobucket



Emissão de Portugal em Directo
Produção: Margarida Vaz, Isabel Moreira, Carla Pinto.
Realização: Teresa Quintela
Autoria: Teresa Quintela


A representante da EP, no debate, mencionou que em Colares só tinham sido abatidos 2 plátanos!
Após a emissão terminar, tivemos a oportunidade de corrigir o número de plátanos já abatidos em Colares, não dois mas quatro!

PLÁTANOS E PESSOAS

Photobucket
Mosaico com fotos actuais de Colares de Maria João R.

Que hábil para a CMS e para a EP e eficaz para calar os críticos teria sido usar o argumento de que este abate de árvores pretende proteger pessoas e bens da queda de troncos.
Aceitarímos isto, embora fosse uma explicação suspeita, por demasiado tardia, dado esse perigo ter sido ignorado durante décadas.

Nessas condições de respeito pela população, teríamos recebido bem a missão de profissionais com conhecimentos no tratamento de árvores.
Na mesma ordem de ideias, que gentileza pelos munícipes manifestaria a edilidade ao acabar com o plátano podre que refere o comentador aliviado.
E com outros equivalentes que ameaçam pessoas e bens!
Mas nada disso aconteceu, o que é de lamentar.

Como tantas más práticas de abate confundem os munícipes, eles têm o direito de continuar a exigir explicações sobre este caso de uma rude ignorância.
Tem-se tratado, apenas, de vandalizar sem explicações razoáveis um bem patrimonial e de uma importância reconhecida nacional e internacionalmente na paisagem de Sintra.

Porque Colares, a Várzea e o Banzão merecem que se cuide bem destas árvores e sem elas ficam descaracterizados.
Tanto como quando desaparece um simples vendedor da feira de Almoçageme.
Pode ser substituído? Sim, tal como uma árvore, mas reconhecemos a sua ausência como uma perda.
Porque as árvores e as pessoas de Portugal podem e devem ser tratadas com sabedoria, para que não se continue a chamar aos portugueses um bando de ignorantes e bárbaros.

Ou estaremos ainda na época em que todos os erros eram escamoteados, numa cultura urbana de reverência pela falsa sabedoria e pelo poder soberano?

Como refere Pedro Macieira, a quem se deve agradecer este atento e aturado trabalho no blog Rio das Maçãs, seria bom que as podas camarárias (rolagens) que continuam a acontecer em Sintra terminassem e que as podas a efectuar tivessem em conta as boas práticas de arboricultura e maior respeito pelas árvores.

A isto apenas acrescentaria: um maior respeito pelas pessoas.

Maria João R.



Photobucket
Hoje dia 18 de Janeiro às 13h30m -Directo de Colares com representantes da Quercus, da Estradas de Portugal e da autarquia (a confirmar).

segunda-feira, janeiro 17, 2011

Árvores de Sintra

Photobucket
Átrio da Igreja de S.Martinho em 14/01/2011

Comunicado da Câmara de Sintra

"A autarquia solicitou ao Instituto Superior de Agronomia a análise fitossanitária e de risco de ruptura de algumas árvores em Sintra. Na sequência dos relatórios elaborados por esta instituição e por razões de segurança de pessoas e bens, serão substituídas 25 árvores, entre Janeiro e Março. As árvores a substituir, são: 10 choupos na Avenida do MFA e Largo D. Afonso V, na Portela; 8 diversas no talude do estacionamento junto ao Departamento de Urbanismo na Portela; e 6 tílias e 1 plátano na Estrada de Chão de Meninos. Os referidos relatórios encontram-se disponíveis para consulta, nas instalações da Divisão de Espaços Verdes, na Rua da Eiras, nº 34 em Mem Martins."


Na altura em que a substituição de árvores parece ser intenção dos Serviços Camarários da CMS, seria bom que as podas camarárias (rolagens), que continuam a acontecer em Sintra, terminassem e que as podas a efectuar, tivessem em conta as boas práticas de arboricultura e maior respeito pelas árvores .

Photobucket

Dia 18 de Janeiro às 13h30m -Directo de Colares com representantes da Quercus, da Estradas de Portugal e da autarquia (a confirmar).

Fotos do tronco do 2º plátano abatido junto à igreja de S.Sebastião em Colares, pela Estradas de Portugal
Photobucket


Photobucket
Fotos de 14/01/2011

domingo, janeiro 16, 2011

Judo no Mucifal

Photobucket
Realizou-se ontem no pavilhão da União Mucifalense, o 3º torneio de judo "Memorial António Matias", prova pontuável para o Campeonato Nacional de Juniores.

A organização do evento esteve a cargo da Câmara Municipal de Sintra, em conjunto com a Associação Distrital de Judo de Lisboa, Junta de Freguesia de Colares e União Mucifalense

Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket

sábado, janeiro 15, 2011

Plátanos de Colares na Antena 1

PlátanoColares

Photobucket

Dia 18 de Janeiro às 13h30m -Directo de Colares com representantes da Quercus, da Estradas de Portugal e da autarquia (a confirmar).

