terça-feira, março 28, 2017

Baile das Camélias 2017

A Sociedade União Sintrense voltou a vestir-se a rigor para receber a 76ª edição do tradicional Baile das Camélias, que se realizou no dia 25 de março, ao som da banda Vice-Versa.




. A tradição da noite das Camélias remonta a 19 de Março de 1941, quando um grupo de sintrenses decidiu organizar esta festa. Na época havia grande rivalidade entre os jardineiros das quintas, e a noite das camélias era preparada pelos trabalhadores das quintas existentes em Sintra que queriam exibir as flores mais bonitas. Por isso e após a festa, decorria o baile dos jardineiros.


Fotos em 25/03/2017
Fotos em 25/03/2017
Fotos em 25/03/2017

1 comentário:

Carlos José dos Santos disse...

Caro Pedro, sinto um certo conforto por ver, que o Baile das Camélias, está a rejuvenescer, embora as condições hoje sejam diferentes, não há receita de porta, os Impostos e licenças, são tão elevados que nem vale a pena, e, mais vale abrir as portas e não cobrar nada, sujeitando-se a uma dádiva caridosa. Não paga o trabalho de directores e colaboradores, luz, limpeza de sala, e músicos.
Por outro lado um septuagenário como eu, que viveu a SUS, desde a barriga da mãe, aquela casa foi durante muitas décadas, a minha segunda casa. Sem enumerar outros temas e focando-me apenas no tema Noite das Camélias, vivi ali noites inolvidáveis, todas na década de sessenta, tanto nos cartazes de artistas apresentados, como nas verdadeiras obras de arte que se tornava a decoração do salão e não só, tudo era decorado com camélias até ao andar de baixo, onde era o bar. Hoje não deixariam realizar uma festa com tanta gente naquele espaço, alegando, e com razão falta de segurança. Se caísse uma camélia do tecto não chegava ao chão porque a gente era tanta que não cabia mais um alfinete.
Esta persistência da actual direcção na pessoa do Presidente Fernando Pereira, tem dado frutos, e paulatinamente tem vindo a ter o devido retorno com a presença de cada vez mais presenças, embora sejam saudosistas de outros tempos, ou pessoas que vêm porque sabem que é algo com muita tradição e onde há elegância, e diferença para melhor, desses bailes que por aí existem.