sábado, setembro 04, 2010

Porque hoje é Sábado...

Porque hoje é Sábado e porque numa agência de um banco de Colares surgiu na história da herança de Lúcio Tomé Feteira (via blogue Colares) - o motivo do post de hoje.


Photobucket

Photobucket
Jornal "SOL" online de 20-08-2010

A Família Feteira


«Lúcio o mais novo dos irmãos foi preparado para voos mais altos pelo pai, o velho Joaquim Tomé Feteira. Obrigava-o a andar descalço e a tomar banho de água fria no rio e no mar, para ficar mais rijo, à semelhança da têmpera a que submetia as limas.Ensinou-o a ler muito cedo e mandou-o para o liceu. "Dos irmãos foi o único que estudou".»
In jornal Público de Sábado 21 de Agosto de 2010

Photobucket

"Nunca nos esqueceremos da sua galharda hospitalidade, nem da organização encantadora d'essa familia d'artistas.Trabalham ele e os filhos todos na perfeição, incluindo as meninas. Trabalha também a sua esposa, tendo-a nós visto executar o «picado» de uma lima com uma certeza e rapidez admiraveis. Cada um tem estabelecido o seu ordenado e numero d'horas de trabalho e cumpre religiosamente as suas obrigações, como as outras pessoas que vão de fóra trabalhar nas suas oficinas, das quais saiem todos os anos dezenas de milhar de limas para o paiz, Brasil e Hespanha, pois que o fabrico nacional ainda não se deixou vencer pelo estranjeiro."
Publicado na Ilustração Portuguesa nº343 de 16 de Setembro de 1912

5 comentários:

Fatyly disse...

Foi de facto um grande empresário, lutador, morre milionário e como é habitual nestes casos "chorudos" onde nunca se aceita a amante(?) lá andam os herdeiros à purrada sem fazerem qualquer exame de consciência, como fui? procedi bem? valha-me deus...como conheci casos com menos dimensão em termos de dinheiros e imobiliário mas com dimensões ainda maiores por parte dos herdeiros.

Realmente o dinheiro ultrapassa tudo e todos... numa irracionalidade onde vale tudo...até tirarem a vida a quem "coloriu" a vida de Feteira!

Anónimo disse...

O que se calhar não sabem, é que há descendentes nascidos e criados em Sintra.

Caínhas disse...

Comecei a ouvir falar neste nome "Feteira" das limas, quando veio o 25 de Abril, nos tempos áureos do PREC, das greves, da ocupação das fábricas, e das reivindicações quase diárias. Estive recentemente a passar umas férias em Monte Real, e, passei pelo complexo industrial desta família.
Pergunto eu;- Está melhor assim?
Tudo partido desprezado ao abandono?
A conjuntura mundial degradou-se, nos últimos anos, e o desemprego disparou, mas nós já andamos a cavar a nossa sepultura há muito tempo.
O Feteira ficou milionário na mesma, os operários que se deixaram manipular, ficaram sem os empregos, e mais miseráveis do que até então.

Joao disse...

o Duarte Lima tem uma casa em Janas

pedro macieira disse...

Que será a casa dos "muros altos" que o jornal Independente denunciou há alguns anos?