quinta-feira, janeiro 17, 2013

Podas Sintrenses

Photobucket
 Dezembro é sempre o mês  em Sintra, que os amigos das árvores temem pelos resultados dos abates e podas camarárias, com as suas " tradicionais"  rolagens,  que  danificam e provocam  debilidades e doenças  nas árvores, que mais tarde “obrigam” aos abates - que infelizmente acontecem por Sintra todos os anos.

Uma parte dos abates acontecidos no  último ano, as  árvores “debilitadas”, foram rápidamente substituídas por pedra de calçada.

Um aviso da CMS  alerta-nos para o que vem aí:

A Câmara Municipal de Sintra vai dar início aos trabalhos conducentes à substituição de árvores que se encontram em deficientes condições fisiológicas e estruturais para permanecerem em locais públicos.
Estas árvores, foram objecto de aturados estudos efectuados pelo Instituto Superior de Agronomia, dos quais resultou relatórios com a recomendação de que são árvores que constituem elevado perigo para a segurança de pessoas e bens.
As árvores a substituir estão implantadas nos seguintes locais:
Estrada de Chão de Meninos
Rua Vasco Vidal
Largo Afonso de Albuquerque
Rua D. João de Castro
Rua José Estevão Morais Sarmento
Os relatórios do Instituto Superior de Agronomia que recomendam a substituição das árvores, encontram-se disponíveis para consulta nas instalações da Divisão de Espaços Verdes com sede na Rua das Eiras, 34 em Mem Martins.



*Na foto um criminoso abate de um centenário em Colares, em Dezembro de 2010,  com  a supervisão técnica do ISA – o mesmo   Instituto Superior de Agronomia, que fez o  relatório  este ano, que  encontrou   "árvores em deficientes condições fisiológicas e estruturais para permanecerem em locais públicos” que agora vai ser posto em prática em Sintra.

Post relacionado no Blogue Reino de Klingsor -"A poda de árvores de volta a Sintra" -aqui

Posts publicados no Rio das Maçãs sobre as Árvores de Sintra -aqui

1 comentário:

Carlos Portugal disse...

Caro Amigo Pedro Macieira:
Começou um abate maciço de árvores (cedros, à mistura com acácias) na zona das Pedras Irmãs, na estrada da Peninha. São às centenas, amontoadas junto ao cruzamento com a florestal que vai dar ao Monge e ao Alto da Memória, com camiões enormes carregados (vi 4, articulados), no cruzamento junto ao parque das merendas das Pedras Irmãs. O carregamento é tal que, no início da estrada da Peninha, poucas centenas de metros acima do cruzamento da Azóia/Cabo da Roca, o piso de alcatrão abateu sob os rodados, em extensões e profundidades assinaláveis...
Mais logo, conto enviar-lhe fotografias disto, pois estes energúmenos estão «com o freio nos dentes»...
Grande abraço.