terça-feira, julho 14, 2015

A "Casa Camacho" no Banzão

Banzão314072015blog.jpg
A casa "Camacho" no Banzão, local onde se pretende fazer "nascer" um ALDI

A recente notícia da construção de uma loja da cadeia ALDI, no Banzão, local de paisagem protegida na área do Parque Natural Sintra-Cascais, surpreendeu e preocupou todos que consideram que aquela zona deveria ser preservada. A "Casa Camacho", embora actualmente não esteja ocupada, faz parte integrante da paisagem daquela zona, fronteira com o Pinhal da Nazaré - com arquitectura datada dos meados do séc XX,  envolvida por muitos pinheiros que não merecem o destino, que lhes foi destinado.

A construção  da loja ALDI, pretendida implicará o abate de dezenas de árvores e a demolição de uma vivenda com história, destruíndo a harmonia de um local de grande importância paisagística e arquitectónica.

Banzão714072015blog.jpg
Nº40 da Avenida Atlântico

A "Casa Camacho", do Banzão foi mandada construir pelo Professor Inocêncio Camacho Rodrigues, Governador do Banco de Portugal, 2 de Abril de 1911 – 30 de Junho de 1936, (Moura, São João Baptista, 23 de Maio de 1867 — Lisboa, Santos-o-Velho, 11 de Setembro de 1943.

O proprietário da "Casa Camacho", também explorava uma nascente de água minero-medicinal que possuía no Monte  Banzão, com origem numa nascente  do pinhal da Nazaré e canalizada para uma fonte (Fonte Maria), que  nos nossos dias  se encontra em ruínas. A água minero-medicinal,  do Monte - Banzão, era publicitada como a melhor água de mesa do país.

Banzão214072015blog.jpg
A linha do eléctrico, a avenida Atlântico, os pinheiros a harmonia do Banzão, local escolhido para a loja ALDI

Sobre às Águas minerais do Monte-Banzão de  Inocêncio Joaquim Camacho Rodrigues

"Em Colares existiram pelo menos três empresas de comércio de águas.
(...)
Quanto a esta última (Monte-Banzão), sabemos que em 19o5, foi pedida, por Joaquim Camacho Rodrigues, a concessão da água Mineral "Monte-Banzão". Esta água era engarrafada num anexo da casa do proprietário do Monte Banzão , através de um cano de ferro que ligava esse anexo ao poço. A água deixou de ser comercializada em 1913, por diminuição do caudal que se deveu a aluimentos de terras resultantes dos fortes abalos sísmicos de 1908"

De um texto do Prof. António Miranda

file405.jpeg
Padaria Flor - Monte Banzão -Actualmente o início da Avenida Atlântico no Alto Banzão

As Águas do Monte-Banzão, nas vésperas da Revolução de 1910
"A morte de Miguel Bombarda, dada a conhecer pela notícia afixadas em O Século, foi como chama que se espalha por Lisboa inteira e a incendeia. Espelhava-se nos rostos a máscara das horas graves, de quem espera um acontecimento grande. Vultos atarefados passavam, cosendo-se com as parede, transmintindo ordens. Os dirigentes republicanos não se vêem. Na manhã de 3 tinham reunido os oficiais comprometidos na Rua dos Correeiros, na Empresa das Águas do Monte Banzão, de Inocêncio Camacho."

Excerto de um texto de José Brandão -aqui

file404.jpeg
Anúncio publicado na rev. "Occidente" 1022 de 20 de Maio de 1907

Águas Minerais do Monte-Banzão Identificação -Monte-Banzão Indicações - Aparelho digestivo e rins (Contreiras,1951) Instalações
  - A emergência da água é no fundo de um poço que atravessa as areias (Acciaiuoli,1944) Fracamente mineralizada, radioactiva (Contreiras,1951) Sintra/Colares Alvará de concessão de 30/11/1906, abandonadas em 4/8/1937Bibliografia:Acciauioli 1944, Andrade 1906,Contreiras 1937, Contreiras 1951, Machado 1904,Pestana 1905.

A exploração é suspensa em 1913,  e em 12 de Maio de 1937, é requerido o abandono da exploração.

http://riodasmacas.blogspot.pt/2015/07/foi-voce-que-pediu-um-supermercado-aldi.html

https://pt.wikipedia.org/wiki/Inoc%C3%AAncio_Camacho

1 comentário:

Anónimo disse...

Excelente artigo. Mas alguém sabe a localização exacta da Fonte Maria? Será aquela mina de água abandonada que se vê no pinhal na Rua da Peregrinação (a uns 300 metros da Casa Camacho e mais ou menos por trás da capela de Fátima, mandada construir pelo arquitecto Rodrigues Lima e hoje também abandonada)?