segunda-feira, junho 07, 2010

Festas do Penedo e o Blogue

Photobucket
Declaração de interesses:
Tem este blogue como princípio não divulgar eventos onde se utilizem animais por puro divertimento, provocando-lhe sofrimento físico ou psíquico.
A existência de um regulamento Municipal, aprovado o ano passado , define claramente as regras de utilização de animais em espectáculos públicos:

“Através deste Regulamento, a Câmara de Sintra assume que o apoio institucional ou a cedência de recursos, por parte da autarquia, para a realização de espectáculos com animais fica condicionado pela não existência de actos que inflijam sofrimento físico ou psíquico, lesionem ou provoquem a morte do animal. A realização de espectáculos com fins comerciais, desportivos, beneméritos ou outros em que estejam envolvidos animais, respeita o disposto na Lei e nos Regulamentos Municipais, i.e., fica sujeita ao parecer prévio e vinculativo do Médico Veterinário Municipal.”

Razões, porque o programa das Festas em Honra do Espírito Santo a realizar na aldeia do Penedo, não preenche as condições para que neste blogue seja divulgado a sua programação.

9 comentários:

Anónimo disse...

Viva Pedro Macieira,

Compreendo e respeito a sua decisão e posição em relação à parte profana da festa com a qual não me identifico.

TEMOS MUITAS COISAS EM COMUM. vAMOS LUTAR PELAS ÁRVORES.

Idalina

Fatyly disse...

Também sou totalmente contra daí não assistir a festas dessas!

pedro macieira disse...

Idalina,
Obrigado pelo comentário. De facto temos opinião diferente, sobre a utilização de animais em divertimentos públicos. Temos e eu sei outras preocupações comuns, como as árvores de Sintra, também elas últimamente vítimas de podas bárbaras, com a cumpicidade da autarquia, que as devia proteger.
Um abraço

pedro macieira disse...

Fatyly,

O que se passa no Penedo é um renascimento de uma tradição bárbara, que não se coaduna com os tempos em que vivemos.

Em 1980 e 1981, estive no Penedo e fotografei tudo o que passava com a tal "Tourada a Corda" - o pobre animal é levado preso por cordas á volta da aldeia, rodeado por uma multidão de "aficionados", e no final (facto que espero que já não aconteça), era morto junto ao chafariz, com uma estocada, e içado e estripado, e desmanchado, sempre rodeado por grande multidão. O seu sangue escorria então pelas valetas, tornado o Penedo um cenário dificil de descrever.

No dia seguinte a carne do animal era cozinhada, e oferecida num bodo aos pobres da região.

Esta era a tradição que se pretende "reanimar" este ano. A morte do animal em público foi proibida por legislação posterior a 1981, e o ano passado foi aprovado pela autarquia sintrense, um Regulamento de protecção animal, que limita este tipo de acontecimentos e obriga à supervisão do gabinete veterinário a sua autorização.
Um abraço

Anónimo disse...

É uma autêntica vergonha o Penedo voltar a "ressuscitar" uma barbárie como esta! Numa altura em que cada vez mais Concelhos portugueses estão a abolir as touradas, Sintra volta a ficar denegrida por não respeitar as suas próprias leis, uma vez que tinha sido aprovado um regulamento municipal contra este tipo de torturas…

Estamos em pleno século XXI… Quando é que as pessoas vão perceber que existem certas tradições que deverão ser abolidas??

Tal como nós os touros são animais sencientes (com capacidade de sofrer ou sentir prazer ou felicidade), e todo o tipo de tortura ou humilhação pública deve ser evitado.

Respeitem os animais!!

Erica Macieira

Anónimo disse...

Convém que se informem antes de falar... pelo que sei, que me foi dito por uma pessoa que habita no Penedo, o boi não vai ser morto no local, mas sim num matadouro como qualquer outro.

Sendo assim, não vejo qual o problema de divulgar uma festa, de forma a trazer gente às nossas festas e assim arranjar algum dinheiro para ajudar as nossas colectividades.

Ana Domingos

pedro macieira disse...

Ana Domingos,
A questão que motiva a critica não é se o pobre animal será morto na via publica ou não...(o que acontecia anteriormente), mas a utilização de uma animal, para divertimento, provocando-lhe sofrimento.
Tenho uma reportagem fotográfica da minha autoria, efectuadas em 1980 e 1981 no Penedo durante a "tourada à corda", e não me podem dizer que animal percorre a aldeia com a maior felicidade, controlado pelas cordas e com grandes grupos de "aficionados" à sua frente...
È este espectáculo aberrante que eu critico, e em 2010, não é aceitável que se faça renascer "tradições", que já não se coadunam com a sociedade de valores dos nosso dias.Pior seria se se mantivesse o bárbaro espectáculo da sua morte, e esquartejamento ser feito como antigamente na via publica, junto ao chafariz com uma enorme "assistência" a testemunhar o acto.

A nível legal existe um "Regulamento de bem estar animal" aprovado o ano passado em Sintra, que na minha opinião proibe espectáculos em que produzam "sofrimento fisico ou psiquico", com exige que a entidade veterinária de Sintra o autorize. Também a morte do animal na via publica, foi posteriormente a 1981, proibida por legislação de ãmbito Nacional.

Estes são os motivos de não publicitar as Festas do Penedo, festas inseridas no culto do Espirito Santo , assunto que sempre me interessou, e de que já várias vezes referenciei neste blogue.
Cunprimentos

Anónimo disse...

Caro Pedro,

Admiro muito a sua postura. Tem coluna vertebral que é coisa que falta a muito boa gente do executivo camarário... e não só! Resta-nos o conforto de não termos contribuido para este "espectáculo" decadente, humilhante e que nos envergonha da nossa condição de "seres humanos". Bem-haja! Alexandra Pereira

pedro macieira disse...

Alexandra Pereira,
O lamentável espectáculo, aconteceu, como se previa, com o apoio implícito de Fernando Seara, cujo gabinete, assim como o Serviço Veterinário Municipal, não deu qualquer resposta, até hoje, aos meus pedidos de informação sobre o desrespeito pelo Regulamento de protecção animal, aprovado pela autarquia o ano passado.
Será com o degradante espectáculo que aconteceu no Sábado, o Penedo,e as suas Festas em honra do Espírito Santo, tem hoje melhor imagem pública?
Um abraço