segunda-feira, junho 07, 2010

Iminente a intervenção nos Plátanos junto à Adega Regional de Colares

Photobucket
Comunicado conjunto Árvores de Portugal /QUERCUS


A Quer­cus — ANCN e a Asso­ci­a­ção Árvo­res de Por­tu­gal, perante a imi­nên­cia de uma inter­ven­ção na ala­meda de plá­ta­nos situ­ada junto à Adega Regi­o­nal de Cola­res, no con­ce­lho de Sin­tra, vêm, atra­vés do pre­sente comu­ni­cado, cha­mar a aten­ção da popu­la­ção e das enti­da­des com­pe­ten­tes, para os seguin­tes pon­tos:
1) As asso­ci­a­ções em causa ape­lam a que a Estra­das de Por­tu­gal torne público o rela­tó­rio ela­bo­rado pelo Enge­nheiro Antó­nio Fabião, do Ins­ti­tuto Supe­rior de Agro­no­mia, para que sejam conhe­ci­dos, a pri­ori, quais os exem­pla­res que irão ser inter­ven­ci­o­na­dos e os moti­vos téc­ni­cos que jus­ti­fi­cam, caso a caso, essa mesma intervenção.

2) Como forma de tran­qui­li­zar todos os que se pre­o­cu­pam com as árvo­res em causa e com a segu­rança das pes­soas e bens que cir­cu­lam naquela via, alguns dos quais nos têm feito che­gar as suas inqui­e­ta­ções, seria útil que fosse escla­re­cido qual o tipo de for­ma­ção, na área da arbo­ri­cul­tura urbana, que pos­suem os fun­ci­o­ná­rios da empresa con­tra­tada para imple­men­tar a refe­rida intervenção.

Adi­ci­o­nal­mente, e não menos impor­tante, é a impe­ri­osa neces­si­dade da Estra­das de Por­tu­gal garan­tir que os tra­ba­lhos serão acom­pa­nha­dos pelo autor do citado estudo técnico.

3) As asso­ci­a­ções em causa rei­te­ram a sua con­fi­ança na ido­nei­dade do rela­tó­rio ela­bo­rado pelo Enge­nheiro Antó­nio Fabião, téc­nico que se tem nota­bi­li­zado, ao longo dos anos, pelas suas opi­niões con­tra as rola­gens e em favor de boas prá­ti­cas em arbo­ri­cul­tura urbana.

Pelo refe­rido no pará­grafo ante­rior, reforça-se o apelo a que os tra­ba­lhos se limi­tem ao estri­ta­mente neces­sá­rio para garan­tir a segu­rança de todos os uten­tes da via na qual se encon­tram os refe­ri­dos plá­ta­nos, bem como para pre­ser­var a saúde e monu­men­ta­li­dade deste con­junto arbóreo.

Dada a impor­tân­cia cul­tu­ral e pai­sa­gís­tica des­tas árvo­res, a Quer­cus — ANCN e a Asso­ci­a­ção Árvo­res de Por­tu­gal esta­rão par­ti­cu­lar­mente aten­tas ao evo­luir da ope­ra­ção, de modo a garan­tir que os tra­ba­lhos de manu­ten­ção não irão além do pre­co­ni­zado no men­ci­o­nado estudo téc­nico, cedendo a even­tu­ais pres­sões exte­ri­o­res. Desta forma, pretende-se evi­tar que possa ficar com­pro­me­tida, de forma irre­ver­sí­vel, a pos­si­bi­li­dade de esta impo­nente ala­meda vir a ser clas­si­fi­cada, pela Auto­ri­dade Flo­res­tal Naci­o­nal, como sendo de Inte­resse Público, tal como já foi reque­rido por alguns cidadãos.

Tendo em conta alguns casos recen­tes menos feli­zes, como o abate de plá­ta­nos em Azei­tão ou a rola­gem e o abate de árvo­res no con­ce­lho de Tran­coso, como ainda recen­te­mente denun­ci­ado pelas asso­ci­a­ções sig­na­tá­rias, esta­mos cer­tos que a Estra­das de Por­tu­gal e o seu Gabi­nete de Ambi­ente apro­vei­ta­rão este caso para repor a con­fi­ança dos cida­dãos, face à sua polí­tica de pre­ser­va­ção do patri­mó­nio arbó­reo sob sua responsabilidade.

Pela Direc­ção Naci­o­nal da Quer­cus — ANCN,
Ana Cris­tina Figueiredo

Pela Direc­ção da Asso­ci­a­ção Árvo­res de Por­tu­gal,
Pedro Nuno Tei­xeira Santos




Host unlimited photos at slide.com for FREE!
Post relacionado -Aqui

8 comentários:

Anónimo disse...

