segunda-feira, abril 18, 2011

A visita do Presidente da República à Adega Regional de Colares em 1935

AdegaFinal


"Foi na última Quinta-feira que o sr. General Carmona a quem muito interessa todas as manifestações do trabalho nacional, visitou a Adega Regional de Colares, o mais perfeito organismo da sua especialidade entre nós, decisiva demonstração de quanto pode uma acção enérgica ao serviço de uma boa causa.

O problema de Vinho de Colares arrastava-se sem solução anos após anos, e improfícuos e baldados se tornavam todos os esforços empregues em o resolver. E forma muitas tentativas feitas, esbarrando sempre contra inexpugnáveis barreiras que inconfessáveis e ilegítimos interesses cimentavam. À frente desse movimento destacou-se o maior e mais dedicado paladino de Colares, o dr. Brandão de Vasconcelos cuja memória é venerada em toda a região, e não é exagerada a afirmativa de que à sua incansável persistência, se deve, em grande parte, a solução definitiva do problema vinícola, assente hoje em bases sólidas e seguras.

Adega2Final
(...)
Em 15 de Agosto de 1931 foi criada a Adega Regional de Colares, ponto de partida do actual organismo que tão grande e salutar influência veio exercer sobre a viticultura e vinicultura da região, que até essa altura ,marchavam numa irregularidade tal que se não fossem as providências tomadas o descrédito deste vinho arruinaria por completo a principal riqueza local.
Comerciantes pouco escrupulosos com alguns mas raras excepções serviam-se desta marca para lançarem no mercado os seus produtos sem se preocuparem com a sua qualidade, e com os legítimos interesses dos lavradores, aproveitando-se assim do rótulo de Colares que realmente representa hoje o melhor dos vinhos de mesa portugueses, sem receio de confronto com os mais afamados das regiões vinícolas dos principais países, como a Es panha, a França e a itália.

Quatro anos de existência conta pois a Adega Regional e neste prazo aliás curto, transformou-se por completo a situação angustiosa em que a região se debatia.

Aberta a inscrição voluntária de sócios acorreram no primeiro ano,83 número que ascendeu no ano seguinte a 140, a 200 em 1933, passando a 360 em Outubro de 1934, em que o actual Ministro do Comèrcio e Indústria, sr. Garcia. Ramires, promulgou o Estatuto da Região, tornando obrigatória a inscrição na Adega Regional de todos os lavradores."

Publicado na revista "Ilustração" nº233 de 1 Julho de 1935

1 comentário:

carol disse...

Muito interessante a publicação destas noticiazinhas de muito para trás dos nossos tempos. É interessantíssimo (re)saber estas coisas que já ninguém sabe.