quinta-feira, agosto 25, 2011

Apelo da Liga para a Protecção da Natureza (LPN)

Patos2011final

A Liga para a Protecção da Natureza (LPN) lançou um apelo para não se caçar durante a segunda quinzena de Agosto porque patos, galinhas-de-água, rolas-bravas e outras aves ainda estão em época de criação.

Ler o texto do apelo da LPN: aqui


rolafinal

Até o melro esteve em risco de ser alvo das miras dos caçadores
O secretário de Estado das Florestas, Daniel Campelo, anunciou que "o melro foi retirado da lista das espécies a caçar, uma medida defendida pela LPN e pela Spea (Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves). Mas ainda há outras espécies em situações que requerem intervenção, como a rola-brava. Domingos Leitão, da Spea, disse recentemente ao PÚBLICO que esta ave está em regressão na Europa e que "poderá desaparecer se não se fizer nada". O especialista defende que se deveria implementar uma "moratória durante três ou quatro anos para estudar o que se passa. O seu caso mostra como é possível fazer desaparecer uma espécie, que já foi abundante, com a caça".
(in jornal Público online)
melrof
Créditos:
Jornal Público online 12/08/2011

6 comentários:

pedro macieira disse...

" Federação de caçadores concorda com apelo da LPN para reduzir prática até final do mês

A Federação Portuguesa de Caçadores concorda com o apelo da Liga Protecção da Natureza (LPN) para que não sejam caçadas algumas espécies cinegéticas até ao final do mês, mas acha que este devia ter sido feito mais cedo.
Em declarações à agência Lusa, Hélder Ramos disse concordar com o apelo da LPN para que os caçadores prescindam do seu direito de caça a "todos os patos, galinha-d'água, galeirão, rola-brava, pombos, gralha-preta e pega-rabuda", mas considera que este pedido deveria ter sido feito em finais de Julho ou início de Agosto.
"Infelizmente este apelo é feito muito em cima da hora, porque muitos caçadores já têm tudo tratado. Contudo, respeito a posição da LPN porque julgo que se deve ter baseado em algum parecer técnico", disse."
http://www.agroportal.pt/x/agronoticias/2011/08/13a.htm

Pena que que a suspensão de actividade dos caçadores seja só até ao fim do mês.

Anónimo disse...

Também estou de acordo consigo, Pedro, no que escreveu no último parágrafo do seu comentário.

Mas, porque falou nos melros, ocorreu-me perguntar-lhe o que aconteceu aquele que caiu do ninho e que fotografou e publicou há tempos. É que me disseram, que, nestes casos, os pais, vendo o filho preso na gaiola o matam dando-lhe a comer, possivelmente, algumas bagas que, sabem ser venenosas.
Será verdade?
emília reis

Dona Sra. Urtigão disse...

Fico chocada que ainda se cace. Sei, por aqui tambem, mesmo sendo proibido e passivel de " quatro anos de detenção"

Fatyly disse...

Subscrevo inteiramente e por mim a caça acabava e acredita que fico feliz quando, o feitiço se vira contra o feiticeiro e o homem é que é caçado. Apre, que idiotice!

pedro macieira disse...

Emilia,
Relativamente ao melro que estava a ser alimentado pela mãe , quando estava numa gaiola - fiquei sem saber com terá terminado aquela situação, porque no dia seguinte a gaiola estava vazia...e não fiz nenhuma pergunta sobre o melro, com algum medo da resposta.
O que me conta sobre a atitude dos pais melros, é arrepiante, mas será talvez uma forma de evitar sofrimentos aos filhotes - pois a privação de liberdade os leva a uma morte certa.

Um abraço

pedro macieira disse...

Dona Sra. Urtigão, Fatyly,
Obrigado pelos comentários. Também não suporto o acto de caçar por "desporto" - O homem é o principal inimigo da natureza, não consigo entender o prazer de matar seres vivos (existem produtores que criam animais para fornecer as coutadas,com o objectivo de serem mortos "numa tarde bem passada" por grupos de caçadores... já não falando dos cães utilizados na caça que muitas vezes nem voltam a casa.
Uma actividade que deveria ser totalmente proibida.

Abraços