quarta-feira, outubro 21, 2009

Fonte da Pipa

Photobucket
 (Actualizado)

A Fonte da Pipa, na Vila Velha de Sintra , segundo refere José Alfredo da Costa Azevedo " foi sempre abastecida por mina própria que lhe fornecia água puríssima da serra.
(...)
 A água jorra de uma pequena pipa, em pedra, sobreposta por uma moldura de D.JoãoV, que envolve uma inscrição gravada na pedra.
Esta moldura é ladeada por quatro painéis de azulejos do século  XVIII."

Fonte já existente numa época muito anterior  à data inscrita na lápide da fonte (*1787), é apontada por José Alfredo da Costa Azevedo, como  a altura da "restituição"  da água ao povo do bairro do  Castelo, por razões que ele explica, com um texto recolhido  por  Francisco Costa:



"Como as propriedades adquiridas pelo Marquês de Pombal eram vizinhas  do bairro do Castelo, talvez o poderoso ministro, agora deposto (1787) tivesse estado na posse da água da serra, desviada, no todo ou em parte, do caudal pertencente à velha Fonte da Pipa, perto da qual morava em 1369, o primeiro provedor do hospital."

*Inscrição na lápide da Fonte da Pipa:

"Antiga fonte da Pipa reedificada e melhorada(...) vinte seis de Outubro de mil setecentos e oitenta e sete, pelas quais foi  a mesma senhora [ D.Maria I] servida  determinar a restituição desta fonte : sossegando o povo, e livrando da opressão que lhe causava  falta de água no bairro(...)"
 Fonte :
Obras de José Alfredo da Costa Azevedo -Bairros de Sintra

6 comentários:

Anónimo disse...

Fonta de Pipa - S. Pedro de Penaferrim ??
Outrora a Vila pertencia a S. Pedro?

LC

pedro macieira disse...

Anónimo,
Tem toda a razão. Agradeço a correcção.
Cumprimentos.

Helena Teixeira disse...

Olá Pedro!
Bonita fonte.Com muita pena minha (e grande lacuna por preencher),nao conheço Sintra e olhe que vivi 4 anos em Lisboa.Ai ai ai...

Cumprimentos
Lena

www.aldeiadaminhavida.blogspot.com

Carlos Portugal disse...

Caro Pedro:

Muito me conta. Pois olhe que parece haver agora por aí muitos «marqueses», com muito de tiranos e nada de iluminados - e ainda menos de nobre -, que andam a desviar a água de outras fontes para «empreendimentos» privados. Que falta faz cá outra D. Maria I, e um novo Reviralho!

Cumprimentos.

pedro macieira disse...

Cara Helena,
No meu blogue, tento despertar o interesse pelas coisas e história de Sintra.
Espero que a Helena coloque na sua agenda uma visita a Sintra, pois é sem dúvida um dos locais de Portugal que merece ser conhecido, pela sua história, pelo património edificado, pelo verde da sua paisagem, pela sua serra inspiradora de tantos poetas.

Espero que o Rio das Maçãs seja um estímulo para uma próxima visita.
Um abraço

pedro macieira disse...

Caro Carlos Portugal,

Do Séc.XIII, até hoje como no caso aqui descrito da Fonte da Pipa, os "desvios" de água e de outras coisas, continuaram, e por vezes a falta de reacção das vitimas por um lado, aliado a obstáculos criados por leis feitas à medida dos "marqueses" permite a criação de situações que já não deviam existir.
Um abraço