Muito preocupante... não me augura nada de bom!
E já há data prevista p/essa intervenção ?
sintrense

Pedro disse...

Dificilmente poderei lá estar a horas de serviço, mas dava jeito saber a data da intervenção.
Se não forem os cidadãos a estar presentes as "cautelas" aqui tão bem expressas, podem perder eficácia.

pedro macieira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
pedro macieira disse...

Quanto à data exacta do início da intervenção, ainda não é do nosso conhecimento- logo que exista qualquer informação sobre o assunto, tentarei divulgar o mais rápidamente que for possivel.
Abraços
Ps:
Será conveniente até lá fazer fotos das plátanos como se encontram agora, de forma que a equipa que irá fazer intervenção se sinta "vigiada" e limite a sua actuação ao estritamente necessário.

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Boa noite,

A Árvores de Portugal desconhece quando se dará o início da intervenção, apenas sabemos que ela está iminente porque a Autoridade Florestal Nacional decidiu "congelar" a decisão de classificar as árvores, até ver os resultados desta intervenção.

O que o nosso comunicado pretende é colocar o máximo de pressão, através da exposição mediática deste caso, sobre todas as entidades envolvidas, nomeadamente a Estradas de Portugal, a RapaMato (empresa contratada para fazer a intervenção) e o Eng. António Fabião, do Instituto Superior de Agronomia, que fez o estudo fitossanitário e de sustentabilidade das árvores.

Queremos acreditar que uma das pessoas que mais horas tem dedicado a denunciar as podas bárbaras que ocorrem no nosso país, como é o caso do Eng. Fabião, não daria o seu aval técnico a uma arboricídio.

Mas sabemos que poderão existir pressões, nomeadamente do poder autárquico local, para que a intervenção vá além do estritamente necessário. É por isso que apelamos a todos os cidadãos interessados neste assunto que, mais do que divulgar este comunicado, reforcem as nossas preocupações junto da Estradas de Portugal e da Junta de Freguesia de Colares. Uma das maneiras de os pressionar é pedindo que o relatório seja tornado público, o que pode evitar que a intervenção no terreno desrespeite o que consta do mesmo.

E já nem falo da organização de uma sessão pública de esclarecimento, para explicar os objectivos desta intervenção à população de Colares, pois os poderes públicos e privados, no nosso país, não estão educados para respeitar os cidadãos.

Como diz, e bem, o Pedro Macieira, a captação de imagens da intervenção pode ajudar e muito, uma vez mais, pela pressão que se cria sobre a extensão da intervenção.

Obrigado a todos.

Cumprimentos.

Francisco Figueiredo disse...

Bom dia a todos,

Considero uma intervenção nos plátanos, ponderada e bem arquitectada, essencial. Trabalho há alguns anos na Adega Regional de Colares e todos os anos os estragos provocados pelos plátanos no telhado são enormes (basta vento um pouco mais forte para a queda de trancos ser uma realidade-quebra de telhas, entrada de água, etc.). Não sou a favor de uma poda severa, do tipo "camarária". Como ex-aluno da cadeira de silvicultura do Instituto Sup. de Agronomia, leccionada pelo Eng. Fabião, sei que o Eng. era também totalmente contra. Penso que a obra está em boas mãos se, como penso que é o caso, tem a coordenação do Prof. Fabião. Sei também, que uma intervenção moderada é essencial.

Cumprimentos a todos,
Francisco Figueiredo

Anónimo disse...

Acho que vale a pena ver:
http://www.youtube.com/watch?v=QlpB3PKZ9pU
sintrense

Miguel Rodrigues disse...

Caro Francisco

Na Árvores de Portugal, a nossa primeira preocupação é com as pessoas. Evidentemente, se há estragos provocados por parte da ramagem das árvores, a copa poderá ser reduzida, ainda que com o cuidado de manter o equilíbrio dinâmico desta.

O que nos preocupa são as pressões do poder autárquico, também ele pressionado por cidadãos mal informados, que pretendem a remoção ou rolagem destes plátanos.

Ao que o Pedro Santos referiu, acrescento a possibilidade de as pessoas se organizarem e estarem presentes, em número significativo, durante a toda intervenção. Claro que as fotografias serão uma mais valia. Tudo para que quem for executar sinta que as pessoas estão atentas e se sintam vigiados.

Mas tudo isto será muito mais difícil de fazer sentido se a EP ou o ISA não publicarem o relatório da avaliação feita.