Das Portugal Forum -site alemão publica Dossier dos PLátanos de Colares
Das Portugal Forum l -Aqui

Photobucket
Photobucket

sexta-feira, janeiro 14, 2011

Notícias de Colares

Photobucket
Colares 12 de Janeiro de 2011

Com a intervenção da Estradas de Portugal a decorrer em Colares, fazemos aqui um ponto da situação das várias acções em curso:


Comunicado conjunto QUERCUS,Árvores de Portugal,Liga Portuguesa da Natureza,Olho Vivo,Info Nature Portugal e Blogue Rio das Maçãs

No passado dia 13 de Dezembro, diversas Associações e cidadãos, entre os quais os signatários, alertaram para o início da intervenção em centenas de árvores no Concelho de Sintra ( em Colares, Galamares e vila de Sintra ) a desencadear pela ESTRADAS DE PORTUGAL SA, sem que se apresentassem devidamente esclarecidas as razões que a justificavam:

http://www.quercus.pt/scid/webquercus/defaultArticleViewOne.asp?categoryID=567&articleID=3378
No dia 16 de Dezembro, não tendo a ESTRADAS DE PORTUGAL esclarecido qualquer das questões colocadas no comunicado conjunto dos signatários, enviaram estes uma carta à Empresa na qual reiteraram questões formuladas e apelaram a que cessasse de imediato as intervenções já em curso nos plátanos existentes junto à Adega de Colares:
http://www.arvoresdeportugal.net/2010/12/carta-a-estradas-de-portugal-comecaram-os-abates-sem-que-haja-respostas/
No presente, foram já abatidos dois dos plátanos centenários da Alameda de Colares e drasticamente podados muitos outros exemplares, sem que se dignasse a ESTRADAS DE PORTUGAL SA responder ou, por qualquer outro meio, esclarecer publicamente as muitas duvidas que se avolumam sobre as razões e métodos da intervenção em curso – os quais foram já contestados por técnicos de arboricultura tanto nacionais como estrangeiros:
http://riodasmacas.blogspot.com/2010/12/podas-e-abates-em-colares.html
http://riodasmacas.blogspot.com/2010/12/podas-e-abates-em-colares-ii.html

Dada a postura manifestada pela ESTRADAS DE PORTUGAL SA, os signatários irão apresentar queixa junto do Ministério Público no Tribunal competente.
Lisboa, 03 de Janeiro de 2011

Ana Cristina Figueiredo / QUERCUS

Flora Silva / OLHO VIVO
Miguel Rodrigues / Árvores de Portugal
Paulo Daniel – Info Nature Portugal
Pedro Macieira – Blogue Rio das Maçãs

-Moção aprovada em 22 de Dezembro de 2010, na Assembleia Municipal de Sintra exigindo o adiamento da intervenção da E.P. - aqui

-Parecer do Centro de Ecologia Funcional da Universidade de Coimbra -aqui

- Comunicado da ADPS sobre o Risco do Património Arbóreo na zona classificada pela UNESCO -aqui
-A ADPS apresentou uma queixa à UNESCO sobre a intervenção da E.P em Sintra

Photobucket


-
Abate de árvores: o que podem os cidadãos fazer-Análise jurídica de Fernando Morais Gomes da Alagamares -aqui


quinta-feira, janeiro 13, 2011

quarta-feira, janeiro 12, 2011

Escola da Sarrazola representa Portugal em Itália

ProvasOrientação-300x224
*Foto Chão de Areia
A escola da Sarrazola/Colares, venceu as provas de orientação no passado fim de semana em Brafesmes, Coimbra, e irá representar Portugal em Itália no Campeonato Mundial de Orientação Escolar.

A equipa campeã é constituida por: Beatriz Moreira, Maria Firmino, Bárbara Louro, Mariana Soller e Catarina Reis. De destacar ainda a presença de mais dois atletas apurados pela equipa de selecção que correm pela escola de Colares, Diogo Barradas e a campeã Vera Alvarez.


Também em 2008, em Edimburgo outra equipa da Escola da Sarrazola foi brilhante - Vera Alvarez Miranda obteve o primeiro lugar, e o título de Campeã Mundial,(Medalha de Ouro), na prova escolar D2 (nascidos em 93 e 94), numa distância de 3,7Km, e o terceiro lugar por equipas (Medalha de Bronze).

Rebeca Assunção, Prof. Avelina Alvarez, Joana Macieira, Carolina Moreira, Marta Ferreira e Vera Miranda
Rebeca Assunção, Prof.Avelina Alvarez, Joana Macieira, Carolina Moreira, Marta Ferreira e Vera Alvarez Miranda. *Foto Notícias de Colares

Chão de Areia - Jornal Digital

Agrupamento de Escolas da Região de Colares -Mais informações sobre o Campeonato Mundial de Orientação Escolar -aqui

Envio de Artigos: