terça-feira, novembro 09, 2010

A propósito do antigo Mercado de Cintra

Photobucket

Photobucket

Photobucket


Publicado na revista "Occidente" nº644 de 15 de Novembro de 1896

Post relacionado-aqui

8 comentários:

Caínhas disse...

Do mercado que o articulista não gosta e que se situa na rua por detrás do Paço, lembro-me muito bem, ainda dos seus tempos áureos, até ser inaugurado o da Estefânia, chegando durante muitos anos a trabalhar os dois em simultâneo, mas sempre com o da Vila a ficar em segundo lugar porque os vendedores na grande maioria, foi para onde lhes eram dadas melhores condições e mais freguesia.
Ainda me recordo de cada produtor/vendedor, os nossos saloios (não há que ter medo de chamar as coisas pelos nomes, porque não o faço com sentido prejurativo, nunca o fiz nem farei, porque eu próprio também sou e não tenho nojo da minha condição de SALOIO), virem das aldeias do concelho, montados nos seus burros, com um cesto de verga de cada lado da enxerga, com chuva ou com sol, vender o produto das suas hortas e pomares, tudo fresco e de boa qualidade. Deixavam os burros presos em argolas na parede, ou em cocheiras. Havia uma cocheira logo ao lado da Praça, a Norte da mesma, pertença do senhor Honorato Victor, era a mais próxima e como era bastante grande era a preferida.
Em Tavira, a Câmara deu vida ao antigo Mercado Municipal, fazendo um género de Centro Comercial diferente, onde a venda de quadros e gravuras da terra, estão privilegiadas, tem um café esplanada, não digo que cá em Sintra fosse igual, basta a localização da Praça de Tavira está em pleno Jardim e com vista para o Rio, o que por si só é apelativo, mas o nosso mercado antigo como está não tem préstimo nenhum.
Aqui parece que não há ideias.
Eu via ali, espaço para lançamento de músicos que estivessem a iniciar as suas carreiras, desde que devidamente apetrechado para o efeito. E o antigo espaço do Fernando Luz Costa, também aproveitado para restauração, e esplanada direccionada para a Volta do Duche.
Estas obras não dão votos, porque na Vila não mora ninguém, e a maioria dos poucos que moram lá não são da terra!...

carol disse...

Que extraordinário espírito crítico! Que artigo soberbamente bem escrito! E cheio de razão.
Mas olhe que foram muitas e muitas as vezes que fui, com a minha mãe, a esse mercado húmido e escuro fazer as compras. E, de facto, numa rua íngreme, escusa e de difícil acesso.
Enfim! Era o que havia!

Anónimo disse...

Ó Cainhas mas o mercado da Vila está transformado num óptimo Museu !
Digno de ser devidamente apreciado e divulgado.

Caínhas disse...

Não passo por lá muitas vezes, lembro-me sim senhor de ver lá escrito futuro Museu ou algo parecido, peço desculpa por ter escrito algo que ficou fora da realidade.
Uma pergunta:
-E esse museu leva a efeito algumas iniciativas?
Dá-se ao conhecimento do cidadão comum?
-Desculpem a minha ignorância, eu posso passar por lá, e ver, mas para quem não é de cá, e não mora aqui, e nos leia, digam-nos de que museu se trata sff, obrigado.

Anónimo disse...

Museu de História Natural de Sintra
http://www.cm-sintra.pt/Artigo.aspx?ID=4563
Para mim, leigo, parece-me uma excelente recuperação arquitectónica e um museu extremamente atractivo.

Anónimo disse...

Com todo o respeito pelos Vossos comentários/opiniões, direi apenas:
o estado do Mercado durante anos é que, (tal como "As Vergonhas de Sintra" actuais), não podem continuar como estão:
-Hotel Neto;
-Pensão Bristol e Casa da Avó;
-Garagem Sintra;
-Vivenda Santana;
-Sintra Cinema
e outras situações, que existem.
Agradecido pela atenção.

Caínhas disse...

Ainda não faz muito tempo que tirei umas fotos na calçada do Rio do Porto e Escadinhas do Hospital, a chamar a atenção para o estado de degradação dos prédios desta zona paredes meias com o Centro Histórico.
Também o Pedro Macieira já se tinha ocupado deste tema.
As minhas fotos podem ser vistas em:
http://picasaweb.google.com/cainhas/ABELAEOMONSTROSintraDegradada#

Estas fotos foram enviadas para o Presidente da Câmara, por um amigo meu, ex-morador num destes prédios, com um comentário onde a determinado passo ele dizia; - que eventualmente aquela chamada de atenção não ia chegar-lhe às mãos filtradas por um, ou uma qualquer secretária, incumbida de lhe afastar estas chatices.

Não faz mal nenhum continuar a chamar a atenção de quem de direito, e que deveria tratar destas coisas, e as vai protelando indefinidamente. Estes prédios, e, agora refiro de habitação mas pertença camarária, se fossem mandados reparar, dariam concerteza com o seu aluguer, a preços de mercado actual para rentabilizar as reparações.
Situam-se bem perto da Zona do ex-mercado, actual Museu de História Natural (para quem não sabe, evidentemente).
Quero agradecer à pessoa que embora anonimamente, fez o favor de me esclarecer sobre o ex-mercado, elevando este fórum.

Anónimo disse...

Até nas suas fotos está uma do Museu (por fora), agora falta o interior ...