terça-feira, janeiro 04, 2011

Comunicado conjunto QUERCUS,Árvores de Portugal,Liga Portuguesa da Natureza,Olho Vivo,Info Nature Portugal e Blogue Rio das Maçãs (Actualizado)

Photobucket
ABATES DE ÁRVORES DE SINTRA PELA ESTRADAS DE PORTUGAL SA PROSSEGUEM SEM QUALQUER JUSTIFICAÇÃO DA EMPRESA

No passado dia 13 de Dezembro, diversas Associações e cidadãos, entre os quais os signatários, alertaram para o início da intervenção em centenas de árvores no Concelho de Sintra ( em Colares, Galamares e vila de Sintra ) a desencadear pela ESTRADAS DE PORTUGAL SA, sem que se apresentassem devidamente esclarecidas as razões que a justificavam:

http://www.quercus.pt/scid/webquercus/defaultArticleViewOne.asp?categoryID=567&articleID=3378
No dia 16 de Dezembro, não tendo a ESTRADAS DE PORTUGAL esclarecido qualquer das questões colocadas no comunicado conjunto dos signatários, enviaram estes uma carta à Empresa na qual reiteraram questões formuladas e apelaram a que cessasse de imediato as intervenções já em curso nos plátanos existentes junto à Adega de Colares:
http://www.arvoresdeportugal.net/2010/12/carta-a-estradas-de-portugal-comecaram-os-abates-sem-que-haja-respostas/
No presente, foram já abatidos dois dos plátanos centenários da Alameda de Colares e drasticamente podados muitos outros exemplares, sem que se dignasse a ESTRADAS DE PORTUGAL SA responder ou, por qualquer outro meio, esclarecer publicamente as muitas duvidas que se avolumam sobre as razões e métodos da intervenção em curso – os quais foram já contestados por técnicos de arboricultura tanto nacionais como estrangeiros:
http://riodasmacas.blogspot.com/2010/12/podas-e-abates-em-colares.html
http://riodasmacas.blogspot.com/2010/12/podas-e-abates-em-colares-ii.html

Dada a postura manifestada pela ESTRADAS DE PORTUGAL SA, os signatários irão apresentar queixa junto do Ministério Público no Tribunal competente.
Lisboa, 03 de Janeiro de 2011

Ana Cristina Figueiredo / QUERCUS –

Flora Silva / OLHO VIVO -
Miguel Rodrigues / Árvores de Portugal –
Paulo Daniel – Info Nature Portugal -
Pedro Macieira – Blogue Rio das Maçãs-

Actualização (13H29m)

Resposta de hoje (04/01/2011)da Estradas de Portugal ao comunicado conjunto

Publicado no Jornal DESTAK

Sintra
Estradas de Portugal justifica intervenção em plátanos de Colares por razões de segurança
04 | 01 | 2011 12.54H
A Estradas de Portugal reiterou hoje que a intervenção contestada por associações ambientalistas de abate de 41 plátanos e poda de 300 em Colares, Sintra, tem em vista garantir condições de transitabilidade e segurança de pessoas e bens.
Destak/Lusa | destak@destak.pt

A Quercus, a Liga Portuguesa da Natureza e a Associação Árvores de Portugal anunciaram na segunda-feira que vão apresentar queixa ao Ministério Público contra a empresa Estradas de Portugal (EP) devido ao abate e poda de árvores em Colares.
As associações ambientalistas acusam a empresa de não ter interrompido a intervenção iniciada a 13 de Dezembro, depois de terem surgido dúvidas sobre as razões e os métodos da intervenção em curso, após a publicação de um estudo técnico “circunscrito em relação à dimensão da intervenção”.
Em resposta à agência Lusa, a EP explica que as intervenções na arborização existente ao longo das estradas a cargo da empresa no concelho de Sintra se enquadram nas “operações de conservação e manutenção das vias” com vista a garantir “todas as condições de transitabilidade e segurança de pessoas e bens que nela transitem”.
Quanto aos exemplares identificados para abate, a empresa justifica que alguns deles se encontram secos, outros apresentam sinais generalizados e inequívocos de decrepitude ou cavidades nos troncos com podridões, alguns com dimensões muito grandes (superiores a 70 por cento do raio do tronco), ou a crescer inclinados sobre as vias, apresentando sinais de instabilidade.
A EP justifica que 150 árvores necessitam de poda de limpeza e manutenção – com remoção de ramos secos, partidos ou mal inseridos e de pequenos ramos mais baixos que afetem a circulação de viaturas ou peões - enquanto que outras 150 necessitam de poda de correção ao nível das copas, para reduzir o peso dos ramos em árvores debilitadas.
A Estradas de Portugal anunciou, a 6 de dezembro, numa sessão pública de esclarecimentos em Colares, o abate de 41 plátanos e a poda de 300 nesta freguesia, tendo apresentado um estudo técnico que justiçava que algumas destas árvores estão doentes e apresentam problemas de segurança.
A 13 de dezembro as associações solicitaram a justificação para abate de 41 árvores, entre as quais sete de grande porte, e o motivo porque apenas metade desse número será substituído.
No comunicado enviado à agência Lusa, a EP explica que em “alguns casos a replantação é considerada inviável uma vez que as árvores a abater se encontram, manifestamente, em locais onde não há espaço para o seu crescimento”.


2 comentários:

Fatyly disse...

Uma guerra incrível e a bestialidade da EP vai levar a sua avante.

Hoje passei e as máquinas estão paradas e acalentei a esperança que tinham suspendido para conversarem de novo e aguardarem ou fazem novos exames aos "centenários" e fiquei fula com esta notícia que já tinha lido de manhã.

O Seara anda mesmo distraído com a porcaria do futebol...e não ouvi nem li nada sobre o assunto!

pedro macieira disse...

Fatyly,
A resposta da EP, não altera nada da situação. A Associação de Defesa do Património (ADPS), vai enviar uma queixa à UNESCO.
A empresa "RapaMato" continua em Colares, existem árvores marcadas com um"P" junto ao antigo Hotel EDEN - e o 3º plátano marcado para abate (X), tem uma nova marcação, que parece ser (F)...
Vamos estar atentos aos próximos dias.
Quanto à CMS, como não é "dona" das estradas nacionais, mantém-se em silêncio...como é hábito, pois as questões ambientais não é um assunto que a preocupe.
Um abraço