terça-feira, julho 30, 2013

História quase infeliz com patos


Era uma manhã  em que mãe pata e os seus pequenos filhotes, recentemente nascidos, usufruíam  do enorme lago que se forma durante o Verão na Várzea de Colares.

Blogue4Patosriodasmacas223072013e

A existência de peixe (bogas?),leva muitos pescadores com as sua canas de pesca a utilizarem aquele local para as suas pescarias. Naquele dia havia além dos patinhos e sua mãe, pescadores adultos e outro mais novo.


Blogue3Patosriodasmacas223072013d

A inexperiência ou talvez a pouca consciência do pescador mais novo, e a falta de noção do perigo do que os humanos são capazes, por parte dos inocentes patinhos - permitiu que o pequeno bando se aproximasse do local onde estava a linha do pescador. E aconteceu o que não era o que eu pretendia assistir -um dos patinhos engoliu o anzol, ficando preso à linha com o anzol no seu interior.

A  experiência do pescador mais velho, permitiu puxar com a cana de pesca o patinho para terra , mas  nesse momento a pata mãe,  faz um enorme voo por cima do muro, e ataca furiosamente quem estava a fazer tanto mal ao seu filhote. Após algum pânico, foi possível afastar a mãe pata de novo  para água para junto dos outros filhotes.


Blogue1Patoriodasmacas22072013b

Blogue6Patosriodasmacas223072013c

Então, o pescador mais velho com arte e algum saber, com ajuda de uma pequena varinha metálica conseguiu retirar da garganta (?) do pobre pato o anzol que o tinha pescado... e devolvê-lo à pata mãe aflita, que ao vê-lo de novo na água veio buscá-lo e levou-o, com os outros filhos, e até hoje não mais os vi.

Nota: Esta história felizmente com um fim menos triste do que as circunstâncias indicavam, passou-se no dia 22/07/2013, e a  mãe pata  exemplar, faz parte de um grupo  de 4 Patos Mudos, que escolheram o rio das Maçãs como seu habitat há alguns meses. Habitat de um enorme bando de patos Reais.

8 comentários:

Anónimo disse...

Ja que os meninos não têm cabeça para prever as consequências dos seus actos, talvez fosse bom proibir ali a pesca. Pobre patinho!

Fatyly disse...

Por isso eles andam tão desaparecidos e ainda bem que não assisti à esta cena que esse senhor havia de se entender com outra mãe enfurecido: eu!

Carlos José dos Santos disse...

Esta história felizmente teve um final felíz!
A natureza dá lições.
Isto sim é uma mãe de verdade, ao passo que nos humanos, bem recentemente, "pseudo-mães", largam fogo ao quarto onde estavam os seus filhinhos, e outros desmandos cruéis de completo desamor.

Fatyly disse...

Hoje não havia pato algum, avistei-os bem longe, mais para o lado dos bombeiros, pois haviam uns 6 pescadores-jovens-adolescentes no local que era deles.

Deveria ser proibido pescar ali, mas alguém quer saber disso?

pedro macieira disse...

Hoje passados tantos dias, nunca mais vi a exemplar pata e os seus patinhos no local do infeliz acidente com um dos seus filhotes.Mais um exemplo do cuidado e da percepção dos perigos que é conviver com os humanos.
Este caso deixou-nos triste, e com a indicação de que é incompatível as pescarias naquele local com a preservação do bando de patos reais e agora da família dos patos mudos que tanto alegra a Várzea de Colares - será necessário medidas no sentido de defender os patos e o seu habitat e proibir a pesca naquele local.
Abraços

Fatyly disse...

Que tristeza mas o caso irá mudar de figura...oh se irá!!!!!

Anónimo disse...

Felizmente o fotógrafo estava lá...
e o narrador deixa-nos um relato de uma tragédia com final (quase) feliz, porque eles não voltaram mais, por precaução.
"A MÂE CORAGEM", mãe pata, estremosa e previdente, merece bem que este episódio seja difundido por todo o lado, para que todos aprendam a não invadir o espaço que é dos outros.
Obrigado, Pedro.
J. Brás

pedro macieira disse...

João,
Passados estes dias em que fui testemunha deste triste acidente - e por um somatório de outras situações -considero que não deve ser permitido a pesca naquele local, porque coloca em perigo os patos que ali vivem, e não só.
Quanto à mãe pata e filhotes, continuam sem se deixar ver, até hoje.
Abraço