quarta-feira, março 01, 2017

O segredo do último ferreiro do Mucifal

Fernando Domingos Carioca foi o último ferreiro do Mucifal, associando ao seu oficio, uma capacidade para improvisar versos. Começou a trabalhar aos nove anos, em Almoçageme a olhar pelas ovelhas.O patrão Joaquim Valentim dos Santos, era ferreiro e iniciou Fernando Carioca no ofício.Mais tarde já casado , instalou-se por conta própria, que na época havia trabalho que sobrava para vários ferreiros.Em entrevista dada ao Diário de Noticias em 1992, nessa altura já com 82 anos, escrevia Oscar Mascarenhas traçando um retrato com uma prosa também ela muito rica:

«Traz engatilhado, na memória 40 versos de pé-mais-que-quebrado que há-de recitar, inteirinhos , cantaroladamente, com o indicador e anelar meio estendidos a marcarem o compasso, antes de responder à pergunta de apresentação “O senhor é o ferreiro?” lá começou ele: “Por usar fato de ganga e boné/Todos olham para mim com certo desdenho/Mas o fato de ganga ainda é/Para quem o enverga bem”A gente entreolhou-se e ele foi seguindo a recitação: “...sou ferreiro, malho ferro/Mora à borda do rio/Não há coisa que mais custe/ Que malhar o ferro frio”.»
Era aqui que Fernando Carioca , tinha a sua oficina , no Mucifaln neste espaço, ja demolido(Foto:Pedro Macieira)


«È uma oficina pequena, onde a dimensão do fole domina o compartimento.O chão se não é de terra batida, está pelo menos, recoberto de poeiras e limalhas acamadas pelos anos
A fornalha é pouco maior do que uma lareira, mas ao sopro do fole, é ai que a caruma seca pega fogo vivo ao carvão mineral.»
e era ele que recitava : “Ainda bem não amanhecer/A forja mando acender/ Somente para fazer/ as obras que me aparecem”... escreveu Oscar Mascarenhas.

O segredo de Fernando Carioca
Relata o D.N. « tem orgulho na rijeza do ferro que sai das suas mãos.Pegou num dos dentes de um sachão e zurziu o outro num lancil, fazendo saltar lascas da pedra, exibindo a ferida branca que o metal acabou por produzir na rocha: Vê? Isto é o que o meu tempero consegue fazer. O ferro fica rijo e não parte.
Voltou-se para a forja e veio de lá com dois objectos nas mãos uma lima grossa e ..., um pedaço de corno de carneiro.” meu tempero é este.” afiançou, sorrindo, já habituado ao espanto dos seus interlocutores. “Até esteve cá um mexicano que me disse.” Ah você tempera com óleo de corno ...”
A fornalha já estava acesa, o escopro ficou ao rubro em pouco tempo.Fernando Carioca trouxe, preso por uma tenaz, para a bigorna, martelou-o fortemente até o afiar a contento da vista e, já com o ferro enegrecido, passou-lhe demorada e fortemente com a base do corno de carneiro.logo fumegou um cheiro característico... a corno queimado.repetiu a operação no outro gume do escopro. E explica que “ o melhor é o corno de carneiro negro que deita mais óleo.” O óleo é tão- sómente o próprio corno derretido pelo calor.»

Aqui fica uma singela homenagem a um homem que durante muitos anos ajudou muita gente do Mucifal e seus arredores com a sua arte , para os pedidos mais variados desde fabrico de ferramentas para a lavoura até afiar canivetes.E que está presente ainda hoje na memória do Mucifal.



Fontes: Entrevista e foto de Marco Borga ,aut. Oscar Mascarenhas D.N. 9 de Agosto 1992
Entrevistas no local

Sem comentários: