segunda-feira, setembro 06, 2010

José Fernandes Badajoz e as Azenhas do Mar

Photobucket
O busto de José Fernandes Badajoz e o telhado da casa onde viveu no Mucifal

“Falar de José Fernandes Badajoz é falar de alguém que tem dedicado toda a sua vida em prol dos outros, trocando o êxito pela agricultura mas que é um monstro de vitalidade na cultura popular de Sintra.

José Fernandes Badajoz natural da belíssima localidade do Mucifal é detentor de uma criatividade impar. Com 13 anos de idade, cria o mais célebre dos seus temas – O Cavador, que viria arrastar multidões de norte a sul do país, tal o impacto que o tema despertou nas d´cadas de 40, 50 e 60, pelo facto dos seus versos serem de uma simplicidade extraordinária.”

Luciano Reis
O Jornal “A Pena” nº18 de 04-04-1994
Photobucket





Azenhas do Mar, no jornal Público de Domingo 5 de Setembro de 2010
Photobucket
«É o mais pitoresco "postal ilustrado" do litoral do concelho de Sintra. As Azenhas do Mar cujo topónimo se admite derivar dos moinhos de água (as Azenhas ) dos tempos de ocupação árabe que ali terão existido - possuem uma das imagens mais singulares da costa portuguesa.
(...)
A instância balnear já seria procurada pelo menos desde 1930, quando ficou pronto o troço ddo eléctrico desde a Praia das Maçãs. Os carris seriam usados durante 24 anos, menos quatro do que o longo período que o projecto (lançado em 1912) levou a ser passado do papel ao terreno.As tradicionais actividades agrícolas onde se incluía a plantação das vinhas da casta Ramisco que tornaram afamado o vinho de Colares, tem vindo a ser substituídas por moradias e urbanizações que, aos poucos, vão iludindo as normas supostamente de protecção do litoral entre Cascais e Mafra.A pesca artesanal e desportiva vai resistindo, mas cada vez mais limitada pela erosão das arribas. Como é patente no vergonhoso estado de abandono a que está votado o miradouro de onde se pode observar a imagem do casario branco"congelado" no tempo,não se sabe até quando.»

Luis Filipe Sebastião

6 comentários:

carol disse...

Lindo as Azenhas do Mar! Já não se consegue ver a piscina actualmente, pois não?
Cheguei a tomar banho lá!
Por coincidência pus hoje uma série de fotografias das Azenhas no meu blog...mas não são antigas. Que pena!

Caínhas disse...

As fotos que a minha amiga Carol fala são umas fotos minhas que eu tirei o ano passado em Maio, numa altura em que o mar trouxe imensa areia e cobriu também a piscina.
Como não mora cá pensou que a piscina já não existe, já a pus ao corrente da situação.

Caínhas disse...

Sobre o Sr. José Fernandes Badajoz, conheci-o desde muito pequenino, ainda do tempo da Orquestra Imperial de Colares, em que ele era o vocalista juntamente com um senhor que era empregado, nas então Companhias Reunidas de Gás e Electricidade "CRGE", que se chamava Recto, também era figura de proa no Teatro do Mucifal, que fez furor até ao inicio dos anos sessenta.
Tenho um episódio com este senhor, ele apanhou um violentíssimo choque numa central eléctrica, só não morreu por milagre e devido a umas botas grossas de borracha que o ajudaram a viver, fomos internados por motivos diversos no dia 30 de Agosto de 1960 no Hospital de Sintra.
Voltando ao Sr. José Fernandes ainda tive o prazer de participar em festas de homenagem à sua pessoa, e de o acompanhar com os elementos do Conjunto Avelino Gil, do qual fiz parte. Lembro-me de uma festa em sua honra nos Bombeiros Volunt. de Colares, lançou nesse dia um disco com música de sua autoria. Os outros elementos todos mais velhos que eu, e contemporâneos do sr. José Fernandes eram eles sim amigos, eu tocava, era conhecido e admirador.

pedro macieira disse...

Carol,
A questão da piscina oceânica das Azenhas do Mar, está esclarecida pelo Caínhas- de facto o ano passado a areia que o mar "devolveu" à praia foi tanto que a piscina ficou completamente soterrada.Este ano tudo voltou ao normal.
Abraço

pedro macieira disse...

Caínhas.
Muito curioso o seu conhecimento pessoal co J.F.Badajoz - assunto recorrente aqui no blogue, e a que voltarei em breve.Também as outras informações são muito interessantes, dando bem a ideia da actividade musical que havia por estes lados.
Um abraço

Caínhas disse...

O Mucifal no meu tempo de menino e moço era uma terra super dinâmica, Colares menos.
No Mucifal, havia um Grupo de Teatro muito bom, lembro-me de um senhor, parece que estou a vê-lo na Soc. União Sintrense, a representar, tinha umas suíças longas, já deve ter falecido, tinha duas filhas louras muito bonitas, uma delas a mais nova, era costureira cá em Sintra, nesse grupo também entravam o Zé Fernandes e o Recto, os outros não me lembro. Havia o Carnaval que era engraçadíssimo, quando começou a ser pago perdeu a espontaneidade e morreu. Os bailes de Verão e a Festa anual, eram de arromba. As miúdas mais giras eram do Mucifal. Só que eu andava trocado com as idades, as melhores já estavam apanhadas, e ou eram mais velhas, ou então muito mais novas, nunca me safei no Mucifal.